Captain Toad: Treasure Tracker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Captain Toad: Treasure Tracker
Capa norte-americana do jogo
Desenvolvedora(s) Nintendo Entertainment Analysis & Development[1]
1-UP Studio[2]
Publicadora(s) Nintendo
Diretor(es) Shinya Hiratake[3]
Produtor(es) Koichi Hayashida[3]
Plataforma(s) Wii U
Série Mario (spin-off)[4]
Data(s) de lançamento
  • JP 13 de novembro de 2014[5]
  • AN 5 de dezembro de 2014[6]
  • RU 21 de dezembro de 2014[7]
  • EU 2 de janeiro de 2015[8]
  • AU 3 de janeiro de 2015[9]
  • IT 9 de janeiro de 2015
Gênero(s) Plataforma em 3D e quebra-cabeça
Modos de jogo Um jogador
Classificação Permitido para todas as idades i DEJUS (Brasil)
Inadequado para menores de 6 anos i ESRB (América do Norte)[10]
Inadequado para menores de 3 anos i PEGI (Europa)

Captain Toad: Treasure Tracker (em japonês: 進め! キノピオ隊長, Susume! Kinopio-taichō?) é um jogo eletrônico de quebra-cabeça e plataforma em 3D publicado pela Nintendo para o Wii U. É uma extensão dos níveis de Super Mario 3D World que envolviam o personagem Captain Toad, cuja principal característica era sua incapacidade de pular.[13] Foi lançado em novembro de 2014 no Japão,[5] dezembro de 2014 nos Estados Unidos[6] e janeiro de 2015 na Europa e na Austrália,[8][9] apesar de ter sido encontrado em lojas do Reino Unido já em dezembro de 2014.[7] O jogo não foi trazido oficialmente ao Brasil por causa da suposta baixa demanda.[14] Também sorte em você lançado do Itália em 9 de janeiro de 2015.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

No começo do desenvolvimento de Super Mario 3D World, houve um teste de estágios em forma de diorama,[3] resgatando o conceito de mundos contidos em estruturas compactas de Super Mario 64.[13] Entretanto, percebeu-se que a habilidade de pulo de Mario faria com que os níveis ficassem demasiadamente grandes. Com isso, houve a ideia de se usar o personagem Link da série The Legend of Zelda, que foi submetida a Shigeru Miyamoto mas recusada.[3] No entanto, Miyamoto acreditou no potencial do conceito e permitiu que fosse incorporado em Super Mario 3D World. Shinya Hiratake, que depois seria diretor de Treasure Tracker, lembrou-se do personagem Captain Toad de Super Mario Galaxy. Como carregava uma mochila pesada, não conseguiria pular e se encaixaria na proposta.[15] 3D World acabou tendo seis níveis nesse estilo.[16] Depois do lançamento do jogo de Mario, Miyamoto incentivou o time a trabalhar em um título próprio de Captain Toad.[15] Treasure Tracker foi anunciado na E3 de 2014.[17]

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Exemplo de nível. Captain Toad está à direita com a lanterna acesa, próximo de uma Super Gem e de uma plataforma ativada pelo sopro. As alavancas azuis ao centro elevam as estruturas abaixo delas. A Power Star encontra-se na parte mais alta.

O jogador usa o GamePad para controlar Captain Toad ou Toadette e consegue andar, correr, movimentar a câmera (que fica totalmente a cargo do jogador),[18] dar zoom e ligar ou desligar uma lanterna que é carregada na cabeça.[19] Para poder progredir sem pular, muitas vezes é necessário usar mecanismos como alavancas, válvulas, botões, a touch screen do controle ou ventiladores ativados pelo sopro para realizar ações como elevar, abaixar ou girar estruturas, mover plataformas, abrir portas e controlar o nível da água.[20][21][22] Também existem itens como nabos para atacar inimigos, a Double Cherry, que cria um clone do personagem, e a Super Pickax, picareta temporária capaz de quebrar blocos.[19][20]

Cada fase tem uma estrela dourada (Power Star) necessária para completá-la e três diamantes (Super Gems) opcionais mas exigidos em certas quantidades para desbloquear níveis posteriores, além de um objetivo bônus, que pode ser por exemplo coletar um número de moedas, não receber dano ou encontrar um cogumelo escondido.[16][19] Foi anunciado que em 20 de março de 2015 será disponibilizada uma atualização que permitirá conectar o Amiibo de Toad ao jogo para que os estágios tenham também o desafio de encontrar uma versão "8 bits" do personagem escondida.[23]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O jogo foi geralmente bem recebido pela crítica, atingindo médias de 81% no Metacritic e nos GameRankings.[24][25] O IGN classificou-o como "um dos jogos de quebra-cabeça mais inteligentes e encantadores de 2014", mas se decepcionou com o controle da câmera pelo giroscópio e limitações dos menus.[18] Na eleição de melhores de 2014 do portal, o jogo foi o vencedor na categoria de quebra-cabeça pela escolha do público,[26] mas ficou atrás de Monument Valley na escolha da crítica.[27] O GameTrailers enalteceu os "belos visuais que dão exemplo do que o Wii U é capaz de produzir", a variedade do level design e o bom ritmo de aumento de dificuldade, embora tenha levantado problemas na câmera em raras situações.[28] O GamesRadar elogiou o estilo artístico, mas alegou haver baixa dificuldade em algumas partes, pouca quantidade de conteúdo que não justificaria um lançamento físico e falta da experimentação e improvisação típicas dos jogos da série Mario.[29] O site brasileiro Info mencionou a diversidade dos quebra-cabeças, a abrangência do título a vários tipos de público e o bom acabamento artístico, mas criticou o uso do giroscópio para controle da câmera, a inexistência de um modo multijogador e a falta de um botão para reiniciar a fase rapidamente.[30]

Referências

  1. Stephen Totilo (5 de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker: The Kotaku Review» (em inglês). Kotaku. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  2. «Nintendo teve ajuda da 1-Up Studio no desenvolvimento do game Captain Toad: Treasure Tracker». GameVicio. 16 de novembro de 2014. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  3. a b c d Thomas Whitehead (9 de dezembro de 2014). «Interview: Captain Toad: Treasure Tracker's Developers Talk Over Origins and the Contents of Toad's Backpack» (em inglês). Nintendo Life. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  4. Jeremy Parish (23 de junho de 2014). «Does the World Need Another Mario Spin-off? Yes, When It Stars Captain Toad» (em inglês). USgamer. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  5. a b «進め!キノピオ隊長» (em japonês). Nintendo do Japão. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  6. a b Luke Karmali (7 de outubro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker US Release Date Announced» (em inglês). IGN. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  7. a b David Scammell (18 de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker is available now in the UK» (em inglês). Videogamer.com. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  8. a b Liam Doolan (5 de novembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker Now Launching In Europe On 2nd January 2015» (em inglês). Nintendo Life. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  9. a b «Captain Toad: Treasure Tracker» (em inglês). Nintendo da Austrália. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  10. «Captain Toad: Treasure Tracker» (em inglês). ESRB. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  11. Tom Phillips (14 de julho de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker is the best Nintendo spin-off in years» (em inglês). Eurogamer. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  12. Joey Davidson (1º de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker Review – Puzzling Fun» (em inglês). Seção 'Control Method Nitpicks'. TechnoBuffalo. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  13. a b Danielle Riendeau (17 de novembro de 2014). «Super Mario, minus the jump: the making of Captain Toad: Treasure Tracker» (em inglês). Polygon. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  14. Sérgio Estrella (28 de novembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker (Wii U) não chegará ao Brasil». Nintendo Blast. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  15. a b Thales Nunes Moreira (15 de novembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker originalmente era um Zelda; detalhes». Wii U Brasil. Consultado em 25 de fevereiro de 2014 
  16. a b Gustavo Vitor Barbosa Bomfim. «Análise › Captain Toad: Treasure Tracker». Wii U Brasil. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  17. Marty Sliva (10 de junho de 2014). «E3 2014: Captain Toad's Treasure Tracker Coming to Wii U» (em inglês). IGN. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  18. a b Marty Sliva (1º de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker Review» (em inglês). IGN. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  19. a b c «Manual europeu de Captain Toad: Treasure Tracker» (PDF) (em inglês). Nintendo of Europe. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  20. a b Jaime Ninice (22 de dezembro de 2014). «Análise: Captain Toad: Treasure Tracker (Wii U) reúne muitos puzzles e diversão em dose tripla». Nintendo Blast. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  21. Chad Sapieha (1º de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker review: An absolute delight and one of the best games of the year» (em inglês). Financial Post. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  22. Gabriel Zamora (22 de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker (for Wii U) Review & Rating» (em inglês). PC Magazine. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  23. Andrew Reiner (14 de janeiro de 2015). «Here's What Toad's Amiibo Does In Treasure Tracker» (em inglês). Game Informer. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  24. «Captain Toad: Treasure Tracker for Wii U Reviews» (em inglês). Metacritic. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  25. «Captain Toad: Treasure Tracker for Wii U» (em inglês). GameRankings. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  26. «People's Choice Winner: Captain Toad: Treasure Tracker» (em inglês). IGN. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  27. «Winner: Best Puzzle: Monument Valley» (em inglês). IGN. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  28. Michael Damiani (2 de dezembro de 2014). «Captain Toad's Treasure Tracker - Review» (em inglês). GameTrailers. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  29. Matthew Castle (1º de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker review» (em inglês). GamesRadar. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  30. Rodrigo Guerini (18 de dezembro de 2014). «Captain Toad: Treasure Tracker». Info. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]