The Legend of Zelda (série)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Legend of Zelda
Desenvolvedora(s) Nintendo
Distribuidora(s) Nintendo
Criador(es) Shigeru Miyamoto
Takashi Tezuka
Eiji Aonuma
Plataformas Nintendo Entertainment System
Game & Watch
Super Nintendo Entertainment System
Super Nintendo Entertainment System
Game Boy
Nintendo 64
Game Boy Color
Game Boy Advance
Nintendo GameCube
Nintendo DS
Wii
Nintendo 3DS
Wii U
Gênero(s) Ação-Aventura
Primeiro título The Legend of Zelda
Último título Tri Force Heroes
Página oficial Zelda Universe
Portal Portal de jogos eletrônicos

The Legend of Zelda (ゼルダの伝説, Zeruda no Densetsu?, lit. "A Lenda de Zelda"), é uma série de jogos eletrônicos da Nintendo criada em 1986 por Shigeru Miyamoto e Takashi Tezuka. Os jogos se passam no reino de Hyrule, num ambiente de fantasia. A jogabilidade mistura aventura e ação com elementos diversos. A série é muito apreciada por suas tramas complexas, quebra-cabeças, jogabilidade e pela superprodução.

O protagonista é o jovem herói, Link, cuja missão é proteger o reino de Hyrule e a Triforce, a relíquia deixada pelas Deusas criadoras do mundo, capaz de realizar desejos trazendo ao mundo uma era de harmonia e prosperidade, mas que também poderia destruí-lo caindo em mãos erradas. Cada um dos triângulos tem uma virtude diferente, sendo elas, Coragem, Sabedoria e Poder. O principal antagonista da série é Ganon(Ganondorf Dragmire). Porém conforme o tempo que os jogos foram evoluindo, se estabeleceu na mitologia, uma grande guerra contra o mal, trazendo novos vilões a tona.

Lista de jogos[editar | editar código-fonte]

Série The Legend of Zelda
(Cronologia Fictícia)

A Lenda dos Deuses &
do Herói do Tempo

Skyward Sword
The Minish Cap
Four Swords
Ocarina of Time


Declínio de Hyrule &
O Último Herói

A Link to the Past
Oracle of Ages/Seasons
Link's Awakening
A Link Between Worlds
The Legend of Zelda
Adventure of Link


O Mundo das Trevas &
Os Descendentes do Herói

Majora's Mask
Twilight Princess
Four Swords Adventure


O Herói do Vento &
Um Novo Mundo

Wind Waker
Phantom Hourglass
Spirit Tracks


Outros[editar | editar código-fonte]

  • A Philips, durante o acordo para construir um acessório de CD para o Super SNES, conseguiu os direitos da série e lançou três jogos Zelda para seu console CD-i (um recorde de Zeldas em uma plataforma, igualado apenas pelo Game Boy Color, o GameCube e - se considerados os remakes - o GBA): Link: The Faces of Evil (1993), Zelda: The Wand of Gamelon (1993) e Zelda's Adventure (1995), os 3 sem participação da Nintendo. São considerados bem inferiores em relação a série "oficial", e receberam muitas criticas baixas dos fãs da franquia.
  • O Satellaview, periférico do SNES lançado só no Japão, teve versões do Zelda original (BS Zelda, 1995) e A Link to the Past (BS Zelda: Kodai no Sekiban, 1997) estreladas pelo mascote do acessório, um garoto de boné.
  • Uma versão expandida de Ocarina of Time para o acessório Nintendo 64DD (Disk Drive) foi planejada, mas cancelada. Fora lançado em 2003 para o GameCube, com o nome The Legend of Zelda: Ocarina of Time Master Quest. Nos EUA, foi brinde para os que haviam pedido prévio de Wind Waker. Na Europa, vinha junto com Wind Waker.
  • Em 2003 foi lançado para o GameCube The Legend of Zelda: Collector's Edition, como brinde na compra do console e para membros de clubes da Nintendo e novos assinantes da revista Nintendo Power e Nintendo World. O disco contém emuladores e os ROMs do primeiro Zelda, Adventure of Link, Ocarina of Time, Majora's Mask e um demo de 20 minutos de Wind Waker.
  • Um Game & Watch fora lançado em 1989, com 2 telas, semelhante ao Nintendo DS. É um plataforma inspirado em Adventure of Link. Em 2002 foi incluído em Game & Watch Gallery 4 para o GBA.

Em outros jogos[editar | editar código-fonte]

  • A série Super Smash Bros. já incluiu 3 personagens de Zelda, Link (no original, em Super Smash Bros. Melee e Super Smash Bros. Brawl; Melee também inclui o Link criança de Ocarina, e Brawl, o Link de Wind Waker), Zelda e Ganondorf (em Melee e Brawl; Zelda pode se transformar em Sheik). 7 cenários da série viraram arenas (Hyrule Castle no original, Hyrule Temple e Great Bay em Melee, Pirate Ship e Bridge of Eldin no Brawl' e em SSB4), e Skyloft em SSB4. Varios itens vem da série (o Heart Container em todos, o Bunny Hood dos jogos do N64 em Melee e Brawl, e as Deku Nuts em Brawl) , Tingle é um Trophy em Melee e Brawl Midna e Ghirahim como Assist Trophy em SSB4, além de Fairy Bottles, Beetle e Gust Bellows.
  • Soul Calibur II para GameCube incluiu Link como personagem exclusivo (nos outros consoles foram Spawn e Heihachi Mishima).
  • Minigames baseados em Zelda aparecem na série Wario Ware, Inc..

História[editar | editar código-fonte]

NES[editar | editar código-fonte]

The Legend of Zelda, o primeiro capítulo da saga de Link, é lançado no Japão com o nome The Hyrule Fantasy: Zelda No Densetsu. O game não foi lançado em cartucho, e sim na forma de disquete, para rodar no Famicom Disk System, acessório do Famicom que foi lançado somente no Japão.

The Legend of Zelda foi lançado nos Estados Unidos para o console Nintendo Entertainment System (NES). Foi o primeiro game da Nintendo a ultrapassar a marca de um milhão de unidades vendidas na América (excetuando Super Mario Bros., que já vinha com o console), e o primeiro jogo da história a possuir chip interno para salvar jogos. O jogo foi lançado em duas versões de cartuchos: uma dourada e outra cinza. A dourada foi lançada com um número de cópias limitada. Chegou a vender mais de 6,5 milhões de unidades pelo mundo todo. O jogo vinha com um guia de ajuda, neste guia continha: parcialmente um mapa principal, mapas das seis primeiras dungeons, dicas e descrições dos monstros.

Em 1988, foi lançada a continuação, Zelda no Densetsu: Rinku no Bouken (Zelda II: The Adventure of Link), no Japão, também exclusivamente para o Famicom Disk System. O jogo mudava o esquema do game anterior, com visão lateral em vez de superior e elementos de jogo plataforma, apesar de desagradar alguns dos fãs do original, ultrapassou a marca de 4,3 milhões de unidades vendidas mundialmente.

A Nintendo proibiu as revistas de fazerem detonados por um determinado tempo, fazendo o jogo ficar mais desafiador.

The Adventure Of Link[editar | editar código-fonte]

Diferentemente do primeiro Zelda, apesar de haver um mapa, as batalhas se passavam em visão lateral. O mapa desse jogo é o considerado mais complexo das primeiras series, o jogo também continha uma historia bem trabalhada e contava com um sistema de evolução, conquistado ao matar monstros.[1] [2]

Super Nintendo[editar | editar código-fonte]

The Legend of Zelda: A Link to the Past (Zelda No Densetsu: Kamigami No Triforce), lançado em 1991 é um dos jogos mais populares do console. Esse foi também o primeiro jogo da série no qual havia 2 mundos diferentes (Dark World e Light World) e viajar entre eles era obrigatório para abrir passagens. O sistema de 2 mundos é muito copiado ultimamente, em jogos como Metroid Prime 2: Echoes. Foi um dos títulos mais vendidos do SNES, com mais de 4,5 milhões de cartuchos pelo mundo.

Game Boy & GBA[editar | editar código-fonte]

  1. O primeiro Game Boy, é lançado no Japão e nos Estados Unidos em 1993. Mais tarde é lançada para o Game Boy Color uma versão atualizada , intitulada T000 Oracle of Seasons e Oracle of Ages, em conjunto com a Capcom. Pretendia se fazer uma "Tri-Force Series", um conjunto de 3 jogos.

Em janeiro de 2005 foi lançado para o GBA The Legend of Zelda: The Minish Cap, com gráficos cartunescos ao estilo de outro jogo da série: The Legend of Zelda: The Wind Waker. Nesse jogo, o protagonista Link encolhe a um tamanho minúsculo para conhecer uma raça de duendes chamados Minish.

Nintendo 64[editar | editar código-fonte]

No final de 1998, Zelda chega para o Nintendo 64. The Legend of Zelda: Ocarina of Time é lançado mundialmente, recebe aclamação crítica e torna-se rapidamente o game mais vendido do ano de 1998. Até hoje é considerado por muitos como um dos melhores jogos de todos os tempos, e foi o primeiro jogo a tirar nota máxima nos sites das revistas IGN e Famitsu, conhecidos pelo rigor. O jogo inovou na época ao apresentar uma história mais épica, um sistema de variação entre dia e noite e um sistema de mira chamado Z-Targeting, que permitia ao jogador travar a mira em um inimigo ou objeto.

Em 2000, The Legend of Zelda: Majora's Mask é lançado. Sua história, apesar de ser uma continuação do jogo anterior(para quem viu o final do jogo anterior, acaba com o Link falando com Zelda), tem uma trama diferente (um dos únicos jogos da série em não se basear em Zelda e a Triforce), no qual Link tem 72 horas para impedir que a Lua se choque com Termina, um reino diferente de Hyrule, mas com pessoas muito semelhantes. Esse era um dos poucos games do Nintendo 64 a ser obrigatório o uso do Expansion Pack que adicionava 4MB extra de Ram para melhoria dos gráficos, o jogo apresentava um aspecto mais sombrio e em alguns casos, chegava a ser assustador.

Game Cube[editar | editar código-fonte]

Em 2000, é apresentado na Space World (feira de games que acontece todo ano no Japão), um curto vídeo contendo imagens do Zelda para o Nintendo GameCube, na cena temos um Link realista, rico em detalhes a duelar com um Ganondorf. Nenhum detalhe sobre o jogo foi apresentado. Algum tempo depois, o novo Zelda para Game Cube é verdadeiramente revelado. O jogo causa muito impacto (na maioria negativo), por apresentar o inverso do visto anteriormente, em vez do Link realista, um jogo que apresentava um visual completamente cartunesco, como um grande desenho animado, fruto do trabalho com filtro cel-shading.

Em dezembro de 2002, o jogo é lançado no Japão, batizado de The Legend of Zelda: The Wind Waker, que consegue conquistar o público que de inicio havia repudiado seu visual. O game chegou nas Américas no início de 2003.

Já na E3 2004 a Nintendo anuncia que fará um Zelda verdadeiramente realista, semelhante a Ocarina Of Time. The Legend of Zelda: Twilight Princess causou um grande impacto entre os fãs da série quando mostrado em vídeo pela primeira vez. O jogo também ganhou uma versão para o Wii. Foi lançado no final de 2006.

Nintendo DS[editar | editar código-fonte]

Em Março de 2006, a Nintendo anunciou na Game Developers Conference o primeiro Zelda para o portátil Nintendo DS, The Legend of Zelda: Phantom Hourglass, estava marcado para algum período no mesmo ano. Foi adiado e lançado em julho de 2007 no Japão e em outubro nos EUA. A história continua após Wind Waker, com Tetra (o nome da Princesa Zelda enquanto pirata) capturada por um navio assombrado, portanto Link deve salvá-la cruzando mares e derrotando criaturas.

Na GDC de 2009, foi anunciado um novo Zelda para DS, 'The Legend of Zelda: Spirit Tracks. Com o mesmo estilo gráfico de Phantom Hourglass, o jogo é o primeiro da série a incluir trens, com Link se movendo em um trem, podendo atirar com um canhão.

Wii[editar | editar código-fonte]

Em 2005, davam-se notícias de que o console sucessor do GameCube, codenomeado "Revolution", teria um modo de jogabilidade especial com Twilight Princess. Mas na E3 de 2006, a Nintendo anunciou que o console, batizado Wii (antigo Revolution), teria sua própria versão de Twilight Princess, que foi lançada juntamente com o console em 19 de Novembro de 2006. O jogo de imediato se tornou o mais vendido do console, com uma proporção de 1 jogo em cada 4 compradores de Wii no lançamento do console nos EUA; a crítica também aclamou o jogo.

Durante a E3 2008, Shigeru Miyamoto afirmou que a série Zelda precisa de novas idéias, e que a equipe de produção está trabalhando nisso. Novos jogos para o Wii e DS estão em desenvolvimento.

O novo título de Wii foi anunciado na E3 de 2010, chama-se The Legend of Zelda: Skyward Sword e foi lançado em 2011. A maior novidade deste título é o fato de aproveitar ao máximo o Wii MotionPlus, em que poderemos controlar a espada, escudo e outros equipamentos tal como se estivéssemos a segurá-los na realidade, coisa que não acontecia em Twilight Princess do mesmo console, em que a jogabilidade era muito semelhante aos das outras consolas.[3]

Wii U[editar | editar código-fonte]

Em 2014, foi lançado Hyrule Warriors para o Wii U que é uma fusão de Dinasty Warriors com a série Zelda. Na E3 2014, foi anunciado um novo The Legend of Zelda, que não tem nome ainda. Esse novo jogo será mundo aberto, utilizará o GamePad para atirar e terá um mapa gigante, como promete a produtora. No "The Game Awards" de 2014, foi apresentado um gameplay do jogo.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

A cronologia sempre foi um ponto de debate entre os fãs da série. Entretanto, alguns episódios fizeram que alguns pontos são aceitos pela maioria dos fãs. Certamente, existem vários Links, em tempos diferentes que são encarregados de salvar Hyrule. Em 2011,em comemoração dos 25 anos da série,a Nintendo lançou o livro '''Hyrule Historia'''[4] ,nele a cronologia oficial da série é revelada.

A historia de The Legend of Zelda começa em Skyward Sword, onde mostra que Link é de um reino acima das nuvens chamado de Skyloft e mostra a origem de sua espada a Master Sword, que foi criada por Zelda para que Link derrotasse o vilão Demise. Depois de seus acontecimentos um reino é criado e chamado de Hyrule. Em seguida a historia é feita pelo jogo The Minish Cap que conta a origem de Vaati, o vilão de Four Swords que é o próximo jogo da linha do tempo oficial da serie. No jogo Link tem que ir atrás de Vaati que capturou a princesa Zelda. Com isso Link conta com a ajuda da Four Sword, uma espada que transforma ele em 4 versões de si mesmo (verde, vermelho, azul e roxo). Após os acontecimentos de Four Swords chegamos a Ocarina of Time. No jogo Link tem que impedir que Ganondorf pegue a Triforce, e para isso Link tem que buscar as três relíquias que juntas dão acesso ao Temple of Time onde está a Master Sword. Esses acontecimentos acabam arruinando Hyrule, então Link viaja entre dois tempos para acordar os 7 sábios e então conseguir forças para derrotar Ganondorf.

Ao final de Ocarina of Time é criada 3 linhas do tempo diferentes. Na primeira, Link não derrota Ganondorf. Em outra, Link derrota Ganondorf e continua no mesmo tempo que estava. E na última, Link derrota Ganondorf e é enviado de volta ao seu tempo original.

Na primeira linha do tempo a historia passa anos depois de Ganondorf derrotar Link e ser banido pelos sábios. Nisso temos A Link to the Past que conta centenas de anos depois de Ganondorf ser banido. O Grande Mago Agahnim capturou as descendentes dos sete sábios e a princesa Zelda. Nisso Link descobre que Ganondorf achou a Triforce e virou Ganon e esta ganhando forças para governar Hyrule. Após isso, a linha do tempo segue com o jogo A Link Between Worlds, onde Link tem que impedir que Yuna use a Triforce para governar o mundo reverso de Hyrule, Lorule, após os grandes sábios terem destruído a Triforce de lá. Depois da derrota de Yuna a historia segue para Oracle of Seasons onde Link tem que impedir que o monstro Onox use os poderes de Din para abrir um portal em Holodrum. Em seguida vem Oracle of Ages onde Link tem que impedir que Veran uses os poderes de Nayru para abrir um portal em Labrynna. Conectando os jogos Oracle of Ages e Oracle of Seasons, é descoberto que Twinrova tinha pego as Chamas do Tempo de Veran e Nayru, após suas mortes, para ressuscitar Ganon. Em seguida temos Link's Awakening. Depois de derrotar Ganon, Link vai em busca de aventura mas uma tempestade ataca seu barco, então ele vai para numa ilha desconhecida por ele e ninguém da ilha sabe dizer onde fica Hyrule. Então Link procura pelo Wind Fish, um peixe visto em lendas que realiza desejos, para tentar voltar para Hyrule. Depois a historia continua com o primeiro jogo da serie The Legend of Zelda. Após voltar a Hyrule, Ganon ressuscitou e espalhou a escuridão pelo reino e Link tem que derrota-lo e salvar Hyrule do seu poder. Após a derrota final de Ganon a princesa Zelda desaparece misteriosamente e Link descobre que o resto da escuridão de Ganon virou o Dark Link, uma versão sombria de Link então Link tem que derrotar Dark Link e salvar a princesa com o poder da Triforce.

Na segunda linha do tempo a historia de Link continua em Majora's Mask. Nesse jogo Link tem 3 dias para impedir que a Máscara de Majora colida a Lua com a Terra. Então ele conta com a ajuda de máscaras de diferentes espécies. Alguns fãs acreditam que neste jogo Link estaria morto e todo a saga do herói seria uma forma de aceitar sua morte e seguir em frente, o porque dele encontrar tantos personagens idênticos ao de Ocarina of Time. Logo depois a linha do tempo continua com Twilight Princess. No jogo, Link é enfeitiçado e vai parar um reino chamado Twilight Realm e é transformado em um lobo. Lá uma criatura chamada Midna guia Link até a Princesa Zelda, que explica que Zant, o Rei do Crepúsculo, roubou a luz dos Três Espíritos, para conquistar Hyrule, mas que na verdade ele tentou ressuscitar Ganandorf, para que ele pudesse matá-lo para que sua maldição acabasse. Por ultimo ocorre a historia do jogo Four Swords Adventures que se passa 100 anos depois da morte de Ganondorf. Onde Link tem que derrotar Ganon, que enganou Vaati para que ele pudesse ter o poder das sete sábias, para isso Link conta novamente com a ajuda da Four Sword, com ela Link tem que libertar as sete sabias de suas prisões, para conseguir banir Ganon da existência.

Na última linha do tempo a historia acontece centenas de anos depois da destruição de Hyrule em The Wind Waker; nele Link tem que derrotar o espirito de Ganon que se escondeu pelas nuvens e atacou um reino distante. Depois desses eventos temos o jogo The Phantom Hourglass. Nele Link tem que derrotar Bellum mas para isso Link precisa achar a Phantom Sword, a unica arma capaz de derrotar fantasmas. Depois temos o jogo Spirits Tracks. Nele Link tem que derrotar o espirito do mal Malladus de conquistar Hyrule, nisso Link tem que encontrar fantasmas que saibam onde esta o Trem Demoníaco que é a unica maneira de encontrar Malladus.

Referências

  1. Zelda Brasil.
  2. Game Faqs (em Inglês).
  3. Chris Watters (15 Junho 2010). The Legend of Zelda: Skyward Sword Hands-On GameSpot CBS Interactive Inc.. Visitado em 10 Agosto 2010.
  4. http://www.nintendoblast.com.br/2011/12/seria-esta-linha-do-tempo-oficial-de.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]