Caso oblíquo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Pronome pessoal do caso oblíquo" redireciona para este artigo. Para o tipo de pronome, veja Pronome pessoal.

O caso oblíquo ou caso objetivo é uma classificação de caso gramatical, usada genericamente para qualquer caso que não seja o nominativo em idiomas que expressam função gramatical mediante flexão.[1] O termo caso objetivo é frequentemente utilizado por gramáticos da língua inglesa para descreverem as marcações remanescentes no idioma (e.g. him, whom, her), derivadas do acusativo e dativo do inglês antigo ao longo do período médio.[2][3] O francês antigo e o occitano antigo tiveram desenvolvimentos semelhantes a partir do latim, hoje chamados de caso regime.[4].

Em português[editar | editar código-fonte]

No português existem os seguintes pronomes pessoais do caso oblíquo, contrastados com os nominativos chamados de "caso reto".[5]

Caso reto Caso oblíquo
Oblíquo átono Oblíquo tônico
eu me mim comigo
tu te ti contigo
ele o ele, lhe ele consigo
se si
ela a ela, lhe ela consigo
se si
nós nos nós conosco
vós vos vós convosco
eles os eles, lhes eles consigo
se si
elas as elas, lhes elas consigo
se si
Função: Objeto direto Dativo Objeto indireto Comitativo

Os pronomes oblíquos átonos "me", "te", "nos", "vos", "o", "os", "a", "as" e "se" indicam o objeto direto e seguem regras de colocação pronominal para determinar sua colocação em relação ao verbo.

Os pronomes oblíquos tônicos "mim", "ti", "nós", "vós", "ele", "eles", "ela", "elas" e "si" são usados a seguir de qualquer preposição, exceto "com".

Os pronomes oblíquos tônicos "comigo", "contigo", "conosco", "convosco" e "consigo" indicam o caso comitativo, substituindo o uso da preposição com.

A diferença entre "se" e "si" com os demais pronomes é simples: enquanto "si" e "se" indicam voz reflexiva, "o", "a", "os", "as", "lhe" e "lhes" indicam ação ativa ou passiva.

Contrações dos átonos[editar | editar código-fonte]

Oblíquos átonos podem ser usados simultaneamente, sendo, dessa forma

me te lhe nos vos lhes
o mo to lho no-lo vo-lo lhe-lo
a ma ta lha no-la vo-la lhe-la
os mos tos lhos no-los vo-los lhe-los
as mas tas lhas no-las vo-las lhe-las

Referências

  1. Crystal, David (2008). A Dictionary of Linguistics and Phonetics 6 ed. [S.l.: s.n.] p. 337 
  2. Crystal, David (2008). A Dictionary of Linguistics and Phonetics 6 ed. [S.l.: s.n.] pp. 6–7 
  3. Emerson, O. F. (1915). A Middle English Reader. Nova Iorque: The MacMillan Company. pp. LXXX–LXXXII 
  4. Bonnard, Henri; Régnier, Claude (1989). Petite grammaire de l'ancien français. Paris: Magnard. p. 14. ISBN 2210422094 
  5. Vecchi, Cristine; Gleria, Maria I. (2007). Português para Concursos Públicos. [S.l.]: Digerati. p. 54