Chiara Lubich

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Chiara Lubich
Nascimento 22 de janeiro de 1920
Trento
Morte 14 de março de 2008 (88 anos)
Rocca di Papa
Cidadania Itália, Reino de Itália
Alma mater Universidade Ca' Foscari de Veneza
Ocupação escritora, professora
Prêmios Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha, Prêmio Templeton, Prêmio Europeu dos Direitos Humanos, Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, Cavaleiro Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Italiana, doutor honoris causa da Universidade Católica de Lublin
Religião Igreja Católica

Chiara Lubich, nascida Silvia Lubich (Trento, 22 de janeiro de 1920 — Rocca di Papa, 14 de março de 2008) foi uma religiosa leiga italiana, fundadora do Movimento dos Focolares.

Biografia[editar | editar código-fonte]

O pai de Chiara perdeu o trabalho defendendo as idéias socialistas e por isso a família teve de encontrar outras ocupações. Para manter-se, Chiara, desde os 23 anos, dava aulas particulares para poder pagar as despesas com a universidade.

No início da década de 1940, com pouco mais de vinte anos de idade, trabalhava como professora em escolas primárias da cidade natal, Trento. Ingressou no curso de filosofia da Universidade de Veneza. Procurava a verdade profunda das coisas, exatamente no período da Segunda Guerra Mundial, uma época plena de ódio e violência. Enquanto desmoronavam casas, homens e todas as coisas, descobre que Deus era para ela o único ideal que não passava. Dividiu então esta descoberta com outras companheiras e juntas formam um pequeno grupo, constituindo assim o primeiro núcleo do futuro movimento.

Em 7 de dezembro de 1943, sozinha em uma capela, faz uma promessa a Deus de doar somente a Ele, e para sempre, toda a sua vida. Esta data é considerada o marco inicial do Movimento dos Focolares.Na noite do dia 12 para o dia 13 de maio de 1944 Chiara e seus pais foram dormir nas montanhas, ao relento, porque ficar em sua casa era muito perigoso. Realmente, naquela noite os aviões inimigos destruiram todas as casas da sua rua.

A sua casa foi destruída por um violento bombardeio que atingiu Trento no dia 13 de maio de 1944. os familiares foram refugiar-se nas montanhas. Foi quando Chiara decidiu permanecer em Trento para sustentar os ideais e a vocação. No parlamento italiano, Chiara conheceu o político Igino Giordani, que foi co-fundador do Movimento, que contribuiu à encarnação no social da espiritualidade da unidade do movimento. Igino era deputado, escritor, jornalista, pai de quatro filhos.Em 1949, Chiara encontrou Pasquale Foresi, um jovem seminarista que sentia a forte exigência de conjugar o Evangelho e a vida na Igreja. Ordenado sacerdote em 1954, Dom Foresi foi o primeiro focolarino Sacerdote. Em 1956, fez surgir "Os Voluntários de Deus", pessoas adultas empenhadas nas mais diversas áreas: da política à economia, à arte, na educação, etc, para levar Deus à sociedade.

Em 1964, fundou a "cidadezinha" de Loppiano nas colinas de Valdarno, próxima a Florença. A primeira de uma série de outras cidades em vários países do mundo que trabalham em prol de um Mundo Unido, onde procuram viver a espiritualidade da unidade 24 horas por dia em todos os aspectos da vida, principalmente o financeiro, pois não podem possuir bens, sequer o salário. Em 1966, propôs aos jovens a radicalidade do Evangelho dando vida ao Movimento Gen (Geração Nova). Em 1977, recebe em Londres o prêmio Templeton para o desenvolvimento das religiões. Em 1991, projetando uma nova teoria e prática econômica, faz nascer o projeto da economia de comunhão.

Anos 90[editar | editar código-fonte]

Em 1996 recebe o prémio de Educação para a Paz daquele ano.

Em 1991, no Brasil, fica impressionada pelo contraste social e pela miséria das favelas, e põe em andamento a Economia de Comunhão, na época um projeto e hoje uma realidade em crescente desenvolvimento desta nova teoria e práxis econômica. São publicadas teses e trabalhos de pesquisa nas universidades do mundo inteiro, e existem centenas de empresas aplicando-a em todas as latitudes.

De 1997 a 1998 se dedicou a abrir novas perspectivas de diálogo inter-religioso: foi convidada a falar da experiência interior na Tailândia a 800 monges budistas; em Nova York a 3000 muçulmanos negros na mesquita de Harlem, e na Argentina à comunidade Hebraica de Buenos Aires.

Em setembro de 1998, em Estrasburgo, recebe do Conselho Europeu, o Prêmio Direitos Humanos. Recebeu diversas laures "Honoris Causa" cidadanias honorárias na Itália e em todo o mundo.

Em uma atmosfera serena, de oração, e de profunda comoção, Chiara Lubich concluiu a viagem terrena na noite de 14 março de 2008, às 2 horas, aos 88 anos. Estava na casa em Rocca di Papa (Itália), para onde havia retornado do Hospital Gemelli, na madrugada do dia anterior, depois de ter expresso esse desejo.

Fonte[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Chiara Lubich