Christiaan Eijkman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Christiaan Eijkman Medalha Nobel
Nascimento 11 de agosto de 1858
Nijkerk
Morte 5 de novembro de 1930 (72 anos)
Utrecht
Residência Guéldria
Nacionalidade Neerlandês
Cidadania Reino dos Países Baixos
Alma mater Universidade de Amesterdão, Instituto Pasteur
Ocupação médico, bioquímico, professor, professor universitário, fisiologista
Prêmios Nobel prize medal.svg Nobel de Fisiologia ou Medicina (1929)
Empregador Universidade de Utrecht
Campo(s) Medicina

Christiaan Eijkman (Nijkerk, 11 de agosto de 1858Utrecht, 5 de novembro de 1930) foi um médico e patologista holandês.[1]

Embora Eijkman tenha sido enviado para a Indonésia para estudar o beribéri, a descoberta da causa foi acidental. Ele percebeu os sintomas em alguns frangos usados no seu laboratório, quando da alteração, temporária, da sua alimentação. Devido a problemas de saúde, Eijkman foi incapaz de continuar a sua investigação, mas um estudo realizado pelo seu amigo, Adolphe Vorderman, confirmou a ligação entre o arroz polido e a doença. Eventualmente, foi determinado que o elemento que estava em falta, e que, consequentemente, causava a beribéri, era a vitamina B1, tiamina. [2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Eijkman foi o sétimo filho de um diretor de escola na cidade de Nijkerk. Com um ano de idade o seu pai foi nomeado para dirigir uma escola em Zaandam, onde Eijkman concluiu os primeiros estudos. Em 1875, ingressou na faculdade e, em 1883, formou-se médico pela Universidade de Amsterdã.[3] Logo em seguida, Eijkman trabalhou como médico do exército nas colônias holandesas no Arquipélago Malaio, onde permaneceu por dois anos. Foi nesse período que iniciou suas pesquisas sobre a causa do beribéri, doença causada pela falta de vitamina B1, e observou que a película do arroz continha uma substância capaz de curar a deficiência vitamínica. Esta experiência foi o primeiro trabalho científico sobre o conceito de vitaminas e sua importância. Além disso, Eijkman pesquisou aspectos ligados à fisiologia dos habitantes das regiões tropicais. [1]

Eijkman foi professor de Saúde Pública e Medicina Forense na Universidade de Utrecht, de 1898 a 1928. Em 1929, dividiu o Nobel de Fisiologia ou Medicina com Frederick Gowland Hopkins (1861-1947), por seus estudos sobre as propriedades das vitaminas. [1]

Casou-se duas vezes e teve uma filha. Morreu em Utrecht, em 5 de novembro de 1930.[1]

Referências

  1. a b c d PAULO, Lemos e MENDA, Mari Elizabeth. "Prêmio Nobel de Medicina: da Pesquisa à Conquista", pg. 45-46. Lemos Editorial. São Paulo (2001)
  2. Encyclopædia Britannica – "Christiaan Eijkman"
  3. Fundação Nobel – "Christiaan Eijkman – Biografia"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Charles Nicolle
Nobel de Fisiologia ou Medicina
1929
com Frederick Hopkins
Sucedido por
Karl Landsteiner


Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Christiaan Eijkman
Ícone de esboço Este artigo sobre um médico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.