Christina Koch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre uma pessoa atualmente no espaço. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 22 de outubro de 2019) American astronaut.svg
Christina Koch
Nascimento 2 de fevereiro de 1979 (40 anos)
Grand Rapids, Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos norte-americana
Carreira espacial
Astronauta da NASA
Tempo no espaço No espaço desde 14 de março de 2019: 243 dia(s) e 7 hora(s)
Seleção 2013
Tempo de AEV 27h 48min
Missões Soyuz MS-12, Soyuz MS-13, Expedição 59, Expedição 60, Expedição 61
Insígnia da missão Soyuz-MS-12-Mission-Patch.png Soyuz-MS-13-Mission-Patch.png ISS Expedition 59 Patch.svg ISS Expedition 60 Patch.svg ISS Expedition 61 Patch.svg

Christina Hammock Koch (Grand Rapids, 2 de fevereiro de 1979) é uma astronauta norte-americana, atualmente no espaço como integrante da Expedição 61 na Estação Espacial Internacional.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Engenheira e pesquisadora[editar | editar código-fonte]

Com o sonho de ser astronauta desde a infância,[1] ela formou-se em física e fez mestrado em engenharia elétrica na Universidade Estadual da Carolina do Norte.[2]Em 2001 se formou no programa da Academia da NASA no Centro de Voos Espaciais Goddard.[3] Trabalhando no desenvolvimento de instrumentos de ciência espacial e em áreas de engenharia de campo científicos remotos, durante seu tempo no Goddard ela contribuiu para o desenvolvimento de vários instrumentos científicos em missões da NASA que estudam astrofísica e cosmologia. Entre 2004 e 2007, participou como pesquisadora do Programa Antártico dos Estados Unidos, passando três anos e meio viajando entre regiões do Ártico e da Antártida.[3] Nesta última, ela passou uma temporada inteira na Estação Polar Amundsen-Scott no Polo Sul durante o inverno, sob temperaturas de até -79°C.[4] Ainda na Antártida ela fez parte da equipe de bombeiros da estação e das equipes de busca e resgate em geleiras e oceano;[3] ela descreve sem tempo no Polo Sul como um grande desafio físico e mental.[4]

Entre 2007 e 2009 trabalhou como engenheira elétrica no departamento espacial do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, com foco no desenvolvimento de instrumentos científicos para uso espacial e contribuiu com instrumentos usados para o estudo de partículas de radiação em missões da NASA, incluindo as sondas espaciais Juno e Van Allen. No ano seguinte completou temporadas de trabalho científico em outros lugares gelados do planeta, como a Estação Palmer na Antártida e no Summit Camp na Groenlândia.[3] Em 2012, trabalhou na Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) em duas funções: primeiro como engenheira de campo no observatório de monitoramento global da NOAA em Barrow, Alaska, e depois como chefe de estação do Observatório da NOAA na Samoa Americana.[3]

NASA[editar | editar código-fonte]

Koch foi selecionada para o curso de astronautas da NASA em junho de 2013, formando-se em 2015.[5] Seu treinamento incluiu estudos científicos e técnicos, instrução intensiva nos sistemas da ISS, caminhadas espaciais simuladas, robótica, treinamento psicológico, voo nas aeronaves de treinamento T-38 e técnicas de sobrevivência no mar, no deserto e na selva.

Depois do período de treinamento nos sistemas Soyuz na Cidade das Estrelas, na Rússia, em 14 de março de 2019 ela foi ao espaço como engenheira de voo da nave Soyuz MS-12, junto com o cosmonauta russo Aleksei Ovchinin e o astronauta norte-americano Nick Hague, para fazer parte da tripulação da Expedição 59 na estação. Ovchinin e Hague haviam sido lançados anteriormente na Soyuz MS-10 mas uma falha durante a ascensão da nave fez com que o foguete que a transportava explodisse; os dois astronautas sobreviveram ejetando-se do corpo principal do foguete na cápsula espacial e foram transferidos para esta missão.[6]

Estava previsto que, durante a Expedição 59, Koch e a astronauta norte-americana Anne McClain fizessem história tornando-se a primeira equipe totalmente feminina a realizar uma caminhada espacial; entretanto, por um motivo prosaico – a falta na ISS de dois trajes espaciais de tamanho médio no torso (havia apenas um), mais adaptados ao corpo das duas astronautas mulheres – a missão acabou sendo cancelada.[7] A caminhada somente feminina deverá acontecer no fim de outubro junto com a astronauta Jessica Meir. Koch também participou da Expedição 60 e participa no momento da Expedição 61, acumulando três expedições consecutivas, devido a mudanças na programação de tripulações.

Em 17 de abril de 2019, devido a mudanças na programação do programa Commercial Crew Development, a missão dela foi estendida até fevereiro de 2020, retornando à Terra somente após 335 dias – o que será a estadia de maior duração, em missão única, para uma mulher, após Peggy Whitson, que ficou 328 dias. Em adição, para uma astronauta de primeira viagem, esse tipo de mudança numa missão da NASA nunca havia ocorrido.[8][9][10]

Em 18 de outubro de 2019, Koch – em sua quarta AEV na expedição – e a astronauta Jessica Meir fizeram a primeira caminhada espacial dupla totalmente feminina da história da Estação Espacial Internacional para trocar um controlador de energia que alimenta as baterias no exterior da ISS, uma missão de mais de cinco horas de duração, e foram congratuladas numa transmissão ao vivo durante a tarefa pelo presidente dos Estados Unidos Donald Trump.[11]

Seu sinal de chamada na NASA é "Nana/Nanna."[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Staff, Daily News. «Jacksonville astronaut will 'carry the dreams of everyone' to space». The Daily News (em inglês). Consultado em 18 de março de 2019 
  2. National Aeronautics and Space Administration. «2013 Astronaut Class». NASA. Consultado em 19 de Junho de 2013. Cópia arquivada em 21 de Junho de 2013 
  3. a b c d e Whiting, Melanie (27 de novembro de 2015). «Christina Hammock Koch NASA Astronaut». NASA. Consultado em 18 de março de 2019 
  4. a b Digital, M. A. Z. (30 de julho de 2018). «N.C. State grad joins space race». Business North Carolina (em inglês). Consultado em 18 de março de 2019 
  5. «NASA's Newest Astronauts Complete Training». nasa.gov. NASA. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  6. Hodge, Nathan; Smith-Spark, Laura (11 de Outubro de 2018). «Astronauts survive Soyuz rocket emergency landing». CNN. Consultado em 12 de Outubro de 2018 
  7. Berger, Eric (26 de março de 2019). «It's unfortunate NASA canceled the all-female EVA, but it's the right decision». Ars Technica (em inglês) 
  8. Northon, Karen (16 de abril de 2019). «NASA Announces First Flight, Record-Setting Mission». NASA. Consultado em 19 de abril de 2019 
  9. «NASA astronaut to set record for longest spaceflight by a woman». Agence France Press (em inglês). Consultado em 17 de abril de 2019 
  10. Dunn, Marcia (17 de abril de 2019). «US astronaut to spend 11 months in space, set female record». AP NEWS. Consultado em 19 de abril de 2019 
  11. «Trump Calls NASA Astronauts as They Conduct the First All-Female Spacewalk». NY Times. Consultado em 18 outubro 2019 
  12. «here are currently 6 Astronauts in space». whoisleavingearth.com. Consultado em 13 de abril de 2019 

Lgações externas[editar | editar código-fonte]