Development of the Commercial Crew Program

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Commercial Crew Development)
Começando pela imagem superior: Boeing CST-100 Starliner, Crew Dragon, Dream Chaser e, na parte inferior, os projetos Atlas V de tripulação humana, todos receberam financiamento de desenvolvimento por meio de prêmios e contratos CCDev

Development of the Commercial Crew Program começou na segunda rodada do programa Commercial Crew Development (CCDev), que foi reformulado de um programa de desenvolvimento de tecnologia para voos espaciais tripulados para um programa de desenvolvimento competitivo que produziria a espaçonave a ser usada no Commercial Crew Program. A partir de 2011, a NASA adquiriu conceitos de fornecedores privados para veículos de tripulação para transportar astronautas dos Estados Unidos e internacionais de e para a Estação Espacial Internacional (ISS). Contratos operacionais para voar astronautas foram concedidos em setembro de 2014 à SpaceX e à Boeing.[1]

Um voo de teste sem tripulação foi realizado por cada empresa em 2019. O voo da Dragon 2 da Crew Dragon Demo-1 da SpaceX chegou à ISS em março de 2019 e retornou via amerissagem no Oceano Atlântico. Devido a uma anomalia no Mission Elapsed Time, o Boeing Orbital Flight Test (OFT) da espaçonave CST-100 Starliner não conseguiu chegar à estação em dezembro de 2019, mas concluiu alguns objetivos do teste e realizou um pouso seguro com o airbag. Devido a isso, a Boeing e a NASA concordaram em revoo da missão OFT não antes do final de 2021.[2] Enquanto se aguarda a conclusão dos voos de demonstração, cada empresa é contratada para fornecer seis voos para a ISS.[3] O primeiro grupo de astronautas foi anunciado em 3 de agosto de 2018.[4]

Requisitos[editar | editar código-fonte]

Os principais requisitos de alto nível para os veículos dae Commercial Crew incluem:

  • Entregar e devolver com segurança quatro membros da tripulação e seus equipamentos para a Estação Espacial Internacional (ISS).[5][6]
  • Garantir o retorno da tripulação em caso de emergência.[5]
  • Servir como um porto seguro por 24 horas em caso de emergência.[5][6]
  • Capaz de permanecer ancorado na ISS por 210 dias.[5][6]

Visão geral do programa de desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Após a aposentadoria do Ônibus Espacial em 2011, a NASA não tinha veículos domésticos capazes de lançar astronautas ao espaço.[7] A próxima grande iniciativa de voo espacial tripulado será lançada em 2022 como Artemis 2 no Space Launch System.[8] Nesse ínterim, a NASA continuou a enviar astronautas para a Estação Espacial Internacional (ISS) em assentos da espaçonave Soyuz comprados da Rússia.[9] O preço tem variado ao longo do tempo, com o lote de assentos de 2016 a 2017 custando US$ 70.7 milhões por passageiro por voo.[10] A intenção da CCDev é desenvolver capacidades comerciais seguras e confiáveis de lançamento da tripulação para a ISS para substituir os voos da Soyuz. A CCDev seguiu o Commercial Orbital Transportation Services (COTS), um programa de carga comercial para a ISS.[11] Os contratos CCDev foram emitidos para marcos de preço fixo e pagamento por desempenho.[12]

CCDev 1[editar | editar código-fonte]

A construção do recipiente de pressão do Starliner foi um dos marcos do CCDev 1 da Boeing

Fase 1 do Commercial Crew Development (CCDev 1), consistiu em US$ 50 milhões concedidos em 2010 a cinco empresas dos Estados Unidos para desenvolver conceitos e tecnologias de voos espaciais tripulados.[11][13][14] A NASA concedeu fundos de desenvolvimento a cinco empresas no CCDev 1:

CCDev 2[editar | editar código-fonte]

A construção de um mock-up da tripulação do Dragon foi um dos marcos do CCDev 2 da SpaceX

Em 18 de abril de 2011, a NASA concedeu quase US$ 270 milhões a quatro empresas para o desenvolvimento de veículos dos Estados Unidos que pudessem transportar astronautas após a aposentadoria da frota do Ônibus Espacial.[20] Propostas financiadas:[21]

Propostas selecionadas sem financiamento da NASA:

Propostas não selecionadas:

CCiCap[editar | editar código-fonte]

O teste de engenharia e voo do Dream Chaser foi um dos marcos CCiCap da Sierra Nevada Corporation

A Commercial Crew integrated Capability (CCiCap) era originalmente chamada de CCDev 3.[36] Para esta fase do programa, a NASA queria que as propostas fossem conceitos completos de operação de ponta a ponta, incluindo espaçonaves, veículos de lançamento, serviços de lançamento, operações terrestres e de missão e recuperação. Em setembro de 2011, a NASA divulgou um rascunho de solicitação de propostas (RFP).[37] A RFP final foi lançada em 7 de fevereiro de 2012, com propostas para 23 de março de 2012.[38][39] Os Acordos da Lei Espacial financiados foram concedidos em 3 de agosto de 2012 e alterados em 15 de agosto de 2013.[40][41]

As propostas selecionadas foram anunciadas em 3 de agosto de 2012:

CPC 1[editar | editar código-fonte]

A primeira fase do Certification Products Contract (CPC) envolveu o desenvolvimento de um plano de certificação com padrões, testes e análises de engenharia.[42] Os vencedores do financiamento da fase 1 do CPC, anunciado em 10 de dezembro de 2012, foram:[42]

CCtCap - voos tripulados premiados[editar | editar código-fonte]

A Commercial Crew Transportation Capability (CCtCap) é a segunda fase do CPC e incluiu o desenvolvimento final, testes e verificações para permitir voos de demonstração com tripulação para a Estação Espacial Internacional (ISS).[42][43] A NASA emitiu o projeto de solicitação de propostas (RFP) do contrato CCtCap em 19 de julho de 2013 com uma data de resposta de 15 de agosto de 2013.[43] Em 16 de setembro de 2014, a NASA anunciou que a Boeing e a SpaceX haviam recebido contratos para fornecer serviços de lançamento tripulados para a ISS. A Boeing pode receber até US$ 4.2 bilhões, enquanto a SpaceX pode receber até US$ 2.6 bilhões.[1] Em novembro de 2019, a NASA publicou uma primeira estimativa de custo por assento: US$ 55 milhões para a Dragon 2 da SpaceX e US$ 90 milhões para o Starliner da Boeing. A Boeing também recebeu US$ 287.2 milhões adicionais acima do contrato de preço fixo. Os assentos na Soyuz tiveram um custo médio de US$ 80 milhões.[44] No entanto, ajustando para a carga adicional transportada pelo Starliner da Boeing dentro de sua cápsula da tripulação, o custo ajustado por assento é de aproximadamente US$ 70 milhões, que ainda é maior do que o Crew Dragon da SpaceX, mesmo se a Dragon não transportar o equivalente a um quinto de carga.[45] Tanto o CST-100 Starliner quanto a Crew Dragon realizarão um voo sem tripulação, depois um voo de certificação com tripulação e, em seguida, até seis voos operacionais para a ISS.[46][47]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

NASA Commercial Crew.jpg

Atrasos contínuos[editar | editar código-fonte]

O primeiro voo do Commercial Crew Program estava previsto para ocorrer em 2015, mas o financiamento insuficiente causou atrasos.[48][49][50] Quando a espaçonave entrou na fase de teste e produção, problemas técnicos também causaram atrasos, especialmente o sistema de paraquedas, propulsão e o sistema de aborto de lançamento de ambas as cápsulas.[51]

Problema de válvula do Starliner[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Boeing CST-100 Starliner#Testando

Explosão da Crew Dragon[editar | editar código-fonte]

Em 20 de abril de 2019, surgiu um problema durante um teste de fogo estático da Crew Dragon.[52] O acidente destruiu a cápsula planejada para ser usada no In-Flight Abort Test (IFAT).[53] A SpaceX confirmou que a cápsula explodiu.[54] A NASA afirmou que a explosão atrasará o aborto planejado em voo e os testes orbitais com tripulação.[55]

Voo tripulado da Crew Dragon[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Crew Dragon Demo-2

Em 30 de maio de 2020, dois astronautas foram lançados para a Estação Espacial Internacional (ISS) com a Crew Dragon como parte do Crew Dragon Demo-2. O fim e o pouso seguro da Demo-2 em 2 de agosto de 2020 marcou a primeira amerissagem em 45 anos para os astronautas da NASA desde a primeira missão espacial internacional Apollo–Soyuz dos Estados Unidos/União Soviética em julho de 1975, bem como a primeira amerissagem de uma tripulação de uma espaçonave no Golfo do México.

Financiamento[editar | editar código-fonte]

Financiamento solicitado vs financiamento apropriado por ano até 2015

O primeiro voo do Commercial Crew Program estava previsto para ocorrer em 2015, mas o financiamento insuficiente causou atrasos.[48][50] Para o orçamento do ano fiscal (AF) de 2011, US$ 500 milhões foram solicitados para o programa CCDev, mas o Congresso concedeu apenas US$ 270 milhões.[56] Para o orçamento do ano fiscal de 2012, US$ 850 milhões foram solicitados e US$ 406 milhões aprovados.[49] Para o orçamento do ano fiscal de 2013, US$ 830 milhões foram solicitados e US$ 488 milhões aprovados.[57] Para o orçamento do ano fiscal de 2014, US$ 821 milhões foram solicitados e US$ 696 milhões aprovados.[48][58] No ano fiscal de 2015, US$ 848 milhões foram solicitados e US$ 805 milhões, ou 95%, foram aprovados.[59] Em 14 de novembro de 2019, o inspetor geral da NASA publicou um relatório de auditoria listando preços por assento de US$ 90 milhões para a Starliner e US$ 55 milhões para Crew Dragon. Com isso, o preço da Boeing é mais alto do que o que a NASA pagou à corporação espacial russa Roscosmos pelos assentos da espaçonave Soyuz para levar astronautas dos Estados Unidos e de nações parceiras à Estação Espacial Internacional (ISS). O relatório também afirma que a NASA concordou em pagar um adicional de US$ 287.2 milhões acima dos preços fixos da Boeing para mitigar uma lacuna de 18 meses nos voos da ISS previstos para 2019 e para garantir que a contratada continuasse como um segundo fornecedor de tripulação comercial, sem oferecer oportunidades semelhantes à SpaceX.[60] Em 18 de novembro de 2019, Jim Chilton da Boeing respondeu que o relatório do inspetor geral não listou as características positivas da Starliner e se opôs ao preço por assento, pois eles acreditam que o custo é inferior a US$ 90 milhões, dada a sua capacidade de carga. O raciocínio da Boeing para o financiamento extra foi devido a um início de desenvolvimento posterior ao da SpaceX com prazos comparáveis. A Boeing também se declarou comprometida com o programa.[61] O financiamento de todos os contratados da tripulação comercial para cada fase do programa Commercial Crew Program é o seguinte, os valores CCtCap são máximos e incluem voos operacionais pós-desenvolvimento.

Resumo de financiamento (milhões de US$)
Rodada
(anos)
CCDev1[62]
(2010-2011)
CCDev2[63][64]
(2011-2012)
CCiCap[40][41]
(2012-2014)
CPC1[42]
(2013-2014)
CCtCap[47]
(2014-presente)
Fundo
adicional[65]
(2019)
Total
(2010-presente)
Fabricantes de espaçonaves
Boeing 18.0 112.9 480.0 9.9 4.200.0 287.2 5.108.1
SpaceX 75.0 460.0 9.6 2.600.0 3.144.6
Sierra Nevada Corporation 20.0 105.6 227.5 10.0 362.1
Blue Origin 3.7 22.0 25.7
Fabricantes de veículos de lançamento e equipamentos
United Launch Alliance 6.7 6.7
Paragon Space Development Corporation 1.4 1.4
Total: 49.8 315.5 1.167.5 29.6 6.800.0 287.2 8.648.6

Missões[editar | editar código-fonte]

Missão Patch Espaçonave Descrição Tripulação Data Resultado
Dragon 2
C201 DragonFly (1)
Teste de aborto da plataforma, Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, Flórida 6 de maio de 2015 Sucesso
Dragon 2
C204 (1)
Voo de teste sem tripulação. O DM-1 foi lançado em 2 de março de 2019 e atracado na ISS, PMA-2/IDA-2 um pouco menos de 24 horas após o lançamento. A Dragon passou cinco dias ancorado na ISS antes de desacoplar e pousar em 8 de março de 2019. 2 de março de 2019[66] Sucesso
CST-100 Starliner
Espaçonave 1 (1)
Teste de aborto da plataforma sem tripulação. 4 de novembro de 2019 Sucesso
CST-100 Starliner
Espaçonave 3
Calypso (1)
Voo de teste sem tripulação. Foi o primeiro voo de um Atlas V com um estágio superior Centaur de 2 motores. Foi planejado originalmente para passar oito dias atracado na ISS antes de pousar. No entanto, a Starliner não conseguiu se encontrar com a ISS devido à anomalia do MET, forçando-a a entrar em uma órbita abaixo do esperado.[67] A espaçonave retornou em 22 de dezembro de 2019, depois de passar dois dias em órbita. OFT-2 foi proposto para atender a todos os objetivos. 20 de dezembro de 2019[68] Falha parcial devido a anomalia no MET
Dragon 2
C205 (1)
Um foguete auxiliar do Falcon 9 lançou uma cápsula Dragon 2 de LC-39A para realizar um aborto em voo logo após o max q, a fim de testar o sistema de aborto de lançamento da Dragon 2. O aborto ocorreu 84 segundos após o lançamento e a Dragon 2 se separou com sucesso do Falcon 9 e voou para longe usando seus propulsores SuperDraco. O foguete auxiliar do Falcon 9 se desintegrou como resultado de forças aerodinâmicas. A Dragon 2 caiu 9 minutos após o lançamento, após lançar com sucesso seus quatro paraquedas. 19 de janeiro de 2020 Sucesso
Crew Dragon Demo-2 Patch.png Dragon 2
C206 Endeavour (1)
Voo de teste com tripulação. A Dragon 2 foi lançado com dois membros da tripulação e atracou na ISS cerca de 18 horas depois. A Dragon e sua tripulação passaram até 62 dias a bordo da ISS.[69] Estados Unidos Douglas Hurley
Estados Unidos Robert Behnken
30 de maio de 2020 Sucesso
CST-100 Starliner
Espaçonave 2 (1)
Voo de teste sem tripulação. Sugerido pela Boeing e aprovado pela NASA em 6 de abril de 2020 devido à falha parcial do software no voo de teste anterior da Starliner, em particular a falha em alcançar ou atratar na ISS. NET Q4 2021[2] Planejado
CST-100 Starliner Voo de teste prolongado com tripulação. Estados Unidos Michael Fincke
Estados Unidos Barry Wilmore
Estados Unidos Nicole Mann
NET Q1 2022[2][70] Planejado

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Bolden, Charlie. «American Companies Selected to Return Astronaut Launches to American Soil». NASA.gov. Consultado em 16 de setembro de 2014 
  2. a b c Foust, Jeff (13 de agosto de 2021). «Starliner test flight faces months-long delay». SpaceNews. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  3. «Boeing, SpaceX Secure Additional Crewed Missions Under NASA's Commercial Space Transport Program» 
  4. «NASA Assigns Crews to First Test Flights, Missions on Commercial Spacecraft». NASA. 3 de agosto de 2018 
  5. a b c d Bayt, Rob (26 de julho de 2011). «Commercial Crew Program: Key Driving Requirements Walkthrough». NASA. Consultado em 27 de julho de 2011. Arquivado do original em 28 de março de 2012 
  6. a b c «Commercial Crew Program – fact sheet» (PDF). NASA. Fevereiro de 2012. Consultado em 14 de julho de 2012 
  7. Denise Chow (14 de abril de 2011). «NASA Faces Awkward, Unfortunate Spaceflight Gap». Space.com. Consultado em 10 de agosto de 2018 
  8. Daines, Gary (1 de dezembro de 2016). «First Flight With Crew Will Mark Important Step on Journey to Mars» 
  9. «NASA officials mulling the possibility of purchasing Soyuz seats for 2019» 
  10. «NASA to Pay $70 Million a Seat to Fly Astronauts on Russian Spacecraft» 
  11. a b «Selection Statement For Commercial Crew Development» (PDF). JSC-CCDev-1. NASA. 9 de dezembro de 2008. Consultado em 10 de fevereiro de 2011 
  12. «Moving Forward: Commercial Crew Development Building the Next Era in Spaceflight» (PDF). Rendezvous. NASA. 2010. pp. 10–17. Consultado em 14 de fevereiro de 2011. Just as in the COTS projects, in the CCDev project we have fixed-price, pay-for-performance milestones," Thorn said. "There's no extra money invested by NASA if the projects cost more than projected. 
  13. «NASA Selects Commercial Firms to Begin Development of Crew Transportation Concepts and Technology Demonstrations for Human Spaceflight Using Recovery Act Funds». press release. NASA. 1 de fevereiro de 2010. Consultado em 2 de fevereiro de 2010 
  14. «Commercial Crew and Cargo Program» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 5 de março de 2010 
  15. Jeff Foust. «Blue Origin proposes orbital vehicle» 
  16. NASA Selects Boeing for American Recovery and Reinvestment Act Award to Study Crew Capsule-based Design 
  17. «CCDev Information». NASA. 20 de julho de 2010 
  18. «SNC receives largest award of NASA's CCDev Competitive Contract». SNC. 1 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2010 
  19. «NASA Selects United Launch Alliance for Commercial Crew Development Program». 2 de fevereiro de 2010. Consultado em 19 de maio de 2010. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2013 
  20. Dean, James. "NASA awards $270 million for commercial crew efforts". space.com, April 18, 2011.
  21. Morring, Frank, Jr. (22 de abril de 2011). «Five Vehicles Vie To Succeed Space Shuttle». Aviation Week. Consultado em 23 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2011. the CCDev-2 awards, ... went to Blue Origin, Boeing, Sierra Nevada Corp. and Space Exploration Technologies Inc. (SpaceX). 
  22. «Archived copy» (PDF). Consultado em 5 de dezembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 15 de fevereiro de 2013 , p. 2-1
  23. " Blue Origin Technology" Arquivado 2018-01-10 no Wayback Machine. Blue Origin. Retrieved February 1, 2016.
  24. «Taking the next step: Commercial Crew Development Round 2». SpaceX Updates webpage. SpaceX. 17 de janeiro de 2010. Consultado em 17 de janeiro de 2011 
  25. Boeing Submits Proposal for 2nd Round Of Commercial Crew Dev. moonandback.com spaceflight news, December 14, 2010, accessed December 27, 2010.
  26. «NASA Begins Commercial Partnership With United Launch Alliance». NASA. Consultado em 18 de julho de 2011 
  27. Malik, Tariq (8 de fevereiro de 2010). «Scrapped NASA Rocket May be Resurrected for Commercial Launches». SPACE.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2010 
  28. «NASA, private firm may team up on Liberty rocket». USA Today. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  29. "Commercial Crew Program Forum Presentation" Arquivado 2011-10-20 no Wayback Machine, p. 7. commercialcrew.nasa.gov, September 16, 2011.
  30. «CCP and Excalibur Sign Space Act Agreement». NASA 
  31. "Excalibur Almaz, NASA sign commercial spaceflight deal"
  32. «The Shape of Things to Come – Orbital's Prometheus™ Space Plane Ready for NASA's Commercial Crew Development Initiative» (PDF) 
  33. «(press release) Paragon Space Development Corporation Completes All Development Milestones on the NASA Commercial Crew Development Program» (PDF). Paragon. 31 de janeiro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 15 de julho de 2011 
  34. Boyle, Alan (11 de fevereiro de 2011). «Let's talk about the final frontier». Cosmic Log. MSNBC. Consultado em 13 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2011. the proposal calls for the development of a spaceship that could be sent into space on a variety of launch vehicles. ... "Up to eight crew, Soyuz-like architecture (recoverable reusable crew element, expendable orbital/cargo module). Incorporates HMX's patented integral abort system (uses OMS/RCS propellant in separate abort engines). Can fly on Atlas 401 [a configuration for the Atlas 5 rocket], F9 [SpaceX's Falcon 9] or Taurus II (enhanced) but with a reduced cargo and crew capability on the latter vehicle. Goal is to be the lowest-price provider on a per-seat basis. Nominal land recovery with water backup." 
  35. «NASA weighs plan to keep shuttle until 2017 – Technology & science – Space – NBC News». NBC News 
  36. «COMMERCIAL CREW INTEGRATED CAPABILITY». NASA. 23 de janeiro de 2012. Consultado em 25 de janeiro de 2012 
  37. «Statement of William H. Gerstenmaier, Associate Administrator for Human Exploration and Operations, National Aeronautics and Space Administration; before the Subcommittee on Space and Aeronautics Committee on Science, Space and Technology; U. S. House of Representatives» (PDF). 12 de outubro de 2011. pp. 6–7. Consultado em 12 de outubro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 21 de setembro de 2012 
  38. «CCiCap Solicitation». NASA. 7 de fevereiro de 2012. Consultado em 11 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2013 
  39. «Commercial Crew Integrated Capability Pre-Proposal Conference». NASA. 14 de fevereiro de 2012. Consultado em 14 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2013 
  40. a b c d e «NASA Announces Next Steps in Effort to Launch Americans from U.S. Soil». NASA. 3 de agosto de 2012. Consultado em 3 de agosto de 2012 
  41. a b «NASA Announces Additional Commercial Crew Development Milestones». Space Ref. SpaceRef Interactive Inc. 15 de agosto de 2013. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  42. a b c d «NASA Awards Contracts In Next Step Toward Safely Launching American Astronauts From U.S. Soil». NASA. 10 de dezembro de 2012. Consultado em 11 de dezembro de 2012 
  43. a b «NASA Commercial Crew Transportation Capability Contract CCTCAP Draft RFP». SpaceREF. 19 de julho de 2013. Consultado em 22 de julho de 2013 
  44. «NASA report finds Boeing seat prices are 60% higher than SpaceX». 14 de novembro de 2019 
  45. «Boeing fires back at NASA Inspector General regarding commercial crew report». SpaceNews.com (em inglês). 19 de novembro de 2019. Consultado em 25 de maio de 2020 
  46. Foust, Jeff (19 de setembro de 2014). «NASA Commercial Crew Awards Leave Unanswered Questions». Space News. Consultado em 21 de setembro de 2014. Arquivado do original em 21 de setembro de 2014. We basically awarded based on the proposals that we were given," Kathy Lueders, NASA commercial crew program manager, said in a teleconference with reporters after the announcement. "Both contracts have the same requirements. The companies proposed the value within which they were able to do the work, and the government accepted that. 
  47. a b «RELEASE 14-256 NASA Chooses American Companies to Transport U.S. Astronauts to International Space Station». www.nasa.gov. NASA. Consultado em 29 de outubro de 2014 
  48. a b c Norris, Guy (31 de maio de 2013). «NASA Chief Repeats Warnings On Commercial Crew Delays». Aviation Week 
  49. a b Clark, Stephen (23 de novembro de 2011). «Reduced budget threatens delay in private spaceships». Spaceflightnow. Consultado em 18 de abril de 2012 
  50. a b «CSF President Michael Lopez-Alegria Statement on NASA Contract Extension with Roscosmos». Commercial Spaceflight Federation. 2 de maio de 2013. Consultado em 2 de maio de 2013 
  51. «NASA's management of crew transportation to the International Space Station» (PDF). NASA Office of Audits. 14 de novembro de 2019. p. 3 
  52. Bridenstine, Jim. «NASA has been notified about the results of the @SpaceX Static Fire Test and the anomaly that occurred during the final test. We will work closely to ensure we safely move forward with our Commercial Crew Program.». TWITTER. Consultado em 21 de abril de 2019 
  53. Gebhardt, Chris (11 de agosto de 2017). «SpaceX and Boeing in home stretch for Commercial Crew readiness». NASASpaceFlight.com. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  54. Mosher, Dave. «SpaceX confirmed that its Crew Dragon spaceship for NASA was 'destroyed' by a recent test. Here's what we learned about the explosive failure.». Business Insider. Consultado em 6 de maio de 2019 
  55. «NASA boss says no doubt SpaceX explosion delays flight program». 18 de junho de 2019. Consultado em 18 de junho de 2019 
  56. «Senate Panel Cuts Commercial Crew, Adds Funds for Orion and Heavy Lift». Space News. 21 de julho de 2010. Consultado em 18 de abril de 2012. Arquivado do original em 9 de setembro de 2012 
  57. McAlister, Phillip (18 de abril de 2013). «Commercial Spaceflight Update» (PDF). NASA. Consultado em 10 de agosto de 2013 
  58. Joe Pappalardo (16 de setembro de 2014). «Is the Relationship Between NASA and Private Space About to Sour?». Popular Mechanics 
  59. Clark, Stephen (14 de dezembro de 2014). «NASA gets budget hike in spending bill passed by Congress». Spaceflight Now. Consultado em 15 de dezembro de 2014 
  60. BERGER, ERIC. «NASA report finds Boeing seat prices are 60% higher than SpaceX». Arstechnica. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  61. Messier, Doug (18 de novembro de 2019). «Boeing Fires Back at Critical NASA IG Report on Starliner». Parabolic Arc. Consultado em 13 de maio de 2020 
  62. «NASA Selects Commercial Firms to Begin Development of Crew Transportation Concepts and Technology Demonstrations for Human Spaceflight Using Recovery Act Funds». press release. NASA. 1 de fevereiro de 2010. Consultado em 9 de junho de 2012 
  63. «NASA Awards Next Set Of Commercial Crew Development Agreements». press release. NASA. 18 de abril de 2011. Consultado em 9 de junho de 2012 
  64. «NASA Releases Commercial Crew Draft RFP, Announces CCDEV2 Optional Milestones». press release. NASA. 19 de setembro de 2011. Consultado em 9 de junho de 2012 
  65. «NASA'S MANAGEMENT OF CREW TRANSPORTATION TO THE INTERNATIONAL SPACE STATION» (PDF). Nasa.gov. Consultado em 28 de junho de 2020 
  66. «Demo-1 Flight Readiness Concludes». blogs.nasa.gov (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  67. Bridenstine, Jim (20 de dezembro de 2019). «Update: #Starliner had a Mission Elapsed Time (MET) anomaly causing the spacecraft to believe that it was in an orbital insertion burn, when it was not.». @JimBridenstine (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2019 
  68. Foust, Jeff. «Boeing, SpaceX press towards commercial crew test flights this year». Spacenews. Consultado em 9 de outubro de 2019 
  69. «Launch America - a partnership between NASA and private space companies – will help open the space above Earth to people besides government astronauts.». NASA. Consultado em 16 de setembro de 2021 
  70. Berger, Eric (13 de abril de 2021). «It now seems likely that Starliner will not launch crew until early 2022». Ars Technica. Consultado em 13 de agosto de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]