Soyuz MS-22

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Soyuz MS-22
Insígnia da missão
Informações da missão
Sinal de chamada Altai[1]
Operadora Roscosmos
Foguete Soyuz 2.1a
Espaçonave K. E. Tsiolkovsky[1]
Número de tripulantes 3
Base de lançamento Baikonur 31/6
Lançamento 21 de setembro de 2022, 13:54:50 UTC[1]
Baikonur, Cazaquistão
Duração 127 dia(s) e 22 hora(s)
Altitude orbital 416 - 421 km[1]
Inclinação orbital 51,64º[1]
Imagem da tripulação
Baixo para cima: Prokopyev, Rubio e Petelin
Baixo para cima: Prokopyev, Rubio e Petelin
Navegação
Soyuz MS-21
Soyuz MS-23

Soyuz MS-22 é um voo espacial russo da Soyuz, com destino a Estação Espacial Internacional, com uma tripulação de três pessoas. Antigamente, o lançamento era previsto para 13 de setembro de 2022, porém teve que ser adiado para 21 de setembro do mesmo ano.[2]

Tripulação[editar | editar código-fonte]

Principal
Posição Tripulantes Pouso
Comandante Rússia Sergey Prokopyev Soyuz MS-23
Engenheiro de voo 1 Rússia Dmitriy Petelin
Engenheiro de voo 2 Estados Unidos Francisco Rubio
Suplente
Posição Cosmo/Astronauta
Comandante da espaçonave Rússia Oleg Kononenko
Engenheiro de voo 1 Rússia Nikolai Chub
Engenheira de voo 2 Estados Unidos Loral O'Hara

Precedentes[editar | editar código-fonte]

Lançamento no dia 21 de setembro de 2022.

A tripulação da nave foi aprovada em maio de 2021,[3] sendo composta pelo comandante Sergei Prokopyev, os engenheiros de vôo Dmitriy Petelin e Anna Kikina.[4] Com isso, eles foram incluidos como suplentes da Soyuz MS-21.[4]

A tripulação principal passou no fim de 2020 e um treinamento em 2021.[4] Sergey Prokopyev pretende felicitar os habitantes do Ecaterimburgo pelo tri-centésimo aniversário de sua cidade, levando consigo a bandeira e o escudo de armas de Ecaterimburgo.[4] O cosmonauta estabeleceu esta tradição em 2018, quando as comemorações começaram com sua mensagem enviada do espaço.[4] Como o cosmonauta pode levar a bordo 1,5 kg de objetos, Sergei Valeryevich pretende levar consigo a bandeira de Ecaterimburgo, a bandeira do planetário de Ecaterimburgo e do museu espacial em Verkhnyaya Pyshma. Ele também levará a bandeira do "Oblast newspaper" e coisas ligadas à história da cidade: fotos, cartões postais e outras coisas onde serão colocadas um selo e, ao retornar à Terra, estes objetos se tornarão exposições do museu.[4] Talvez seja possível levar para a ISS uma bandeira que agora está na Antártica com o irmão mais velho de Sergey, que participa da 66ª Expedição Antártica Russa.[4]

A equipe foi selecionada por psicólogos no Centro de Treinamento Yuri Gagarin. A tarefa era selecionar a tripulação de forma que ela se sentisse confortável durante 6 meses de voo em uma órbita de 400 quilômetros em espaço confinado, para alegadamente evitar uma situação semelhante às circunstâncias do buraco na Soyuz MS-09 em 2018.[4][5]

Nascido no Cazaquistão, Dmitry Petelin estudou no departamento aeroespacial da Universidade do Estado de South Ural, em Chelyabinsk, nos anos 2000.[4] Isto pode ter sido um fator para sua inclusão na missão sob Sergei Prokopyev.[4] Petelin vem treinando para um voo espacial desde 2012.[6] Ao longo dos anos, ele passou por exercícios de pouso de inverno na floresta, estepe, montanhas, condições desérticas ou semi-desérticas em Baikonur, voo de helicóptero, treinamento de pára-quedas e mergulho.[6]

Anna Kikina fazia originalmente parte da tripulação principal e Andrei Fedyaev também fazia parte da tripulação da reserva, mas em dezembro Dmitry Rogozin disse que Kikina voará em uma nave dos EUA em 2022 sob o programa de troca de tripulações, portanto um astronauta da NASA provavelmente fará parte da tripulação da Soyuz.[7]

Em janeiro de 2022 a Roscosmos anunciou que a Anna Kikina continuava a treinar como parte da MS-22, mas se um acordo for assinado entre a NASA e a Roscosmos, Kikina virou parte da SpaceX Crew-5 e Francisco Rubio virou parte da MS-22.[8]

Em janeiro de 2022 foi negado um visa de entrada nos EUA para o cosmonauta Nikolai Chub.[9] A Roscosmos considerou que tal decisão colocava o cosmonauta em risco na ISS.[10] Depois que tal informação foi publicada pela mídia, tanto Chub quanto Kikina receberam seus visas.[11]

A presença de Francisco Rubio na MS-22 e a de Anna Kikina na Crew-5 foi confirmada no dia 15 de julho de 2022.[12]

Voo[editar | editar código-fonte]

O lançamento ocorreu no dia 21 de setembro de 2022,[13][14] as 13:54:50 UTC[1] para uma missão de seis meses na Expedição 68.[4][15]

Vazamento[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de dezembro de 2022 um vazamento visível foi observado saindo da Soyuz. Uma caminhada espacial com Petelin e Prokopyev foi cancelada enquanto as equipes passaram a analisar a situação.[16] O vazamento durou cerca de 3 horas e a cosmonauta Anna Kikina usou o braço robótico europeu para inspecionar a área danificada,[17] sem resultados conclusivos.

Um teste realizado no começo do dia 15 de dezembro indicou que os propulsores ainda funcionam, porém, devido ao vazamento do líquido de refrigeração, a temperatura dos computadores de bordo subiu, mas não atingiu níveis perigosos.[18] No dia 19 de dezembro a Roscosmos anunciou, após análise das imagens do Canadarm, que um meteorito teria causado a ruptura, mas adiou uma decisão final para o dia 27 de dezembro.[19] No dia 22 de dezembro tanto a NASA quanto a Roscosmos excluíram a possibilidade de que um meteorito das Gemínidas teria causado a ruptura, mas mantiveram um impacto por lixo espacial, capaz de deixar uma perfuração de 0,8 milímetros, como possibilidade.[20] No mesmo dia anunciaram que a Soyuz MS-23, se for necessária para o retorno da tripulação em órbita, somente seria lançada no final de fevereiro de 2023, com a MS-22 retornando sem tripulação.[21][22]

No dia 27 de dezembro a Roscosmos anunciou que a causa do dano teria sido externa a espaçonave, mas adiou qualquer decisão final sobre a segurança da Soyuz para janeiro de 2023.[23] No dia 11 de janeiro de 2023, a Roscosmos anunciou que a MS-22 retornará sem tripulação e sua tripulação original terá sua permanência na estação estendida, retornando na Soyuz MS-23, que lançará sem tripulantes. No mesmo dia também foi anunciado que o vazamento foi causado por um micro-meteorito.[24] De forma temporária, o assento de Frank Rubio será colocado dentro da SpaceX Crew-5 para a eventualidade de uma evacuação antes da chegada da Soyuz MS-23. Quando a nova Soyuz chegar na ISS, todos os assentos da MS-22 serão movidos.[25]

Referências

  1. a b c d e f «Spaceflight mission report: Soyuz MS-22». 21 de setembro de 2022. Consultado em 21 de setembro de 2022 
  2. «Кикина может побить рекорд пребывания россиянок в космосе» (em russo). RIA Novosti. 26 de setembro de 2021. Consultado em 15 de dezembro de 2021 
  3. Уральский космонавт Сергей Прокопьев встретит год 300-летия Екатеринбурга на орбите
  4. a b c d e f g h i j k Сергей Прокопьев снова полетит в космос
  5. Дыру в российском космическом корабле сделала американка?
  6. a b «Мы живем с „открытой“ датой»: космонавт Дмитрий Петелин о подготовке к полетам, многолетних ожиданиях и челябинской прописке Дмитрий Петелин дал интервью "Комсомольской правде
  7. «Анна Кикина прокомментировала предложение о полете на американском корабле» (em russo). 10 de dezembro de 2021. Consultado em 11 de dezembro de 2021 
  8. «Утверждены экипажи МКС на 2022-2024 годы» (em russo). Роскосмос. 20 de janeiro de 2022. Consultado em 20 de janeiro de 2022 
  9. «США отказали в визе российскому космонавту для тренировок в американском центре». ТАСС. 22 de janeiro de 2022. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  10. ««Роскосмос»: отказ США выдать визу космонавту Чубу угрожает его безопасности на МКС». kommersant.ru. 22 de janeiro de 2022. Consultado em 22 de janeiro de 2022 
  11. «Рогозин заявил, что проблем с американскими визами для космонавтов нет». 26 de janeiro de 2022. Consultado em 27 de janeiro de 2022 
  12. «Rogozin removed as head of Roscosmos as seat barter agreement signed». 15 de julho de 2022. Consultado em 15 de julho de 2022 
  13. «Кикина может побить рекорд пребывания россиянок в космосе» (em russo). РИА Новости. 26 de setembro de 2021. Consultado em 29 de setembro de 2021 
  14. «Планируемые космические полёты». astronaut.ru (em russo). 12 de maio de 2021. Consultado em 13 de maio de 2021 
  15. «Экипажи на подготовке». Центр подготовки космонавтов имени Ю. А. Гагарина (em russo). Maio de 2021. Consultado em 29 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 17 de maio de 2021 
  16. Lock, Samantha (14 de dezembro de 2022). «Unexplained leak from Soyuz spacecraft forces Russia to abort ISS spacewalk mission». The Guardian. Consultado em 15 de dezembro de 2022 
  17. «Soyuz spacecraft leak at space station cancels spacewalk by Russian cosmonauts». 15 de dezembro de 2022. Consultado em 15 de dezembro de 2022 
  18. «Here's what we know, and what we don't, about the damaged Soyuz spacecraft». 16 de dezembro de 2022. Consultado em 16 de dezembro de 2022 
  19. «Russia says it will take no immediate action on damaged Soyuz spacecraft». 19 de dezembro de 2022. Consultado em 19 de dezembro de 2022 
  20. «Hole in leaky Russian Soyuz spacecraft not caused by Geminid meteor». 22 de dezembro de 2022. Consultado em 23 de dezembro de 2022 
  21. «Rescue Soyuz spacecraft can't reach International Space Station until February». 23 de dezembro de 2022. Consultado em 24 de dezembro de 2022 
  22. «Russia may send empty Soyuz to bring ISS crew home». 23 de dezembro de 2022. Consultado em 24 de dezembro de 2022 
  23. «Soyuz MS-22 Decision Delayed to January». 27 de dezembro de 2022. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  24. «Russia to launch Soyuz spacecraft to rescue astronauts from Space Station». 11 de janeiro de 2023. Consultado em 11 de janeiro de 2023 
  25. «NASA and Roscosmos Implement More Soyuz MS-22 Contingency Plans». 14 de janeiro de 2023. Consultado em 15 de janeiro de 2023 

Precedido por
Shenzhou 14
Voos tripulados
Sucedido por
Crew-5