Soyuz MS-14

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Current event marker.png
Este artigo ou seção é sobre uma futura missão de exploração espacial.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis.
Ares V launch.jpg
Soyuz MS-14
Informações da missão
Operadora Roscosmos
Foguete Soyuz-2.1a
Espaçonave Soyuz MS 11F747
Base de lançamento Baikonur Pad 1/5
Lançamento 22 de agosto de 2019[1]
Baikonur, Casaquistão
Navegação
Soyuz-MS-13-Mission-Patch.png Soyuz MS-13
Soyuz MS-15 Soyuz-MS-15-Mission-Patch.png

Soyuz MS-14 é um voo da Soyuz para a Estação Espacial Internacional planejado para agosto de 2019.[1] Seu objetivo será testar uma modificação do sistema de aborto no lançamento para integração com o foguete Soyuz-2.1a.[2] Nenhum cosmonauta embarcará na nave, contudo a Soyuz também levará até a ISS o robô humanoide russo SKYBOT F-850.[3]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Ao contrário do foguete tradicional Soyuz-FG que é virado na plataforma para mirar o azimute do seu voo, o Soyuz-2 realiza uma manobra de giro durante seu voo para mudar de direção. A manobra pode disparar o sistema de aborto de lançamento projetado para a Soyuz-FG. Soyuz MS-14 testará uma solução para este problema. O 14º voo da Soyuz MS será o 143º voo de uma nave Soyuz. Se tudo ocorrer bem, as missões tripuladas futuras usarão a mesma configuração começando com a Soyuz MS-16 no começo de 2020.[4]

Além de testar a integração do novo foguete e o sistema de aborto, Soyuz MS-14 também testará um sistema de navegação e propulsão atualizado.[5] Os resultados do teste serão usados no projeto do Soyuz GVK, uma nave não tripulada para o envio e retorno de carga, com o primeiro voo previsto para 2022.[5] Soyuz GVK está sendo projetado para ser capaz de levar 2,000 kg para a órbita e retornar 500 kg de volta para a Terra. Ao contrário dos voos anteriores e futuros da nave Soyuz MS, Soyuz MS-14 vai ficar sem de vários sistemas de suporte á vida. Isso vai permitir que a nave leve mais carga para a ISS do que seria possível.

Referências[editar | editar código-fonte]