Peggy Whitson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com uma missão espacial atualmente em curso.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 27 de junho de 2017.)
CELstart-rocket.png
Peggy Whitson

Astronauta da NASA
Nacionalidade Estados Unidos norte-americana
Nascimento 9 de fevereiro de 1960 (57 anos)
Mount Ayr, EUA
Outras ocupações bioquímica
Tempo no espaço em andamento
Missões STS-111, Expedição 5, STS-113, Soyuz TMA-11, Expedição 16, Soyuz MS-03, Expedição 50, Expedição 51, Expedição 52, Soyuz MS-04
Insígnia da missão Sts-111-patch.pngExpedition 5 insignia.svgSts-113-patch.pngISS Expedition 16 patch.svgSoyuz-MS-03-Mission-Patch.pngISS Expedition 50 Patch.pngISS Expedition 51 Patch.svgISS Expedition 52 Patch.pngSoyuz-MS-04-Mission-Patch.png

Peggy Annette Whitson (Mount Ayr, 9 de fevereiro de 1960) é uma bioquímica e astronauta dos Estados Unidos, veterana de três missões espaciais. Foi a primeira mulher a comandar uma missão na Estação Espacial Internacional, a Expedição 16 em 2007, a primeira a comandar duas missões na ISS, a Expedição 51 em 2017, a mulher mais velha ao ir ao espaço, título que conquistou em 2016 aos 56 anos de idade, como tripulante na espaçonave russa Soyuz MS-03, e a que passou mais tempo fora da Terra, num total de 596 dias.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formada em biologia e química no Iowa Wesleyan College e graduada em bioquímica pela Universidade Rice, Peggy começou a trabalhar no Centro Espacial Lyndon Johnson, em Houston, em 1988, como pesquisadora associada. Nos anos 1990, trabalhou como cientista projetista do programa conjunto russo-americano Mir-Ônibus Espacial e, até sua seleção para treinamento como astronauta, como sub-chefe da divisão de ciências médicas do Centro Espacial Johnson.[1] Em agosto de 1996 ela começou os dois anos de treinamento para astronauta da NASA e após a conclusão do curso foi designada para funções no Departamento de Planejamento de Operações para Astronautas, servindo depois como líder da equipe de astronautas de apoio na Cidade das Estrelas, Rússia, de 1998 a 1999.

Em junho de 2002, Whitson foi ao espaço pela primeira vez a bordo da nave Endeavour na missão STS-111 à Estação Espacial Internacional, onde passou seis meses como integrante da Expedição 5 e realizou caminhadas espaciais num total de mais de quatro horas, para instalar um escudo protetor contra micrometeoritos numa das seções russas da ISS, além de diversos experimentos científicos em microgravidade.[1]

Após atuar como comandante-substituta da Expedição 14 entre novembro de 2005 e setembro de 2006, ela voltou pela segunda vez à órbita em 10 outubro de 2007 como tripulante da nave russa Soyuz TMA-11, para comandar a Expedição 16, que passou seis meses na ISS, se tornando a primeira mulher a comandar uma equipe em missão na estação permanente em órbita da Terra. Ao encerramento desta missão, Peggy acumulou um total de 377 dias no espaço, em duas temporadas na ISS, sendo então a mulher que mais tempo passou fora da Terra.[2]

Whitson durante caminhada espacial na Expedição 50.

Em 17 de novembro de 2016, aos 56 anos, ela iniciou sua terceira missão espacial voando até a ISS como tripulante da Soyuz MS-03, junto com o cosmonauta russo Oleg Novitskiy e o astronauta francês Thomas Pesquet, passando a integrar a Expedição 50, sendo então a mulher mais velha a ir ao espaço. [3] Em 10 de abril de 2017 ela assumiu o comando da Expedição 51, tornando-se a primeira mulher a comandar duas missões na estação espacial. Durante esta missão, ela também tornou-se o astronauta norte-americano de ambos os sexos a passar mais horas cumulativas em órbita, num total de 534 dias, ultrapassando o astronauta Jeff Williams.[4]

Escalada para retornar ao fim da Expedição 51 com Novitskiy e Pesquet, ela continuou em órbita depois de uma decisão temporária da Roscosmos de diminuir o número de russos na estação, o que fez com que a Soyuz MS-04, lançada em abril de 2017, transportasse apenas dois astronautas, deixando um lugar vago no retorno para Whitson. Por causa disso, em 1 de junho ela entregou o comando da Expedição 52 ao cosmonauta russo Fyodor Yurchikhin mas continuou a participar desta missão, que se iniciou no dia seguinte com a desacoplagem da Soyuz MS-03, acumulando três expedições consecutivas. No momento ela continua em órbita, com seu regresso previsto para setembro de 2017.[5]

Whitson também possui o recorde de caminhadas espaciais por uma mulher, num total de 10 e 60 horas acumuladas fora da estação. [6][7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Peggy Whitson» (PDF). NASA. Consultado em 25 de junho de 2017 
  2. CNN Tecnologia&Espaço
  3. «NASA's Peggy Whitson Becomes Oldest Woman in Space - ABC News». Abcnews.go.com. Consultado em 19 de novembro de 2016 
  4. «Peggy Whitson: Oldest woman in space blasts off to ISS». BBC News (em inglês). 17 de novembro de 2016. Consultado em 4 de dezembro de 2016 
  5. «NASA Astronaut Peggy Whitson Adds Three Months to Record-Breaking Mission». NASA. Consultado em 25 de junho de 2017 
  6. Garcia, Mark (30 de março de 2017). «Peggy Whitson Breaks Spacewalking Record». NASA 
  7. Spacefacts (2017). «stronauts and Cosmonauts with EVA Experience (sorted by "EVA Time")». Spacefacts. Consultado em 13 de maio de 2017