Ebrahim Raisi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ebrahim Raisi
Raisi em 2021
8.º Presidente do Irã
Período 3 de agosto de 2021 – presente
Líder Supremo Ali Khamenei
Antecessor(a) Hassan Rouhani
Chefe de Justiça
Período 7 de março de 20191 de julho de 2021
Antecessor(a) Sadeq Larijani
Procurador-geral
Período 23 de agosto de 20141 de abril de 2016
Antecessor(a) Gholam-Hossein Mohseni-Eje'i
Sucessor(a) Mohammad Jafar Montazeri
Membro da Assembleia dos Peritos
Período 24 de maio de 2016 – presente
Dados pessoais
Nome completo Ebrahim Raisol-Sadati
Nascimento 14 de dezembro de 1960 (60 anos)
Mexede, Irã Imperial
Nacionalidade iraniano
Alma mater Universidade Shahid Motahari
Seminário de Qom
Cônjuge Jamileh Alamolhoda
Filhos 2
Partido Associação do Clero Combatente
Religião Islã
Profissão Político, clérigo e jurista
Website Site oficial

Sayyid Ebrahim Raisol-Sadati (em farsi: سید ابراهیم رئیس‌الساداتی; Mexede, 14 de dezembro de 1960),[1][2] comumente conhecido como Ebrahim Raisi (em farsi: ابراهیم رئیسی, Sobre este sompronúncia ), é um político e jurista conservador iraniano e atual Presidente-eleito do Irã.[3][4]

Ele ocupou vários cargos no sistema judicial do Irã, como Procurador-Geral (2014 a 2016) e Vice-Chefe de Justiça (2004 a 2014). Também foi promotor e procurador adjunto de Teerã nas décadas de 1980 e 1990. Ele foi custodiante e presidente da Astan Quds Razavi, um bonyad, de 2016 a 2019.[5] Ele também é membro da Assembleia de Peritos da Província de Khorasan do Sul, sendo eleito pela primeira vez nas eleições de 2006. Ele é genro de Ahmad Alamolhoda, Grande Imam do santuário Imam Reza.

Raisi concorreu à presidência em 2017[6] como candidato da conservadora Frente Popular das Forças da Revolução Islâmica,[7] perdendo para o presidente em exercício Hassan Rouhani, na proporção de 57% a 38,3%. Em 2021, foi eleito presidente do Irã com 62% dos votos.[8]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Ebrahim Raisi na década de 1980

Ebrahim Raisi nasceu em 14 de dezembro de 1960 em uma família clerical persa no distrito Noghan de Mashhad. Seu pai, Seyed Haji, morreu quando ele tinha 5 anos.

Educação acadêmica[editar | editar código-fonte]

Não há nenhuma fonte confiável para verificar o histórico de escolaridade tradicional de Raeisi. Em sua biografia no site de sua campanha menciona apenas o ensino fundamental, mas não menciona se ele concluiu o ensino médio.[9] Afirmou ter doutorado em Direito Privado pela Universidade de Motahari, mas isso foi contestado.[10]

Carreira judiciária[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Em 1981, foi nomeado procurador de Karaj. Mais tarde, ele também foi nomeado promotor de Hamadan e exerceu os dois cargos juntos. Ele atuou simultaneamente em duas cidades mais de 300 quilômetros de distância uma do outra.[11] Após quatro meses, foi nomeado procurador da província de Hamadan.

Procurador adjunto de Teerã[editar | editar código-fonte]

Ele foi nomeado procurador adjunto de Teerã em 1985 e mudou-se para a capital.[12] Depois de três anos e no início de 1988, ele recebeu provisões especiais de Ruhollah Khomeini para tratar de questões legais em algumas províncias como Lorestan, Semnan e Kermanshah.

Execuções de 1988[editar | editar código-fonte]

Hussein-Ali Montazeri nomeou Raisi como uma das quatro pessoas envolvidas nas execuções de prisioneiros políticos iranianos de 1988.[13] Outras pessoas foram Morteza Eshraghi (Procurador de Teerã), Hossein-Ali Nayeri (juiz) e Mostafa Pourmohammadi (representante do MOI em Evin). Os nomes das duas primeiras pessoas são mencionados na ordem de Khomeini. Pourmohammadi negou seu papel, mas Raisi não comentou publicamente sobre o assunto ainda.[14][15]

As execuções de prisioneiros políticos iranianos em 1988 foram uma série de execuções patrocinadas pelo estado de prisioneiros políticos em todo o Irã, começando em 19 de julho de 1988 e durando aproximadamente cinco meses.[16][17][18][19][20][21] A maioria dos mortos era partidário dos Mujahedin do Povo do Irã, embora partidários de outras facções esquerdistas, incluindo o Fedaian e o Partido Tudeh do Irã (Partido Comunista), também tenham sido executados.[22][23] De acordo com a Anistia Internacional, “milhares de dissidentes políticos foram sistematicamente sujeitos a desaparecimentos forçados em centros de detenção iranianos em todo o país e executados extrajudicialmente de acordo com uma ordem emitida pelo Líder Supremo do Irã e implementada em todas as prisões do país. Muitos dos mortos durante esse período foram submetidos a tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos e degradantes no processo".[24]

As mortes foram descritas como um expurgo político sem precedentes na história moderna do Irã, tanto em termos de escopo quanto de encobrimento.[25] No entanto, o número exato de prisioneiros executados continua sendo um ponto de discórdia. A Anistia Internacional, depois de entrevistar dezenas de parentes, estima o número em milhares;[26] e o então vice do líder supremo Ruhollah Khomeini, Hussein-Ali Montazeri, colocou o número entre 2 800 e 3 800 em suas memórias,[27] mas uma estimativa alternativa sugere que o número ultrapassou 30 000.[28] Devido ao grande número, os prisioneiros eram carregados em empilhadeiras em grupos de seis e enforcados em guindastes em intervalos de meia hora.[29]

Presidência de Astan Quds[editar | editar código-fonte]

Ele se tornou presidente da Astan Quds Razavi em 7 de março de 2016 após a morte de seu antecessor Abbas Vaez-Tabasi.[30][31] Ele é a segunda pessoa a servir neste cargo desde 1979. O Líder Supremo Ali Khamenei enumerou servir aos peregrinos do santuário sagrado, especialmente os pobres e também servir nas proximidades, especialmente os pobres e despossuídos, como duas responsabilidades importantes de Raisi em sua ordem de nomeação.[32]

Possível sucessor como Líder Supremo[editar | editar código-fonte]

Em 2019, Saeid Golkar da Al Jazeera chamou Raisi de "o mais provável sucessor do Aiatolá Ali Khamenei" como Líder Supremo do Irã.[33] Em 2020, Dexter Filkins o descreveu como "frequentemente mencionado" como sucessor de Khamenei.[34]

Ideologia política[editar | editar código-fonte]

Ebrahim Raisi é um defensor da segregação sexual. Ele também é um defensor da islamização das universidades, revisão da Internet e censura da cultura ocidental.[35][36][37] Raisi vê as sanções econômicas como uma oportunidade.[38]

Economia[editar | editar código-fonte]

Raisi disse “Eu vejo a ativação de uma economia de resistência como a única forma de acabar com a pobreza e a privação no país”.[39] Ele apóia o desenvolvimento do setor agrícola em relação ao varejo comercial, o que “acabará beneficiando as marcas estrangeiras”.[40]

Ele prometeu triplicar os benefícios mensais do estado, atualmente 450 000 riais por cidadão, para combater a corrupção e criar seis milhões de empregos.[41]

Política externa[editar | editar código-fonte]

Respondendo a repórteres sobre sua política externa, ele disse que “seria estabelecer laços com todos os países, exceto Israel”.[42]

História eleitoral[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Votos % Classificação Notas
2006 Assembleia de Peritos 200 906 68,6% Ganhou
2016 Assembleia de Peritos Aumento 325 139 Aumento 80,0% Ganhou[43]
2017 Presidente 15 835 794 38,28% Perdeu[44]
2021 Presidente TBD TBD TBD TBD

Sanções[editar | editar código-fonte]

Raisi é uma das nove autoridades iranianas listadas em novembro de 2019 sujeitas a sanções pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos devido a supostas violações dos direitos humanos.[45] Da mesma forma, Raisi também é sancionado pela União Europeia.[46]

Referências

  1. «Birth certificate image». Consultado em 24 de abril de 2017. Cópia arquivada em 15 de abril de 2017 
  2. «مرد 54 ساله ای که دادستان کل کشور شد، کیست؟/ ابراهیم رئیسی را بیشتر بشناسید». Consultado em 30 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2016 
  3. «Iran's Ebrahim Raisi: The hardline cleric set to become president». BBC News (em inglês). 21 de junho de 2021. Consultado em 24 de junho de 2021 
  4. «Iran nuclear deal: President-elect Raisi issues warning over talks». BBC News (em inglês). 21 de junho de 2021. Consultado em 24 de junho de 2021 
  5. «ابراهیم رئیسی به تولیت آستان قدس رضوی منصوب شد». BBC News فارسی (em persa). 7 de março de 2016. Consultado em 22 de junho de 2021 
  6. «Hardline cleric Raisi to take on Rouhani in Iran's presidential election». Reuters. 9 de abril de 2017. Consultado em 17 de abril de 2017 
  7. «Iran News Round Up», Critical Threats Project, 7 de abril de 2017 
  8. «Ultraconservador Ebrahim Raisi vence eleições presidenciais no Irã». G1. Consultado em 19 de junho de 2021 
  9. «شرح زندگی | سید ابراهیم رئیسی». raisi.ir (em persa). Consultado em 9 de junho de 2021 
  10. «مدرک تحصیلی ابراهیم رئیسی؛ 'شش کلاس' یا 'دکترا'؟». BBC News فارسی (em persa). Consultado em 8 de junho de 2021 
  11. «"ابراهیم رئیسی به تولیت آستان قدس رضوی منصوب شد".». 8 de março de 2016 
  12. «ابراهیم رئیسی کیست؟». 3 de março de 2017 
  13. «Blood-soaked secrets with Iran's 1998 Prison Massacres are ongoing crimes against humanity» (PDF). Consultado em 14 de dezembro de 2018 
  14. «ابراهیم رئیسی؛ از قضاوت تا تولیت». 7 de março de 2017 
  15. Abrahamian, Ervand (4 de maio de 2017). «An Interview with Scholar and Historian Ervand Abrahamian on the Islamic Republic's "Greatest Crime"». Center for Human Rights in Iran. Consultado em 18 de maio de 2017 
  16. Akhlaghi, Reza. «Canada Recognizes Iran's 1988 Massacre as Crime against Humanity». Foreign Policy Blog. Consultado em 23 de maio de 2017. Cópia arquivada em 18 de maio de 2017 
  17. «Iran Italy Issues Resolution for Justice for 1988 Massacre Victims». Iran News Update. 5 de maio de 2017. Consultado em 23 de maio de 2017. Cópia arquivada em 9 de março de 2018 
  18. «More Than 100 Prominent Iranians Ask UN to Declare 1988 Massacre 'Crime Against Humanity'». Center for Human Rights in Iran. 7 de setembro de 2016. Consultado em 23 de maio de 2017. Cópia arquivada em 26 de maio de 2017 
  19. «1988 massacre of political prisoners in Iran». National Council of Resistance of Iran. Consultado em 23 de maio de 2017. Cópia arquivada em 8 de junho de 2017 
  20. Naderi, Mostafa (22 de agosto de 2013). «I was lucky to escape with my life. The massacre of Iranian political prisoners in 1988 must now be investigated». The Independent. Consultado em 19 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2018 
  21. «Iran still seeks to erase the '1988 prison massacre' from memories, 25 years on». Amnesty International. Consultado em 23 de maio de 2017. Cópia arquivada em 5 de abril de 2017 
  22. Iranian party demands end to repression Arquivado em 24-09-2005 no Wayback Machine.
  23. Abrahamian, Ervand, Tortured Confessions, University of California Press, 1999, 209-228
  24. «Blood-soaked secrets with Iran's 1998 Prison Massacres are ongoing crimes against humanity» (PDF). Consultado em 14 de dezembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 15 de dezembro de 2018 
  25. Abrahamian, Ervand (1999). Tortured Confessions Prisons and Public Recantations in Modern Iran. Berkeley: University of California Press. Consultado em 13 de março de 2013. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  26. «IRAN: VIOLATIONS OF HUMAN RIGHTS 1987 - 1990». Amnesty International. 1 de dezembro de 1990. Consultado em 7 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2018 
  27. von Schwerin, Ulrich (2015). The Dissident Mullah: Ayatollah Montazeri and the Struggle for Reform in Revolutionary Iran. [S.l.]: I.B.Tauris. ISBN 9780857737748 
  28. Lamb, Christina (4 de fevereiro de 2001). «Khomeini fatwa 'led to killing of 30,000 in Iran'». The Daily Telegraph. Consultado em 23 de junho de 2017. Cópia arquivada em 1 de julho de 2017 
  29. The World's Most Notorious Dictators.
  30. «"انتصاب حجت‌الاسلام رئیسی به تولیت آستان قدس رضوی".». 7 de março de 2017 
  31. «"انتصاب ابراهیم رئیسی به تولیت آستان قدس رضوی".». 7 de março de 2017 
  32. «شروع انقلابی حجت الاسلام رئیسی در آستان قدس». 10 de abril de 2016 
  33. Golkar, Saeid (5 de janeiro de 2019). «Ebrahim Raisi: The cleric who could end Iranian hopes for change». Al Jazeera. Consultado em 10 de junho de 2020 
  34. Filkins, Dexter (18 de maio de 2020). «TheTwilight of the Iranian Revolution». New Yorker. Consultado em 7 de junho de 2020 
  35. «رئیسی: دانشگاهها باید اسلامی شوند». 8 de maio de 2017 
  36. «ابراهیم رییسی: باید به دنبال حذف ترویج فرهنگ غربی از متن جامعه باشیم». 10 de maio de 2017 
  37. «اسلامی‌ نکردن دانشگاه‌ها کشور را با مشکل مواجه می‌کند/رشد اینترنت ما را وادار به بازنگری می‌کند». 11 de maio de 2017 
  38. «رئیسی: تحریم یک فرصت است/باید خود را مقاوم کنیم». 12 de maio de 2017 
  39. Golnaz Esfandiari (7 de abril de 2017), «In Iran, Emerging Hard-Liner Stakes Future On Unseating Rohani», Radio Free Europe/Radio Liberty, consultado em 22 de abril de 2017 
  40. Najmeh Bozorgmehr (14 de abril de 2017), «Rouhani confirms he will seek second term in Iran elections», Financial Times, consultado em 22 de abril de 2017 
  41. Najmeh Bozorgmehr (26 de abril de 2017), «Iran hardliners struggle to present united front ahead of poll», Financial Times, consultado em 27 de abril de 2017 
  42. What you need to know about presidential candidate Ebrahim Raisi, The Iran Project, 19 de abril de 2017, consultado em 21 de abril de 2017 
  43. «نتایج نهائی انتخابات مجلس خبرگان رهبری در خراسان جنوبی» (em persa). Khavarestan. 27 de fevereiro de 2016 
  44. «Final results of presidential election by province and county» (em persa). Ministério do Interior (Irã). 8 de junho de 2017. Consultado em 8 de junho de 2017. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2017 
  45. «US puts new sanctions on Iranian supreme leader's inner circle» 
  46. «Ebrahim Raeesi Was Officially Appointed as the Chief of Iran's Judiciary». Iran International (em inglês). 7 de março de 2019. Consultado em 22 de junho de 2021