Efeito de reservatório marinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ciclo do carbono.

O efeito de reservatório marinho é um fenômeno que afeta a datação por radiocarbono, pois muito do carbono consumido pelos organismos no oceano é mais antigo que o consumido pelos organismos em terra.[1] As amostras da vida marinha e de organismos que consumiram muitos alimentos baseados no mar enquanto vivos podem parecer mais velhos do que realmente são quando testados[2][3]

Normalmente, as datas de radiocarbono afetadas aparecem c. 400 14C anos mais velhos do que se não fossem afetados. Mas o efeito é altamente variável no espaço e no tempo e pode atingir 800 a 1200 14C anos nas regiões do Ártico.[4]

Referências

  1. Dumond DE, Griffin DG 2002. Measurements of the marine reservoir effect on radiocarbon ages in the eastern Bering Sea. Arctic 55: 77-86
  2. University of Bristol (2 de fevereiro de 2018). «Radiocarbon dating reveals mass grave did date to the Viking age». Eurekalert. Consultado em 2 de fevereiro de 2018 
  3. The marine reservoir effect in the Southern Ocean: An evaluation of extant and new ?R values and their application to archaeological chronologies por Fiona Petchey , Atholl Anderson , Alan Hogg e Albert Zondervan, publicado pelo "Journal of the Royal Society of New Zealand", 38:4, 243-262, DOI: 10.1080/03014220809510559. (2010)
  4. Philippa Ascough; Gordon Cook; Andrew Dugmore (1 de dezembro de 2005). «Methodological approaches to determining the marine radiocarbon reservoir effect». Progress in Physical Geography: Earth and Environment. 29 (4): 532-547. doi:10.1191/0309133305pp461ra. Consultado em 4 de fevereiro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.