Eliana na Fábrica Maluca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eliana na Fábrica Maluca
Informação geral
Formato Programa de auditório
Gênero Infantil
Duração 120 minutos
País de origem  Brasil
Idioma original língua portuguesa
Produção
Diretor(es) Carlos César Filho
Apresentador(es) Eliana
Exibição
Emissora de televisão original Brasil RecordTV
Transmissão original 10 de março de 2003 - 12 de março de 2004
Cronologia
Eliana & Alegria
Eliana (programa de televisão de 2004)

Eliana na Fábrica Maluca foi o segundo programa infantil apresentado por Eliana na RecordTV. Estreou no dia 10 de março de 2003 às 11:00 da manhã, sendo basicamente, uma versão reformulada e mais lúdica do Eliana & Alegria. O cenário foi inspirado no filme A Fantástica Fábrica de Chocolate.

História[editar | editar código-fonte]

O programa apresentava experiências, matérias externas do chiquinho e palhaço pitoco, receitas, convidados musicais, entrevistas, e aulinhas de dança com o professor Mark Van Lu. O programa contava com novos bonecos manipulados criados por Mariana Caltabiano como: Lobisval um lobinho que fazia experiências divertidas no quadro "Laboratório Maluco" e o Mestre Coco um gatinho de sotaque nordestino que fazia as receitas no quadro "Cozinha Maluca", nesse mesmo quadro a própria Eliana também passou á encenar alguns personagens humorísticos, alguns inclusive criados por ela própria como: o cozinheiro Oliver Azeitonê, Malvina Cruela , a espanhola Lolla, Sunday (uma sátira á cantora Sandy), Ana Maria Draga (esta era uma "prima" de Ana Maria Braga) , Chapéuzinho Vermelho, Mestre Cucaracha , Daniela Bocarelli (sátira de Daniela Cicarelli) , Mandona (sátira á cantora Madonna) , Lebre Camargo (uma sátira da apresentadora Hebe) , Xing Ling um mestre cuca chinês e Dupla (sátira ao cantor Supla).[1] Esses personagens se revezavam e aparecia um á cada dia da semana no programa. Edilson Oliveira também passou á interpretar outros personagens além do chiquinho, eram o Palhaço Huck (uma sátira ao Luciano Huck) e Chico Santos (uma sátira ao apresentador Sílvio Santos) isso gerou bastante polêmica na mídia pois Luciano é ex-namorado de Eliana enquanto que Sílvio era ex-patrão da apresentadora.

Eliana na Fábrica Maluca surgiu, com a reformulação de Eliana & Alegria, programa que estava no ar desde 1998, quando Eliana havia sido contratada pela emissora e vinha registrando baixos índices de ibope em seus últimos anos. De início, não existiam quadros, e sim departamentos,que tinham a função de cuidar de cada área do programa, desde as experiências até as reportagens sobre viagens. A audiência do novo programa não foi a esperada, e depois de meses lutando contra os baixos índices de audiência, o programa foi transferido para as tardes da emissora, nesta mudança, o Note e Anote passou a ser exibido durante as manhãs, para suprir o espaço deixado em aberto pelo programa. Quando a Fábrica Maluca passava pela manhã obteve na média apenas 3 pontos de audiência.[2] o horário chegou á passar por 4 modificações indo para as 08h30 e tendo seu tempo reduzido para apenas uma hora, sendo a principal mudança, a que o transferiu para as tardes.

O programa exibiu o desenho Família da Pesada mas seriados também passaram a ser exibidos, desde As Patricinhas de Beverly Hills e Sabrina, Aprendiz de Feiticeira até Turma da Paquera, uma sitcom nacional muito similar aos estrangeiros. A audiência melhorou consideravelmente, passando para a casa dos cinco pontos, e chegando a atingir o segundo lugar de audiência por várias vezes,[3][4] Porém pouco tempo depois no novo horário o programa voltou á ter baixa audiência que foi caindo assustadoramente cada vez mais, em julho de 2003 o programa tinha apenas uma hora de duração e registrava um baixo ibope de apenas 2 pontos de média[5]

Em 12 de março de 2004 foi ao ar o último programa e, em 15 de março estreou o Programa Eliana, focado no público adolescente.[6]

Recepção[editar | editar código-fonte]

A crítica especializada não gostou do que viu. A coluna de Patrícia Kogut, no jornal O Globo, declarou que o formato que estava sendo utilizado já estava muito desgastado.[7] Em uma enquete da Folha de S. Paulo, o programa ficou em 3º lugar ao se decidir o "programa infanto-juvenil mais bocó", levando 1.635 votos provando que o público odiava o programa tanto quanto a crítica.[8] Além disso o jornal A Tribuna declarou que Foi-se o tempo em que as crianças podiam se deliciar com a grande variedade de programas infantis na tevê aberta...o que está no ar não empolga as crianças e muito menos os pais.[9]

Apresentadora[editar | editar código-fonte]

Eliana, a apresentadora do programa.

Eliana é uma apresentadora de televisão, atriz, empresária e cantora brasileira. Atualmente foi contratada pelo SBT, trabalhava na RecordTV no comando do programa dominical Tudo é Possível. Em 2009 retornou ao SBT dando assim continuidade ao "Programa Eliana" dessa fez voltado para o público feminino.

Quadros[editar | editar código-fonte]

  • Panella's XopXô — Uma paródia bem-humorada dos programas de televendas, apresentada por Chiquinho e Pitoco.
  • Adrenalina com Pitoco — Pitoco praticava esportes radicais, sem esquecer de passar informações de segurança.
  • Táxi do Zé — Eliana, disfarçada como Seu Zé, recebia personalidades em seu automóvel e fingia não conhecê-las.
  • Piração — Quadro apresentado por Celso Cavallini, que recebia personalidades com seus desafios extremos.
  • Diário de Viagem — Um quadro que mostrava as viagens de Eliana, pelo Brasil e pelo mundo.
  • Game Animal — Apresentado pelo biólogo Sérgio Rangel, este quadro apresentava um animal diferente em todos os episódios.
  • Sófofoca — Uma sátira dos programas de fofocas que invadiram a televisão, era apresentada por Eliana e Chiquinho.
  • Sonho de Criança — Um quadro onde crianças pobres poderiam ganhar dinheiro ao realizar uma prova pré-determinada.
  • Olha a Torta — Prova em que os participantes levavam torta na cara se não soubessem responder às perguntas que Eliana formulava. A equipe que levava menos torta ganhava a prova.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2003, Eliana na Fábrica Maluca recebeu uma indicação para o Troféu Imprensa na categoria de melhor programa infantil, mas perdeu para o Sítio do Pica-Pau Amarelo, no ano seguinte, o Programa Eliana foi indicado novamente para o prêmio na mesma categoria, mas perdeu novamente para o seriado da Rede Globo.[10] No mesmo, a atração foi indicada ao Prêmio Qualidade Brasil, na categoria de melhor programa infantil, porém, perdeu por uma diferença considerável para o Sítio do Pica-Pau Amarelo, de 79% a 21%.[11]

Referências

  1. «Título ainda não informado (favor adicionar)». Portal IG. Consultado em 5 de novembro de 2012 
  2. «Título ainda não informado (favor adicionar)». Área Vip. Consultado em 5 de novembro de 2012 
  3. (em português) «ÁreaVip». home.areavip.com.br  - Eliana na Fábrica Maluca marca 5 pontos de média. Página visitada em 05/04/08.
  4. (em português) «ÁreaVip». home.areavip.com.br  - Eliana na Fábrica Maluca em segundo lugar. Página visitada em 05/04/08.
  5. «O desaparecimento dos bons programas infantis». Veja SP. 26 de julho de 2003. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  6. (em português) «Folha da Bahia». www.clubecorreio.com.br  - André Bernardo, Apresentadora muda perfil do programa e conquista público juvenil. Página visitada em 05/04/08.
  7. «Pernambuco.com». www.pernambuco.com  - Caderno Viver, Nota 0. Página visitada em 05/04/08.
  8. «Folha Online». polls.folha.com.br  - Enquete: Programa infantil/juvenil mais bocó. Página visitada em 05/04/08.
  9. «Fábrica Maluca Fica na poeira do extinto Eliana & Alegria». Veja SP. 26 de julho de 2003. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  10. (em português) «Terra». paginas.terra.com.br  - Troféu Imprensa - Categoria Programa Infantil. Página visitada em 05/04/08.
  11. (em português) «Prêmio Qualidade Brasil». www.premioqualidadebr.org.br  - Resultados de 2004. Página visitada em 05/04/08.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]