Esquerda e direita (Umbanda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esquerda e direita, na Umbanda, ou ainda negativo e positivo, são dois conceitos relacionados ao campo de atuação de entidades em algumas religiões afro-brasileiras, notadamente na Umbanda.[1]

Uma vez que estas religiões não são essencialmente maniqueístas, o polo "negativo", ou "de esquerda" não é necessariamente considerado algo maligno.[2]

A grosso modo, a direita trabalha com fatores irradiadores e a esquerda trabalharia com fatores consumidores. Assim, entidades de esquerda trabalhariam consumindo e absorvendo os desequilíbrios, as viciações, os desvirtuamentos e a negatividade. Enquanto a direita trabalharia reestruturando.[3]

Costumam ser relacionados à direita os Caboclos, Pretos-Velhos, Baianos, Erês, Marinheiros e outros.[3] Na esquerda podemos citar os Exus, Exus-Mirins e Pombajiras.[3]

Contudo ainda existem certas linhas de trabalho que parecem se adaptar a tudo, como os malandros, ciganos, boiadeiros e até alguns intermediários de Ogum.[3]

Referências

  1. Federação de Umbanda e Candomblé do Estado de São Paulo (13 de em março de 2014). «PorQue Falamos Esquerda na Umbanda». Consultado em 2 de novembro de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Fernando Aparecido. Teologia Básica De Umbanda. [S.l.: s.n.] p. 13-19. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  3. a b c d Douglas Rainho (23 de outubro de 2013). «Os dois pilares na Umbanda: Esquerda e Direita.». Consultado em 2 de novembro de 2018