Malandros na umbanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Malandros na Umbanda)
Ir para: navegação, pesquisa
Zé Pretinho, um representante da falange dos Malandros.
Malandro da Lapa.

Malandros são entidades de Umbanda cultuadas no Rio de Janeiro cujo maior representante é Zé Pelintra.

História[editar | editar código-fonte]

Se vestem todos de branco com chapéu de igual cor, com exceção de alguns que se vestem de preto, como Zé Pretinho, ou com listras, Malandro Camisa Listrada. São confundidos muitas vezes com os exus, mas diferem destes por pertencerem à Linha das Almas, a mesma dos pretos-velhos, boiadeiros e mineiros.

Alguns são originários do culto conhecido como Catimbó. Na direita, são cultuados como baianos, sobretudo em São Paulo, onde possuem giras próprias. Há também representantes do sexo feminino, como Maria Navalha, Maria Branca, entre outros[1] .

Companheiro da prostituta, o malandro é figura recorrente no imaginário brasileiro. Sua avaliação, entretanto, tende a ser menos negativa do que a dela. Segundo Roberto DaMatta (1997), sua caracterização está relacionada à sua aversão pelo trabalho e à individualização da sua figura e de seus costumes. Contudo, é inegável em nosso meio social a valorização da sua desenvoltura para resolver problemas e quase sempre levar vantagem, inclusive nas situações francamente adversas.

A Linha dos Malandros da Umbanda traz para dentro do ambiente Sagrado os excluídos da sociedade. Espíritos que em alguma encarnação, por conta do preconceito racial, foram considerados párias e marginalizados pela sociedade, mas que lidaram com essa adversidade sem perder sua Fé, sua identidade e seu bom humor, certamente que já apresentavam um bom nível pessoal de evolução. E após desencarnarem continuaram suas evoluções, até alcançarem um Grau perante a Espiritualidade, o qual lhes permitiu voltar à Terra na condição de Guias Espirituais, para nos reconduzir ao Divino.

Ao mesmo tempo, a Linha dos Malandros simboliza a aproximação dos excluídos com o Divino e ainda, para todas as pessoas, a possibilidade de uma reflexão sobre o preconceito e as exclusões sociais.

Mas, afinal, alguns se perguntam o quê um “malandro” teria para nos ensinar, qual seria a sua contribuição dentro da religião? Primeiro, cabe lembrar que não estamos falando do “malandro” no sentido vulgar da palavra.

Os Espíritos que se apresentam na Umbanda dentro da Linha que corresponde ao Grau Malandro (com “M” maiúsculo!) vêm nos ensinar a flexibilidade, a capacidade de adaptação diante dos obstáculos, o “jogo de cintura” e o bom humor, que se obtêm através do sentimento de Fé na Vida e em si mesmo e do equilíbrio das emoções, dos pensamentos e dos sentimentos. De alguma forma, em algum momento das suas existências, eles vivenciaram tudo isso e podem nos auxiliar.

Os Malandros nos ensinam: que a vida é feita de experiências e toda experiência visa a nos ensinar algo de positivo; que não há obstáculos insuperáveis, pois isso nos condenaria à destruição, o que é inconcebível porque não há “morte” em nenhum ponto do Universo e sim, transformações que promovem renovação e evolução constantes; que é preciso confiar nas Leis da Vida e manter a alegria e o bom humor, para estar em sintonia com faixas vibratórias positivas e atrair a cura espiritual, emocional, mental e física, pois todo filho de Deus é um co-criador.

Sua linguagem é altamente simbólica. Muitas vezes, eles falam conosco e comparam a vida a um jogo de cartas ou de dados:

●Nesse “jogo”, uma “jogada” ruim seria um imprevisto, uma adversidade. O que não significa a perda da partida (motivo para desespero, descrença e desistência), pois a próxima “jogada” (a nova oportunidade, o próximo passo) poderá ser melhor, só depende de nós;

●Nesse “jogo”, é preciso estar atento a cada passo, observando o “adversário” (o desafio externo, bem como os próprios pensamentos, convicções, emoções e sentimentos), para se enfrentá-lo em melhores condições e se alcançar “a vitória”;

●“A vitória” pode ser a superação do obstáculo em si. Mas a grande “vitória” é o entendimento das causas da dificuldade e a aceitação da nossa responsabilidade por essa realidade que de algum modo criamos. O erro ensina e nos dá oportunidade de recomeçar e acertar;

●No caso de uma derrota, saber esperar outra oportunidade e tentar de novo, sem nunca desistir. Podemos “virar o jogo” através da persistência, da alegria e da Fé no amanhã. É a valorização da vida, da própria existência, do momento atual e de cada momento.

O seu “gingado”, a sua musicalidade, a sua dança e a sua “malandragem” não são simples repetição das características “dos malandros do mundo”, vamos dizer assim. Esses Espíritos não estão entre nós para fazer apologia do que foram, possivelmente, em alguma encarnação, mas para nos ensinar o que é possível extrair das lições da vida.

A grande “malandragem” que eles nos ensinam é como sermos flexíveis, nos desapegando e abrindo mão de idéias antigas, para nos renovarmos a cada dia; encarar a vida com leveza, sem guardar rancores e levar tudo para o campo pessoal; não perder o humor e estragar um dia por causa de um obstáculo, por maior que pareça; aprender com os próprios erros, para não repeti-los, pois quem anda atento na vida não vive caindo em buraco...

No aspecto social, a Linha dos Malandros simboliza a inclusão de negros, mulatos e mestiços que viviam marginalizados em nossa sociedade desde o período pós-abolição. Claro que os Espíritos que tiveram uma encarnação assim, como excluídos, continuaram evoluindo e não precisam ser “incluídos em nosso meio social”. Nós é que precisamos refletir sobre as exclusões que já aconteceram e ainda acontecem por aqui, baseadas em preconceitos, para não repeti-las. E só alcançaremos isso a partir de uma conduta fraterna e de respeito integral ao “outro”. Por outro lado, a presença desses Espíritos nos Terreiros de Umbanda, acolhendo a todos com sua alegria e suas magias, é um braço de atração dos mais humildes, que se identificam com essa maneira despojada de ser, despertam a autoconfiança e podem melhor se expressar e progredir. Existiria melhor exemplo de “aprender com os erros”?

Quanto à questão social, vale lembrar que a “abolição” da escravatura não pôs fim ao preconceito racial. Historicamente, continuou existindo em nosso país um preconceito velado em relação aos homens e mulheres de pele negra, aos mulatos e aos mestiços.

Não se pretende, aqui, discutir a validade da Lei Áurea, que libertou os escravos no Brasil, enquanto ferramenta jurídica. Na época, o advento dessa Lei foi importante porque seus infratores passaram a ser considerados criminosos, e isto encerrou um capítulo sombrio do nosso passado. Mas o entendimento de que todos somos filhos de Deus e iguais perante a Lei e a Justiça Divinas não é algo que se alcance por meio de leis humanas, por mais bem intencionados que estejam os seus autores. Isto só se alcançará com a expansão de consciência de cada ser humano, com o decorrer do tempo e a vivência das lições que a Vida Maior nos proporciona. A “libertação” de opressores e oprimidos vem da expansão da consciência: conhecendo sua origem e natureza Divina, o ser humano se desinteressa pelo desejo de posse a qualquer custo e, aí sim, começa a se “humanizar”, começa a compreender a razão de existirmos e a agir como quem é Um com o Todo.

Enfim, com o decreto da abolição no Brasil, um imenso contingente de homens e mulheres recém libertos não conseguia uma colocação de trabalho remunerado. Antigos escravocratas defendiam a idéia de que os negros só renderiam se forçados a trabalhar, como no tempo da escravidão. Houve uma propaganda intensa no sentido de que seria muito melhor trazer para cá os colonos europeus, obviamente brancos. Os europeus vieram e ocuparam a maior parte das colocações de trabalho, sendo sempre preferidos em relação aos ex-escravos. Destes últimos, a maioria ficava sem uma ocupação condigna e sem acesso às escolas e a um aprimoramento, enquanto alguns conseguiam apenas ocupações menores. Em consequência, pouco a pouco se formaram os primeiros grandes grupos de pessoas colocadas a viver à margem da sociedade brasileira.

Depois da abolição dos escravos e no correr dos anos, a idéia de que os negros e seus descendentes eram preguiçosos e menos capazes de aprender do que os brancos foi um pensamento disseminado em boa parte do nosso meio social. Fato é que a mão-de-obra escrava sempre deu conta de enriquecer os que dela se utilizavam; sinal de que os escravos, mesmo em condições absolutamente adversas, tinham competência no que faziam...

Mas por toda a parte, no mundo, então se insinuava uma perigosa teoria: a “da supremacia racial branca”, que de certa forma contaminou o nosso país.

Existia no Brasil, à época, um clima de discriminação muito pesado, embora silencioso. Não havia, propriamente, episódios de violência física contra os negros, mulatos e mestiços, ao contrário do que ocorria em muitos países. Mas os costumes sociais sinalizavam no sentido de que era preciso “alisar o cabelo” para se ter boa aparência; que a música, a dança e o gingado dos negros “não eram boa coisa” etc. etc. Essa propaganda infeliz pretendia fazer com que os negros, os mulatos e os mestiços negassem sua identidade, forçando-os a “um branqueamento”. Afinal, para os opressores de sempre, a grande meta era continuar a escravizar e a melhor forma de fazer isso era pela via indireta, ou seja, fazendo com que os excluídos se sentissem inferiores e se colocassem em posição subalterna perante a sociedade que “os libertara”. Irônico? Não, apenas triste, muito triste esse capítulo da história do nosso país...

De alguma forma, os poderosos da época continuaram a vender a idéia de que aquelas pessoas eram inferiores. Os ideais dos Inconfidentes e dos Abolicionistas, que algum tempo antes comoveram e convenceram a muitos sobre o absurdo da escravidão humana, culminando com o advento da Lei Áurea, aqueles ideais agora ficavam para trás, esquecidos, sepultados sob a voracidade da sede de poder dos capitalistas extremados. Tudo o que importava era o lucro pelo lucro. Desqualificando, dessa forma, a mão-de-obra dos recém “libertos”, os detentores do poder político-econômico tomavam-lhes força de trabalho em troca de quase nada, porque muitos se sujeitaram a isso para não morrer de fome...

De qualquer maneira e de modo geral, aquelas pessoas e seus descendentes não eram bem vistos. E, com o tempo, vão surgindo as rodas da marginalidade. Não, necessariamente, a marginalidade do crime. Mas uma condição de vida à margem do quadro social. A música e a dança apreciadas por aqueles que a sociedade marginalizava não eram bem vistas, nem as suas atividades de recreação (jogos, carteado, capoeira etc.); e então surgiram grupos localizados para essas atividades. Frequentá-los, muitas vezes, era motivo bastante para ser alvo da polícia. Obviamente que esses lugares acabavam atraindo também pessoas já antes voltadas para o crime. Esses locais acabaram por tornarem-se perigosos o bastante para explicar que muitos de seus frequentadores andassem armados, ainda que não fossem propriamente criminosos. Daí dizer-se que os “malandros” andavam com faca ou navalha etc.

Quando se fala em “malandro”, na linguagem cotidiana, a primeira idéia que nos ocorre é a do boêmio, do jogador inveterado de cartas ou de dados, do amante da noite, da música e das rodas de danças, que vivia de expedientes, carregava navalha ou faca e fugia da polícia.

O “malandro” carioca faz lembrar aquele que vivia na Lapa, que gostava de samba e passava as noites na gafieira, chegando a ser personagem de peças teatrais, de músicas e de muitas histórias. Já o “malandro” de Pernambuco vivia nas danças do côco e do xaxado, passando as noites no forró. O que eles têm em comum? Eram todos marginalizados pela sociedade, vistos como “gente à toa”. Porém, sobreviveram a esse clima adverso, vivendo sem acesso a uma boa instrução ou a bons empregos; nem sempre conseguiram, senão com muita dificuldade, dar alguma instrução aos filhos. Nem por isso perderam a alegria, o gosto pela música e pela dança, pelo carteado, pela conversa noite adentro, de alguma forma conseguindo manter suas raízes religiosas e tradições ancestrais, dando “um jeitinho” de ser felizes.

Por trás dos arquétipos da Umbanda, vamos encontrar, no mais das vezes, a Mão da Espiritualidade Superior a corrigir grandes equívocos e injustiças sociais e a nos fazer refletir, enquanto nos auxilia nos problemas do cotidiano. E hoje temos, na presença da Linha de Malandros, uma excelente oportunidade de refletir sobre algumas questões, em especial: primeiro, que nem tudo que parece ruim de fato o é; e segundo, que de tudo se pode extrair algo de bom e de positivo. Do que poderia ter sido uma experiência de todo ruim, esses Espíritos extraíram uma lição de flexibilidade. E aquilo que para uma sociedade hipócrita parecia ser neles um mal era, muito ao contrário, a prova de valor de um povo que manteve fidelidade às suas raízes e não se deixou vencer pelo meio hostil.

Os Malandros vêm até nós, pelas Mãos do Alto, para nos ensinar “a boa malandragem”: fazer limonada com os limões azedos que recebemos dos outros; escorregar e levantar rapidinho, sem perder a compostura e a elegância, e já sair dançando e cantando; aprender jogar “o jogo da vida” e ser um bom parceiro de jogo, aprendendo a rir das tristezas e de si mesmo; assumir ser o que se é, sem hipocrisias, e fazer todo o Bem que se possa; não se prender a padrões e valores externos, mas ficar centrado em si mesmo e na sua Fé, sem nunca desacreditar da Vida Maior, cujo amparo permeia todos os nossos caminhos diários.

Pensar que os Malandros podem nos ensinar tudo isso brincando, de um jeito tão despojado, é o bastante para se quebrar velho ditado que dizia: ”de onde não se espera é que não sai nada”. Porque as aparências enganam!...

Então, não vamos viver de aparências e nem pelas aparências. Vamos viver a vida com Amor, Respeito e Fé. Vamos acreditar em nosso poder interior, que é Deus em nós. Vamos aprender a nos centrar e a nos conhecer intimamente, despertando nossas capacidades e valores acumulados ao longo desta e de outras encarnações e que ainda dormem dentro de nós, mas que podem ser despertados pelo nosso querer, por nossa vontade de superar as dificuldades, por nossa firme determinação de curar nossos pensamentos menos felizes e de encontrar respostas para as nossas necessidades, para enfim chegarmos a um caminho de felicidade, aqui e agora.

Quando se está na frente de um Malandro da Umbanda, é bom que a gente reflita sobre isso.

Essas Entidades estão entre nós por um recurso da Misericórdia Divina, trabalhando pela continuidade da própria evolução e também em nosso favor. Então, nada de o consulente adotar “julgamentos apressados”, no sentido de que se poderia pedir a eles algum mal, um trabalho de magia negativa ou coisa do gênero. E nós, médiuns, não podemos cair na bobagem de achar que podemos dar vazão aos nossos impulsos menos nobres e começar a usar de palavreado chulo, ou desandar a beber e a fumar etc. etc., sob o pretexto de que foi “o malandro” (aqui, com “m” minúsculo, porque um Malandro, um Guia de Umbanda, não faz isso nunca!...).

Vamos recordar que os Malandros são Espíritos a serviço da Luz que vêm nos guiar, orientar e auxiliar; e que um Guia é sempre alguém mais elevado do que nós. Precisamos nos conduzir com honra, respeito, devoção e gratidão aos nossos Guias de Umbanda, para darmos continuidade à nossa evolução. É preciso estar no Terreiro, com em qualquer Templo, de alma e corpo presentes, por inteiro, pra valer.

Os Malandros são simples, amigos, leais e verdadeiros.

Mas se alguém pensa que pode enganá-los, então é desmascarado sem a menor cerimônia e na frente de todos, porque os Malandros não toleram a maldade, a injustiça ou a tentativa de se enganar aos mais fracos.

Nos Terreiros que adotam vestimentas características, quando incorporados em seus médiuns, os Malandros se apresentam vestidos com camisas listradas, alguns com camisas de seda, outros de terno e gravata brancos e chapéu ao estilo Panamá e às vezes de palha. Usam sapatos brancos, ou então bicolores (branco/preto; preto/vermelho) e gravata vermelha. Alguns usam cartola; outros, uma bengala (cajado).

Manipulam magisticamente fumos como charutos e cigarrilhas; e bebidas que vão desde aguardente, batidas, batida de côco, conhaque até uísque.

São cordiais e alegres. Parecem dançar a maior parte do tempo, mas com seus movimentos estão é recolhendo negatividades e purificando as pessoas e o ambiente.

Podem se envolver com qualquer tipo de assunto e têm capacidade espiritual bastante elevada para resolvê-los. Trabalham para curar, desmanchar magias negativas, proteger e abrir caminhos. Atuam muito na cura de problemas de cunho espiritual e emocional, particularmente no campo das chamadas doenças mentais (ansiedade, fobias, depressão, síndrome do pânico, compulsões, esquizofrenia etc.), pois seu magnetismo é bastante eficaz sobre os distúrbios originários de desequilíbrios do Sentido da Fé.

De modo geral, os Malandros se apresentam com uma fita vermelha no chapéu. Mas os que atuam na cura usam uma fita branca, símbolo do curador, ligado ao Pai Oxalá.

Dentro da Linha existem também as manifestações femininas, das quais Maria Navalha e Maria do Cais são os exemplos mais conhecidos.

Como regra geral, os Malandros não são Exus. São Entidades que integram Linhas de Trabalho distintas. Mas alguns Malandros se manifestam nas sessões de Esquerda, junto com os Exus.

Uma figura bastante conhecida dentro desta Linha é Seu Zé Pelintra.

Seu Zé, como é conhecido popularmente, é uma Entidade peculiar, pois tanto se manifesta na Direita quanto na Esquerda. Na Direita, ele vem como Malandro mesmo, ou como Baiano, ou ainda como Preto Velho quimbandeiro (isto é, voltado para o corte de magias negativas). E pode vir na Esquerda, como Exu. Por que será? Ora, uma das grandes características dos Malandros não é a flexibilidade? Pois então... Seja como for, ele é um Guia a serviço da Luz.

Já no Catimbó, Zé Pelintra é “doutor”, é um curador, é um Mestre da Jurema bastante respeitado.  Na Jurema, Seu Zé Pelintra não tem a conotação de Exu, a não ser quando a reunião é de Esquerda, porque os Mestres da Jurema têm essa capacidade de pode vir tanto na Direita quanto na Esquerda. Na Esquerda, os Mestres vêm para cortar o mal.

No Catimbó, Seu Zé usa bengala (que pode ser qualquer cajado), cachimbo e faz uso ritualístico da cachaça. Dança côco, baião e xaxado e abençoa a todos, que o abraçam e o chamam de padrinho.

Porém, não podemos nos esquecer de que dentro da Linha dos Malandros, como nas demais Linhas de Trabalho da Umbanda, estão agrupados espíritos que tiveram encarnações diferentes entre si. O ponto central é sabermos que esses Espíritos não estão presos a seus antigos nomes e sim, que foram agrupados a partir de suas afinidades vibratórias e evolutivas e de suas especialidades (campos de atuação), visto que a A linha de ação e trabalho do Sr. Zé Pelintra é uma falange de espíritos de muita luz, da qual fazem parte todos aqueles que tem afinidades e ligações com a forma de atuação do Sr. Zé Pelintra, com seus conhecimentos e malandragens, com seu jogo de cintura e boa conversa, com as pessoas mais simples e humildes, com os nossos irmãos que são marginalizados pela sociedade e com todos aqueles que vivem suas vidas com as dificuldades da pobreza e da baixa renda. São homens e mulheres que passaram ao plano espiritual e que possuem algum conhecimento e capacidade de atuar como guias e orientadores de seus irmãos encarnados enquanto trilham a sua própria evolução. Não são Exús e não são Pombagiras mas, conforme vão evoluindo, podem chegar ao nível de atuar como Exús e Pombagiras. E, caso queiram atuar nesses campos, terão que pedir permissão aos sustentadores dos senhores Exús e Pombagiras, pois no plano espiritual há hierarquias que devem ser respeitadas. A linha de trabalho do Sr. Zé Pelintra atua na orientação, proteção, amparo, auxilia na saúde, no trabalho, no convívio com amigos e familiares. A regência da linha de ação e trabalho do Sr. Zé Pelintra é do Pai Ogum e do Pai Oxalá, que pode ser afirmada por suas cores principais que são o vermelho e o branco. Alguns guias podem atuar dentro desta linha sob a irradiação de outro Orixá em suas atribuições o que pode vir a incluir uma ou outra cor às suas características individuais. Assim como em todas as outras linhas, há guias da falange do Sr. Zé Pelintra que atuam nos campos da Lei, da Justiça, do Amor, do Conhecimento, e em todas as outras irradiações divinas. Trabalham dentro da Linha de Esquerda em alguns terreiros de Umbanda (não todos) e são tratados muitas vezes como Exus, mas os Malandros não são Exus de fato. Essa idéia existe porque quando não são homenageados em festas ou sessões particulares, manifestam-se tranqüilamente nas sessões de Exu e parecem um deles. Os Malandros são espíritos que tem suas próprias características e jeito de manifestar e falar bem diferentes dos Exus. São cordiais, alegres, dançam a maior parte do tempo quando se apresentam, usam chapéus ao estilo Panamá e sua tradicional vestimenta: Calça Branca, sapato branco (ou branco e vermelho), seu terno branco, sua gravata vermelha, seu chapéu branco com uma fita vermelha ou chapéu de palha e finalmente sua bengala, mas a maioria gosta mesmo é de roupas leves, camisas de seda. Bebem de tudo, da cachaça ao whisky, passando as vezes pela cerveja,, fumam na maioria das vezes cigarros, mas utilizam também o charuto. Gostam de dançar gingando as pernas e o corpo como se fosse parecido com a gafieira ou como se eles estivessem em uma roda de samba. Pode-se notar o apelo popular e a simplicidade das palavras e dos termos com os quais são compostos os pontos e cantigas dessas entidades. Assim é o malandro, simples, amigo, leal, verdadeiro. Se você pensa que pode enganá-lo, ele o desmascara sem a menor cerimônia na frente de todos. Apesar da figura do malandro, do jogador, do arruaceiro, detesta que façam mal ou enganem aos demais. Podem se envolver com qualquer tipo de assunto e têm capacidade espiritual bastante elevada para resolvê-los, podem curar, desamarrar, desmanchar, como podem proteger e abrir caminhos. Têm sempre grandes amigos entre os que os vão visitar em suas sessões ou festas. Gosta muito de ser agradado com presentes, festas, ter sua roupa completa, é muito vaidoso, tem duas características marcantes: Uma é de ser muito brincalhão, gosta muito de dançar, gosta muito da presença de mulheres, gosta de elogiá-las ,etc. Outra é ficar mais sério parado num canto observando os movimentos ao seu redor, mas sem perder suas características. Existem também as manifestações femininas da malandragem, a Maria Navalha é um bom exemplo. Manifesta-se com as características semelhantes aos malandros, dança gingando ou sambando, bebe e fuma da mesma maneira. Apesar do aspecto, demonstram sempre muita feminilidade, são vaidosas, gostam de presentes bonitos, de flores principalmente vermelhas e vestem-se sempre muito bem. O Sr. Zé Pelintra que deu origem à linha de trabalho e que a sustenta do Alto com a permissão e outorga de Deus e de seus Orixás, adquiriu conhecimentos em várias áreas humanas, desde a simplicidade dos morros até a medicina curativa. O início de sua linha de trabalho teve origem a partir do Catimbó (culto praticado no Nordeste brasileiro que mistura conhecimentos de ervas, práticas espirituais africanas e européias, um pouco do Candomblé, da pajelança xamânica indígena e do culto da Jurema Sagrada, sobre uma base fundamentalmente católica. O Sr. Zé Pelintra é um dos mestres que atuam no culto do Catimbó. Em sua vida humana, adquiriu os conhecimentos do interior do país, sua cultura, modo de vida, crenças e hábitos religiosos e espirituais. Ao que consta, nasceu em Pernambuco mas ainda jovem mudou-se para o Rio de Janeiro. A partir daí, passou a freqüentar a vida noturna carioca, preferencialmente no bairro da Lapa. Tornou-se muito popular entre os moradores locais e toda a malandragem da noite da Lapa, bem como dos sambistas em geral. Dizem que gostava muito de jogos de baralho e dados, era exímio no manejo de facas, facões, navalhas, canivetes e todo o tipo de armas afiadas. Mas, apesar de todo o seu conhecimento e prática, utilizava armas apenas para defesa pessoal e daqueles que considerasse injustiçados e sob algum tipo de perigo. Como todo bom malandro, gostava de uma boa bebida, de um bom cigarro ou charuto e de comer bons aperitivos. No dia a dia, conversava com todo e era muito prestativo procurando ajudar os mais necessitados. Gostava de dar conselhos e orientações, receitava remédios e tratamentos com ervas (banhos, ungüentos, macerados, chás, beberagens, etc.). Entre muitas de suas características, podemos destacar a sua atuação no auxilio daqueles irmãos que estão perdidos e sem luz, ele os encontra e com o seu jogo de cintura e boa conversa os ilumina para que possam novamente ver a luz de nosso Pai e ser encaminhados para tratamento e orientação. O Sr. Zé Pelintra também é conhecido como advogado dos pobres, pois ele sempre gostou de defender os mais fracos e oprimidos. Os comerciantes tem em seu Zé Pelintra um protetor de seus estabelecimentos, basta pedir o seu auxílio e a sua proteção para afastar bandidos e marginais. Depois de muito tempo de trabalho, aprendizado e auxílio, o Sr. Zé Pelintra foi estabelecido como sustentador de uma linha de ação e trabalho com as suas características e a sua “malandragem”. A sua falange é composta de espíritos que atuam com amor em benefício dos seus irmãos e com a sua “malandragem”, o seu jogo de cintura e a sua boa conversa, vão encontrando, auxiliando e recolhendo muitos espíritos que se encontram caídos pelo caminho da evolução humana. Com todo o seu conhecimento e a sua familiaridade com a noite e com a bandidagem, têm muita facilidade para transitar pela esquerda, nos pólos negativos onde atuam os Exus e Pombagiras. São guias que emanam muita luz, amor, respeito, carinho, integridade, mas quando se faz necessário também são bastante duros e inflexíveis, cumprindo suas funções mesmo que tenham que recolher obsessores, quiumbas e todo o tipo de mal feitores espirituais à força. Eles podem atuar no positivo e no negativo da linha de trabalho. Chegam nas casas de trabalho Umbandistas com seu samba ou capoeira no pé, chapéu de panamá de lado, normalmente usam roupas brancas com detalhes em vermelho, podem usar bengalas, e se apresentam com toda a ginga de um malandro. Nessa linha de trabalho, assim como nas outras, há manifestações femininas da malandragem, como a Senhora Maria Navalha, por exemplo. Elas se manifestam da mesma forma que os malandros, gostam de dançar, beber, fumar, tem ginga e muito jogo de cintura. Mesmo atuando dentro da linha de malandros, mantém sempre muita feminilidade, gostam de se vestir bem, são vaidosas, estão sempre bem arrumadas, gostam de flores (principalmente vermelhas) e trabalham muito bem. Os malandros estão sempre pelas ruas, nas subidas de morros, sambódromos, quadras de escolas de samba, nas esquinas, perto de bares e lanchonetes onde há grande movimento noturno, festas, entre outros.

Os guias da linha do Sr. Zé Pelintra (ou linha de Malandros, como também é conhecida) têm atuado dentro das casas de trabalho espiritual nas giras da esquerda, normalmente junto com os Exus e Pombagiras, pois a sua forma de atuação e o seu campo de trabalho ainda não era muito conhecido. Apenas recentemente, tem chegado do plano espiritual maiores informações sobre a sua linha de ação e trabalho. Seu Zé pode se manifestar em qualquer gira, tanto de Exú, como de Preto Velho, Baiano, Boiadeiro, Marinheiro e Caboclo. Depende muito da sua necessidade de trabalho em benefício do médium ou da casa espírita. Mas, normalmente, a casa de trabalho define uma gira para a sua atuação no atendimento aos consulentes. O Sr. Zé Pelintra e seus guias cobram muita seriedade, responsabilidade, compromisso e integridade de seus médiuns, entre outras virtudes. Quando o médium se perde através da má conduta, com atitudes irresponsáveis e maldosas, seja pela vaidade, pelo orgulho ou pela ganância, ele é o primeiro guia a se afastar do médium. É importante ressaltar que os Guias que se manifestam através da linha do Sr. Zé Pelintra podem solicitar alguma bebida, cigarro ou charuto, mas que serão utilizados especificamente para o trabalho espiritual. Os guias espirituais não descem à terra para se embriagar ou embriagar os seus médiuns, isto deve ser muito bem esclarecido pois chegou o tempo de se conhecer e respeitar aqueles que atuam nesses campos de ação em benefício de seus irmãos. O que é ignorado é perdoado mas o que é de conhecimento não o pode ser. É preciso prestar muita atenção neste recado para que não nos enganemos mais, pois a partir de agora fomos avisados. O álcool e o fumo apenas são utilizados para limpeza e descarrego espiritual, para desmanche de miasmas e acúmulos negativos e para alguns tipos de tratamentos de cura cujos seus componentes químicos possam ser transmutados e aplicados. Mas como agem as Malandras que fazem parte da linha dos Malandros na Sagrada Umbanda? Quando trabalhamos com a linha das Malandras, trabalhamos com o poder da alegria e liberdade feminina. As Malandras são aguerridas e muito poderosas nos campos do amor e da proteção. Existem entidades Malandras em todos os tipos de vibrações e atuações atuando em muitos campos em nossas vidas através da via da direita e da esquerda. Muitas delas, estão hoje trabalhando na linha da esquerda como Pombas Giras e outras na direita como Baianas pois, esta linha ainda está se assentando neste plano, embora os Malandros já tenham destaque, as Malandras ainda não aparecem muito como tal nos terreiros. A chefe da linha das Malandras é Dona Sete Navalhas, conhecida também como Maria Navalha que trabalha muito como Pomba Gira, mas é Malandra de fato! A Malandragem feminina desta falange mostra que todas as mulheres têm o direito de serem felizes, livres e de viver a vida como quiserem sem o machismo e o falso moralismo que vemos hoje em dia ainda e que podam a natureza sensual de toda a mulher. As Malandras nos ensinam a respeitar as mulheres como poderosas guerreiras da vida que merecem e devem ter respeito e admiração não pelo que nós os homens queremos que elas sejam, mas pelo que elas já são, encantadoras quando querem, amorosas quando respeitadas e guerreiras quando precisam.

Nomes Simbólicos: Zé Pelintra, Zé Malandro, Zé do Côco, Zé da Luz, Zé de Légua, Zé Moreno, Zé Pereira, Zé Pretinho, Malandrinho, Camisa Preta, Camisa Listrada, Sete Navalhas, Malandro do Morro, Chico Pelintra, Meia-Noite, Malandro Zé da Silva, Cibamba, Zé da Virada, Zé Camisa Preta, Zé Mineiro, Zé Camisa Vermelha, Zé Camisa Listrada, Malandrinho, Malandro da Ferrovia, Malandro da Lapa, Zé da Mata, Malandro da Baixa do Sapateiro, Malandro do Pelourinho, Malandro da Praia, Mané Soares, Boa Noite, Malandro Edgar, Malandro do Carteado, Malandro Truqueiro, Malandro da Zona Portuária, Zé Pretinho, Malandro Batuqueiro, Zé do Morro, Zé do Beco, Zé Navalha, 22 da Marajó, Zé da Madrugada, Miguel Camisa Preta, Malandro Galileu da Galiléia, Zé Malandro, Zé do Coco, Zé da Luz, Zé de Légua, Zé do Pandeiro, Zé da Lapa, Zé da Virada, Zé Moreno, Zé da Rua, Zé da Noite, Zé Pereira, Camisa Listrada, Sete Navalhadas, Zé Navalha, Sete Facadas, Madame Satâ, Malandrinho, Malunguinho, Nego da Lapa, Malandro da Barra Funda, Maria do Cais, entre outros. Podem haver casos de trançamento ou cruzamento com outras linhas de trabalho, como por exemplo: Zé Baiano, Zé Boiadeiro, Zé Marinheiro, ou alguns deles assumem em seu nome de guerra o nome das escolas de samba as quais defenderam durante toda a sua vida, (isso pelo fato de que os espíritos na linha dos malandros são bem diversificados, mas essa ligação se deu devido as escolas de samba terem chamado muito pelos malandros e isso pode estar atraindo essa linha para eles)....Muitos deles em vida defenderam essas escolas de samba como passistas, ritmistas de bateria, e etc., e desenvolveram uma ligação tão forte com elas, que depois de mortos, começaram a ser invocados como se fossem guardiões de suas escolas. Depois de mortos, passaram a surgir em lugares como quadras e até mesmo na avenida, no meio dos desfiles, principalmente para ajudarem seus pavilhões) como por exemplo: Zé da Mangueira, Tião da Santa Cruz, Jorge da Tijuca, Tziu da Caprichosos, Luizinho de Pilares, Luizinho do Salgueiro, Zezinho da Cubango, Daniel da Portela, Joâozinho do Estácio, Nestor da Serrinha, Lucas do Peruche, entre outros.

Algumas Entidades Femininas que se manifestam nesta Linha: Maria do Cais, Maria do Cais, Maria Navalha, Rosa Palmeirâo, Risoleta, Zarolha, Joana Pelintra, Maria Navalha, Maria Branca, 7 Navalhadas, Maria da Lapa, Catarina das 7 Navalhadas, Maria Navalhada, 7 Saias do Cabaré, Malandra do Cabaré, Maria do Cais, Maria do Baralho, Malandra Ritinha, Rosinha Malandra, Malandra Rosa da Lapa, Malandra Rosa do Cabaré, Malandrinha das Almas, Malandra das Rosas Vermelhas, Malandra Maria Pelintra,Rosa Pelintra e Joana Pelintra (da Falange de Seu Zé Pelintra), Rosa Malandra (Dama da Noite),Malandra Maria Alzira das 7 Encruzilhadas, Malandra do Morro, Malandra da Lapa, Malandra Navalha da Lapa, Malandra Solange da Lapa, Malandra das Rosas Vermelhas dos Arcos da Lapa, Malandra da Estrada, Malandra Navalha da Beira do Cais, Malandra Maria Sete Navalhas, Malandra Maria Navalha do Cabaré, Malandrinha da Rosa Vermelha, Malandra do Cruzeiro das Almas, Malandrinha do Morro, entre outras.

Dia da semana: Não há um dia específico, tendo em vista que a Linha tem um campo de atuação muito vasto e se manifesta tanto na Direita quanto na Esquerda. Os Malandros que trabalham na cura costumam ser mais associados ao sábado, regido por Saturno e Urano, planetas relacionados ao Orixá Obaluayê. Já os que trabalham no corte de demandas têm uma associação mais direta com a terça-feira, regida por Marte e relacionada aos Orixás Ogum, Yansã e Omolu.

Campo de atuação: Limpeza energética, purificação e equilíbrio; quebra de preconceitos; desapego; corte de magias negativas; abertura de caminhos para a prosperidade em geral (espiritual e material); cura espiritual, emocional, mental e física.

Ponto de Força: O Ponto de Força dos Malandros é na subida de morros, nas esquinas e encruzilhadas, aos pés de coqueiros e até em cemitérios, dependendo do seu campo específico de atuação.

Cor: Branco/preto; branco/vermelho; vermelho/preto.

Guias ou colares: Suas guias ou colares podem ser de vários tipos, tais como: confeccionadas com coquinhos; de contas de porcelana vermelhas e pretas, ou vermelhas e brancas, ou ainda pretas e brancas; de sementes (olho de cabra, olho de boi, obi branco); de pedras; de palha da costa com búzios.

Elementos de trabalho: Baralho, moedas, dados, palitos, palha da costa, pedras, pembas, sumos de ervas, barbante, linhas, fitas, búzios, sementes, côco, água de côco, terra, dendê, azeite de oliva.

Ervas: Quebra demanda; arruda; guiné; comigo-ninguém-pode; aroeira; palha da costa; levante; anis estrelado; algodoeiro; tapete de Oxalá; alecrim; jasmim; manjericão roxo; folha de bambu; folhas de laranja e de limão; folha de café; folha e semente de cacau; folha de beterraba; rama de cenoura; café em grão e em pó; urucum; folha de pitanga; folhas de palmeira e de coqueiro; folha de bananeira; tiririca; barba de velho; raízes; cipós; cabelo e palha de milho; louro; losna; agrião; coentro; orégano; noz moscada; pára-raio; espada de São Jorge; espada de Santa Bárbara; lança de São Jorge; mentas (vários tipos de hortelã); boldos (vários tipos); ervas amargas; salsinha.

Sementes: Olho de boi, olho de cabra, obi branco (ou noz de cola).

Fumo/defumação: Charutos, cigarrilhas, fumo de corda, ervas enroladas na palha.

Pedras: Variam, dependendo da forma de manifestação da Entidade Malandro.

Para os que vêm como Baianos: Quartzo branco leitoso; Cristal; Jaspe Vermelho; Granada; Citrino; Pirita; Topázio Imperial. No geral, as pedras brancas, vermelhas e amarelas- embora eles possam manipular muitas pedras diferentes, de acordo com a necessidade do trabalho.

Para os que vêm na Esquerda: Ágata Preta, Turmalina preta, Vassoura da Bruxa, Ônis, Quartzo Fumê, Mica Preta.

Para os curadores: Pedras brancas (Quartzo Branco transparente e leitoso, Calcita Ótica, Topázio Branco); Pedras índigo (Lápis-Lazúli, Sodalita) e ou Pedras violetas (Ametista, Cacochinita, Fluorita Lilás).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Augras, M. (1983) O duplo e a metamorfose: A identidade mítica em comunidades Nagô. Petrópolis: Vozes.
  • Bardin, L. (1994) Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.
  • Bastide, R. (1978) O Candomblé da Bahia. Rito Nagô. (2ª ed.) São Paulo: Ed. Nacional; Brasília, INL. (Coleção Brasiliana, V. 313).
  • Birman, P. (1985) O que é Umbanda. (3ª ed.) São Paulo: Brasiliense. (Coleção Primeiros Passos, V. 97).
  • _________. (1991) Relações de Gênero, Possessão e Sexualidade. Phisis. A representação na Saúde Coletiva. 1(2), 37-57.
  • _________. (1995) Fazer estilo criando gênero: Possessão e diferenças de gênero em terreiros de Umbanda e Candomblé no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, Ed. UERJ.
  • Damatta, R. (1991) A casa & a rua: Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan.
  • __________. (1997) Carnavais, Malandros e Heróis: Para uma sociologia do dilema brasileiro. (6ª ed.) Rio de Janeiro: Rocco.
  • Del Priore, M. (1993) Ao sul do corpo: Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: Edunb.
  • Magnani, J.G.C. (1986) Umbanda. São Paulo: Ática. (Série Princípios, V. 34).
  • Meyer, M. (1993) Maria Padilha e toda a sua quadrilha: De amante de um rei de Castela a Pomba-Gira de Umbanda. São Paulo: Duas Cidades.
  • Montero, P. (1985) Da doença à desordem: A Magia na Umbanda. Rio de Janeiro: Graal. (Coleção Biblioteca de Saúde e sociedade, V. 10).
  • Mott, L. (1988) Escravidão, homossexualidade e demonologia. São Paulo: Ícone.
  • Negrão, L.N. (1996) Entre a cruz e a encruzilhada: Formação do Campo Umbandista em São Paulo. São Paulo: EDUSP.
  • Nogueira, C.R.F.(2000) O Diabo no imaginário cristão. Bauru: EDUSC.
  • Ortiz, R. (1991) A morte branca do feiticeiro negro: Umbanda e Sociedade Brasileira. (2ª ed.) São Paulo: Brasiliense.
  • Parker, R.G. (1991) Corpos, Prazeres e Paixões: A cultura sexual no Brasil contemporâneo. (2ª ed.) São Paulo: Best Seller.

Referências