Fábio Vilas-Boas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fábio Vilas-Boas
Secretário da Saúde do Estado da Bahia
Período 1 de janeiro de 2015
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 25 de março de 1967 (52 anos)
Salvador, Bahia
Alma mater Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia
Profissão Médico

Fábio Vilas-Boas Pinto (Salvador, 25 de março de 1967) é um médico cardiologista[1] brasileiro, formado em medicina pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Doutor em Cardiologia pela Universidade de São Paulo (USP). Ocupa atualmente o cargo de Secretário da Saúde do Estado da Bahia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vilas-Boas concluiu o ensino médio no tradicional Colégio Antônio Vieira, de orientação jesuíta, em 1984. Depois de se formar pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 1990, fez Residência de Clínica Médica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e Residência de Cardiologia no Instituto do Coração (InCor). Após quatro anos de pesquisas, alcançou o nível Doutor em Cardiologia pela USP.

Carreira Médica[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua vida profissional em 1994 como responsável pelo setor de métodos não-invasivos do Serviço de Cardiologia do Hospital Aliança, na Bahia, sob a direção do Prof. Gilson Feitosa. Após 12 anos de dedicação exclusiva, foi convidado a montar o Serviço de Cardiologia do Hospital Espanhol, em 2006. Foi também pesquisador da Clínica de Insuficiência Cardíaca do Hospital Santa Izabel, na Bahia, onde desenvolveu atividade assistencial voluntária com pacientes do SUS.[carece de fontes?]

Na área associativa, empregou grande parte do seu tempo integrando diretorias da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e dos seus Departamentos. É fundador e Ex-Presidente do Grupo de Estudos em Insuficiência Cardíaca da Sociedade Brasileira de Cardiologia (2003-2004), Presidente do Departamento de Cardiologia Clínica desta mesma Sociedade (2005-2006), Editor-Chefe dos Arquivos Brasileiros de Cardiologia (2007-2008), do qual é membro vitalício do seu Conselho e Editor-Chefe do Jornal da SBC (2012-2013).[carece de fontes?]

Seus interesses de pesquisa estão em insuficiência cardíaca e aterosclerose, particularmente, o papel da inflamação e imagem cardíaca. Seu interesse pela área de insuficiência cardíaca o levou a obter o Doutorado em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2002), após anos de pesquisas com citocinas. Sua linha de pesquisa desenvolvida no Hospital Santa Izabel da Santa Casa de Misericórdia da Bahia, em cooperação com o Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz, da Fiocruz-BA, culminou com a primeira experiência mundial de células-tronco no tratamento da Cardiopatia Chagásica e com a obtenção de vários prêmios nacionais e internacionais de pesquisa.[carece de fontes?]

Ao longo de sua carreira publicou mais de 30 artigos originais, capítulos de livros e livros. Trabalhou como investigador ou co-investigador em mais de 30 ensaios clínicos internacionais. Como palestrante convidado, deu palestras nos Estados Unidos, México, Argentina, Colômbia, Portugal, França, Finlândia, Peru, Espanha e China.

Prêmios e Títulos[editar | editar código-fonte]

Dr. Vilas-Boas foi um pioneiro mundial no estudo de células-tronco na Doença de Chagas[2] e recebeu prêmios de pesquisa como: Melhor Pesquisa do Ano pela SBC (2003), Melhor Pesquisa do ano do Grupo de Estudos de Insuficiência Cardíaca da SBC (2004), o melhor artigo do ano nos Arquivos Brasileiros de Cardiologia (2006) e o Prêmio Jovem Pesquisador - ESC-HFA 2004. Em 2008, foi distinguido com o Prêmio de Honra ao Mérito pela Assembléia Legislativa da Bahia, em reconhecimento às contribuições para a melhoria da saúde pública e da ciência no Brasil. No mesmo ano e no seguinte, recebeu o "Prêmio Análise de Medicina" por ser reconhecido como um dos cardiologistas mais admirados do Brasil. Em 2010 foi distinguido com a Medalha de Honra da Real Sociedade Espanhola de Beneficência. Em 2011 foi eleito Fellow do American College of Cardiology. Em 2012 tornou-se um Fellow da Sociedade Europeia de Cardiologia e também da Sociedade de Tomografia Computadorizada Cardíaca. Em julho de 2016 foi empossado como membro da Academia de Medicina da Bahia, assumindo a cadeira 41, que tem como patrono o professor Edgard Santos, um dos fundadores da Universidade Federal da Bahia.

Carreira Política[editar | editar código-fonte]

Em 2015 assumiu o cargo de Secretário da Saúde do Estado da Bahia, posição que ocupa atualmente.[3]

Realizações à frente da Secretaria da Saúde[editar | editar código-fonte]

Durante a sua gestão à frente da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) focou em atribuir eficiência e resolutividade aos processos e atividades da Secretaria, com o objetivo de oferecer assistência com maior oferta e mais qualidade para a população. Entre 2015 e o primeiro semestre de 2017, foram abertos 640 leitos em toda a Bahia. Destes, 504 leitos foram na capital baiana. Entre as inaugurações destacam-se: o Hospital Geral do Estado 2 (HGE2); o Hospital da Mulher (HM) e duas Unidades de Pronto Atendimento 24 horas (UPAs), sendo uma em Feira de Santana e outra em Vitória da Conquista. Implantou a Parceria Público-Privada de Diagnóstico por Imagem (PPP de Imagem) que possibilitou o aumento na oferta de exames de bioimagem em todo o estado e a compra de novos e a substituição de aparelhos antigos, como tomógrafos, ressonâncias magnéticas e mamógrafos. A PPP foi implantada em 11 unidades estaduais na capital Salvador e em hospitais no interior do estado. Para levar assistência a vazios assistenciais em áreas prioritárias da Bahia, implantou os Consórcios Interfederativos de Saúde, que consistem na união de municípios de uma mesma região com a finalidade de dividir os custos locais da saúde. Para alguns Consórcios firmados, foi autorizada a construção de uma policlínica voltada para oferecer atendimento de múltiplas especialidades e exames, possibilitando que os cidadãos não precisem viajar longas distâncias para serem atendidos, desafogando também os grandes centros e hospitais. 

Referências

  1. Currículo Lattes, [1], Plataforma Lattes, 1 de julho de 2015
  2. «Transplante de células de medula óssea para o miocárdio em paciente com insuficiência cardíaca secundária á doença de Chagas». Scielo. Consultado em 19 de agosto de 2017 
  3. «Secretário Fábio Vilas-Boas é empossado vice-presidente do Conass». Secretaria da Saúde da Bahia. Consultado em 19 de agosto de 2017 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]