Farol do Bugio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a ilha nas Desertas, veja Ilha do Bugio.
Farol do Bugio
Farol do Bugio.jpg

Farol do Bugio, Portugal

Número nacional
210
Localização
Coordenadas
Banhado por
Endereço
Localização
Altitude
28 m
História
Período de construção
1693
Inauguração
1775 (torre actual)
Automatização
1981
Estatuto patrimonial
Imóvel de interesse público (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Arquitetura
Altura
14
Altura focal
28 mVisualizar e editar dados no Wikidata
Equipamento
Ótica original
Ótica
omnidireccional 300mm
Alcance luz
Luz característica
Luz: Fl G 5s
Identificadores
№ Faróis de Portugal
210Visualizar e editar dados no Wikidata
internacional
D-2126
№ da ARLHS
POR-005
№ da NGA
113-3404[2]

O Farol do Bugio localiza-se no Forte de São Lourenço do Bugio, na foz do Rio Tejo, na direcção da Cova do Vapor, Trafaria (que fica a Sul no Distrito de Setúbal) e da vila e concelho de Oeiras (que fica a Norte no Distrito de Lisboa).

Trata-se de uma torre circular de cantaria, branca, encimada por uma lanterna e varandim vermelhos, no interior de um forte também circular.

História[editar | editar código-fonte]

Poderão ser encontrados alguns dados históricos no artigo sobre o Forte de São Lourenço do Bugio.

Classificado como Imóvel de Interesse Público (IIP) pelo IPPAR.

Dados cronológicos[editar | editar código-fonte]

  • 1693 - Existia já uma torre com estrutura de farol
  • 1751 - Farol funcionando a azeite
  • 1755 - Torre destruída pelo terramoto
  • 1758 - Ordem pombalina de construção do farol
  • 1775 - Entrada em funcionamento da torre actual
  • 1798 - Árvore de candeeiros de Argand
  • 1829 - Aparelho rotativo de 16 candeeiros
  • 1896 - Aparelho diópticro de 3ª ordem
  • 1923 - Aparelho de 3ª ordem grande modelo
  • 1933 - Fonte luminosa proveniente da queima de gás
  • 1935 - Instalado sinal sonoro
  • 1945 - Forte desarmado, única função de farol
  • 1946 - Fonte luminosa proveniente da incandescência do vapor de petróleo
  • 1952 - Intervenção de reparação e consolidação
  • 1959 - Electrificado com grupos electrogéneos
  • 1981 - Automatizado, com pedestal rotativo de óticas seladas, funcionando a energia solar
  • 1994 - Lanterna omnidirecional de 300 mm
  • 2000 - Obras de consolidação por risco de desabamento[3]

Outras informações[editar | editar código-fonte]

  • Uso actual: Ajuda activa à navegação.
  • Sinal sonoro: Código Morse (B) cada 30 segundos[2]
  • Outras designações: Farol da Torre do Bugio
  • Entidade responsável: Direcção de Faróis, Marinha Portuguesa.
  • Acessibilidade: Somente de barco ou helicóptero.
  • Aberto ao público: Não.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «O Farol do Bugio alterou o seu alcance». Avisos aos Navegantes:235/08. Instituto Hidrográfico - Marinha. 31 de julho de 2008. Consultado em 20 de novembro de 2009. 
  2. a b «Fort Bugio». NGA List of Lights - Pub. 113 - Aid No. 3404 (em inglês). NGA - National Geospatial-Intelligence Agency. 26 de setembro de 2009. Consultado em 31 de agosto de 2010. 
  3. «Farol do Bugio». Revista da Armada. Marinha de Guerra Portuguesa. Dezembro de 2003. Consultado em 20 de novembro de 2009. 
  • Russ Rowlett (19 de março de 2009). «Bugio». Lighthouses of Southern Portugal (em inglês). The lighthouse directory. Consultado em 20 de novembro de 2009. 
  • «Bugio Light». Lighthouse Explorer (em inglês). Lighthouse Depot. Consultado em 20 de novembro de 2009. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Farol do Bugio
Ícone de esboço Este artigo sobre um farol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.