Farol da Berlenga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Farol Duque de Bragança
Farol da Berlenga 01.jpg
Número nacional 136
Informação geral
Coordenadas 39° 24′ 55,18″ N, 9° 30′ 33,85″ O
Sítio Peniche
Localização Peniche, Portugal Portugal
País Portugal
Altitude 121 m
Corpo de água oceano Atlântico
Ótica original hiper-radiante de Fresnel
PRB21
Luz característica Fl W 10s
Alcance 27 milhas náuticas
Altura 29
Altura focal 121 metros
Entrada em serviço 1842
Automatização 1985
Equipamento
Ótica Acrílica 400 mm
Códigos internacionais
№ Faróis de Portugal 136
internacional D-2086
№ da NGA 113-3336[1]
№ da ARLHS POR-004

O Farol Duque de Bragança também chamado de Farol da Berlenga é um farol português que se localiza no ponto mais elevado da Berlenga Grande, Berlengas, Peniche, região Oeste.

Trata-se de uma torre quadrangular de alvenaria, branca, com edifícios anexos, tem 29 metros de altura. Lanterna e varandim, vermelhos.

Neste farol esteve instalada entre 1897 e 1985 uma das duas lentes hiper-radiantes de Fresnel que equiparam os faróis portugueses, estando agora em exposição no Pólo Museológico da Direcção de Faróis em Paço de Arcos.[2] A segunda, encontra-se ainda instalada e em funcionamento no Farol do Cabo de São Vicente, no Algarve. Neste momento funciona a paineis fotovoltaicos.

História[editar | editar código-fonte]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

  • 1758 - Alvará pombalino ordena a edificação do farol
  • 1841 - Conclusão da construção
  • 1842 - Entrada em funcionamento
  • 1851 - Edificação de outros edifícios e residências anexas
  • 1860 - Construção de mais edifícios anexos
  • 1883 - Proposta de substitução do aparelho catrópico
  • 1897 - Instalação de um aparelho hiper-radiante de Fresnel de 1 330 mm de distância focal.
  • 1924 - Instalação de sereia de ar comprimido.
  • 1926 - Electrificação por meio de geradores.
  • 1936 - Substituição da sereia por um grupo de duas trompas electrodinâmicas
  • 1941 - Instalação de um rádiofarol, posteriormente desactivado em 2001
  • 1975 - Transferência das residências dos faroleiros para anexos do Farol do Cabo Carvoeiro.
  • 1983 - Concedido o estatuto de Reserva Natural à Ilha.
  • 1985 - Automatização do farol; substituição do aparelho hiper-radiante por um pedestal rotativo de ópticas seladas PRB21; instalação de um nautofone como ajuda sonora, em substituiçaõ da anterior
  • 2000 - Montado moderno aparelho rotativo de alto rendimento com óptica de 400 mm; farol e restantes instalações passaram a funcionar com energia solar
  • 2001 - Atribuído o prémio de Defesa Nacional e Ambiente, pelas boas práticas ambientais

Informações[editar | editar código-fonte]

  • Aberto ao público: Sim, todas as quartas-feiras das 14H00 às 17H00[3]

Referências

  1. «Berlenga». NGA List of Lights - Pub. 113 - Aid No. 3336 (em inglês). NGA - National Geospatial-Intelligence Agency. 26 de setembro de 2009. Consultado em 31 de agosto de 2010. 
  2. «Pólo Museológico da Direcção de Faróis» (PDF). Direcção de Faróis. Consultado em 18 de novembro de 2009. 
  3. «Faróis abrem ao público todas as quartas-feiras». Marinha. 19 de novembro de 2011. Consultado em 23 de julho de 2012. 
  • «Farol da Berlenga». Revista da Armada. Marinha de Guerra Portuguesa. Março de 2004. Consultado em 16 de novembro de 2009. 
  • «Lista de Faróis (Continente)». Faróis de Portugal. A.N.C.- Associação Nacional de Cruzeiros. 2 de outubro de 1997. Consultado em 18 de Dezembro de 2013. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Farol da Berlenga
Ícone de esboço Este artigo sobre um farol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.