Gary Ridgway

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gary Ridgway
Nome Gary Leon Ridgway
Pseudônimo Green River Killer
Data de nascimento 18 de fevereiro de 1949 (72 anos)
Local de nascimento Salt Lake City, Utah, Estados Unidos
Nacionalidade(s) norte-americano
Crime(s) Homicídio
Pena Prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional
Situação Preso desde 30 de novembro de 2001
Esposa(s) Claudia Kraig Barrows (c. 1970; div. 1972)
Marcia Lorene Brown (c. 1973; div. 1981)
Judith Lorraine Lynch (c. 1988; div. 2002)
Filho(s) 1 (Matthew Ridgway)[1]
Assassinatos
Vítimas 49 assassinatos (condenado)
71 assassinatos (confessados)
Período em atividade 1982 – 1998
Localização Washington
País Estados Unidos

Gary Leon Ridgway (nascido em 18 de fevereiro de 1949), conhecido como Green River Killer, é um assassino em série americano. Ele foi inicialmente condenado por 48 casos de assassinato. Para evitar a pena de morte, confessou mais de 70 homicídios, embora, quando condenado, foi sentenciado por 49 assassinatos, o que o torna o segundo assassino em série mais prolífico da história dos Estados Unidos em termos de mortes confirmadas. Suas vítimas eram todas mulheres, muitas adolescentes, no estado de Washington, entre as décadas de 1980 e 1990.[2]

A maioria das vítimas de Ridgway eram supostamente trabalhadoras sexuais (especialmente prostitutas) e outras mulheres em circunstâncias vulneráveis, incluindo adolescentes que fugiram de casa. A imprensa deu seu apelido, "O Assassino do Rio Verde", já que suas primeiras cinco vítimas foram encontradas perto do Rio Verde ("Green River").[3] Ele estrangulava suas vítimas utilizando os braços ou um cinto de couro. Gary se livrava dos corpos jogando-os nas margens do rio ou em áreas arborizadas pelo Condado de King, retornando com certa frequência para ter relação sexual com os cadáveres.[4]

Em 30 de novembro de 2001, enquanto Ridgway deixava a fábrica de caminhões de Kenworth onde trabalhava, em Renton, Washington, ele foi preso pela polícia sob a acusação de assassinar quatro mulheres, baseado em evidências de DNA.[4] Como parte do seu acordo para evitar receber a pena capital, Ridgway concordou em divulgar para as autoridades a localização dos corpos das outras mulheres que ele havia matado. Em dezembro de 2003, ele recebeu 48 sentenças de prisão perpétua, sem possibilidade de condicional. Cumpriu pena no Presídio Estadual de Washington, em Walla Walla, entre 2004 e 2015, quando foi transferido para o presídio de segurança máxima de USP Florence, em Florence, Colorado, mas em outubro de 2015 voltou para Washington.[5]

Começo da vida[editar | editar código-fonte]

Gary Ridgway nasceu em 18 de fevereiro de 1949, em Salt Lake City, Utah, o segundo de três filhos do casal Mary e Thomas Ridgway. Sua vida na casa era conturbada; parentes descreveram sua mãe como dominadora e disseram que, quando jovem, ele testemunhou muitas discussões violentas entre seus pais. Seu pai era um motorista de ônibus que costumava reclamar da presença de prostitutas.[6]

Ridgway costumava urinar na cama até seus 13 anos de idade[7] e sua mãe frequentemente lavava seus genitais após cada incidente, normalmente o fazendo de camisola ou alguma roupa curta.[8] Mais tarde, ele diria aos psicólogos de defesa que, quando adolescente, tinha sentimentos conflitantes de raiva e atração sexual por sua mãe e fantasiava em matá-la.[7][8]

Ridgway era disléxico e isso o atrasou bastante na escola.[6] Quando tinha 16 anos, ele esfaqueou um menino de seis anos, que sobreviveu ao ataque. Ridgway levou o menino para a floresta e o apunhalou pelas costelas em seu fígado, afirmando depois que queria saber "como era a sensação".[5]

Foi reportado que o QI de Ridgway era muito baixo, não passando de oitenta.[8]

Vida adulta[editar | editar código-fonte]

Ridgway se formou na Tyee High School, na cidade de SeaTac, em 1969, e se casou com sua namorada do colégio de 19 anos, Claudia Kraig. Ele então se juntou a Marinha dos Estados Unidos[5] e foi enviado para o Vietnã, onde serviu num navio de suprimentos,[4] chegando a ver combate.[6] Durante seu tempo na marinha, Ridgway frequentemente se relacionava com prostitutas e contraiu gonorreia; embora irritado com isso, ele continuou a fazer sexo sem proteção. Quando ele retornou do Vietnã, seu casamento acabou.[5]

Quando questionados sobre Ridgway após sua prisão, amigos e familiares o descreveram como amigável, mas estranho. Seus dois primeiros casamentos resultaram em divórcio por causa da infidelidade de ambos os parceiros. Sua segunda esposa, Marcia Winslow, alegou que ele chegou a estrangula-la.[6] Ele se tornou muito religioso durante seu segundo casamento, pregando de porta em porta, lendo a bíblia em voz alta no trabalho e em casa e insistindo que sua esposa seguisse os rígidos ensinamentos de seu pastor.[5] Ridgway também costumava chorar após sermões ou sua leitura da bíblia.[6] Apesar de suas crenças, Ridgway continuou a solicitar os serviços de prostitutas e queria que sua esposa participasse de sexo em lugares públicos e inadequados, às vezes até em áreas onde os corpos de suas vítimas foram descobertos posteriormente.[5]

De acordo com as mulheres de sua vida, Ridgway tinha um apetite sexual insaciável. Suas três ex-esposas e várias ex-namoradas relataram que ele exigia sexo delas várias vezes ao dia.[9] Frequentemente, ele gostava de fazer sexo em áreas públicas ou na floresta.[5] O próprio Ridgway admitiu ter uma fixação por profissionais do sexo,[10] com quem ele teve uma relação de amor/ódio. Ele frequentemente reclamava da presença delas em seu bairro, mas também tirava proveito de seus serviços regularmente. Alguns especularam que Ridgway estava dividido entre seus desejos e suas firmes crenças religiosas.[6]

Com sua segunda esposa Marcia, Ridgway teve um filho, Matthew (nascido em 1975).[1]

Assassinatos[editar | editar código-fonte]

Uma mugshot de Ridgway durante sua breve detenção pelas autoridades em 1982.

Ao longo das décadas de 1980 e 1990, acredita-se que Gary Ridgway tenha assassinado pelo menos 71 mulheres, geralmente adolescentes ou muito jovens, próximo a área de Seattle e Tacoma, no estado de Washington. Em declarações ao tribunal, Ridgway mais tarde relatou que havia matado tantas pessoas havia perdido a conta. A maioria dos assassinatos ocorreu entre 1982 e 1984. As vítimas eram, em sua grande maioria, mulheres em situação vulnerável (financeira ou emocionalmente), como prostitutas ou jovens que fugiam de casa, que ele pegava ao longo da Rodovia Pacific South.[11] Ridgway às vezes mostrava fotos de seu filho para gerar confiança nas vítimas, dando a elas uma falsa sensação de segurança. Eles então se envolviam em atividades sexuais e quando as convencia a fazer sexo por trás, Ridgway envolvia o antebraço na parte da frente de seus pescoços e usava o outro braço para puxar o antebraço o mais firmemente que pudesse, estrangulando a vítima. Ele matou a maioria das vítimas em sua casa, seu caminhão ou em áreas isoladas.[12] A maioria dos corpos foi despejada em áreas arborizadas ao redor do Green River (ou "Rio Verde"), na região do Aeroporto Internacional de Seattle-Tacoma e outras áreas do Condado Sul de King.[11]

Também foram encontradas duas vítimas confirmadas e outras duas suspeitas na área de Portland, no Oregon. Os corpos eram frequentemente deixados em grupos, às vezes posados, geralmente nus. Ele às vezes voltava ao local onde enterrava os corpos das vítimas e tinha relações sexuais com eles. Ridgway mais tarde explicou que não considerava a necrofilia mais satisfatória sexualmente, mas fazer sexo com as falecidas reduzia sua necessidade de obter uma vítima viva e, assim, limitou sua exposição que podia terminar em sua captura pelas autoridades.[8] Como a maioria dos corpos não foi descoberta até que restassem apenas os esqueletos, duas vítimas nunca foram identificadas. Ridgway ocasionalmente contaminava os locais de despejo com chicletes, cigarros e materiais pertencentes a outras pessoas, e até chegou a transportar os restos mortais de algumas vítimas através das fronteiras do estado para o Oregon a fim de confundir a polícia.[11]

No começo da década de 1980, o Escritório do Xerife do Condado de King formou uma força tarefa para investigar os assassinatos. Entre seus membros estavam Robert Keppel e Dave Reichert, que entrevistaram periodicamente o assassino em série encarcerado Ted Bundy em 1984. Bundy ofereceu suas opiniões sobre a psicologia, as motivações e o comportamento do assassino. Ele sugeriu que o criminoso estava visitando novamente os locais onde deixava os corpos para poder fazer sexo com suas vítimas, o que acabou sendo verdade, e disse que se a polícia encontrasse uma cova nova, eles deveriam vigiá-la e esperar que ele voltasse.[13] Também contribuindo para a investigação foi John E. Douglas, quem desenvolveu um perfil do suspeito.[14]

Ridgway chegou a ser preso em 1982 e no começo de 2001 sob acusações relacionadas à prostituição.[15] Ele se tornou suspeito dos assassinatos de Green River em 1983.[16] Em 1984, chegou a ser submetido a um teste de polígrafo, mas passou sem problemas.[8] Em 7 de abril de 1987, a polícia coletou amostras de cabelo e saliva de Ridgway.[17]

Por volta de 1985, Ridgway começou a namorar com Judith Mawson, com os dois se casando em 1988. Mawson afirmou, em uma entrevista em 2010, que quando ela se mudou para a casa dele enquanto eles estavam namorando, não havia tapete lá. Mais tarde, os detetives disseram a ela que ele provavelmente havia enrolado um corpo no tapete.[18] Na mesma entrevista, ela descreveu como ele saía para trabalhar de manhã cedo em alguns dias, aparentemente para conseguir horas extras. Mawson especulou que Gary devia ter cometido alguns dos assassinatos enquanto supostamente trabalhava nesses turnos da manhã. Ela alegou que não havia suspeitado dos crimes de Ridgway antes de ser contatada pelas autoridades em 1987, e nem mesmo tinha ouvido falar do Assassino de Green River antes dessa época porque ela não assistia aos noticiários.[18]

A autora Pennie Morehead entrevistou Ridgway na prisão, onde afirmou que enquanto estava no relacionamento com Mawson, sua taxa de mortalidade caiu e que ele realmente a amava.[18] De suas 49 vítimas conhecidas, apenas três foram mortas depois que ele se casou com Mawson. Ela chegou a dizer a um repórter de televisão local: "Sinto que salvei vidas [...] sendo sua esposa e o fazendo feliz."[19]

Por quase vinte anos, a polícia não conseguiu encontrar o Assassino de Green River, apesar de vários homens terem sido interrogados, inclusive Ridgway. O caso esfriou por vários anos, mas a polícia do condado nunca desistiu completamente. No começo dos anos 2000, avanços na tecnologia forense trouxe uma nova luz ao caso. As amostras de DNA coletadas em 1987 foram então submetidas a uma impressão genética, fornecendo as evidências para seu mandado de prisão.[20] Em 30 de novembro de 2001, Ridgway estava na fábrica de caminhões de Kenworth, onde ele trabalhava como pintor, quando a polícia chegou para prende-lo. Gary Ridgway foi preso sob suspeita de assassinato de quatro mulheres quase 20 anos antes, depois de ser identificado como um potencial suspeito, quando as evidências DNA o ligaram de forma conclusiva ao sêmen deixado nas vítimas. As quatro vítimas citadas na denúncia original eram Marcia Chapman, Opal Mills, Cynthia Hinds e Carol Ann Christensen. Mais três vítimas - Wendy Coffield, Debra Bonner e Debra Estes - foram adicionadas à acusação depois que um cientista forense identificou esferas de tinta spray microscópicas como uma marca específica e composta de tinta usada na fábrica Kenworth, onde Gary trabalhava, durante o prazo específico em que essas vítimas foram mortas.[18]

Acordo com a promotoria, confissões e sentença[editar | editar código-fonte]

No começo de agosto de 2003, redes de televisão de Seattle reportaram que Ridgway havia sido transferido de uma cadeia de segurança máxima do Condado de King para uma de segurança média de Airway Heights. Outras notícias afirmaram que seus advogados, liderados por Anthony Savage, estavam fechando um acordo de confissão com a promotoria que o pouparia da pena de morte em troca de sua completa confissão de uma série de assassinatos de Green River.[21]

Em 5 de novembro de 2003, Ridgway firmou seu acordo de confissão nas 48 acusações de homicídio agravado em primeiro grau. O acordo entre Gary e a promotoria foi concordado em junho, o poupando da pena de morte em troca de sua colaboração para encontrar todas as vítimas que ele deixou quanto fosse possível e fornecer todos os detalhes que ele lembrava de suas mortes. Em sua declaração que acompanhou sua confissão de culpa, Ridgway explicou que matou todas as suas vítimas dentro do Condado de King, em Washington, e que transportou e se livrou dos restos mortais das duas mulheres perto de Portland para tentar confundir a polícia.[11]

Um dos promotores, Jeffrey Baird, observou no tribunal que o acordo continha "os nomes de 41 vítimas que não seriam objeto do caso State v. Ridgway se não fosse pelo acordo" firmado com Gary. O procurador-chefe Norm Maleng explicou a decisão a respeito do acordo com Gary Ridgway:

"Poderíamos ter avançado com sete contagens, mas isso é tudo que poderíamos esperar resolver. Ao final daquele julgamento, qualquer que fosse o resultado, haveria dúvidas persistentes sobre o restante desses crimes. Este acordo foi o caminho para a verdade. E no final, a busca pela verdade ainda é o motivo de termos um sistema de justiça criminal ... Gary Ridgway não merece nossa misericórdia. Ele não merece viver. A misericórdia fornecida pela resolução de hoje é dirigida não a Ridgway, mas às famílias que sofreram tanto."[22]

Em 18 de dezembro de 2003, o juiz Judge Richard Jones condenou Ridgway a 48 sentenças de prisão perpétua sem possibilidade de condicional, a ser cumprida consecutivamente. Ele também foi condenado a mais 10 anos por adulteração de evidências para cada uma das 48 vítimas, adicionando 480 anos de prisão a suas 48 sentenças de prisão perpétua.[23]

Ridgway levou promotores a três corpos ainda em 2003. Em 16 de agosto daquele ano, os restos mortais de uma menina de 16 anos foram encontrados perto Enumclaw, Washington, a doze metros da Rodovia Estadual 410, que foi identificada como sendo de Pammy Annette Avent, que anteriormente acreditava-se que tivesse mesmo sido uma vítima do Assassino do Green River. Os restos de Marie Malvar e April Buttram foram encontrados em setembro de 2003.

Em 23 de novembro de 2005, a Associated Press relatou que um caminhante de fim de semana encontrou o crânio de uma das 48 mulheres que Ridgway admitiu ter assassinado em seu acordo judicial de 2003 com os promotores do Condado de King. O crânio de outra vítima, Tracy Winston, que tinha 19 anos quando desapareceu de Northgate Mall (Seattle), em 12 de setembro de 1983, foi encontrado em 20 de novembro de 2005, por um homem caminhando em uma área arborizada perto da Autoestrada 18 nas cercanias de Issaquah, ao sul de Seattle.[24]

Ridgway confessou mais assassinatos confirmados do que qualquer outro serial killer americano. Ao longo de um período de cinco meses de entrevistas com a polícia e o promotor, ele confessou 48 assassinatos, 42 dos quais estavam na lista de prováveis vítimas do Assassino de Green River.[25][26] Em 9 de fevereiro de 2004, os promotores do condado começaram a divulgar os registros de vídeo das confissões de Ridgway. Em uma entrevista gravada, ele inicialmente disse aos investigadores que era responsável pela morte de 65 mulheres.[27] Em outra entrevista gravada com o xerife Reichert, em 31 de dezembro de 2003, Ridgway alegou ter assassinado 71 vítimas e confessou ter feito sexo com elas antes de matá-las, um detalhe que ele não revelou até depois de sua sentença.[27]

Em sua confissão, ele reconheceu que tinha como alvo as prostitutas porque elas eram "fáceis de pegar" e que ele "odiava a maioria delas".[28] Ele confessou que fez sexo com alguns dos corpos de suas vítimas depois de assassiná-las, mas alegou que começou a enterrar as vítimas posteriores para que pudesse resistir ao impulso de cometer necrofilia.[29]

Ridgway diria mais tarde que assassinar mulheres jovens era sua "carreira".[8]

Prisão perpétua[editar | editar código-fonte]

Ridgway foi aprisionado na Penitenciária Estadual de Washington em Walla Walla em janeiro de 2004.[30] Em 14 de maio de 2015, ele foi transferido para o USP Florence High, um presídio de segurança máxima no Condado de Fremont, Colorado. Em setembro de 2015, após um clamor público e discussões com o governador Jay Inslee, o Secretário penitenciário Bernie Warner anunciou que Ridgway seria transferido de volta para Washington para ficar "facilmente acessível" para investigações abertas de assassinato.[31] Ridgway retornou para a Penitenciária Estadual de Washington em Walla Walla, em 24 de outubro de 2015.[32]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

Antes da confissão de Ridgway, autoridades atribuíram 49 assassinatos ao "Assassino do Green River".[33] Mais tarde, Gary Ridgway confessou ter assassinado 71 pessoas.[27]

Confirmadas[editar | editar código-fonte]

Na época da sentença de Ridgway, em 18 de dezembro de 2003, as autoridades conseguiram encontrar pelo menos 48 conjuntos de restos mortais, incluindo vítimas não originalmente atribuídas ao assassino de Green River. Ridgway foi condenado pela morte de cada uma dessas 48 vítimas,[34] com um acordo de confissão onde ele iria "se declarar culpado de todo e qualquer caso futuro (no Condado de King) onde sua confissão pudesse ser corroborada por evidências confiáveis."[35]

# Nome Idade Desaparecimento Corpo encontrado
1 Wendy Lee Coffield 16 8 de julho de 1982 15 de julho de 1982
2 Gisele Ann Lovvorn 17 17 de julho de 1982 25 de setembro de 1982
3 Debra Lynn Bonner 23 25 de julho de 1982 12 de agosto de 1982
4 Marcia Fay Chapman 31 1 de agosto de 1982 15 de agosto de 1982
5 Cynthia Jean Hinds 17 11 de agosto de 1982 15 de agosto de 1982
6 Opal Charmaine Mills 16 12 de agosto de 1982 15 de agosto de 1982
7 Terry Rene Milligan 16 29 de agosto de 1982 1 de abril de 1984
8 Mary Bridget Meehan 18 15 de setembro de 1982 13 de novembro de 1983
9 Debra Lorraine Estes 15 20 de setembro de 1982 30 de maio de 1988
10 Linda Jane Rule 16 26 de setembro de 1982 31 de janeiro de 1983
11 Denise Darcel Bush 23 8 de outubro de 1982 12 de junho de 1985
12 Shawnda Leea Summers 16 9 de outubro de 1982 11 de agosto de 1983
13 Shirley Marie Sherrill 18 20–22 de outubro de 1982 14 de junho de 1985
14 Rebecca "Becky" Marrero 20 3 de dezembro de 1982 21 de dezembro de 2010
15 Colleen Renee Brockman 15 24 de dezembro de 1982 26 de maio de 1984
16 Sandra Denise Major 20 24 de dezembro de 1982 30 de dezembro de 1985
17 Wendy Stephens 14 Morreu na primavera de 1983[n 1] 21 de março de 1984
18 Alma Ann Smith 18 3 de março de 1983 2 de abril de 1984
19 Delores LaVerne Williams 17 8–14 de março de 1983 31 de março de 1984
20 Gail Lynn Mathews 23 10 de abril de 1983 18 de setembro de 1983
21 Andrea Marion Childers 19 14 de abril de 1983 11 de outubro de 1989
22 Sandra Kay Gabbert 17 17 de abril de 1983 1 de abril de 1984
23 Kimi-Kai Pitsor 16 17 de abril de 1983 15 de dezembro de 1983
24 Marie M. Malvar 18 30 de abril de 1983 26 de setembro de 2003
25 Carol Ann Christensen 21 3 de maio de 1983 8 de maio de 1983
26 Martina Theresa Authorlee 18 22 de maio de 1983 14 de novembro de 1984
27 Cheryl Lee Wims 18 23 de maio de 1983 22 de março de 1984
28 Yvonne "Shelly" Antosh 19 31 de maio de 1983 15 de outubro de 1983
29 Carrie Ann Rois 15 31 de maio – 13 de junho de 1983 10 de março de 1985
30 Constance Elizabeth Naon 19 8 de junho de 1983 27 de outubro de 1983
31 Kelly Marie Ware 22 18 de julho de 1983 29 de outubro de 1983
32 Tina Marie Thompson 21 25 de julho de 1983 20 de abril de 1984
33 April Dawn Buttram 16 18 de agosto de 1983 30 de agosto de 2003
34 Debbie May Abernathy 26 5 de setembro de 1983 31 de março de 1984
35 Tracy Ann Winston 19 12 de setembro de 1983 27 de março de 1986
36 Maureen Sue Feeney 19 28 de setembro de 1983 2 de maio de 1986
37 Mary Sue Bello 25 11 de outubro de 1983 12 de outubro de 1984
38 Pammy Annette Avent 15 26 de outubro de 1983 16 de agosto de 2003
39 Delise Louise Plager 22 30 de outubro de 1983 14 de fevereiro de 1984
40 Kimberly L. Nelson 21 1 de novembro de 1983 14 de junho de 1986
41 Lisa Yates 19 23 de dezembro de 1983 13 de março de 1984
42 Mary Exzetta West 16 6 de fevereiro de 1984 8 de setembro de 1985
43 Cindy Anne Smith 17 21 de março de 1984 27 de junho de 1987
44 Patricia Michelle Barczak 19 17 de outubro de 1986 3 de fevereiro de 1993
45 Roberta Joseph Hayes 21 7 de fevereiro de 1987 11 de setembro de 1991
46 Marta Reeves 36 5 de março de 1990 20 de setembro de 1990
47 Patricia Yellowrobe 38 Janeiro de 1998 6 de agosto de 1998
48 Mulher Branca não Identificada (Jane Doe B-17) 14–18 Dezembro de 1980 – Janeiro de 1984 2 de janeiro de 1986
49 Mulher não Identificada (Jane Doe B-20) 13–24 1973–1993 21 de agosto de 2003
  • Antes da confissão de Ridgway, as autoridades não atribuíram ao Assassino de Green River as mortes das vítimas Rule, Barczak, Hayes, Reeves, Yellowrobe e Jane Doe B-20.[33]
  • A confissão e as instruções de Ridgway levaram as equipes de busca da polícia a encontrar os corpos de Avent, Buttram e Malvar entre agosto e setembro de 2003.
  • Na terça-feira, 21 de dezembro de 2010, uns transeuntes perto da Rodovia de West Valley, em Auburn, Washington, encontraram uma caveira nas proximidades de onde os restos mortais de Marie Malvar foram encontrados em 2003. O crânio foi identificado como pertencente a Rebecca "Becky" Marrero, que foi vista pela última vez saindo do Western Six Motel na Rua South 168th e Rodovia Pacific South em 3 de dezembro de 1982. O promotor do Condado de King confirmou que Ridgway seria formalmente acusado de seu assassinato em 11 de fevereiro de 2011.[35] Em 18 de fevereiro, ele se declarou culpado pelo assassinato de Rebecca Marrero, acrescentando uma 49ª sentença de prisão perpétua às 48 existentes. Ridgway confessou ter matado Marrero em seu acordo inicial de culpa, mas devido a falta de evidências físicas, as acusações não foram formalmente feitas. Portanto, não houve mudança em seu atual status de encarceramento.[37]
  • Os restos mortais de Tracy Winston foram encontrados, sem seu crânio, no Parque Cottonwood Grove em Kent, Washington, em março de 1986. O crânio de Winston foi encontrado em novembro de 2005 próximo a Montanha Tiger, quilômetros de distância do local da descoberta do resto de seu corpo. A polícia presumiu que alguém o carregou até o local.[38]
  • Sandra Denise Major não foi identificada até junho de 2012. Um membro da família dela pediu para o xerife do Condado de King para investigar depois de ver um filme na TV sobre Ridgway. Uma análise de DNA confirmou a identidade de Major.[39][40]
  • Wendy Stephens, anteriormente chamada de "Jane Doe B-10", não foi identificada inicialmente.[41] Ridgway alegou que ela era uma mulher branca com uns 20 anos e possivelmente tinha cabelos castanhos. O exame dos restos mortais sugeriu que ela tinha realmente entre 12 e 18 anos, sendo mais provavelmente em torno de 15.[42] Mais tarde foi confirmado que ela tinha 14 anos de idade. A análise do esqueleto da vítima indicou que ela provavelmente era canhota e em algum ponto de sua vida havia sofrido uma fratura no crânio na região da têmpora esquerda que havia recebido tratamento.[43]
  • Jane Doe B-17, uma vítima ainda não identificada, foi descoberta em 2 de janeiro de 1986; restos mortais que foram encontrados em outra área em 18 de fevereiro de 1984, foram posteriormente comparados a esta vítima. Em 2003, Ridgway assumiu a responsabilidade por sua morte.[44]
  • Jane Doe B-20, também não identificada, foi descoberta em agosto de 2003. Como os restos mortais eram parciais, seu rosto não pôde ser reconstruído e sua raça não pôde ser determinada, mas estima-se que ela tivesse entre 13 e 24 anos no momento de sua morte. Ela foi assassinada entre 1970 e 1993, mas acredita-se que sua morte ocorreu durante a primeira década da onda de assassinatos de Ridgway.[45][46]

Lista de vítimas da força tarefa[editar | editar código-fonte]

Ridgway era suspeito de - embora nunca tenha sido acusado - assassinar as seis vítimas restantes da lista original atribuída ao Assassino de Green River.[33] Em cada caso, ou Ridgway não confessou a morte da vítima ou as autoridades não foram capazes de corroborar suas suspeitas com evidências confiáveis.

Nome Idade Desaparecimento Corpo encontrado
Amina Agisheff 35 7 de julho de 1982 18 de abril de 1984
Kasee Ann Lee (née Woods) 16 28 de agosto de 1982 Não descoberta
Tammie Liles 16 9 de junho de 1983 Abril de 1985
Kelly Kay McGinniss[n 2] 18 28 de junho de 1983 Não descoberta
Angela Marie Girdner 16 Julho de 1983 22 de abril de 1985
Patricia Osborn 19 20 de outubro de 1983[49][50] Não descoberta
  • Ridgway negou ter matado Amina Agisheff. Ela não se enquadra no perfil de nenhuma das vítimas do Assassino de Green River, considerando sua idade, e ela não era profissional do sexo ou adolescente fugitiva.[51]
  • Embora nunca tenha sido acusado de seu assassinato, durante interrogatórios policiais em 2003, Ridgway confessou ter matado Kasee Ann Lee (nascida: Woods). Ele afirmou que estrangulou Lee em 1982 e deixou o corpo dela perto de um cinema drive-in do lado de fora perto da Rodovia de Sea-Tac.[52] Os policiais não conseguiram localizar os restos mortais de Lee no lixão que Ridgway indicou.[53]
  • Existem evidências que sugerem que Ridgway assassinou Kelly Kay McGinniss. Pouco antes de seu desaparecimento, McGinniss foi interrogada por um policial do porto de Seattle enquanto "namorava" Ridgway perto da rodovia de SeaTac. Além disso, durante o verão de 2003, Ridgway levou as autoridades aos corpos de várias de suas vítimas. Um desses corpos, mais tarde identificado como o de April Buttram, foi inicialmente identificada por Ridgway como sendo o de McGinniss. De acordo com Ridgway, ele costumava confundir McGinniss com Buttram por causa de seus físicos semelhantes.[54]
  • Ridgway é suspeito das mortes de Angela Marie Girdner e Tammie Liles. Seus corpos foram descobertos a menos de um quilômetro dos restos mortais de outras duas vítimas conhecidas, Shirley Shirell e Denise Bush. Liles permaneceu sem ser identificada até 1998 e Girdner até outubro de 2009.[55]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Stephens foi dada como desaparecida no início de 1983. Os investigadores acreditam que seus restos mortais permaneceram sem serem descobertos por um ano ou mais antes da descoberta em março de 1984.[36]
  2. Existem várias grafias para o nome de McGinniss, como "Keli/Kelli" e "McGinness".[47][48]

Referências

  1. a b Tacoma News Tribune: Green River Killer's son remembers him as a relaxed father.
  2. Bell, Rachel. «Green River Killer: River of Death». Crime Library. Consultado em 30 de maio de 2014. Arquivado do original em 30 de maio de 2014 
  3. Haglund, WD; Reichert, DG; Reay, DT (1990). «Recovery of decomposed and skeletal human remains in the "Green River Murder" Investigation. Implications for medical examiner/coroner and police». Filadélfia, Pensilvânia. The American Journal of Forensic Medicine and Pathology. 11 (1): 35–43. PMID 2305751. doi:10.1097/00000433-199003000-00004 
  4. a b c Prothero, Mark; Carlton Smith (2006). Defending Gary: Unraveling the Mind of the Green River Killer. San Francisco, Califórnia: Jossey-Bass. p. 317. ISBN 978-0-7879-9548-5 
  5. a b c d e f g Montaldo, Charles (14 de fevereiro de 2011). «Gary Ridgway: The Green River Killer». About.com. Consultado em 1 de julho de 2011. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2011 
  6. a b c d e f McCarthy, Terry; Thornburgh, Nathan (3 de junho de 2002). «River Of Death». Time. New York City: Meredith Corporation. Consultado em 20 de julho de 2012. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2008 
  7. a b Rivers, Ray (6 de novembro de 2003). «Ridgway went from having sex with prostitutes 'to just plain killing 'em'». The Seattle Times. Seattle, Washington: The Seattle Times Company. Consultado em 1 de abril de 2018 
  8. a b c d e f Gary, Blaine (16 de novembro de 2003). «The Banality of Gary: A Green River Chiller». The Washington Post. Washington, DC: Nash Holdings LLC. Consultado em 1 de abril de 2018 
  9. Anderson, Rick (27 de fevereiro de 2002). «Did they get their man?». Seattle Weekly. Seattle: Sound Publishing. Consultado em 1 de abril de 2018 
  10. Keppel, Robert; Birnes, William J.; Rule, Ann (2004). The Riverman: Ted Bundy and I Hunt for the Green River Killer. New York City: Simon & Schuster. p. 444. ISBN 978-0-7434-6395-9 
  11. a b c d «Prosecutor's Summary of the Evidence, Case No. 01-1-10270-9 SEA; State of Washington vs. Gary Leon Ridgway; in the Superior Court of Washington for King County» (PDF). King County Prosecutor's Office. Novembro de 2003. Consultado em 11 de novembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 5 de janeiro de 2015 – via The Seattle Times 
  12. Prothero, Mark; Smith, Carlton (2006). Defending Gary: Unraveling the Mind of the Green River Killer. San Francisco, Califórnia: Jossey-Bass. pp. 264–265, 317. ISBN 978-0-7879-9548-5 
  13. Robinson, Sean (16 de novembro de 2003). «Like minds: Bundy figured Ridgway out». The News Tribune. Consultado em 27 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2013 
  14. Wilson, Duff (26 de novembro de 2003). «Profiler can't recall why he said letter wasn't from Green River killer». The Seattle Times. Seattle, Washington: The Seattle Times Company. Consultado em 27 de maio de 2013. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2013 
  15. Marshall, Lynn; Cart, Julie (1 de dezembro de 2001). «Arrest in Green River Murders». The Los Angeles Times. Consultado em 21 de junho de 2018 
  16. Ho, Vanessa; Castro, Hector; Johnson, Tracy (6 de dezembro de 2001). «A father led police to Ridgway in 1983». Seattle Post-Intelligencer. Seattle, Washington: Hearst Corporation. Consultado em 21 de junho de 2018 
  17. Roberts, Michael (26 de outubro de 2015). «Gary Ridgway, America's Most Prolific Serial Killer, Out of Colorado». Westword. Denver, Colorado: New Times Media. Consultado em 21 de junho de 2018 
  18. a b c d «Married to a Monster». Who the (BLEEP) Did I Marry?. Temporada 1. Episódio 9. 13 de outubro de 2010. Investigation Discovery. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2010 
  19. «Wife of Nation's Worst Serial Killer Shares Her Story». KIRO-TV. 22 de maio de 2007. Consultado em 14 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2010 
  20. Svoboda, Elizabeth (11 de maio de 2009). «Cold Case is Closed by DNA Match: Green River Killer». The New York Times 
  21. «With 48 Guilty Pleas, Killer avoids Death Penalty». Quad-City Times. Davenport, Iowa: Lee Enterprises. 5 de novembro de 2003. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  22. Maleng, Norm (5 de novembro de 2003). «Statement of Norm Maleng on Ridgway Plea» (Nota de imprensa). Seattle, Washington: King County Prosecuting Attorney's Office. Consultado em 23 de junho de 2008. Cópia arquivada em 26 de junho de 2004 
  23. Cartier, Curtis (7 de fevereiro de 2011). «Gary Ridgway, Green River Killer, Charged With Murder #49, but Still Won't Face Execution». Seattle Weekly. Seattle, Washington: Sound Publishing. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  24. Green, Sarah Jean (23 de novembro de 2005). «Remains of a Green River killer victim found near Issaquah». The Seattle Times. Seattle, Washington: The Seattle Times Company. Consultado em 12 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2014 
  25. State of Washington, Plaintiff, vs. Gary Leon Ridgway, Defendant, Statement of Defendant on Plea of Guilty (Relatório). Superior Court of Washington for King County. 2003 – via The Smoking Gun 
  26. «Green River killer admits to murder of 48 women». Irish Times. Dublin, Ireland: Irish Times Trust. 6 de novembro de 2003. Consultado em 1 de abril de 2018 
  27. a b c «Obsession: Dave Reichert and the Green River Killer». Cold Case Files. 15 de dezembro de 2005. A&E 
  28. Hickey, Eric (2013). Serial Murderers and Their Victims. Boston, Massachusetts: Cengage Learning. p. 25. ISBN 978-1-305-26169-3 
  29. «Ridgway Reveals Gruesome Details In Chilling Confession». KIRO-TV. Consultado em 27 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2010 
  30. «Find An Offender - Ridgway, Gary L.». Washington State Department of Corrections. Consultado em 17 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2013 
  31. «Green River killer's return to Washington may not bring closure to victims' families». The Seattle Times. Seattle, Washington: The Seattle Times Company. 22 de setembro de 2015. Consultado em 25 de setembro de 2015 
  32. White, John (24 de outubro de 2015). «Department of Corrections: Gary Ridgway returned to Washington State Penitentiary». KCPQ. Tacoma, Washington. Consultado em 25 de outubro de 2015 
  33. a b c Johnson, Tracy; Castro, Hector (30 de outubro de 2003). «Green River victims' list may grow by six». Seattle Post Intelligencer. Seattle, Washington: Hearst Corporation. Consultado em 19 de setembro de 2013 
  34. Mulick, Stacey (6 de novembro de 2003). «Ridgway's victims». The News Tribune. Tacoma, Washington: The McClatchy Company. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  35. a b Javier, Liza (23 de dezembro de 2010). «Remains found in Auburn, Wash. possible Green River victim». KGW.com. Portland, Oregon. Consultado em 1 de abril de 2018. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2011 
  36. Johnson, Gene (25 de janeiro de 2021). «Genetic Genealogy Helps ID Victim of Green River Killer». NBC Los Angeles. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  37. Sullivan, Jennifer (7 de fevereiro de 2011). «Attorney: Ridgway will likely plead guilty to new murder charge». The Seattle Times. Seattle, Washington. Consultado em 7 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2011 
  38. Castro, Hector (23 de novembro de 2005). «Skull of Woman Killed by Ridgway Found but It Turned Up Miles from the Rest of Her Remains». Seattle Post-Intelligencer. p. B1. Consultado em 10 de agosto de 2010 
  39. «Victim of Green River killer identified 30 years later after relative sees TV movie». Fox News. 19 de junho de 2012. Consultado em 19 de junho de 2012. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  40. «Wash. officials say Green River Killer victim ID'd». Yahoo! News. Associated Press. 19 de junho de 2012 
  41. LaVoice, Olivia (24 de janeiro de 2021). «Green River Killer: Youngest victim of serial killer identified». Q13 FOX (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2021 
  42. «Jane Doe B-10». greenriverkillings.com. Consultado em 27 de junho de 2014. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2014 
  43. «97UFWA». The Doe Network. 16 de dezembro de 2016. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  44. «Jane Doe B-17». greenriverkillings.com. Consultado em 27 de junho de 2014. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2014 
  45. «Jane Doe B-20». greenriverkillings.com. Consultado em 27 de junho de 2014. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2014 
  46. «Bones 20 03-263862 Jane Doe 2003». DNA Doe Project. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  47. «NamUs MP # 14131». National Missing and Unidentified Persons System. Consultado em 1 de outubro de 2015 
  48. Good, Meaghan. «Keli Kay McGinness». The Charley Project. Consultado em 13 de novembro de 2019 
  49. Good, Meaghan (29 de março de 2012). «Patricia Anne Osborn». The Charley Project. Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  50. «NamUs MP #14132: Patricia Anne Osborn». National Missing and Unidentified Persons System. 5 de março de 2012. Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  51. «Like minds: Bundy figured Ridgway out». The News Tribune. Consultado em 27 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2013 
  52. Parrish, Linda W.Y. (11 de abril de 1990). «Cleaning Up Sea-Tac Strip – Officials Target Prostitution, Dance Clubs». The Seattle Times. Consultado em 17 de junho de 2010 
  53. Guillen, Tomas (14 de janeiro de 2006). Serial Killers: Issues Explored Through the Green River Murders. Upper Saddle River, New Jersey: Prentice Hall. p. 145. ISBN 978-0131529663 
  54. Prothero, M.; Smith, C. (2006). Defending Gary: Unraveling the Mind of the Green River Killer. Hoboken, New Jersey: Jossey-Bass. p. 376 
  55. «Police identify remains, look for link to 'Green River Killer'». CNN. 16 de dezembro de 2009. Consultado em 3 de maio de 2010 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]