Guerra eletrónica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guerra electrónica)
Ir para: navegação, pesquisa

Define-se guerra eletrónica (português europeu) ou guerra eletrônica (português brasileiro) como o conjunto de ações que:

  • utilizam a energia eletromagnética para destruir, neutralizar ou reduzir a capacidade de combate do oponente;
  • buscam tirar proveito do uso do espectro electromagnético pelo oponente; e
  • visam a assegurar o emprego eficiente das emissões eletromagnéticas próprias.

A guerra eletrônica pode ser dividida, de acordo com seus objetivos, em três grandes grupos: Medidas de Apoio de Guerra Eletrônica (MAGE), Medidas de Ataque Eletrônico (MAE) e Medidas de Proteção Eletrônica (MPE).

As Medidas de Apoio de Guerra Eletrônica objetivam a obtenção de dados e informações a partir das emissões eletromagnéticas de interesse utilizadas pelo oponente.

As Medidas de Ataque Eletrônico envolvem as ações para impedir ou reduzir o uso efetivo do espectro eletromagnético pelo oponente, bem como destruir, neutralizar ou degradar sua capacidade de combate usando energia eletromagnética ou armamento que empregue a emissão intencional do alvo para seu guiamento.

As Medidas de Proteção Eletrônica buscam assegurar o uso efetivo (ativo e passivo) do espectro eletromagnético pelas Forças amigas, a despeito de formas de interferências não intencionais e das ações de GE empreendidas pelo oponente. A guerra eletrônica é de extremo impacto no campo de batalha, aumentando exponencialmente a capacidade de ataque e defesa, tanto em terra, quanto no ar e no mar. Rússia e Estados Unidos tem a vanguarda em equipamentos de guerra eletrônica, e os exportam para dezenas de nações ao redor do planeta. Esses dois países tem também vários modelos de aviões dedicados a operações de inteligencia e ataque eletrônico.

Sistemas de guerra Eletrônica Notáveis

Krasukha-2: Complexo de guerra eletrônica móvel, baseado em terra, produzido pela empresa russa KRET. Ele interfere em drones, radares de bordo de caças, sistemas aéreos de alerta e controle AWACs, e também em radares de mísseis, jammeando-os em diferentes modos de interferência, que vai desde a emissão de ruído no modo de "barragem jammer", até a criação de alvos falsos, encobrindo a verdadeira localização do alvo, e/ou criando alvos falsos. Ele é muito usado para dar cobertura a sistemas táticos de mísseis terra-terra Iskander, parte crucial da força de dissuasão nuclear russa, dando a negação de mapeamento de terrenos por radares aéreos e satelitais. Ele também pode ser usado para a supressão do sinal de GPS, com 4KW de potencia, é capaz de fazer o bloqueio do GPS em distância de até 200km, com complexo como um todo, tem um raio de interferência de 250 km, e pode ser usado contra dezenas de radares aéreos de forma simultânea. O Krasukha-4 é uma modernização profunda do Krasukha-2, com alcance de 300km, e pode de forma efetiva, interromper o funcionando de satélites, também é capaz de queimar circuitos eletrônicos de mísseis e drones em aditâncias de 1,5km, através de pulsos EPM. *O Krasukha-2 é disponível para exportação, embora as informações sobre os compradores são classificadas como segredo de estado, se sabe que China e Irã são 2 grandes clientes da Rússia nesse setor, tendo uma vasta gama de equipamentos de guerra eletrônica vendidos pela Rússia, e provavelmente eles adquiriram o Krasukha.

KS-418 L175V é um jammer russo, montado sobre a ponta das asas, análogo do norte-americano ALQ-99, ele usa duas antenas(frente e trás) que podem emitir radiação em 45° de azimute e 30° em elevação. ele cobre frequências entre 4 e 20 GHZ, podendo atuar contra mais de 16 radares simultaneamente, em terra ou no ar, ele incorpora a sofisticada técnica DRFM(Mémoria de Radio Frequencia/Repetição de Pulso) que memoriza os saltos de frequência, e analisa a frequência mais provável a ser empregue no próximo período. Ele também atua em conjunto com chaffs, irradiando energia sobre eles, e aumentando assim, a capacidade de engar o radar do míssil hostil. Ele também pode ser usado para direcionar mísseis anti-radar ar-ar R-27P e R-77P, e mísseis anti-radar ar-superfície como Kh-31P, o radiolocalizar tem sensibilidade de -85dB. Os amplificadores de saída, oferecem ganho de 45dB no sinal de interferência.

KG-300G e KG-600 são jammers chineses análogos do ALQ-99 norte-americano, cobrem de 8 a 20GHZ, podendo atuar contra radares terrestres e aéreos, são voltados tanto para autoproteção do caça, quanto para operações de interferência ativa sobre radares, o KG-600 é usado no Xian-H6 EW e JH-7 EW. Eles são vistos com um certo ceticismo pelos analistas militares, por não estarem a níveis dos sistemas russos e ocidentais, exigindo um maior numero de estações, para irradiar maior potencia, numa gama de frequências mais abrangente.

KIWI: Estação de supressão radioeletrônica VHF/UHF, de fabricação bielorrussa. Ela faz analise de e supressão de sinais em frequências entre 30 e 3000 MHZ. Ele faz analise de sinais com frequência de até 1000 saltos por segundo, e bloqueio de linha de comunicação com até 300 saltos/s. Para canais codificados digitalmente a frequência abrangida é de 30 a 512 MHZ. Ele pode atolar até 12 frequências fixas, o número de frequências dinâmicas a serem bloqueadas não é informado, mas pelos parâmetros, pode supor-se que é 1. O poder de irradiação jammer e de 3KW, divido por 3 linhas de 1KW para cada alvo(o tempos de bloqueio normalmente é de 0,1 segundo, é suficiente para interromper o funcionamento do sistema de rádio).

Samyuka: Sistema móvel indiano composto por um conjunto de 16 veículos, destinados a função ELINT, COMINT e ataque eletrônico(ECM), abrangendo frequência de 1,5 MHZ e 40 GHZ. Ele faz monitoramento, classificação e bloqueio, de sinais de comunicação e radar. Ele é capaz de atuar sobre radares pulsados, de onda contínua e com agilidade de salto de frequência muito alta. Ele oferece proteção contra foguetes, como do tipo Grad, fazendo as espoletas detonarem-os em pleno ar, protegendo uma área de 600km². Ele pode interferir em até 8 radares simultaneamente, em distância de 50 km para radares pulso-Doppler em banda X, e 80 km para radares de abertura sintética SAR. Ele pode atuar como um sistema passivo em modo de triangulação, terminando a direção e distância de um sinal, com precisão de 1 a 3° em azimute, a sensibilidade dos receptores é de -110 dB/-123dB, a precisão de medição de frequência é de 1 MHZ, para operação em faixa de ondas milimétricas. Ele possui um banco de dados para 2000 tipos de radares. A potencia de pico da potencia irradiada é de 580 KW. O alcance máximo do sistema para a função de interferência é de 150 km. Ele também pode ser usado para bloquear sinais de GPS. *Radares que fazem seguinto de terreno, para que caças possam dar voos rasantes, e/ou rádio altímetros, podem ser eficazmente atolados a 150km de distância, fazenso com que a aeronave ou míssil de cruzeiro bata contra o solo(uma das razões pelas quais hoje estão passando a utilizar altímetros a laser).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]