Hélio Pólvora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hélio Pólvora
Nome nativo Hélio Pólvora de Almeida
Nascimento 1928
Itabuna
Morte 26 de março de 2015 (87 anos)
Salvador
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade Estadual de Santa Cruz
Ocupação jornalista, cronista, crítico literário

Hélio Pólvora (Itabuna, em 1928Salvador, 26 de março de 2015) foi jornalista, cronista, crítico literário, crítico de cinema e escritor brasileiro.[1][2][3][4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Itabuna, em 1928. Iniciou-se no jornalismo como colaborador e editor do semanário Voz de Itabuna, e mais adiante foi correspondente em sua cidade de jornais de Salvador. Em janeiro de 1953 fixou-se no Rio de Janeiro, para curso universitário. O início de sua carreira literária e uma atividade jornalística intensa, que prosseguiram, depois de 1984, na Bahia.

À sua estreia em livro com Os Galos da Aurora (1958, reeditado em 2002, com texto definitivo), seguiram-se cerca de 25 títulos de obras de ficção e crítica literária, além de participação em dezenas de antologias nacionais e estrangeiras.[5] Contos seus estão traduzidos em espanhol, inglês, francês, italiano, alemão e holandês.[6]

A partir de 1990, passou a residir em Salvador. É doutor honoris causa pela Universidade Estadual de Santa Cruz. Fez parte da Comissão Machado de Assis, instituída pelo Ministro da Educação e Cultura, Jarbas Passarinho, para reconstituir os textos e reeditar a obra do Mestre, e integrou a Comissão Selo Bahia, criada pela Secretaria da Cultura e do Turismo, no âmbito da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Foi editor (Edições Antares, Rio de Janeiro), crítico literário[7] do Jornal do Brasil, Veja e Correio Braziliense, por muitos anos, cronista e crítico de cinema do Jornal do Brasil, Shopping News e outros jornais e revistas. Fundador e editor do jornal Cacau-Letras. Parecerista da Livraria Francisco Alves Editora e do Instituto Nacional do Livro, no Rio de Janeiro. Foi cronista do Jornal A Tarde. aos sábados, onde escreveu há mais de oito anos. Também um artigo semanal, na página de opinião, aos domingos.[8][9][10][11]

Conquistou prêmios literários de nomeada, entre os quais os da Bienal Nestlé de Literatura, anos 1982 e 1986, para contos (1.º lugar), e mais os prêmios da Fundação Castro Maya, para o livro Estranhos e Assustados, e Jornal do Commercio, para Os Galos da Aurora. Assina cerca de oitenta traduções de livros (ficção romances, contos e ensaios).[12] Visitou a Colômbia, Estados Unidos e Alemanha, a convite oficial, e conhece bem, além do Brasil, a Europa Ocidental.

Faleceu[13][14] em 26 de março de 2015.[15][16][17][18]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Para conhecer melhor Gregório de Matos, (1974),[19]
  • Graciliano, Machado, Drummond e outros, (1975),[20]
  • Estranhos e assustados, (1977),[21]
  • Noites vivas, (1978),[22]
  • Massacre no km 13, (1980),[23]
  • O grito da perdiz: contos, (1983),[24]
  • Xerazade, (1989),[25]
  • O espaço interior, (1999),[26]
  • A guerra dos foguetões machos, (2000),[27]
  • A Sosígenes, com afeto, (2001),[28]
  • Os galos de aurora & outros contos, (2002),[29]
  • Itinerários do conto: interfaces críticas e teóricas da moderna short story, (2002),[30]
  • Memorial de outono: vivências de um velho escritor zangado, (2004),[31]
  • Contos e novelas escolhidos I & II, (2013),[32]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Feitosa, Soares. «Jornal de Poesia - Hélio Pólvora». www.jornaldepoesia.jor.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  2. «Morre escritor baiano Hélio Pólvora aos 86 anos». Morre escritor baiano Hélio Pólvora aos 86 anos. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  3. «FBN lamenta falecimento do escritor Hélio Pólvora | Biblioteca Nacional». www.bn.gov.br (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  4. Curitiba, Livrarias. «Melhores Contos De Helio Polvora - Global». www.livrariascuritiba.com.br (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  5. «Hélio Pólvora - Seleção De André Seffrin - Col. Melhores Contos». Default Store View. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  6. «Livros por Helio Pólvora na Estante Virtual». Estante Virtual. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  7. «Hélio Pólvora, escritor baiano, fala sobre Literatura Brasileira - Passeiweb». www.passeiweb.com. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  8. «Jornal Rascunho». rascunho.com.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  9. «MELHORES CONTOS DE HELIO POLVORA». Livraria Cultura. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  10. «Com homenagem a Hélio Pólvora, 5º Festival Nacional do Conto traz nomes da literatura nordestina a Floripa - O Barato de Floripa». O Barato de Floripa. 18 de maio de 2015 [ligação inativa]
  11. «Hélio Pólvora - Vidas Lusófonas». www.vidaslusofonas.pt. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  12. «Hélio Pólvora traduziu romance de Faulkner com mestria insuperável - Jornal Opção». Jornal Opção. 11 de abril de 2015 
  13. «Morre aos 86 anos em Salvador o escritor Hélio Pólvora, diz ALB». Bahia. 26 de março de 2015 
  14. «Escritor Hélio Pólvora morre aos 86 - 26/03/2015 - Ilustrada - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  15. Criação, Atelier Casa de. «CONVERSAS COM HÉLIO PÓLVORA - Quarteto Editora e Distribuidora | Salvador - Bahia». www.quartetoeditora.com.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  16. «Morre aos 86 anos o escritor baiano Hélio Pólvora» 
  17. «Morre o escritor baiano Hélio Pólvora - Cultura - Estadão». Estadão 
  18. «Escritor Hélio Pólvora morre aos 86 anos em Salvador - Notícias - R7 Bahia». noticias.r7.com. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  19. Pólvora, Hélio; Matos, Gregório de (1974). Para conhecer melhor Gregório de Matos. [S.l.]: Edições Bloch 
  20. Pólvora, Hélio (1975). Graciliano, Machado, Drummond e outros. [S.l.]: Livraria F. Alves Editora 
  21. Pólvora, Hélio (1977). Estranhos e assustados. [S.l.]: Livraria F. Alves Editora 
  22. Pólvora, Hélio (1978). Noites vivas. [S.l.]: Antares 
  23. Pólvora, Hélio (1980). Massacre no km 13. [S.l.]: Edições Antares 
  24. Pólvora, Hélio (1983). O grito da perdiz: contos. [S.l.]: Difel 
  25. Pólvora, Hélio (1989). Xerazade. [S.l.]: J. Olympio. ISBN 9788503003209 
  26. Pólvora, Hélio (1999). O espaço interior. [S.l.]: Editora da Universidade Livre do Mar e da Mata. ISBN 9788587380012 
  27. Pólvora, Hélio (2000). A guerra dos foguetões machos. [S.l.]: Orabem Editora. ISBN 9789728606084 
  28. Pólvora, Hélio (2001). A Sosígenes, com afeto. [S.l.]: Edições Cidade da Bahia 
  29. Pólvora, Hélio (2002). Os galos da aurora & outros contos. [S.l.]: Casa de Palavras. ISBN 9788572780681 
  30. Pólvora, Hélio (2002). Itinerários do conto: interfaces críticas e teóricas da moderna short story. [S.l.]: Editus. ISBN 9788574550459 
  31. Pólvora, Hélio (1 de janeiro de 2004). Memorial de outono: vivências de um velho escritor zangado. [S.l.]: Bertrand Brasil. ISBN 9788528611007 
  32. Pólvora, Hélio (2013). Contos e novelas escolhidos I & II. [S.l.]: Assembleia Legislativa do Estado da Bahia. ISBN 9788571961630 
  33. academialetrasba (28 de abril de 2007). «Hélio Pólvora». Academia de Letras da Bahia. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  34. «HÉLIO PÓLVORA: CLÁSSICO, DEFINITIVAMENTE - Antônio Lopes». www.academiadeletrasdeitabuna.com.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2017