Huia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaHuia
Huia Buller.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 EX pt.svg
Extinta  (1907) (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Subordem: Passeri
Família: Callaeidae
Género: Heteralocha
Cabanis, 1851
Espécie: H. acutirostris
Nome binomial
Heteralocha acutirostris
(Gould, 1837)
Distribuição geográfica
Mapa da ilha Norte da Nova Zelândia. Área original (verde claro) e em 1840 (listras escuras). Local do último avistamento confirmado (vermelho) e de relatos posteriores não confirmados (amarelo).
Mapa da ilha Norte da Nova Zelândia. Área original (verde claro) e em 1840 (listras escuras). Local do último avistamento confirmado (vermelho) e de relatos posteriores não confirmados (amarelo).

A huia (nome científico: Heteralocha acutirostris) é uma ave passeriforme nativa da Nova Zelândia que se extinguiu no início do século XX. O último registro visual confirmado ocorreu em 1907.

A huia tinha uma plumagem preta, com a ponta das asas e cauda branca, e papos laterais de cor laranja. A espécie tinha dimorfismo sexual que se manifestava nos bicos: curto nos machos e longo e encurvado nas fêmeas.

A extinção da huia deve-se unicamente à intervenção humana. A ave foi caçada em grandes números pelos Maori que usavam a sua plumagem como sinal de um elevado status social.

Taxonomia e etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do gênero, Heteralocha, deriva do grego antigo ἕτερος, "diferente", e ἄλοχος, "esposa".[2] Refere-se à diferença marcante no formato do bico do macho e da fêmea. Já o epíteto específico, acutirostris, deriva do latim acutus, que significa "afilado", e rostrum, que significa "bico", uma alusão ao bico da fêmea.[3]

John Gould descreveu o huia em 1836 como duas espécies diferentes: Neomorpha acutirostris baseado numa fêmea, e N. crassirostris com base num exemplar do sexo masculino; o epíteto crassirostris deriva do latim crassus', que significa "grosso" ou "pesado", e refere-se ao bico curto do macho.[3] Em 1840, George Robert Gray propôs o nome N. gouldii, argumentando que nenhum dos nomes de Gould era aplicável à espécie.[4] Em 1850, o ornitólogo alemão Jean Cabanis substituiu o nome Neomorpha, que já tinha sido usado para batizar um gênero de cucos, por Heteralocha.[2] Em 1888, Walter Buller escreveu: "Eu considerei ser mais de acordo com as normas aceitas de nomenclatura zoológica adotar o primeiro dos dois nomes aplicados à espécie pelo Sr. Gould; e o fato do nome Neomorpha já ter sido utilizado anteriormente na ornitologia, torna necessário adotar o termo Heteralocha, proposto pelo Dr. Cabanis para esta forma".[5][nota 1]

O huia parece ser um remanescente de uma antiga expansão de passeriformes na Nova Zelândia, e é o maior dos três membros da família Callaeidae, endêmicos do país; os outros são os Philesturnus e os Callaeas (kokakos). O único parente próximo da família é o Notiomystis cincta; suas relações taxonômicas com outras aves continuam a ser estudadas.[6] Um estudo molecular dos genes nucleares RAG-1 e c-mos das três espécies da família não foi conclusivo, os dados fornecem mais apoio para uma divergência baseada no kokako ou no huia.[7]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Keulemans Huias.jpg

O huia tinha uma plumagem negra tendendo ao verde metálico,[8] e uma distintiva carúncula arredondada e de cor laranja-brilhante nas bases laterais do bico. Em ambos os sexos, os olhos eram castanhos;[9] o bico era branco-marfim, acinzentado na base; as pernas e os pés eram longos e de cor cinza-azulado, enquanto as garras eram castanhas-claras.[10] A ave tinha doze longas penas pretas-brilhantes na cauda,[11] cada uma com uma faixa branca na extremidade de 2,5 a 3 cm.[10][12][13] Indivíduos imaturos tinham pequenas carúnculas pálidas, uma plumagem sem brilho salpicada de marrom, e uma coloração vermelho-acastanhada em direção às pontas brancas das penas da cauda.[9] O bico da fêmea jovem era apenas ligeiramente curvo.[10] Os nativos maoris chamavam determinados huias de huia-ariki, que significa "huia-chefe". O huia-ariki tinha uma plumagem acastanhada com listras cinza,[5][14] e as penas no pescoço e na cabeça eram mais escuras.[8][14] Esta variante pode ter sido um albino parcial, ou talvez essas aves eram simplesmente de idade mais avançada. Foram registrados vários huias albinos verdadeiros.[14][15]

Embora o dimorfismo sexual na forma do bico seja encontrado em outras aves, como nos Ptiloris, Epimachus e outras que escavam a madeira, incluindo algumas espécies de pica-pau,[16] ele era mais pronunciado no huia.[17] O bico do macho era curto, com cerca de 6 cm, ligeiramente arqueado para baixo e robusto,[8] muito semelhante ao do seu "primo" próximo Philesturnus. Já o bico da fêmea era mais fino e longo, com cerca de 10,4 cm, e curvado para baixo como o de um beija-flor ou de um melífago. A diferença não estava apenas no osso; a ranfoteca crescia muito além do fim da maxila óssea e da mandíbula para produzir um maleável implemento capaz de penetrar profundamente buracos feitos na madeira por larvas de besouros. Os crânios e mandíbulas do huia e Philesturnus são muito semelhantes, o deste último sendo praticamente uma miniatura do primeiro.[18]

Há duas explicações possíveis para a evolução dessa diferença sexual na forma do bico. A mais amplamente aceita é que ela permitiu que aves de sexos diferentes utilizassem diferentes fontes de alimento.[16] Esta divergência pode ter surgido por causa de uma falta de concorrentes nestes nichos de forrageamento nos ecossistemas florestais da ilha Norte.[19] A outra ideia é que o bico cor de marfim, que contrastava fortemente com a plumagem preta da ave, pode ter sido usada para atrair um companheiro. Em animais que utilizam as características físicas do dimorfismo sexual para atrair um parceiro, o recurso dimórfico é muitas vezes colorido ou contrasta com o restante do corpo, como o que acontece com o huia. Foi sugerido que, como a fêmea era o principal fornecedor de alimento para os filhotes por regurgitação, esse sexo evoluiu com o bico longo para obter a dieta rica em proteínas de invertebrados necessária para os filhotes.[16]

Outra característica, menos óbvia, no dimorfismo sexual do huia era a diferença de tamanho entre os sexos. Os machos tinham 45 cm de comprimento, enquanto que as fêmeas eram maiores, com 48 cm.[13] Para além disso, a cauda do sexo masculino tinha cerca de 20 cm de comprimento e a envergadura situou-se entre 21 e 22 cm, enquanto a cauda da fêmea possuía 19,5 a 20 cm de comprimento e a envergadura de 20 a 20,5 cm.[9]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Depósitos subfósseis e resquícios encontrados em sambaquis sugerem que o huia já habitou florestas nativas tanto de áreas de planícies como montanhosas em toda a ilha Norte,[13] estendendo-se desde o extremo norte no Cabo Reinga, até Wellington e os Montes Aorangi no extremo sul.[20] Apenas alguns huias são conhecidos a partir dos extensos depósitos das armadilhas de coleta no carste da área das cavernas de Waitomo e eles também são raros ou ausentes em depósitos fósseis no centro da ilha Norte e na Baía de Hawke; aparentemente preferia habitats que não estão bem amostrados pelos depósitos conhecidos até o momento.[20] A sua área de abrangência parece ter contraído a medida em que o povo maori foi se estabelecendo na região em meados do século XII. Na época da colonização europeia na década de 1840, o pássaro era encontrado apenas nas florestas do sul da ilha Norte, ao sul de uma linha que vai dos Montes Raukumara no leste, atravessa os Montes Kaimanawa, e termina no rio Turakina no distrito de Rangitikei a oeste. No sul, a sua área se estendia à região Wairarapa e aos Montes Rimutaka, a leste de Wellington.[13] Relatos colhidos por Walter Buller e uma waiata (canção maori) sugerem que o huia era encontrado também nos distritos de Marlborough e Nelson, localizados na ilha do Sul; no entanto, a ave nunca foi identificada nos ricos depósitos fósseis ao sul do Estreito de Cook,[21] e não há nenhuma outra evidência da presença da espécie por lá.[3][14]

Os huias habitaram os dois principais tipos de florestas da Nova Zelândia. Podiam ser encontrados principalmente nas florestas úmidas temperadas onde havia um sub-bosque denso, mas ocasionalmente também eram vistos em florestas de faias (Nothofagus). A espécie foi observada na vegetação nativa, incluindo árvores como matai (Prumnopitys taxifolia), rimu (Dacrydium cupressinum), kahikatea (Dacrycarpus dacrydioides), rata (Metrosideros robusta), maire (Nestegis), hinau (Elaeocarpus dentatus), totara (Podocarpus totara), rewarewa (Knightia excelsa), mahoe (Melicytus ramiflorus), e taraire (Beilschmiedia tarairi). Ao nível do mar sobre a árvore karaka (Corynocarpus laevigatus) no Cabo Turakirae. A ave nunca foi vista em florestas queimadas ou em áreas desmatadas para a agricultura.[3]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Movimentos[editar | editar código-fonte]

Os movimentos do huia são pouco conhecidos, mas provavelmente era um pássaro sedentário. Acredita-se que pode ter empreendido migrações sazonais, vivendo em florestas montanhosas no verão e se mudando para regiões mais baixas no inverno, a fim de evitar o clima rigoroso e as temperaturas frias em altitudes elevadas. Assim como o Philesturnus e o kokako, aves neozelandesas que ainda vivem, o huia tinha fraca capacidade de voo e só conseguia voar distâncias curtas, raramente acima da altura das árvores.[19] Utilizava-se com frequência de suas poderosas pernas para ganhar impulso, saltando de galho em galho no dossel ou pelo chão da floresta.[13] Também era capaz de se agarrar verticalmente nos troncos de árvores e escala-los, usando as penas da cauda para se equilibrar.[12]

Alimentação e ecologia[editar | editar código-fonte]

O huia e o Philesturnus são as duas espécies especialistas em esquadrinhar madeira e cascas de árvores na guilda insectívora arbórea na avifauna da Nova Zelândia. Pica-paus não ocorrem a leste da linha de Wallace; seu nicho ecológico é preenchido por outros grupos de aves que se alimentam de larvas de besouros que se desenvolvem na madeira podre. O papel ecológico do pica-pau foi assumido por duas espécies, de duas diferentes famílias, nas florestas úmidas temperadas e nas florestas de faias; uma delas era o huia e a outra o kaka.[22]

Duas larvas grandes de insetos em túneis num galho de árvore
O alimento favorito do huia: larvas do besouro Prionoplus reticularis

O huia forrageava principalmente madeira em decomposição.[19] Apesar de ter sido considerado um predador especialista em larvas do besouro noturno conhecido como "huhu" (Prionoplus reticularis), também comia outros insetos (incluindo larvas de weta), aranhas e frutas.[13][19]

Insetos e aranhas eram retirados da madeira em decomposição, debaixo das cascas, musgos e líquenes, e também do solo. O huia forrageava sozinho, em pares, ou em pequenos bandos de até cinco indivíduos, que eram provavelmente grupos familiares.[15] O dimorfismo sexual da estrutura do bico deu origem a estratégias de alimentação que diferiam radicalmente entre os sexos. O macho usava seu bico em forma de enxó para penetrar e esgarçar as camadas mais externas da madeira em decomposição,[22] enquanto a fêmea vasculhava áreas inacessíveis ao macho, tais como as tocas de larvas de insetos na madeira viva. O macho tinha a musculatura craniana bem desenvolvida, permitindo-lhe cinzelar e esquadrinhar a madeira podre através de movimentos de abertura do bico.[19] Havia diferenças significativas na estrutura e na musculatura da cabeça e pescoço de machos e fêmeas. O huia tinha os músculos depressores da mandíbula muito bem desenvolvidos, e uma crista occipital que fornecia superfície extra para a fixação muscular, permitindo que a mandíbula fosse aberta com uma força considerável.[23] Capturada uma refeição, o pássaro voava até um poleiro com o inseto em seus pés, depois retirava as partes duras de sua presa, em seguida balançava o que restou, agarrava com o bico e engolia.[9]

Os pares não cooperavam na alimentação, pelo menos não em um sentido estrito. Todos os relatos que dizem que havia tal cooperação são baseados na interpretação equivocada de um relato feito pelo ornitólogo Walter Buller de um casal mantido em cativeiro que capturava larvas de besouro na madeira.[5][24] De acordo com este mal-entendido, que se tornou parte do folclore ecológico, o macho rasgaria a madeira podre e abria os túneis de larvas, permitindo assim que a fêmea sondasse profundamente os túneis com seu bico longo e flexível. Na verdade, os bicos diferentes representam um exemplo extremo de diferenciação de nicho, reduzindo a competição intraespecífica entre os sexos. Isto permitiu que a espécie pudesse explorar uma ampla gama de fontes de alimentos em diferentes micro-habitats.[25][26]

Galhos de árvores com frutas vermelhas e negras.
O huia comia frutas de algumas plantas nativas, incluindo a kahikatea (Dacrycarpus dacrydioides)

As florestas da Nova Zelândia dependem fortemente de aves frugívoras para dispersão de sementes: cerca de 70% das árvores lenhosas têm frutos que, provavelmente, são dispersos por pássaros, incluindo o huia.[27] A variedade de frutas comidas pelo huia é difícil de estabelecer: hinau (Elaeocarpus dentatus), pigeonwood (Hedycarya arborea) e várias espécies de Coprosma foram registradas por Buller como parte da dieta da ave,[27] também foram apontados os frutos da kahikatea (Dacrycarpus dacrydioides).[19] A extinção do huia e outras espécies frugívoras de aves da Nova Zelândia, incluindo a moa e o piopio, e a área de distribuição cada vez menor de muitos outros, incluindo o kiwi, weka, e kokako, deixou poucos dispersores de sementes eficazes na floresta Nova Zelândia. Para as plantas com frutos maiores que 1 cm de diâmetro, os kererus são os únicos dispersores restantes no ecossistema, e eles são raros ou extintos em algumas áreas. Este esgotamento de avifauna no ecossistema florestal pode ter grandes impactos sobre processos como a regeneração da floresta e dispersão de sementes.[27]

Vocalização[editar | editar código-fonte]

Como tantos outros aspectos de sua biologia, as vocalizações dos huia não são bem conhecidas, e o que se sabe atualmente é baseado em alguns poucos relatos antigos. As chamadas eram principalmente um variado leque de assobios, "peculiar e estranho", mas também "suave, melodioso e parecido com uma flauta".[19] Existe uma gravação de 1909 da imitação da vocalização do pássaro feita por Henare Haumana, membro de uma equipe de pesquisa sobre o huia, na qual ela assobia o canto (ver seção Ligações externas).[28] Huia muitas vezes permanecia em silêncio. Quando vocalizavam, suas chamadas podiam ser ouvidas a distâncias consideráveis: alguns eram audíveis a até 400 metros através da floresta densa. Foi relatado que as chamadas diferiam entre os sexos, mas não foram mencionados detalhes a esse respeito. O pássaro vocalizava com a cabeça e pescoço esticados, e apontando o bico de 30 a 45 graus em relação à vertical.[19] A maioria das referências menciona que o canto da ave era ouvido no início da manhã; um dos relatos afirma que é o primeiro pássaro a cantar no coro do amanhecer, e huias em cativeiro eram famosos por "acordar a casa inteira". Assim como o Mohoua albicilla, o huia comportava-se de forma incomum antes do início do tempo chuvoso, ficando "feliz e cheio de canção".[15] O nome do pássaro é onomatopeico:[19] foi batizado assim pelo povo maori devido ao chamado de socorro que emitia, um assobio suave e articulado semelhante a uia, uia, uia ou where are you? (em inglês: onde você está?). As fontes afirmam que tal apelo era dado quando o pássaro estava animado ou com fome. Filhotes tinham um "grito plangente, agradável ao ouvido", respondiam poucos às imitações de pessoas, e eram muito barulhentos quando mantidos em tendas.[15]

Comensais e parasitas[editar | editar código-fonte]

Uma espécie de piolho da família Philopteridae, o Rallicola extinctus,[29] foi encontrado apenas no huia. Aparentemente este parasita era exclusivo do pássaro, tornando-se extinto junto com seu hospedeiro, num processo conhecido como co-extinção.[30] Em 2008, uma nova espécie de ácaro das penas, Coraciacarus muellermotzfeldi, foi descrita com base em indivíduos secos encontrados em penas de uma pele de huia num museu europeu. Embora o gênero Coraciacarus tenha uma ampla gama de hospedeiros a nível mundial, a presença de um representante do gênero em uma ave passeriforme era um "fenômeno enigmático". Os pesquisadores sugeriram que o ácaro poderia ter sido transferido horizontalmente a partir de uma ou duas espécies nativas migratórias de cucos (Cuculiformes).[31]

Comportamento social e reprodução[editar | editar código-fonte]

Huia-heads.jpg

Tranquilo e social, o huia era monogâmico, e os casais conviviam durante toda a vida.[14][19] A ave era geralmente avistada aos pares, embora às vezes grupos de quatro ou mais indivíduos tenham sido encontrados.[19] Walter Buller registrou um casal manso que sempre se mantinha junto, e constantemente emitiam um piado "afetuoso", mesmo em cativeiro. Há relatos desse par e de outro, selvagem,[12] que pulava de galho em galho abanando a cauda, e que depois se reuniam para acariciar o parceiro com o bico e emitir estes ruídos. O macho alimentava a fêmea durante a corte.[19] Acredita-se que tais comportamentos podem ter sido parte de um cortejo sexual. A alegação de que o macho alimentava a fêmea enquanto ela estava incubando e no ninho "carece de provas".[15] Quando o macho deste par cativo morreu acidentalmente, a fêmea "manifestou grande angústia pelo seu companheiro e definhou até morrer 10 dias depois".[5] Um homem maori que viveu século XIX recordou: "eu sempre fui informado pelo meu povo antigo que um par de huia vivia nas condições mais afetuosas ... Se o macho morresse primeiro, a fêmea morreria logo depois de pesar".[8] O huia não tinha medo de seres humanos; as fêmeas permitiam-se ser apanhadas no ninho,[8] e as aves poderiam ser facilmente capturadas com as mãos.[11]

Pouco se sabe sobre a reprodução do huia, já que apenas dois ovos e quatro ninhos foram descritos.[15] O único ovo de huia que sobreviveu aos dias atuais está na coleção do Museu da Nova Zelândia Te Papa Tongarewa.[32] A época de reprodução para o acasalamento, construção de ninhos, postura de ovos e nascimento dos filhotes ocorria, provavelmente, no final da primavera (outubro e novembro).[9][14][15] Acredita-se que eles construíam seus ninhos separados; os casais eram territoriais e podiam permanecer em seus territórios por toda a vida.[19] Aparentemente geravam apenas uma ninhada por ano; o número de ovos varia conforme a fonte, sendo mencionadas as quantidades 3 a 5, 4, 2 a 4 e 1 a 4. Os ovos eram acinzentados com manchas roxas e marrons, e mediam 4,5 por 3,0 cm. A incubação era feita principalmente pela fêmea, embora haja evidência de que o macho também desempenhava um pequeno papel nesta tarefa. Foram descobertas áreas desgastadas (por atrito) na plumagem típicas de aves que estão chocando em alguns machos no mês de novembro, embora bem menores que nas fêmeas. O período de incubação é desconhecido. As cascas dos ovos eram aparentemente retiradas do ninho pelos adultos. A cada ninhada nasciam geralmente um ou dois filhotes, embora haja um registro que menciona três deles num único ninho. Eles eram construídos em diferentes lugares: árvores mortas, galhos, ocos de árvores, ou "próximo ao chão", e alguns deles eram cobertos com plantas pendentes ou parreiras. O ninho em si era uma grande estrutura em forma de pires, com até 35 cm de diâmetro e 7 cm de profundidade, de paredes espessas de grama seca, folhas e "caules murchos de plantas herbáceas".[15] Um copo central pequeno e raso de materiais macios, como grama e galhos finos criava uma superfície almofadada para os ovos, além de isola-los.[13][14][19] Após a eclosão, os filhotes permaneciam no grupo familiar e eram alimentados pelos pais durante três meses, época em que eles já aparentavam ser adultos.[15]

Relevância cultural[editar | editar código-fonte]

Chefe tribal maori com um pōhoi, ornamento feito com pele de huia.

Na cultura maori, a "garça-branca e o huia não eram normalmente comidos, mas foram aves raras apreciadas por suas maravilhosas plumas, as quais eram usadas ​​por pessoas de alto escalão".[33][nota 2] A natureza corajosa e curiosa do huia o tornava particularmente fácil de ser apanhado.[11][14] Os nativos atraíam o pássaro imitando o seu canto e depois o capturavam com um tari (uma vara esculpida com uma armadilha na extremidade), um alçapão, ou ainda matando-o com um porrete ou com uma lança longa. Muitas vezes os caçadores exploravam o forte vínculo do casal: capturavam um dos pares, que passava então a gritar, atraindo seu companheiro, que poderia ser facilmente pego.[14][5] As opiniões sobre a qualidade da carne da ave variaram bastante. Apesar de geralmente não ser caçado para tal fim, o animal era considerado por alguns como "bom de comer" em tortas ou ensopados com curry,[8][19] mas para outros era "bastante duro" e "impróprio para comer".[19]

Embora a área de ocorrência do huia estivesse restrita à parte sul da ilha Norte, as penas de sua cauda eram muito valorizadas e se tornaram objetos de troca entre as tribos por outros bens valiosos, como o pounamu e dentes de tubarão, ou dadas como sinal de amizade e respeito. Graças a este comércio, as penas atingiram os extremos norte e sul da Nova Zelândia.[3][11][14] Elas eram armazenadas em caixas elaboradamente esculpidas chamadas waka huia, que costumavam ser penduradas no teto das casas dos chefes tribais.[3][14] As penas da ave eram usadas em funerais e para decorar a cabeça dos mortos.[14][34] O marereko, descrito por Edward Robert Tregear como uma "antiga pluma de guerra", consistia de doze penas de huia.[3][35] O pōhoi, altamente valorizado pelos nativos, era um ornamento feito a partir da pele do huia; a ave era esfolada e o bico, crânio e carúnculas mantidos, já as pernas e asas eram descartadas.[3][14] Depois a pele era cuidadosamente seca, e então a peça estava pronta para ser usada como adorno no pescoço ou nas orelhas.[8] Cabeças de huia secas foram também usadas ​​como pingentes chamados ngutu huia.[3] Um indivíduo capturado podia ser mantido numa gaiola pequena para que as penas de sua cauda fossem arrancadas quando crescessem até o tamanho completo.[8][11]

A ave também era mantida pelos maori como um animal de estimação, e do mesmo modo do tui, podia ser treinado para dizer algumas palavras.[8] Há também o registro de um huia manso criado por colonos europeus numa pequena aldeia no Forty-Mile Bush no século XIX.[11]

Selo postal laranja com duas aves desenhadas
Casal de huias num selo neozelandês (1898).

A Nova Zelândia lançou vários selos postais que retratam a huia.[36][37] Uma moeda de seis centavos, que circulou no país entre 1933 e 1966, trazia a imagem de uma fêmea de huia em um dos lados.

O grau com que o huia era conhecido e admirado na Nova Zelândia se reflete no grande número de áreas urbanas e acidentes geográficos batizados em sua homenagem. Há várias estradas e ruas na ilha Norte com o nome do huia, muitas das quais em Wellington (incluindo a Huia Road em Days Bay - não muito longe do lugar onde ocorreu um dos últimos avistamentos da espécie, no início da década de 1920, nas florestas do East Harbour Regional Park) e também em Auckland, onde há inclusive um subúrbio chamado Huia em Waitakere. Um rio na costa oeste da ilha Sul e os Montes Huiarau no centro da ilha Norte também homenageiam o pássaro. A espécie já foi abundante nas florestas dessas montanhas:[3] Huiarau significa "uma centena de huias".[19] Também teve seu nome colocado numa piscina pública em Lower Hutt, numa vinícola em Marlborough, e na editora Huia Publishers, especializada na língua e tradição maoris. O nome foi dado pela primeira vez a uma criança no final do século XIX, para o filho de membros de uma pequena tribo (iwi) na ilha Norte preocupados com o rápido declínio da ave,[14] e, embora incomum, é usado ainda hoje na Nova Zelândia como um nome para meninas e, mais raramente, para meninos (a exemplo do jogador de rugby Huia Edmonds), tanto de descendência europeia quanto maori.

Penas da cauda do huia são muito raras e se tornaram um item de colecionador. Em junho de 2010, uma única pena foi vendida num leilão em Auckland por NZ$ 8.400, muito mais que os 500 dólares neozelandeses que a casa de leilões esperava, tornando-a a penas mais cara da história. O preço recorde anterior para uma única pena era de 2.800 dólares americanos (NZ$ 4.000) alcançado por uma pena de águia-americana num leilão nos Estados Unidos.[38]

Extinção[editar | editar código-fonte]

O huia podia ser encontrado em toda a ilha Norte antes da chegada dos seres humanos na Nova Zelândia. Estima-se que o povo maori chegou a cerca de 800 anos atrás, e quando os colonizadores europeus começaram a ocupar região na década de 1840, a destruição do habitat e a caça já havia reduzido o território ocupado pela ave para apenas o sul da ilha Norte.[13] No entanto, a pressão de caça dos maoris sobre os huias foi limitada até certo ponto por "protocolos" tradicionais. A temporada de caça ia de maio a julho, quando a plumagem da ave estava em sua melhor condição, enquanto um rāhui que proibia a caça vigorava na primavera e no verão.[14] Com a colonização europeia, a população de huias começou a declinar substancialmente, devido principalmente a dois fatores bem documentados: desmatamento e caça excessiva.

Vídeo de 360 graus de um casal empalhado no Museu Naturalis.

Tal como aconteceu com as extinções de outras aves da Nova Zelândia, a exemplo do piopio no século XIX, o declínio do huia foi pouco estudado. Um desflorestamento massivo ocorria na ilha Norte, particularmente nas terras baixas do sul da baía de Hawke, de Manawatu e de Wairarapa, na medida em que os colonizadores europeus limpavam a terra para uso agrícola. O huia era particularmente vulnerável ​​ao desmatamento, uma vez que só podia viver em florestas virgens onde havia árvores antigas em abundância, cheias de larvas de insetos que perfuravam a madeira apodrecida. Aparentemente, a ave não conseguia sobreviver em florestas secundárias.[12][14] Embora a parte montanhosa de seu antigo território não tenha sido desmatada, as florestas das terras baixas dos vales foram destruídas sistematicamente.[8][14] E a perda deste habitat teve, sem dúvida, um grave impacto sobre as populações de huia, pois a remoção da vegetação nessas áreas impedia que o pássaro usasse as planícies como um refúgio durante o inverno para escapar da neve em altitudes mais elevadas, como alguns pesquisadores acreditam.[14][19][34]

A predação por espécies de mamíferos invasores, como os ratos trazidos nos navios, gatos e mustelídeos, foi um fator adicional na redução do número de huias - a introdução desses animais pelos colonos atingiu o pico na década de 1880 e coincidiu com um declínio particularmente acentuado na população da ave.[3] Como passava muito tempo no chão, era bastante vulnerável a​​ mamíferos predadores.[12][13] Outra causa hipotética sobre a extinção refere-se a parasitas exóticos e doenças introduzidas a partir da Ásia pelo mainá Acridotheres tristis.[1][39]

A destruição do habitat e a predação de espécies introduzidas foram problemas enfrentados por todas as aves da Nova Zelândia, mas o huia sofreu ainda com uma enorme pressão de caça. Devido ao seu acentuado dimorfismo sexual e sua beleza, a ave era objeto de desejo de ricos colecionadores da Europa e de museus de todo o mundo, que queriam exemplares empalhados.[14][19][40] Pessoas e instituições estavam dispostas a pagar grandes somas de dinheiro por bons exemplares, e a demanda externa criou um forte incentivo financeiro para os caçadores da Nova Zelândia.[40] Esta caça foi inicialmente empreendida por naturalistas. O taxidermista austríaco Andreas Reischek levou 212 pares como espécimes para o museu de história natural em Viena durante um período de 10 anos,[14] enquanto o ornitólogo neozelandês Walter Buller coletou 18 em apenas uma das várias expedições aos Montes Rimutaka em 1883.[14] Outros interessados ​​em lucrar logo se juntaram nessa busca desenfreada. Buller registrou que, ainda em 1883, um grupo de 11 maoris pegaram 646 peles de huias na floresta entre o desfiladeiro Manawatu e Akitio.[13][5] Milhares de huias foram exportados além-mar como parte deste comércio.[12] A melhoria da infra-estrutura dentro de floresta de planície não ajudou a situação: centenas de huias foram baleados em torno dos acampamentos dos construtores de estradas e ferrovias.[19]

Walter Buller, famoso ornitólogo neozelandês do século XIX, deixou transparecer no relato abaixo o que uma fonte descreve como atitudes "ambíguas" do século XIX em relação ao declínio da avifauna da Nova Zelândia.[41]

Enquanto estávamos olhando e admirando esta pequena imagem do pássaro-vida, um par de huias, sem emitir um som, apareceu numa árvore por cima de nossas cabeças, e enquanto acariciavam uns aos outros com os seus belos bicos, um disparo de No. 6 trouxe ambos juntos ao chão. O incidente foi bastante comovente e eu me senti quase que alegre pelo tiro não ter sido disparado por mim, apesar que de nenhuma maneira relutei em me apropriar destes 2 belos exemplares.[41][nota 3]

Homem usando vestes tradicionais maiori.
Homem maori do distrito de Hauraki usando penas da cauda do huia no cabelo (foto antes de 1886)

A caça desenfreada e insustentável não foi apenas motivada pelo dinheiro: ela também tinha um aspecto filosófico fatalista.[40] Os europeus que viviam na Nova Zelândia tinham uma visão de que tudo que era originário da própria colônia (plantas, animais e pessoas) era inferior aos da Europa. Criou-se então a ideia de que as plantas e animais dos ecossistemas florestais da Nova Zelândia seriam rapidamente substituídos por espécies europeias, mais vigorosas e competitivas.[42] Esta presunção de um acontecimento inevitável levou à conclusão de que a conservação da biota nativa era inútil e fútil; colecionadores vitorianos, por sua vez, concentraram seus esforços na aquisição de uma boa variedade de espécimes antes das espécies raras desapareceram completamente.[40]

Houve algumas tentativas para preservar o huia, mas elas eram poucas, mal organizadas e sem um adequado respaldo legal. O movimento conservacionista na Nova Zelândia ainda estava engatinhando na época.[14] Sucessivas quedas acentuadas no número de huias na década de 1860,[3] e no final da década de 1880, levaram os chefes tribais de Manawatu e Wairarapa a estabelecerem um rahui (restrição de acesso ou utilização de uma área) na região dos Montes Tararua. Em fevereiro de 1892, a Lei de Proteção de Aves Silvestres foi alterada para incluir o huia, tornando ilegal matar o pássaro, mas sua aplicação não foi levada a sério.[12] Com essa lei, ilhas-santuários foram criadas para abrigar aves nativas ameaçadas, mas os novos santuários de aves, incluindo as ilhas Kapiti, Little Barrier e Resolution, nunca foram abastecidos com huias. Apesar das tentativas de captura para a posterior transferência, nenhum exemplar da espécie jamais foi transferido.[3] A tentativa na ilha Kapiti está documentada como sendo particularmente mal gerida.[12] Buller se apropriou de um casal vivo que estava destinado a ser transferido para a ilha em 1893, burlando a lei para levar os pássaros consigo de volta à Inglaterra como presente para Walter Rothschild, junto com o último par vivo apanhado de Sceloglaux albifacies.[42]

O duque e a duquesa de York (que mais tarde viriam a ser o rei Jorge V e a rainha Maria) visitaram a Nova Zelândia em 1901. Nas boas-vindas oficiais do povo maori, na cidade de Rotorua, uma guia pegou uma pena de cauda de huia de seu cabelo e colocou-a na aba do chapéu do duque como um sinal de respeito.[12][19] Muitas pessoas na Inglaterra e na Nova Zelândia quiseram imitar esta moda real e passaram a usar penas de huia em seus chapéus. O preço das penas da cauda da ave foi logo alavancado a 1 libra, fazendo com que cada pássaro pássaro valesse 12 libras, e algumas penas chegaram a ser vendidas a 5 libras.[12] Os bicos das fêmeas eram trabalhados com ouro para virar jóias.[43] Avisos sobre temporadas de suspensão da caça passaram a não listar mais o huia como uma espécie protegida em 1901,[14] e uma última tentativa para reforçar a proteção do governo falhou quando o procurador-geral decidiu que não havia nenhuma lei para proteger penas.[12]

Floresta densa e uma cachoeira
Mokau Falls no Te Urewera, próximo ao local onde houve o último avistamento credível do huia.

O declínio do huia sobre a metade sul da ilha Norte ocorreu em taxas muito diferentes em locais diferentes. As áreas onde foram observados declínios dramáticos na década de 1880 incluem os Montes Puketoi, o vale de Hutt e Tararuas, e a área de Pahiatua-Dannevirke.[19] A espécie ainda era abundante em alguns lugares no início do século XX entre a Baía de Hawke e o Wairarapa; um bando de 100 a 150 pássaros foi relatado no ponto mais alto da rota entre Akatarawa e Waikane em 1905; eles ainda eram "bastante abundantes" no curso superior do rio Rangitikei em 1906 e, no entanto, o último avistamento confirmado aconteceu apenas um ano depois.[3]

O último avistamento oficial confirmado da ave foi feito em 28 de dezembro de 1907, quando W. W. Smith viu três huias nas florestas das montanhas Tararua.[13] Outros relatos não confirmados, porém "bastante credíveis", sugerem que a extinção da espécie aconteceu um pouco mais tarde. Um homem familiarizado com o pássaro relatou ter visto três deles no Vale Gollans atrás da baía de York (entre Petone e Eastbourne), uma área de florestas mistas de faia bem dentro do antigo território da ave, em 28 de dezembro de 1922.[12] Avistamentos de huias também foram relatados nessa região em 1912 e 1913. Apesar disso, os naturalistas do Museu Dominion em Wellington não investigaram os relatos. Os últimos registros credíveis de huia vêm das florestas do Parque Nacional Te Urewera, um deles próximo ao Monte Urutawa em 1952 e os avistamentos finais perto do lago Waikareiti em 1961 e 1963.[3] A possibilidade de uma pequena população de huia ainda existir na área do Urewera tem sido proposta por alguns investigadores, mas é considerada altamente improvável. Nenhuma expedição recente conseguiu encontrar um único espécime vivo.[12][14]

Alunos da Hastings Boys' High School organizaram uma conferência em 1999 para avaliar a possibilidade de clonagem do huia, o símbolo de sua escola.[44][45] A tribo Ngati Huia concordou, a princípio, apoiar o esforço, que seria realizado na Universidade de Otago, e uma start-up com sede na Califórnia ofereceu 100 mil dólares de financiamento.[46] No entanto, Sandy Bartle, curador de aves do Museu da Nova Zelândia Te Papa Tongarewa, disse que o genoma completo do huia não pode ser obtido a partir das peles abrigadas em museus em função do mau estado do DNA. Portanto, é muito improvável que uma tentativa de clonagem tenha algum sucesso.[47]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Tradução livre de: "I have deemed it more in accordance with the accepted rules of zoological nomenclature to adopt the first of the two names applied to the species by Mr Gould; and the name Neomorpha having been previously used in ornithology, it becomes necessary to adopt that of Heteralocha, proposed by Dr Cabanis for this form."
  2. Orbell menciona algumas das associações sagradas do huia, dizendo que se um homem sonhasse com um huia ou suas penas, significava que sua esposa iria conceber uma filha (Orbell 1992, p. 83).
  3. Tradução livre de: "While we were looking at and admiring this little picture of bird-life, a pair of Huia, without uttering a sound, appeared in a tree overhead, and as they were caressing each other with their beautiful bills, a charge of No. 6 brought them both to the ground together. The incident was rather touching and I felt almost glad that the shot was not mine, although by no means loth to appropriate 2 fine specimens."
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Huia», especificamente desta versão.

Referências

  1. a b BirdLife International (2012). Heteralocha acutirostris (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 3.1. Página visitada em 12/12/2015.
  2. a b Cabanis 1850, p. 218 (nota de rodapé)
  3. a b c d e f g h i j k l m n o Higgins 2006, p. 1014
  4. Gray, George Robert (1840). A list of the genera of birds, with their synonyma, and an indication of the typical species of each genus (Londres: R. and J.E. Taylor). p. 15. 
  5. a b c d e f Buller 1888, p. 8
  6. Ewen, JG; Flux I, Ericson PGP. (2006). "Systematic affinities of two enigmatic New Zealand passerines of high conservation priority, the hihi or stitchbird Notiomystis cincta and the kōkako Callaeas cinerea" (pdf) (em inglês). Molecular Phylogenetics and Evolution 40 (1): 281-4. DOI:10.1016/j.ympev.2006.01.026.
  7. Shepherd, LD; Lambert DM. (2007). "The relationships and origins of the New Zealand wattlebirds (Passeriformes, Callaeatidae) from DNA sequence analyses" (em inglês). Molecular Phylogenetics and Evolution 43 (2): 480-92. DOI:10.1016/j.ympev.2006.12.008.
  8. a b c d e f g h i j Riley, Murdoch (2001). Māori Bird Lore: An introduction (NZ: Viking Sevenseas). ISBN 9780854671007. 
  9. a b c d e World Wildlife Fund (1997). Huia. The Official World Wildlife Fund Guide to Extinct Species of Modern Times (em inglês) 1 (Osprey, Flórida: Beacham Publishing). p. 63-65. ISBN 0933833407. 
  10. a b c Falla, RA; Sibson RB, Turbott EG (1979). The New Guide to the Birds of New Zealand (em inglês) Collins [S.l.] ISBN 0-00-217563-0. 
  11. a b c d e f Best, Elsdon (2005). Forest Lore of the Māori Te Papa Press [S.l.] ISBN 1-877385-01-8. 
  12. a b c d e f g h i j k l m Morris, Rod; Smith H (1995). Wild South: Saving New Zealand's Endangered Birds 2nd ed. (Nova Zelândia: Random House). ISBN 978-1-86941-043-8. 
  13. a b c d e f g h i j k Barrie, Heather; Robertson H (2005). The Field Guide to the Birds of New Zealand (Revised Edition) Viking [S.l.] ISBN 978-0-14-302040-0. 
  14. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x Szabo, Michael. (outubro/novembro 1993). "Huia; The sacred Bird" (em inglês). New Zealand Geographic 20.
  15. a b c d e f g h i Higgins 2006, p. 1016
  16. a b c Wilson 2004, p. 76
  17. Frith, CB. (1997). "Huia (Heteralocha acutirostris: Callaeidae)-like sexual bill dimorphism in some birds of paradise (Paradisaeidae) and its significance" (pdf) (em inglês). Notornis 44 (3): 177-84.
  18. Worthy 2002, p. 481
  19. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v Higgins 2006, p. 1015
  20. a b Tennyson, A; Martinson P (2006). Extinct Birds of New Zealand (Wellington, Nova Zelândia: Te Papa Press). ISBN 0-909010-21-8. 
  21. Worthy 2002, p. 437
  22. a b Worthy 2002, p. 483
  23. Burton, Philip JK. (1974). "Anatomy of head and neck in the Huia (Heteralocha acutirostris) with comparative notes on other callaeidae" (em inglês). Bulletin of the British Museum (Natural History), Zoology 27 (1): 3-48.
  24. Jamieson, IG; Spencer HG. (1996). "The bill and foraging behaviour of the Huia (Heteralocha acutirostris): were they unique?" (pdf) (em inglês). Notornis 43 (1): 14-8.
  25. Worthy 2002, p. 482
  26. Moorhouse, RJ. (1996). "The extraordinary bill dimorphism of the Huia (Heteralocha acutirostris): sexual selection or intersexual competition?" (pdf) (em inglês). Notornis 43 (1): 19-34.
  27. a b c Clout, MN; Hay JR. (1989). "The importance of birds as browsers, seed dispersers and pollinators in New Zealand forests" (em inglês). New Zealand Journal of Ecology (12 (suplemento)): 27-33.
  28. Holdaway, Richard (05/12/2013). «Extinctions - Smaller birds, reptiles, frogs, fish, plants» (em inglês). Te Ara - the Encyclopedia of New Zealand. Consultado em 14/12/2015. 
  29. Palma, RL. (1999). "Amendments and additions to the 1982 list of chewing lice (Insecta: Phthiraptera) from birds in New Zealand" (pdf) (em inglês). Notornis 46 (3): 373-87.
  30. Mey, Eberhard. (1990). "Eine neue ausgestorbene Vogel-Ischnozere von Neuseeland, Huiacola extinctus (Insecta, Phthiraptera)" (pdf) (em alemão). Zoologischer Anzeiger 224 (1/2): 49-73.
  31. Dabert, J; Alberti G. (2008). "A new species of the genus Coraciacarus (Gabuciniidae, Pterolichoidea) from the Huia Heteralocha acutirostris (Callaeatidae, Passeriformes), an extinct bird species from New Zealand" (em inglês). Natural History 42 (43-44): 2763-6. DOI:10.1080/00222930802354142.
  32. «Object: Huia, Heteralocha acutirostris». Collections Online (em inglês). Museum of New Zealand-Te Papa Tongarewa. Consultado em 13/12/2015. 
  33. Orbell 1992, pp. 82-83
  34. a b Fuller, Errol (1987). Extinct Birds; Foreword by The Hon. Miriam Rothschild (Londres: Viking/Rainbird). pp. 229–33. 
  35. Tregear, Edward Robert (1904). «The Māori Race». Wanganui (em inglês). Archibald Dudingston Willis. Consultado em 14/12/2015. 
  36. New Zealand Post. «Redrawn Pictorials». Stamps: Historical Issues (em inglês). Consultado em 13/12/2015. 
  37. New Zealand Post. «Extinct Birds». Stamps: Historical Issues (em inglês). Consultado em 13/12/2015. 
  38. Malkin, Bonnie (22/06/2010). «Most expensive feather ever fetches £4,000 at auction Heteralocha acutirostris» (em inglês). Daily Telegraph. Consultado em 13/12/2015. 
  39. Hume, Julian P; Walters M (2012). Extinct Birds (em inglês) (Londres: A & C Black). p. 234. ISBN 978-1-4081-5725-1. 
  40. a b c d Wilson 2004, p. 140
  41. a b Hutching, Gerard (2004). The Penguin Natural World of New Zealand (Auckland: Penguin). 
  42. a b Wilson 2004, p. 265
  43. «Object: Huia beak brooch». Collections Online (em inglês). Museum of New Zealand-Te Papa Tongarewa. 2004. Consultado em 13/12/2015. 
  44. Perry, Chris (Setembro de 2000). «Boys Cloning Birds». New Zealand Science Monthly (em inglês). Webcentre. Arquivado desde o original em 12 de junho de 2008. Consultado em 13/12/2015. 
  45. «Cloning of extinct Huia bird approved». CNN Nature (em inglês). Cable News Network. 20/07/1999. Consultado em 13/12/2015. 
  46. Dorey, Emma. (1999). "Huia cloned back to life?" (em inglês). Nature Biotechnology 17 (8): 736. DOI:10.1038/11628.
  47. Priestley, Rebecca (2006). «The last huia» (em inglês). New Zealand Listener. Consultado em 13/12/2015. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Huia