Mainato-de-mascarilha-amarela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Acridotheres tristis)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMainato-de-mascarilha-amarela
Acridotheres tristis00.jpg

Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Sturnidae
Género: Acridotheres
Espécie: A. tristis
Nome binomial
Acridotheres tristis
(Lineu, 1766)
Distribuição geográfica
Distribuição do mainato-de-mascarilha-amarela
Distribuição do mainato-de-mascarilha-amarela
Sinónimos
  • Paradisaea tristis Lineu, 1766
Acridotheres tristis MHNT

Mainato-de-mascarilha-amarela (nome científico: Acridotheres tristis)[2] é uma mainá da família dos esturnídeos (Sturnidae), nativa da Ásia. Uma ave onívora da floresta aberta com um forte instinto territorial, se adaptou extremamente bem aos ambientes urbanos. Seu alcance está aumentando a uma taxa tão rápida que em 2000 a Comissão de Sobrevivência de Espécies da IUCN declarou-o uma das espécies mais invasoras do mundo e uma das apenas três aves listadas entre "100 das piores espécies invasoras do mundo" que representam um ameaça à biodiversidade, agricultura e interesses humanos.[3] Em particular, a espécie representa uma séria ameaça aos ecossistemas da Austrália, onde foi nomeada "A Praga/Problema Mais Importante" em 2008.[4]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Em 1760, o zoólogo francês Mathurin Jacques Brisson incluiu uma descrição do mainato-de-mascarilha-amarela em sua Ornithologie, com base em um espécime que erroneamente acreditava ter sido coletado nas Filipinas, e usou o nome francês Le merle des Philippines e o latim Merula Philippensis.[5] Embora Brisson tenha cunhado nomes latinos, não estão de acordo com o sistema binomial e não são reconhecidos pela Comissão Internacional de Nomenclatura Zoológica. Quando o naturalista sueco Carlos Lineu atualizou seu Systema Naturae em 1766, à 12.ª edição, adicionou 240 espécies que haviam sido descritas anteriormente por Brisson.[6] Um deles era o mainato-de-mascarilha-amarela. Lineu incluiu uma breve descrição, cunhou o nome binomial Paradisea tristis e citou o trabalho de Brisson.[7] A localização tipo foi posteriormente corrigida para Pondicherri no sul da Índia.[8] O nome específico tristis é latim para "triste" ou "sombrio".[9] Esta espécie é agora colocada no gênero Acridotheres que foi introduzido pelo ornitólogo francês Louis Jean Pierre Vieillot em 1816.[10] O nome genérico Acridotheres é do grego ακριδος (akridos), que significa gafanhoto, e θηρας (theras), que significa caçador.[11]

Duas subespécies são reconhecidas:[12]

  • mainato-indiano (A. t. tristis) (Lineu, 1766) – É encontrado desde o sul do Cazaquistão, Turquemenistão e leste do Irã até o sul da China, Indochina, península Malaia e sul da Índia. Também foi introduzido no Havaí e na América do Norte. Populações do noroeste de seu alcance às vezes foram separadas como subespécie distinta, A. t. neumanni, enquanto populações do Nepal e Mianmar foram descritas como A. t. tristoides.[13]
  • mainato-do-seri-lanca (A. t. melanosternus) (Legge, 1879) – Seri Lanca. É mais escura que a subespécie indiana e tem coberturas primárias metade pretas e metade brancas e uma bochecha amarela maior.[14][15]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O mainato-de-mascarilha-amarela é facilmente identificado pelo corpo marrom, cabeça preta com capuz e a mancha amarela nua atrás do olho. O bico e as pernas são amarelas brilhantes. Há uma mancha branca nas primárias externas e o forro da asa na parte inferior é branco. Os sexos são semelhantes e as aves geralmente são vistas aos pares.[16] O mainato-de-mascarilha-amarela obedece à regra de Gloger em que as aves do noroeste da Índia tendem a ser mais pálidas do que suas contrapartes mais escuras no sul da Índia.[15][14]

Vocalização[editar | editar código-fonte]

Os chamados incluem grasnidos, grasnados, gorjeios, cliques, assobios e 'rosnados', e o pássaro muitas vezes afofa as penas e balança a cabeça cantando. Grita alertas para seu companheiro ou outras aves em casos de predadores nas proximidades ou quando está prestes a decolar.[17] Os mainatos-de-mascarilha-amarela são populares como pássaros de gaiola por suas habilidades de canto e "fala".[18] Antes de dormir em poleiros comunais, vocalizam em uníssono, o que é conhecido como "ruído comunitário".[19]

Morfometria[editar | editar código-fonte]

  • Comprimento do corpo: 23 centímetros (9,1 polegadas).[14]
Morfometria[14]
Parâmetro Macho Fêmea
Peso médio (gramas) 109.8 120-138
Corda da asa (milímetros) 138-153 138-147
Bico (milímetros) 25-30 25-28
Tarso (milímetros) 34-42 35-41
Cauda (milímetros) 81-95 79-96

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

O mainato-de-mascarilha-amarela é nativo da Ásia, com sua área de vida inicial abrangendo Irã, Paquistão, Índia, Nepal, Butão, Bangladexe e Seri Lanca, Afeganistão, Usbequistão, Tajiquistão, Turquemenistão, Mianmar, Malásia, Cingapura, Tailândia peninsular, Indochina, Japão (continental e as ilhas Léquias) e China.[14][20] Foi introduzido em muitas outras partes do mundo, como Canadá, Austrália, Israel, Nova Zelândia, Nova Caledônia, Fiji, Estados Unidos (somente no sul da Flórida[21]), África do Sul, Cazaquistão, Quirguistão, Usbequistão, ilhas Caimã, ilhas do Oceano Índico (Seicheles, Maurícia, Reunião, Madagascar, Maldivas, ilhas Andamão e Nicobar e o arquipélago das Laquedivas) e também em ilhas do Atlântico (como Ascensão e Santa Helena), Oceano Pacífico e Chipre.[14] O alcance da espécie está aumentando de modo que, em 2000, a Comissão de Sobrevivência de Espécies da IUCN o declarou entre as 100 piores espécies invasoras do mundo.[3]

O mainato-de-mascarilha-amarela é normalmente encontrado em floresta aberta, cultivo e em torno de habitação. Embora seja adaptável, sua população é anormal e considerada praga em Cingapura (onde é chamada localmente como gembala kerbau, literalmente "pastor de búfalo") devido à competição com o mainato-de-java (Acridotheres javanicus).[22] Prospera em ambientes urbanos e suburbanos; em Camberra, por exemplo, 110 espécimes foram liberados entre 1968 e 1971. Em 1991, a densidade populacional em Camberra era em média de 15 aves por quilômetro quadrado.[23] Apenas três anos depois, um segundo estudo encontrou uma densidade populacional média de 75 aves por quilômetro quadrado na mesma área.[24] A ave provavelmente deve seu sucesso nos ambientes urbanos e suburbanos de Sidnei e Camberra às suas origens evolutivas; tendo evoluído nas florestas abertas da Índia, é pré-adaptado a habitats com estruturas verticais altas e pouca ou nenhuma cobertura vegetal do solo, características características das ruas da cidade e reservas naturais urbanas.[25] Junto com estorninhos-comuns (Sturnus vulgaris), pardais-domésticos (Passer domesticus) e pombos-comuns (Columba livia) selvagens, é um incômodo aos edifícios, pois seus ninhos bloqueiam calhas e canos de esgoto, causando danos externos.[26]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Espécime num jardim em Colombo, Seri Lanca
Casal avistado em Guntur, Índia

Acredita-se que os mainatos-de-mascarilha-amarela parem por toda a vida. Se reproduzem durante grande parte do ano, dependendo da localização, construindo seu ninho num buraco numa árvore ou parede. Se reproduzem em altitudes de 0–3 mil metros (0–9.843 pés) no Himalaia.[14] O tamanho normal da ninhada é de 4 a 6 ovos. O tamanho médio do ovo é de 30,8 por 21,99 milímetros (1 + 1⁄4 polegada × 3⁄4 polegada). O período de incubação é de 17 a 18 dias e o período de emplumação é de 22 a 24 dias.[14] O coel-asiático (Eudynamys scolopaceus) às vezes é parasita de ninhada nesta espécie.[27] O material de nidificação usado pelos mainatos-de-mascarilha-amarela inclui galhos, raízes, estopa e lixo. São conhecidos por usar papel de seda, papel alumínio e pele de cobra solta.[14]

Durante a época de reprodução, o orçamento de atividade diurna do mainato-de-mascarilha-amarela em Pune em abril a junho de 1978 foi registrado para incluir o seguinte: atividade de nidificação (42%), varredura do ambiente (28%), locomoção (12%), alimentação (4%), vocalização (7%) e atividades e interações relacionadas à limpeza (7%).[28] O mainato-de-mascarilha-amarela usa os ninhos de pica-paus, periquitos, etc. e leva facilmente poedouros; foi registrado despejando os filhotes de pares previamente nidificados, segurando-os no bico e, mais tarde, às vezes, nem mesmo usando os poedouros vazios. Esse comportamento agressivo contribui para seu sucesso como espécie invasora.[29] Há também algumas evidências que mostram que em ambientes introduzidos, a espécie opta por nidificar em estruturas mais modificadas e artificiais do que em cavidades naturais de árvores quando comparadas às espécies nativas.[30]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Como a maioria dos estorninhos, o mainato-de-mascarilha-amarela é onívoro. Alimenta-se de insetos, aracnídeos, crustáceos, répteis, pequenos mamíferos, sementes, grãos e frutas e resíduos descartados da habitação humana. Forrageia no chão entre a grama para insetos, e especialmente para gafanhotos, de onde recebe o nome genérico Acridotheres, "caçador de gafanhotos". No entanto, se alimenta de ampla variedade de insetos, principalmente colhidos do solo.[31] É um polinizador cruzado de flores como Salmalia e Erythrina. Anda no chão com saltos ocasionais e é um alimentador oportunista de insetos perturbados por gado pastando, bem como campos de grama queimados.[14] Vivendo nas proximidades de habitats feitos pelo homem, também podem aparecer perto de estradas para se alimentar de atropelamentos.[32]

Comportamento de poleiro[editar | editar código-fonte]

Espécime em Chandigar, Índia
Espécime nidificando num buraco numa loja em Sidnei

Mainatos-de-mascarilha-amarela empoleiram-se comunitariamente durante todo o ano, em bandos puros ou mistos com mainatos-cinzentos (Acridotheres fuscus), estorninhos-rosados (Sturnus roseus), gralhas-indianas (Corvus splendens), gralhas-selváticas-indianas (Corvus culminatus), gralhas-selváticas-orientais (Corvus levaillantii), gralhas-de-bico-grosso (Corvus macrorhynchos), garças-vaqueiras (Bubulcus ibis), periquitos-de-colar (Psittacula krameri) e outras aves. A população de poleiros pode variar de menos de cem a milhares.[33][34] O horário de chegada dos mainatos-de-mascarilha-amarela ao poleiro começa antes e termina logo após o pôr do sol e partem antes do nascer do sol. A hora e o tempo de chegada e partida, o tempo necessário para o assentamento final no dormitório, a duração do sono comunal, o tamanho do bando e a população variam sazonalmente.[19][35][36] A função do empoleiramento comunitário é sincronizar várias atividades sociais, evitar predadores e trocar informações sobre fontes de alimento.[37] As exibições comunitárias (pré-poleiro e pós-poleiro) consistem em manobras aéreas que são exibidas na época de pré-reprodução (novembro a março). Supõe-se que esse comportamento esteja relacionado à formação de pares.[38]

Espécie invasora[editar | editar código-fonte]

A IUCN declarou o mainato-de-mascarilha-amarela como uma das três únicas aves entre as 100 piores espécies invasoras do mundo[3] (as outras duas são o bulbul-de-crisso-vermelho (Pycnonotus cafer) e o estorninho-comum (Sturnus vulgaris)). Os franceses o introduziram no século XVIII, de Pondicherri à Maurícia, com o objetivo de controlar os insetos, chegando a aplicar multa a quem perseguisse a ave.[39] Desde então, foi amplamente introduzido em outros lugares, incluindo áreas adjacentes no Sudeste Asiático, Madagascar,[40] Oriente Médio, África do Sul, Estados Unidos, Argentina, Alemanha, Espanha e Portugal,[41] Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e várias ilhas oceânicas nos oceanos Índico e Pacífico, incluindo populações proeminentes em Fiji e Havaí.[20][42] É considerado uma praga na África do Sul, América do Norte, Oriente Médio, Austrália, Nova Zelândia e muitas ilhas do Pacífico. É particularmente problemático na Austrália.[43] Vários métodos foram tentados para controlar o número de aves e proteger as espécies nativas.[44]

Austrália[editar | editar código-fonte]

Na Austrália, o mainato-de-mascarilha-amarela é uma praga invasiva. Frequentemente é a ave predominante em áreas urbanas ao longo de toda a costa leste. Em uma votação popular de 2008, o pássaro foi nomeado "A Praga/Problema Mais Importante" na Austrália e ganhou o apelido de "rato voador" devido ao seu número e ao seu comportamento de limpeza. Também é conhecido como "sapo-cururu do céu".[4] No entanto, há pouco consenso científico sobre a extensão de seu impacto sobre as espécies nativas.[45][46] Foi introduzido pela primeira vez na Austrália entre 1863 e 1872, em Vitória, para controlar insetos nas hortas de Melbourne. A ave provavelmente se espalhou para Nova Gales do Sul (onde atualmente é mais populosa) por volta da mesma época, mas a documentação é incerta.[47] O pássaro foi posteriormente introduzido em Queenslândia como predador de gafanhotos e besouros-da-cana (Dermolepida albohirtum). Populações na Austrália estão agora concentradas ao longo da costa leste ao redor de Sidnei e seus subúrbios, com populações mais esparsas em Vitória e algumas comunidades isoladas em Queenslândia.[48] Durante 2009, vários conselhos municipais de Nova Gales do Sul iniciaram testes de captura de espécimes num esforço para reduzir seus números.[49]

O mainato-de-mascarilha-amarela pode viver e se reproduzir numa ampla gama de temperaturas, desde os invernos rigorosos de Camberra até o clima tropical de Cairns. Populações autossustentáveis ​​foram encontradas em regiões com temperatura média mensal mais quente não inferior a 23,2 ° C (73,8 ° F) e temperatura média mensal mais fria não inferior a -0,4 ° C (31,3 ° F), implicando que poderia se espalhar de Sidnei para o norte ao longo da costa leste até Cairns, e para oeste ao longo da costa sul até Adelaide, mas não à Tasmânia, Darwin ou as regiões áridas do interior.[48]

Europa[editar | editar código-fonte]

Em 2019, os mainatos-de-mascarilha-amarela foram adicionados à Lista de Espécies Exóticas Invasoras de Interesse da União.[50] Eles se estabeleceram na Espanha e em Portugal[51] e foram introduzidos na França, onde ocasionalmente se reproduziam.[52]

Nova Zelândia[editar | editar código-fonte]

O mainato-de-mascarilha-amarela foi introduzido tanto nas ilha do Norte e Sul da Nova Zelândia na década de 1870. No entanto, as temperaturas mais frias do verão na ilha do Sul parecem ter impedido a taxa de sucesso reprodutivo das populações do sul, impedindo a proliferação da espécie, que era praticamente inexistente lá na década de 1890. Em contraste, a população da ilha do Norte foi capaz de se reproduzir com mais sucesso e grandes porções da ilha estão agora povoadas. No entanto, no sul da ilha do Norte, as temperaturas mais frias do verão, como as da ilha do Sul, impediram o estabelecimento de grandes populações de mainato-de-mascarilha-amarela.[53][32] Desde a década de 1950, continuaram a migrar ao norte e, posteriormente, povoando além da região de Waikato, levando a maioria de sua população bem-sucedida a prosperar em regiões de latitude mais alta devido ao clima mais quente.[54] Atualmente, tornaram-se especialmente comuns em regiões de latitude mais alta, particularmente na região de Nortelândia,[54] mas raramente encontrados ao sul de Whanganui.[55]

África do Sul[editar | editar código-fonte]

Na África do Sul, onde escapou à natureza em 1902, tornou-se muito comum e sua distribuição é maior onde as populações humanas são maiores ou onde há mais distúrbios humanos.[56] O pássaro também é notório por ser uma praga, chutando outros pássaros de seus ninhos e matando seus filhotes devido ao forte instinto territorial. Na África do Sul é considerada grande praga e perturbora do habitat natural e foi declarada uma espécie invasora, exigindo seu controle.[57] Estudos morfológicos mostram que o processo de classificação espacial está em ação na expansão do alcance de A. tristis na África do Sul.[58]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

No Havaí, está competindo com muitas aves nativas por alimentos e áreas de nidificação.[59] Para estudar a genética de invasão e dinâmica em escala de paisagem de A. tristis, os cientistas desenvolveram recentemente 16 marcadores microssatélites nucleares polimórficos usando a abordagem de sequenciamento de próxima geração (NGS).[60]

Efeito sobre os ecossistemas e os seres humanos[editar | editar código-fonte]

Ameaças às aves nativas[editar | editar código-fonte]

Subadulto no ninho em Bengala Ocidental

O mainato-de-mascarilha-amarela é uma espécie de ninho oco; isto é, nidifica e se reproduz em cavidades protegidas encontradas naturalmente em árvores ou artificialmente em edifícios (por exemplo, peitoris de janelas rebaixados ou beirais baixos).[61] Comparado às espécies nativas de ninhos ocos, é extremamente agressivo, e os machos reprodutores defendem ativamente áreas que variam de até 0,83 hectare (embora os machos em ambientes urbanos densamente povoados tendam a defender apenas a área imediatamente ao redor de seus ninhos). Também é conhecido por manter até dois poleiros simultaneamente; um poleiro temporário de verão perto dum local de reprodução (onde toda a comunidade masculina local dorme durante o verão, o período de maior agressão) e um poleiro permanente durante todo o ano onde a fêmea choca e incuba durante a noite. Machos e fêmeas protegem ferozmente ambos os poleiros em todos os momentos, levando a uma maior exclusão de pássaros nativos.[62]

Ameaça às lavouras e pastagens[editar | editar código-fonte]

O mainato-de-mascarilha-amarela (que se alimenta principalmente de insetos terrestres, frutas tropicais como uvas, ameixas e algumas bagas e, em áreas urbanas, alimentos humanos descartados)[63] representa séria ameaça às culturas de mirtilo australiano, embora sua principal ameaça seja para espécies de aves nativas.[64] No Havaí, onde foi introduzido para controlar Mythimna separata e agrótis nas plantações de cana-de-açúcar, o pássaro ajudou a espalhar a erva daninha Lantana camara pelas pastagens abertas das ilhas.[65] Também foi registrada como a quarta praga aviária na indústria de frutas por uma pesquisa de 2004 do Agência de Fazenda Havaiana e a sexta em número de reclamações de pragas aviárias em geral.[66]

O mainato-de-mascarilha-amarela pode causar danos consideráveis ​​ao amadurecimento de frutas, principalmente uvas, mas também figos, maçãs, peras, morangos, mirtilos, goiaba, manga e fruta-pão. Culturas de cereais como milho, trigo e arroz são suscetíveis onde ocorrem perto de áreas urbanas. Empoleirar-se e aninhar-se com humanos cria preocupações estéticas e de saúde. Mainatos-de-mascarilha-amarela são conhecidos por transportar malária aviária e parasitas exóticos, como o ácaro Ornithonyssus bursia, que pode causar dermatite em humanos. Pode ajudar a espalhar ervas daninhas agrícolas: por exemplo, espalha as sementes de Lantana camara, que foi classificada como erva daninha de importância nacional por causa de sua invasão. São regularmente observados usurpando ninhos e cavidades, destruindo ovos e matando filhotes de espécies de aves nativas, incluindo aves marinhas e papagaios. Há evidências de que mataram pequenos mamíferos terrestres, como camundongos, esquilos e gambás, mas pesquisas adicionais sobre essas ocorrências estão sendo consideradas.[67]

Controle[editar | editar código-fonte]

O mainato-de-mascarilha-amarela sendo uma grande praga agrícola e representando uma ameaça para espécies nativas em países não nativos, é controlado por vários fatores. Espécimes são afugentados com dispositivos para espantar pássaros ou mortos com veneno, tiro e armadilhas de gaiola.[54]

Na cultura[editar | editar código-fonte]

Na literatura sânscrita, o mainato-de-mascarilha-amarela tem vários nomes e a maioria descreve a aparência ou o comportamento do pássaro. Os nomes śārikā (em sânscrito: सारिक) ou śāri (em sânscrito: शारि) parecem se referir a essa espécie,[68] embora existam outros candidatos. Além de śārikā, os nomes incluem kalahapriya, que significa "aquele que gosta de discussões", referindo-se à natureza briguenta desse pássaro; chitranetra, que significa "olhos pitorescos"; peetanetra ("aquele com olhos amarelos") e peetapaad ("aquele com pernas amarelas").[69]

Referências

  1. BirdLife International (2017). «Acridotheres tristis». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2017: e.T22710921A111063735. doi:10.2305/IUCN.UK.2017-1.RLTS.T22710921A111063735.enAcessível livremente. Consultado em 12 de novembro de 2021 
  2. Paixão, Paulo (Verão de 2021). «Os Nomes Portugueses das Aves de Todo o Mundo» (PDF) 2.ª ed. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. p. 159. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 23 de abril de 2022 
  3. a b c Lowe, S.; Browne, M.; Boudjelas, S.; Poorter, M. (2004) [2000]. «100 of the World's Worst Invasive Alien Species: A selection from the Global Invasive Species Database» (PDF). Auclanda: O Grupo de Especialistas em Espécies Invasoras (ISSG), um grupo de especialistas da Comissão de Sobrevivência de Espécies (SSC) da União Mundial de Conservação (IUCN). Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2017 
  4. a b «ABC Wildwatch». Abc.net.au. Consultado em 7 de agosto de 2012. Arquivado do original em 9 de novembro de 2012 
  5. Brisson, Mathurin Jacques (1760). Ornithologie, ou, Méthode contenant la division des oiseaux en ordres, sections, genres, especes & leurs variétés (em francês e latim). 2. Paris: Jean-Baptiste Bauche. pp. 278–280, Plate 26 fig 1  Os dois asteriscos (**) no começo da seção indica que Brisson se baseou em sua descrição no exame de um espécime
  6. Allen, J.A. (1910). «Collation of Brisson's genera of birds with those of Linnaeus». Bulletin of the American Museum of Natural History. 28: 317–335. hdl:2246/678 
  7. Lineu, Carlos (1766). Systema naturae : per regna tria natura, secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis (em latim). 1 12.ª ed. Estocolmo: Laurentii Salvii. p. 167 
  8. Mayr, Ernst; Greenway, James C. Jr, eds. (1962). Check-list of birds of the world. 15. Cambridge, Massachusetts: Museum of Comparative Zoology. pp. 112–113 
  9. Jobling, J. A. (2010). «tristis, p. 390». Helm Dictionary of Scientific Bird Names. Londres: Bloomsbury Publishing. pp. 1–432. ISBN 9781408133262 
  10. Vieillot, Louis Jean Pierre (1816). Analyse d'une Nouvelle Ornithologie Élémentaire (em francês). Paris: Deterville/self. p. 42 
  11. Jobling, J. A. (2010). «Acridotheres, p. 30». Helm Dictionary of Scientific Bird Names. Londres: Bloomsbury Publishing. pp. 1–432. ISBN 9781408133262 
  12. Gill, Frank; Donsker, David, eds. (2018). «Nuthatches, Wallcreeper, treecreepers, mockingbirds, starlings, oxpeckers». World Bird List Version 8.1. International Ornithologists' Union. Consultado em 11 de maio de 2018 
  13. Kannan, Ragupathy; James, Douglas A. (4 de março de 2020), Billerman, Shawn M.; Keeney, Brooke K.; Rodewald, Paul G.; Schulenberg, Thomas S., eds., «Common Myna (Acridotheres tristis)», Cornell Lab of Ornithology, Birds of the World (em inglês), doi:10.2173/bow.commyn.01, consultado em 23 de agosto de 2021 
  14. a b c d e f g h i j Ali, Salim; Ripley, S. Dillon (2001). Handbook of the Birds of India and Pakistan, Volume 5 2.ª (brochura) ed. Oxônia: Oxford University Press. p. 278. ISBN 978-0-19-565938-2 
  15. a b Rasmussen, Pamela C.; Anderton, John C. (2005). Birds of South Asia - The Ripley Guide (volume 2). [S.l.]: Smithsonian Institution, Washington & Lynx edicions, Barcelona. pp. 584, 683. ISBN 978-84-87334-66-5 
  16. Rasmussen, P. C.; Anderton, J. C. (2005). Birds of South Asia: The Ripley Guide. Vol 2. [S.l.]: Smithsonian Institution & Lynx Edicions. p. 584 
  17. Griffin, Andrea S. (2008). «Social learning in Indian mynahs, Acridotheres tristis: the role of distress calls.». Animal Behaviour. 75 (1): 79–89. doi:10.1016/j.anbehav.2007.04.008 
  18. «Irritado, pássaro aprende a miar para calar papagaios barulhentos». Folha de S.Paulo. 22 de setembro de 2008. Consultado em 4 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2022 
  19. a b Mahabal, Anil; Vaidya, V.G. (1989). «Diurnal rhythms and seasonal changes in the roosting behaviour of Indian Myna Acridotheres tristis (Linnaeus)». Proceedings of Indian Academy of Sciences (Animal Science). 98 (3): 199–209. doi:10.1007/BF03179646. Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  20. a b «Common Myna». Consultado em 23 de dezembro de 2007 
  21. «Common Myna - Audubon Field Guide». Audubon. 13 de novembro de 2014. Consultado em 2 de março de 2016 
  22. «Ubiquitous Javan Myna». Bird Ecology Study Group, Nature Society (Singapore). Besgroup.blogspot.com. Consultado em 25 de outubro de 2007 
  23. Pell & Tidemann 1997a, pp. 141–149.
  24. Pell & Tidemann 1997a, p. 146.
  25. Pell & Tidemann 1997a, p. 141.
  26. Bomford & Sinclair 2002, p. 35.
  27. Choudhury, A. (1998). «Common Myna feeding a fledgling koel». Journal of the Bombay Natural History Society. 95 (1): 115 
  28. Mahabal, Anil (1991). «Activity-time budget of Indian Myna Acridotheres tristis (Linnaeus) during the breeding season». Journal of the Bombay Natural History Society. 90 (1): 96–97. Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  29. Pande, Satish; Tambe, Saleel; Clement, Francis M.; Sant, Niranjan (2003). Birds of Western Ghats, Kokan and Malabar (including birds of Goa). Bombaim: Museu de História Natural e Social de Bombaim & Imprensa da Universidade de Oxônia. pp. 312, 377. ISBN 978-0-19-566878-0 
  30. Lowe, Katie A.; Taylor, Charlotte E.; Major, Richard E. (1 de outubro de 2011). «Do Common Mynas significantly compete with native birds in urban environments?». Journal of Ornithology (em inglês). 152 (4): 909–921. ISSN 0021-8375. doi:10.1007/s10336-011-0674-5 
  31. Mathew, D. N.; Narendran, T. C.; Zacharias, V. J. (1978). «A comparative study of the feeding habits of certain species of Indian birds affecting agriculture». J. Bombay Nat. Hist. Soc. 75 (4): 1178–1197 
  32. a b Taonga, New Zealand Ministry for Culture and Heritage Te Manatu. «Starlings and mynas». teara.govt.nz 
  33. Mahabal, Anil; Bastawade, D.B. (1991). «Mixed roosting associates of Indian Myna Acridotheres tristis in Pune city, India». Pavo. 29 (1 & 2): 23–32. Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  34. Mahabal, Anil (1992). «Diurnal intra- and inter-specific assemblages of Indian Mynas». Biovigyanam. 18 (2): 116–118. Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  35. Mahabal, Anil; Bastawade, D.B.; Vaidya, V.G. (1990). «Spatial and temporal fluctuations in the population of Common Myna Acridotheres tristis (Linnaeus) in and around an Indian City». Journal of the Bombay Natural History Society. 87 (3): 392–398. Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  36. Mahabal, Anil (1993). «Seasonal changes in the flocking behaviour of Indian Myna Acridotheres tristis (Linnaeus)». Biovigyanam. 19 (1 & 2): 55–64. Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  37. Mahabal, Anil (1997). «Communal roosting in Common Mynas and its functional significance». Journal of the Bombay Natural History Society. 94 (2): 342–349. Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  38. Mahabal, Anil (1993). «Communal display behaviour of Indian Myna Acridotheres tristis (Linnaeus)». Pavo. 31 (1&2): 45–54 
  39. Palmer; Bradshaw, eds. (1859). The Mauritius Register: Historical, official and Commercial, corrected to the 30th June 1859. Mauritius: L. Channell. p. 77 
  40. Wilme, Lucienne (1996). «Composition and characteristics of bird communities in Madagascar» (PDF). Biogéographie de Madagascar: 349–362 
  41. Saavedra et al. 2015, pp. 121-127.
  42. Long, John L. (1981). Introduced Birds of the World. Camberra: Conselho de Proteção Agrícola da Austrália Ocidental. pp. 21–493 
  43. Grarock, Kate; Tidemann, Christopher R.; Wood, Jeffrey; Lindenmayer, David B. (11 de julho de 2012). Sueur, Cédric, ed. «Is It Benign or Is It a Pariah? Empirical Evidence for the Impact of the Common Myna (Acridotheres tristis) on Australian Birds». PLOS ONE (em inglês). 7 (7): e40622. Bibcode:2012PLoSO...740622G. ISSN 1932-6203. PMC 3394764Acessível livremente. PMID 22808210. doi:10.1371/journal.pone.0040622Acessível livremente 
  44. Cruz & Reynolds 2019, pp. 302-308.
  45. Sol, D.; Bartomeus, I.; Griffin, A. S. (2012). The paradox of invasion in birds: competitive superiority or ecological opportunism?. Oecologia. 169. [S.l.: s.n.] pp. 553–64. doi:10.1007/s00442-011-2203-x 
  46. Grarock; et al. (2013). Are invasive species drivers of native species decline or passengers of habitat modification? A case study of the impact of the common myna (Acridotheres tristis) on Australian bird species. Austral Ecology. [S.l.: s.n.] 
  47. Hone, J. (1978). «Introduction and Spread of the Common Myna in New South Wales» (PDF). Emu. 78 (4): 227. doi:10.1071/MU9780227 
  48. a b Martin 1996, pp. 169-170.
  49. Campion, Vikki (12 de maio de 2009). «Councils assessing backyard traps to catch Indian Mynah birds». The Daily Telegraph. Australia. Consultado em 7 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2012 
  50. «List of Invasive Alien Species of Union concern - Environment - European Commission». ec.europa.eu 
  51. Saavedra, Serguei (2015). «A survey of recent introduction events, spread and mitigation efforts of mynas (Acridotheres sp.) in Spain and Portugal.». Animal Biodiversity and Conservation. 38: 121–127. doi:10.32800/abc.2015.38.0121Acessível livremente 
  52. Dubois, P. J.; Cugnasse, J. M. (2015). «Les populations d'oiseaux allochtones en France en 2014 (3e enquête nationale)». Ornithos. 22–2: 72-91 
  53. «9. – Introduced land birds – Te Ara Encyclopedia of New Zealand» 
  54. a b c «Pest control hub - Northland Regional Council». www.nrc.govt.nz 
  55. «Myna information: study tracks history of pesky birds in New Zealand - The University of Auckland». www.auckland.ac.nz 
  56. Peacock, Derick S.; van Rensburg, Berndt J.; Robertson, Mark P. (2007). «The distribution and spread of the invasive alien Common Myna, Acridotheres tristis L. (Aves: Sturnidae), in southern Africa». South African Journal of Science. 103: 465–473 
  57. «National List of Invasive Bird Species» (PDF). Government Gazette. 29 de julho de 2016. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  58. Berthouly-Salazar, C.; van Rensburg, B.J.; van Vuuren, B.J.; Hui, C. (2012). «Spatial sorting drives morphological variation in the invasive bird, Acridotheres tristis». PLOS ONE. 7 (5): e38145. Bibcode:2012PLoSO...738145B. PMC 3364963Acessível livremente. PMID 22693591. doi:10.1371/journal.pone.0038145Acessível livremente 
  59. «COMMON MYNA Acridotheres tristis» (PDF). Hbs.bishopmuseum.org. Consultado em 18 de março de 2022. No introduced species in Hawaii has elicited so much opinion as the Common Myna, perhaps in part due to its intelligence and amusing anthropomorphic qualities. Although they were thought to be of "great value to the aviculturist" in Hawaii for controlling pests (Bryan 1937b), it was also generally vilified for its noisy habits, "quarrelsome" and opportunistic nature, disturbance to domestic pigeons, fruit-eating and nest-robbing habits, and the possibility of its adversely affecting native bird populations (e.g., Finsch 1880; Wilson 1890a; Rothschild 1900; Perkins 1901, in Evenhuis 2007:75) 
  60. Berthouly-Salazar, C.; Cassey, P.; van Vuuren, B.J.; van Rensburg, B.J.; Hui, C.; le Roux, J.J. (2012). «Development and characterization of 13 new, and cross amplification of 3, polymorphic nuclear microsatellite loci in the Common myna (Acridotheres tristis)». Conservation Genetics Resources. 4 (3): 621–624. doi:10.1007/s12686-012-9607-8. hdl:10019.1/113194Acessível livremente 
  61. Bomford & Sinclair 2002, p. 34.
  62. Pell & Tidemann 1997a, p. 148.
  63. Pell & Tidemann 1997a, p. 147.
  64. Bomford & Sinclair 2002, p. 30.
  65. Pimentel, D.; Lach, Lori; Zuniga, Rodolfo; Morrison, Doug (janeiro de 2000). «Environmental and Economic Costs of Nonindigenous Species in the United States». BioScience. 50 (1): 53–56. doi:10.1641/0006-3568(2000)050[0053:EAECON]2.3.CO;2Acessível livremente 
  66. Koopman, M. E.; Pitt, W. C. (2007). «Crop diversification leads to diverse bird problems in Hawaiian agriculture» (PDF). Human–Wildlife Conflicts. 1 (2): 235–243 
  67. «Myna birds». 2018 
  68. The Rāmāyaṇa of Vālmīki: An Epic of Ancient India, ISBN 9781400833269, VI: Yuddhakāṇḍa, traduzido por Goldman, Robert P.; Sutherland Goldman, Sally J.; Nooten, Barend A. van, Princeton University Press, 2009, p. 712, n29 
  69. Dave, K. N. (2005). Birds in Sanskrit Literature revised ed. Déli: Motilal Banarsidass Private Ltd. pp. 468, 516. ISBN 978-81-208-1842-2 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Pell, A.S.; Tidemann, C.R. (1997a). «The Ecology of the Common Myna in Urban Nature Reserves in the Australian Capital Territory». Emu - Austral Ornithology. 97 (2): 141–149. ISSN 0158-4197. doi:10.1071/MU97018