Humberto de Campos (Maranhão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Humberto de Campos
"Miritiba"
Bandeira de Humberto de Campos
Brasão indisponível
Bandeira Brasão indisponível
Hino
Fundação 13 de dezembro de 1934
Gentílico humbertuense
Lema todos por um futuro melhor
Prefeito(a) Jose Ribamar Reibeiro Fonseca (PSB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Humberto de Campos
Localização de Humberto de Campos no Maranhão
Humberto de Campos está localizado em: Brasil
Humberto de Campos
Localização de Humberto de Campos no Brasil
02° 35' 52" S 43° 27' 39" O02° 35' 52" S 43° 27' 39" O
Unidade federativa Maranhão
Mesorregião Norte Maranhense IBGE/2008 [1]
Microrregião Lençóis Maranhenses IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Primeira Cruz
Distância até a capital 153 km
Características geográficas
Área 2 131,079 km² [2]
População 26 197 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 12,29 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,569 baixo PNUD/2000 [4]
PIB R$ 69 234,507 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 765,29 IBGE/2008[5]

Humberto de Campos é um município brasileiro do estado do Maranhão. Sua população é de 28.509 habitantes (população estimada para 2017). É o lugar onde o poeta maranhensse Humberto de Campos nasceu, na época Miritiba, o que originou o nome do município em 1934.

História[editar | editar código-fonte]

Início de colonização[editar | editar código-fonte]

Humberto de Campos é conhecida desde a passagem dos franceses pelo Maranhão. Pode-se dizer que a história da cidade começa em 1612, fazendo parte da expedição francesa que veio para colonizar o Maranhão, aportou em Upaon-Mirim (Ilha Pequena, hoje Santana) a caravela denominada 'Santana', enquanto aguardava o resultado das negociações levadas a efeito em Upaon-Açu-Ilha Grande, atualmente cidade de São Luís. Esse episódio não resultou, contudo, no devassamento do território. Somente por volta de 1817, José Carlos Frazão, vindo do Mearim no propósito de fazer comércio com os Tapuios ou à procura de lugar apropriado para a lavoura, foi casualmente a uma aldeia de índios e conseguiu lograr a confiança do cacique da aldeia indígena. Ali fixou sua residência, por saber da existência de terrenos próximos, férteis para a plantação e cultivo. local que os indígenas denominaram Miritiba, em virtude de grande quantidade de miri ou mirim existente, uma fruta nativa brasileira cujo nome de origem tupi, significa "fruta mole e pequena". Apesar da região ser apenas um matagal cortado por extensos lençóis de areia, irrigava o solo o rio Periá ou Preá; também apelido da tribo indígena. Com seus escravos construiu um prédio com dois pavimentos para sua moradia, que ficou conhecido como 'Casa-Grande'. Foi aí que teve início a cidade de Humberto de Campos. Com o desenvolvimento do lugarejo, que ainda conservava o primitivo nome dado pelos indígenas. Frazão requereu e obteve, por carta de sesmaria datada de 12 de março de 1819 'duas léguas de serra de comprido e uma de largo para a parte do poente em qualquer das testadas ou fundos do sobredito Abre'...

Em 8 de maio de 1835, por lei n.º 13, Miritiba foi elevada à categoria de distrito. Alguns anos depois. Teve papel importante na história do Maranhão; na guerra dos balaios.

Em 1840, Miritiba foi tomada pelos rebeldes. em luta com as forças legais, sob o comando de Lima e Silva. Foi então atacada e ocupada pelos Imperiais Marinheiros.

Igreja Matriz de José do Periá. No ano de 1900

Em Miritiba teve início a monarquia do negro Cosme, velho escravo que fugira para as matas circunvizinhas, formando uma corte de 2.000 negros foragidos. Tendo saqueado uma igreja, Cosme apossou-se das paramentas sacerdotais e com elas se apresentava num andor carregado por mulheres da sua raça .

Em janeiro de 1841, se entregaram a Lima e Silva 700 rebeldes de Raimundo Gomes.

Criação do município e o desmembramento de Primeira Cruz[editar | editar código-fonte]

A cidade foi elevada à categoria distrito em 1840. Distrito criado com a denominação de Miritiba de São José do Piriá, pela lei nº 13, de 08-05-1835, subordinado ao município de Icatú. Elevado à categoria de vila com a denominação Miritiba de São José do Piriá, pela lei provincial nº 543, de 30 de julho de 1859, desmembrado de Icatú. Sede na antiga vila de Miritiba de São José do Piriá. Constituído do distrito sede. Instalado em 3 de maio de 1860. Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1933.

Pelo decreto-lei estadual nº 159, de 6 de dezembro de 1938, é criado o distrito de Primeira Cruz e anexado ao município de Humberto de Campos. No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município é constituído de 2 distritos: Humberto de Campos e Primeira Cruz. Por ato das disposições constitucionais transitórias deste estado, promulgado a 28 de julho de 1947, desmembra do município de Humberto de Campos. Então o Distrito de Primeira Cruz é elevado à categoria de município. Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

Prefeitura de Humberto de Campos. Por volta de 1940.

Alteração toponímica municipal Miritiba de São José do Piriá para Humberto de Campos alterado, pela lei estadual nº 743, de 13 de dezembro de 1934. O nome veio do poeta Humberto de Campos, pois Miritiba foi sua natalidade e em homenagem o município recebera seu nome e sobrenome.

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A Bandeira de Humberto de Campos foi idealizada pelo prefeito, Sr. Edson dos Santos Fonseca. Foi reformulada em 2005 na gestão de José Ribamar por Dulcinéa Espindola, aprovada na Câmara Municipal pelo Decreto Lei nº 13/2005 Suas cores são branca e azul, tem o tamanho de 1,80 m x 1,20 m, é composta de 5 listras, sendo três azuis e duas brancas, sendo que as três primeiras medem 1.30 cm e as duas últimas 1,80 cm. A largura de cada listra é de 24 cm . O azul da Bandeira do Município de Humberto de Campos é a mesma tonalidade da Bandeira do Maranhão e do Brasil. O quadro, onde está o livro e barco medem 50 x 72 cm, tendo o fundo azul. O livro do lado esquerdo contém uma pena simbolizando as belas poesias, contos, etc, escrito tanto pelo poeta humbertuensse, quanto pelas habitantes.[6]

Os símbolos que existem na bandeira representam a cultura e produção do município:

  • Branco – simboliza a paz
  • Azul – representa o céu do nosso Brasil
  • Livro – homenageia os poetas de Humberto de Campos
  • Barco (canoa ou igarités) – representa o meio de transporte e produção de pescado, bem representativo no município.[7]

Brasão[editar | editar código-fonte]

O Brasão foi criado na administração de José Ribamar, através da lei nº 13/05. Esse símbolo tem a representação da Bandeira do Brasil, do Maranhão e do Município. Em sua base tem duas datas importantes: 1859 – Miritiba e 1934 – Humberto de Campos. Os símbolos municipais, hino, bandeira e brasão, foram oficializados em 30 de setembro de 2005, pela Lei Municipal nº 13/05. Aprovada pela Câmara Municipal, em sessão realizada no povoado Flexeiras. A mensagem do Prefeito José Ribamar foi enviada à Câmara Municipal em 15 de setembro de 2005.[8]

Em toda e qualquer condecoração efetivada pelos poderes públicos do município é obrigatório a utilização da marca do Brasão nas comemorações.[9]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Humberto de Campos possui o maior bumba-meu-boi do Maranhão, pois são doze pessoas (chamados de miolo) que ficam debaixo do boi. É conhecido como Famosão de Humberto de Campos.[10]
  • A cidade promove anualmente o Festival do Peixe-Boi.
  • Banhado pelo rio Periá e rio Mapari, a cidade fica localizada na Bacia do rio Periá.
  • Tem apenas uma escola estadual fundada em 1992; e apenas um hospital e um centro de saúde.
  • Só foi ligada por estrada a São Luís apenas no início da década de 2000. Antes só se chegava de barco com destino a São José de Ribamar.
  • Não possui uma rodoviária, apenas um ponto na praça da matriz.
  • Tem como Padroeiro local São José do Periá, porém a festa na Igreja Matriz é em honra a Senhora Sant'Ana que ocorre nos dias 17 á 26 de julho.
  • Existem outras festas religiosas influentes no município como a Festa do Divino no povoado Periá, o Festejo de São Raimundo Nonato no povoado Cedro, Festa de Santa Clara no povoado Santa Clara, Festa de Nª Senhora de Fátima em Ilha Grande, Festival do peixe-boi em Ilha do Gato e os famosos Cordões de São Gonçalo.
  • Possui algumas ilhas, como por exemplo, Ilha de Santana, Ilha Carrapatal, Ilha Grande, Ilha Macunamdiba, Ilha Rosário, Ilha do Gato e etc.
  • Em 2011 a cidade ganhou vista de rua (Street View) do serviço de mapa Google Maps. Um Fiat Stilo percorreu mais de 70% da cidade.
  • Está inserida na Reserva Extrativista (Resex) Baía do Tubarão, que é a maior Resex marinha do Brasil segundo o ICMBIO.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Manga
  • São Bernardo
  • Bacabeira
  • Periá
  • Lagoinha
  • Base

Povoados[editar | editar código-fonte]

  • Axuí
  • Rampa
  • Frexeira
  • Cedro

Rios[editar | editar código-fonte]

  • Rio Periá
  • Rio Mapari
  • Rio do Banga
  • Rio do Chico Tripa

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. Dulcinéa. 17 de outubro de 2013. Símbolos Municipais de Humberto de Campos. Disponível em:<http://dulcineaespindola.blogspot.com/2013/10/abandeira-de-humberto-de-campos-foi.html> acesso em 17 de outubro de 2013
  7. Dulcinéa. 17 de outubro de 2013. Símbolos Municipais de Humberto de Campos. Disponível em:<http://dulcineaespindola.blogspot.com/2013/10/abandeira-de-humberto-de-campos-foi.html> acesso em 17 de outubro de 2013
  8. Dulcinéa. 17 de outubro de 2013. Símbolos Municipais de Humberto de Campos. Disponível em:<http://dulcineaespindola.blogspot.com/2013/10/abandeira-de-humberto-de-campos-foi.html> acesso em 17 de outubro de 2013
  9. Dulcinéa. 17 de outubro de 2013. Símbolos Municipais de Humberto de Campos. Disponível em:<http://dulcineaespindola.blogspot.com/2013/10/abandeira-de-humberto-de-campos-foi.html> acesso em 17 de outubro de 2013
  10. «Chuva não tira a animação nos arraiais na noite de São João :: Notícias JusBrasil». governo-ma.jusbrasil.com.br. 2009. Consultado em 8 de junho de 2012. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2012  |accessdate= e |acessodata= redundantes (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre o município de Humberto de Campos