Ilha de Anhatomirim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ilha Anhatomirim
Isla de Anhatomirim.jpg
Ilha vista do seu lado voltado para a direção nordeste.
27° 25′ 35″ S, 48° 33′ 53″ O
Geografia física
País  Brasil
Localização Governador Celso Ramos
 Santa Catarina
Área 0,045[1] (4,5 hectareskm²

A lha de Anhatomirim está situada na baía norte da ilha de Santa Catarina e pertence ao município de Governador Celso Ramos, no litoral do estado de Santa Catarina, no Brasil[2].

Nela está localizada a Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, construída no século XVIII e que constitui-se hoje numa importante atração turística de Florianópolis. Desde 1992 a ilha também faz parte da Área de Proteção Ambiental de Anhatomirim, uma unidade de conservação que abriga grande biodiversidade e recursos naturais[2].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome "Anhatomirim" tem origem na língua tupi-guarani e pode ter diferentes significados, dependendo do radical atribuído às palavras de origem[2]. Entre os significados podemos ter "pequena ilha do diabo"[3], "pequena toca do espírito mau" [2], ou ainda, "cão pequeno"[2].

História[editar | editar código-fonte]

Ocupação[editar | editar código-fonte]

Historicamente a ilha de Santa Catarina foi um dos primeiros locais do litoral sul do brasil a sofrer o processo de ocupação pelos europeus. A partir do século XVII passou a existir uma preocupação da Coroa Portuguesa que lhe atribuía grande importância estratégica, uma vez que Desterro (primitivo nome de Florianópolis) constituía-se num importante ponto de apoio no trânsito para a Região do Rio da Prata. Como solução, a Coroa considerou conveniente fortificar o litoral catarinense, incumbindo o Brigadeiro José da Silva Pais, com o cargo de governador da Ilha de Santa Catarina, de projetar e implementar as defesas da ilha. Para esse fim, ele construiu quatro grandes fortalezas. A de Santa Cruz de Anhatomirim foi a primeira, erguida de 1739 a 1744,[4] seguida pela de São José da Ponta Grossa (1740), na Ilha de Santa Catarina, e pela de Santo Antônio (1740), na Ilha de Ratones Grande.

Fachada da Fortaleza de Anhatomirim.

A ilha de Anhatomirim era particularmente interessante pelo fato de ...possuir ancoradouro seguro para uma esquadra de navios de guerra, e o porto que a protege permite a entrada de navios com 300 toneladas, se não deslocar muita água. Antes de prosseguirem viagem na travessia do canal, os navios devem enviar um bote a terra, a Santa Cruz. Sua fortificação foi conquistada e ocupada durante a invasão espanhola da Ilha de Santa Catarina, no início de 1777. A região somente voltou ao domínio português com o Tratado de Santo Ildefonso, em outubro do mesmo ano.

A época da Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), a ilha serviu como depósito de convalescentes, e, no final do século, como posto de controle e de isolamento de doentes atingidos pela febre amarela. A ilha serviu como ponto de sinalização marítima, tendo recebido um farolete composto por uma coluna de ferro de 8 metros de altura. A sua lâmpada, elevada 37,5 metros acima do nível do mar, tem um alcance de dez milhas náuticas. Foi inaugurado em 1883, em substituição ao que existiu desde 1873.

Durante a Revolução Federalista, em 1894, o interventor federal, Coronel Antônio Moreira César, deu início a uma série de prisões políticas, culminando com o fuzilamento de dezenas de pessoas na ilha de Anhatomirim[5]. Já durante a Segunda Guerra Mundial, a ilha abrigou uma estação rádio telegráfica da Marinha do Brasil, após o que caiu em abandono.

Na década de 1970, o orgão governamental IPHAN deu início à restauração da fortaleza, em parceria como a UFSC, abrindo sua visitação ao público nos anos seguintes.

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

A Ilha de Anhatomirim, por estar contida na Área de Proteção Ambiental de Anhatomirim, tem a exploração de seus recursos naturais limitada por leis municipais e federais.

A fauna marinha é rica, com ouriços, estrelas-do-mar e peixes variados. Uma das grandes atrações são os muitos golfinhos (da espécie Sotalia guianensis) que nadam em suas águas. Três pequenas praias arenosas completam o seu litoral. Seu relevo é bastante modesto: a altitude máxima é de 31 metros acima do nível do mar e a vertente norte apresenta o mais forte declive. Entre a ilha e o continente a profundidade é inferior a 5 metros, sendo intenso o processo de sedimentação.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Da redação (1980). Ciência e cultura, volume 32. [S.l.]: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 804 páginas 
  2. a b c d e ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, MMA - Ministério do Meio Ambiente, Governo Federal Brasileiro (2013). «Plano de Manejo da APA de Anhatomirim - Encarte 2 - Diagnóstico »(PDF). Ministério do Meio Ambiente. Consultado em 18 de abril de 2019
  3. ESTEVES, Ricardo (2013). Bagagem de um viajante. [S.l.]: Editora Leya. 46 páginas. ISBN 9789892035932 
  4. RIGOT-MULLER, Bertrand; et al. (2000). Guia Brasil Renault. [S.l.]: Éditions Nouveaux Loisirs. 390 páginas. ISBN 9788521311386 
  5. Osvaldo Rodrigues Cabral, As Defesas da Ilha de Santa Catarina no Brasil-Colônia. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1972. Página 33.