Isabel da Grã-Bretanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Isabel de Gales
Princesa do Reino Unido
Isabel pintada em 1751, por George Knapton.
Pai Frederico, Príncipe de Gales
Mãe Augusta de Saxe-Gota
Nascimento 10 de janeiro de 1741
Norfolk House, Londres, Grã-Bretanha
Morte 4 de setembro de 1759 (18 anos)
Kew Palace, Surrey, Grã-Bretanha
Enterro Abadia de Westminster, Londres

Isabel de Gales (Isabel Carolina), (10 de janeiro de 1741 - 4 de setembro de 1759) foi um membro da família real britânica, neta do rei Jorge II e irmã do rei Jorge III.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

A princesa Isabel nasceu em Norfolk House, na St. James Square, Westminster. O seu pai era Frederico, príncipe de Gales, filho mais velho do rei Jorge II da Grã-Bretanha e da duquesa Carolina de Ansbach. A sua mãe era a princesa de Gales (nascida duquesa Augusta de Saxe-Gota). Foi baptizada vinte-e-cinco dias depois do seu nascimento, em Norfolk House, pelo bispo de Oxford, Thomas Secker. Os seus padrinhos foram o marquês de Brandemburgo-Ansbach (seu primo em segundo-grau por casamento) que foi representado na cerimónia por Lord Baltimore, mordomo do seu pai, a rainha da Dinamarca, representada pela viscondessa Anne de Irvine, e a duquesa de Saxe-Gota, a sua tia materna, representada por Lady Jane Hamilton.[1]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Sabe-se pouco da sua curta vida[2] , além de um fragmento escrito sobre ela numa carta de Walpole:

Cquote1.svg Perdemos mais uma princesa, Lady Isabel. Morreu de doença inflamatória intestinal em dois dias. O aspecto dela era tão infeliz que teria sido muito difícil para ela ser feliz, mas a sua aplicação era extraordinária. Vi-a representar em "Cato" quando ela tinha oito anos (na altura já não se conseguia aguentar em pé sozinha, mas encostou-se contra um adereço,), e fê-lo melhor do que qualquer dos seus irmãos e irmãs. Tinha já uma saúde tão frágil que, com aquela idade, ainda não lhe tinham ensinado a ler, mas tinha aprendido o seu papel, o de Lúcia, ouvindo os outros enquanto eles estudavam os seus papéis. Foi ter com os pais e implorou-lhes para a deixarem actuar. Eles tentaram dissuadi-la o melhor que conseguiram - depois quis repetir o seu papel e, quando o fez, fê-lo tão dignamente que não houve forma de lhe negar permissão. Cquote2.svg

- Carta de Horace Walpole, 4.º conde de Orford, a Horation Mann, datada de 13 de Setembro de 1759.[3]

Isabel morreu no dia 4 de Setembro de 1759 no Palácio de Kew, em Londres, e foi enterrada na Abadia de Westminster.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Isabel de Gales em três gerações
Isabel de Gales Pai:
Frederico, Príncipe de Gales
Avô paterno:
Jorge II da Grã-Bretanha
Bisavô paterno:
Jorge I da Grã-Bretanha
Bisavó paterna:
Sofia Doroteia de Brunsvique-Luneburgo
Avó paterna:
Carolina de Ansbach
Bisavô paterno:
João Frederico de Brandemburgo-Ansbach
Bisavó paterna:
Leonor Edmunda de Saxe-Eisenach
Mãe:
Augusta de Saxe-Gota
Avô materno:
Frederico II de Saxe-Gota-Altemburgo
Bisavô materno:
Frederico I de Saxe-Gota-Altemburgo
Bisavó materna:
Madalena Sibila de Saxe-Weissenfels
Avó materna:
Madalena Augusta de Anhalt-Zerbst
Bisavô materno:
Carlos de Anhalt-Zerbst
Bisavó materna:
Sofia de Saxe-Weissenfels
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Isabel da Grã-Bretanha

Referências

  1. Yvonne's Royalty Home Page: Royal Christenings, consultado a 28 de Março de 2012.
  2. Wilkins, William Henry (1904). A Queen of Tears: Caroline Matilda, Queen of Denmark and Norway and Princess of Great Britain and Ireland. London: Longmans, Green and Co.. pp. 32–33.
  3. Walpole, Horace; Charles Duke Yonge (1890). Letters of Horace Walpole. London: T. Fisher Unwin. pp. 173–177.