Isabel de Herédia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde agosto de 2012)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pretendente
Isabel de Herédia
Reivindicação
Título Duquesa de Bragança (consorte)
Período 13 de maio de 1995 - presente
Predecessor Maria Pia de Saxe-Coburgo e Bragança[1][2]
Último monarca Manuel II de Portugal
Ligação com o último monarca Sem parentesco direto
Vida
Cônjuge Duarte Pio de Bragança
Descendência Afonso
Maria Francisca
Dinis
Nome completo Isabel Inês de Castro Curvello de Herédia de Bragança
Casa Casa de Bragança
(Ramo Miguelista)
Pai Jorge de Herédia
Mãe Raquel Leonor Pinheiro Curvello
Nascimento 22 de novembro de 1966 (51 anos)
Lisboa, Portugal Portugal
Morte

Isabel de Herédia (Isabel Inês de Castro Curvello de Herédia de Bragança, Lisboa, 22 de novembro de 1966) é a esposa de Duarte Pio de Bragança, que atualmente se arroga como pretendente pelo ramo Miguelista ao trono português, e é uma das atuais pretendentes ao título consorte de Duquesa de Bragança. Reivindica ainda o título de grã-mestre da Ordem da Rainha Santa Isabel, embora sem validade por falta de direito próprio.

Família[editar | editar código-fonte]

É filha do arquitecto Jorge de Herédia (bisneto de Francisco Correia de Herédia, 1.º Visconde da Ribeira Brava, reconhecido conspirador do regicídio de 1908 que vitimou o rei D. Carlos I de Portugal e D. Luís Filipe de Bragança, o Príncipe Real de Portugal) e de Raquel Leonor Pinheiro Curvello, e prima-irmã de Manuel de Herédia Caldeira Cabral, atual Ministro da Economia de Portugal.

Isabel de Herédia viveu entre Portugal e Angola até 1975, altura em que a família se mudou para São Paulo, no Brasil.

Educação e carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Depois da infância passada entre Portugal e Angola, acompanhou a família quando esta emigrou para o Brasil. Realizou os estudos secundários no Colégio São Luís, em São Paulo, prosseguindo uma licenciatura em Administração de Empresas na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Terminado o curso, em 1990, regressou a Portugal e iniciou a sua actividade profissional numa empresa financeira, a BMF - Sociedade de Gestão de Patrimónios, S.A., onde esteve até 1995.

Filhos[editar | editar código-fonte]

Do casamento com Duarte Pio de Bragança teve três filhos:

Tendo-se valido do falecimento de D. Maria Pia de Saxe-Coburgo e Bragança, ocorrido dias antes a 6 de maio de 1995, a cerimónia do casamento foi acompanhada de uma estratégia levada a cabo com vista à revitalização das pretensões da família do ramo Miguelista, então excluída da sucessão dinástica em Portugal. Nessa data, foram distribuídas bandeiras e outros símbolos monárquicos junto do público que aguardava a chegada dos noivos ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa. Contudo, poucos meses depois, as expectativas dessa mesma estratégia ficaram defraudadas com o surgimento de descendentes de D. Maria Pia de Bragança e cuja existência ensombra, até aos dias de hoje, a nova tentativa dos Miguelistas serem aceites como pretendentes válidos na sucessão ao extinto trono de Portugal. Do mesmo modo, o ex-deputado do Partido Popular Monárquico (PPM), Nuno da Câmara Pereira, também denunciou os intentos fraudulentos da estratégia da família de Duarte Pio.

Projectos pessoais[editar | editar código-fonte]

Desde 1995, Isabel de Herédia patrocina diversas instituições de caridade, especialmente as ligadas à ajuda e apoio a crianças desfavorecidas ou com problemas de saúde (especialmente síndroma de Down).

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Soares, Fernando Luso (1983); D. Maria Pia, Duquesa de Bragança contra D. Duarte Pio, o senhor de Santar. Lisboa: Editorial Minerva.
  2. Soares, Mário; Portugal amordaçado: depoimento sobre os anos do fascismo. Lisboa: Arcádia, 1974, pp. 274–278.

Ver também[editar | editar código-fonte]