Isabelle Stengers

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Isabelle Stengers
Nascimento 1949 (73 anos)
Cidade de Bruxelas
Cidadania Bélgica
Progenitores
  • Jean Stengers
Irmão(s) Marie-Laure Stengers
Alma mater
  • Université libre de Bruxelles
Ocupação filósofa, professora universitária, química
Empregador Université Libre de Bruxelles

Isabelle Stengers (Cidade de Bruxelas, 1949) é uma filósofa e historiadora belga notável por sua contribuição na filosofia da ciência. Stengers formou-se em química na Universidade Livre de Bruxelas. Ela é autora de livros sobre Teoria do Caos, em parceria com o químico russo Ilya Prigogine.[1] Stengers e Prigogine se inspiram no trabalho de Deleuze; tratando-o como uma fonte filosófica importante para pensar em questões relativas à irreversibilidade e o universo como um sistema aberto.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Os interesses de pesquisa da Professora Stengers incluem a filosofia da ciência e a história da ciência. Stengers é professora em Filosofia da Ciência na Universidade Livre de Bruxelas[2] e recebeu o grande prêmio de filosofia da Academia Francesa em 1993.[3] Stengers escreveu sua tese de doutorado sobre o filósofo inglês Alfred North Whitehead,[4] outros trabalhos também trataram de filósofos europeus como Michel Serres, Gilbert Simondon e Gilles Deleuze. Stengers também colaborou com o psiquiatra Leon Chertok,[5] e o sociólogo e antropólogo da ciência Bruno Latour. Seu livro "A invenção das Ciências Modernas"[6] foi parcialmente inspirado no ensaio de Latour, "Jamais Fomos Modernos"[7]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • A Nova Aliança: a metamorfose da ciência (1979), em coautoria com Ilya Prigogine, Brasília, Editora Universidade de Brasilia, 1997.
  • "Quem tem medo da ciência? : ciencia e poderes", São Paulo, Siciliano, 1990.
  • "O coração e a razão : a hipnose de Lavoisier a Lacan", em coautoria com Leon Chertok, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1990.
  • "O Fim das Certezas: tempo, caos e as leis da Natureza", em coautoria com Ilya Prigogine, Editora UNESP, 2011
  • '"A invenção das Ciências Modernas", São Paulo, Editora 34, 2002.
  • "No Tempo das Catástrofes", São Paulo, Cosac Naify, Coleção EXIT, 2015.

Referências

  1. "O Fim das Certezas: tempo, caos e as leis da Natureza", Editora UNESP (2011) e "Entre o Tempo e a Eternidade", Companhia das Letras (1992)
  2. Ver: http://www.upress.umn.edu/Books/S/stengers_cosmopoliticsI.html e http://www.v2.nl/archive/people/isabelle-stengers
  3. See: http://www.upress.umn.edu/Books/S/stengers_science.html
  4. Penser avec Whitehead, Paris, Le Seuil, « L’ordre philosophique », 2002.
  5. A critique of psychoanalytic reason: hypnosis as a scientific problem from Lavoisier to Lacan, Noel Evans M (trans.), Stanford: Stanford University Press (1992)
  6. "A invenção das Ciências Modernas", São Paulo, Editora 34, 2002
  7. "Jamais Fomos Modernos", São Paulo, Editora 34, 1994"


Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.