Itapirapuã Paulista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Itapirapuã Paulista
"Ribeirãozinho das Cordas"
Bandeira de Itapirapuã Paulista
Brasão de Itapirapuã Paulista
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 12 de março
Fundação 12 de março de 1992 (25 anos)
Gentílico itapirapuense-paulista
Localização
Localização de Itapirapuã Paulista
Localização de Itapirapuã Paulista em São Paulo
Itapirapuã Paulista está localizado em: Brasil
Itapirapuã Paulista
Localização de Itapirapuã Paulista no Brasil
24° 34' 26" S 49° 10' 04" O24° 34' 26" S 49° 10' 04" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Itapetininga IBGE/2008 [1]
Microrregião Capão Bonito IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Ribeira (SP), Barra do Chapéu (SP), Sengés (PR), Doutor Ulisses (PR), Cerro Azul (PR)
Distância até a capital 381 km
Características geográficas
Área 406,306 km² [2]
População 3 884 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 9,56 hab./km²
Altitude 589 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,645 médio PNUD/2000 [4]
PIB R$ 21 838,212 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 5 613,94 IBGE/2008[5]
Página oficial

Itapirapuã Paulista é um município Brasileiro do Estado de São Paulo. Situa-se na Mesorregião de Itapetininga e na Microrregião de Capão Bonito, também pertencendo a região do Vale do Ribeira.

História[editar | editar código-fonte]

O município de Itapirapuã Paulista foi criado em 12 de março de 1992. Lembrem-se daqueles que lutaram pela emancipação desta cidade: Zezinho Veloso, Gilberto de Oliveira, Flávio Motta Cordeiro (Prof. Flávio), Zeca Mineiro, Joaquim Sabino e Messias Amaral. Anteriormente, chamando-se somente Itapirapuã, que, em tupi, significa “peixe da pedra redonda”, havia sido distrito do município de Ribeira, com sede no povoado de Ribeirãozinho e território desmembrado desse município e do distrito-sede de Apiaí, condição assumida em 30 de novembro de 1944.

Sua origem remonta a meados de 1889, quando chegaram à região as famílias de Joaquim Cordeiro e de Antônio Novo em busca de solos férteis. Fixaram-se no local que denominaram Fazenda Laranjeiras, onde desenvolveram a criação de suínos e o plantio de vários gêneros agrícolas, como milho, feijão, arroz, café e cana-de-açúcar.

Nessa época, os produtos eram comercializados nas cidades de Apiaí, Capão Bonito e Itararé, e o transporte feito por animais de tropas. Como as viagens costumavam ser longas, os comerciantes faziam ao longo do percurso algumas paradas para descanso. Em um desses locais, mais tarde conhecido por Ribeirão das Cordas ou apenas Ribeirãozinho, formou-se o povoado que viria a abrigar a sede do distrito de Itapirapuã. Permaneceu durante longo período como distrito de Ribeira, e a produção agrícola foi seu principal fator de desenvolvimento.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Acidentada e ondulada, sendo a 560 metros de altitude nível do mar.

  • Rios: Rio Catas Altas, rio Itapirapuã, rio Criminosas, rio Cordas Grandes, rio Azedo e rio do Fecho.
  • Atividades econômicas: A cultura é de subsistência: arroz, feijão, milho, pecuária, extração e plantio de Pinus.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]