José Ricardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
José Ricardo - Anos 90
José Ricardo
Nome completo José Alves Tobias
Pseudônimo(s) José Ricardo
Morte 11 de maio de 1999 (60 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Nacionalidade  brasileiro
Progenitores Mãe: Mafalda da Silva Tobias
Pai: Philemon Tobias
Cônjuge Hercy Maria Tobias
Filho(s) Luiz Murillo Tobias, José Ricardo Tobias
Ocupação Cantor
Influências
Página oficial
www.funjor.org.br

José Ricardo - nome artístico de José Alves Tobias (Rio de Janeiro, 6 de março de 1939 - Rio de Janeiro, 11 de maio de 1999), foi um cantor brasileiro, integrante da chamada Jovem Guarda, destacou-se ainda pela beleza de sua voz e solidariedade com artistas em situações adversas de vida. [1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Instituto FUNJOR

Cantor. Compositor. Nascido no bairro da Tijuca, de descendência italiana por parte de mãe Mafalda, mudou-se aos dez anos de idade para o IAPI - Penha, onde o pai, Sr. Philemon Tobias, ex-jogador campeão pelo São Cristóvão e marceneiro chefe da empresa do arquiteto Sérgio Rodrigues na construção de Brasília, recebera por sorteio um apartamento financiado. Iniciou sua carreira artística ainda criança, apresentando-se no programa "Ritmos da Polícia Militar", na Rádio Guanabara. Sua avó materna, italiana, estimulava sua vocação. Posteriormente, apresentou-se em programa de calouros comandado por Isaac Zaltman, na Rádio Mauá. Começou a cantar na Rádio Guanabara, logo se apresentando em outras emissoras e sendo amparado por Cléber Figueiredo e Haroldo de Andrade.

Sua primeira gravação aconteceu num teste na RCA Victor, onde cantou um sucesso de Altemar Dutra - "Tudo de Mim" - em setembro de 1963. Neste ano, recebeu da Revista do Rádio o prêmio de "Revelação do ano". Contratado pela RCA Victor, gravou em 1964, um compacto simples com a canção "Eu que amo somente a ti", versão de Aldacir Louro para a canção italiana "Io che amo solo te", de Sérgio Endrigo. A gravação foi hit em programas de Rádio como "Grande parada Pastilhas Valda", apresentado por César de Alencar na Rádio Nacional. Em 16 de fevereiro de 1965, foi lançado o LP "Eu que Amo Somente a Ti". Participou do LP "Rio de Janeiro 400 anos", interpretando "Terra carioca" e "Rio de Janeiro". Com o sucesso, participou de diversos programas no rádio e TV, apresentando-se por todo o país.

Na década de 1960, o programa "Encontro com os brotos", apresentado por José Messias na Rádio Guanabara, permitiu-lhe ser um dos precursores da Jovem Guarda que, na mesma época a partir do programa da TV, começava a estourar em São Paulo. Foi contratado da TV Record, seu nome eternizou-se na música ´Festa de Arromba´ (...Sérgio e José Ricardo esbarravam em mim ...) e a carreira seguiu. Realizou centenas de gravações em mais de 60 compactos simples/duplos, LPs, CDs, coletâneas e regravações.

De voz possante, não limitou-se ao repertório romântico da Jovem Guarda, realizando diversas gravações para meio de ano e Carnaval. Realizou várias temporadas no exterior. Principalmente, Portugal, onde chegou a ser homenageado pelo presidente Mário Soares e se apresentou nas principais casas de show. Gravou disco em espanhol e teve seus discos distribuídos por toda América Latina. A partir de 1991, lutou pela criação dos bailes populares da Cinelândia, buscando a revitalização do Carnaval Carioca. O projeto abriu novo campo de trabalho para inúmeros artistas e é realizado até hoje. No Réveillon de 1998/1999, fez, na Praia de Copacabana, seu último grande show.

Além da atuação artística, sempre lutou para ajudar artistas em dificuldade. Foram vários colegas que auxiliou com sua personalidade solidária. A partir dos anos 1980, assumiu, como membros de sua família, as Irmãs Batista (Linda, Odete e Dircinha).[2]

Faleceu pouco depois de completar 60 anos de idade, vitimado por um câncer no pâncreas. Foi velado na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e, quando o carro do Corpo de Bombeiros deixava a Cinelândia, foi acompanhado por uma pequena multidão que o aplaudia na saída do cortejo. Deixou um importante legado de solidariedade e amor ao próximo.

Por sua história e lição de vida, em 2000, seu filho Luiz Murillo Tobias e a atriz Nicette Bruno decidiram continuar suas ações beneficentes em prol da arte através da criação de uma entidade filantrópica. O resultado foi a criação da FUNJOR - Fundação Sócio-Cultural José Ricardo (www.funjor.org.br). A entidade desenvolveu até 2011, quando houve a decisão de sua extinção, uma centena de ações sociais em prol de profissionais da arte e agregou diversos artistas, tais como: Emilinha Borba, Nicette Bruno, Jerry Adriani, Agnaldo Timóteo, Marlene, Ellen de Lima, Suely Franco, Adelaide Chiozzo, Luiz Vieira, Gerdal dos Santos, José Messias, Claudia Telles, Ataulpho Alves Jr. e diversos outros de diferentes áreas estilos e gerações.

No ano de 2012, no dia 10 de outubro, parte dos artistas e associados da fundação decidem criar o Instituto FUNJOR para apoiar preserva a memória artística brasileira e continuar o trabalho da antiga fundação, bem como o legado do cantor. Em pouco tempo, o Instituto FUNJOR agregou dezenas de pessoas e implementou ações sócio-culturais. Inclusive, a remasterização e distribuição gratuita limitada em 100 unidades do primeiro LP do cantor José Ricardo "Eu que amo Somente a Ti", em 2015, quando a gravação completou 50 anos.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • (2006) Roberto Carlos - Duetos • CD/DVD
  • (1997) José Ricardo • Revivendo • CD
  • (1989) 25 anos cantando o amor • SOMARJ • LP
  • (1976) José Ricardo • Odeon • LP
  • (1974) José Ricardo • Odeon • LP
  • (1972) José Ricardo • Odeon • Compacto7B-561
  • (1970) José Ricardo • Caravelle • LPCAR-1023
  • (1969) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6568
  • (1969) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6523
  • (1969) Para viver um grande amor (José Ricardo / Victor Hugo/ Marília Batista) • RCA Victor • LPBBL-1479
  • (1969) Juventude e Ritmo • RCA Victor • LP BBL-1473
  • (1968) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6465
  • (1968) Carnaval Jovem • RCA Victor • EP LCD-1184
  • (1967) Carnaval Jovem • RCA Victor • LP BBL-1424
  • (1967) Tenho Tanto Amor em Mim • RCA Victor • EP LCD-1183
  • (1967) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6361
  • (1967) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6313
  • (1967) 14 Sucessos do Yê Yê Yê • RCA Victor • LP BBL-1406
  • (1967) Gina • RCA Victor • EP LCD-1171
  • (1967) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6287
  • (1966) Lembra de mim • RCA Victor • LP BBL-1367
  • (1966) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6250
  • (1966) 14 Sucessos - Vol. 2 • RCA Victor • LP BBL-1375
  • (1966) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6203
  • (1966) Eu Te Amo • RCA Victor • EP LCD-1147
  • (1966) Carnaval RCA • RCA Victor •  LP BRL-1349
  • (1965) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6186
  • (1965) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6163
  • (1965) Para Juventude • RCA Victor • EP LCD-1127
  • (1965) Nova Geração • RCA Victor • LP BBL-1323
  • (1965) Eu que amo somente a ti • RCA Victor • LP BBL-1328
  • (1965) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6123
  • (1964) Carnaval Quatrocentão • RCA Victor • LP BBL-1312
  • (1964) RIO 400 anos • RCA Victor • LP BBL-1306
  • (1964) Juventude Esquema 64 • RCA Victor • LP Coletânea BBL-1297
  • (1964) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6064
  • (1963) José Ricardo • RCA Victor • Compacto LC-6026

Referências

  1. «Somos uma Soma de Pessoas». Instituto FUNJOR. Consultado em 30 de janeiro de 2017 
  2. Nota de falecimento: "A voz amiga", Revista Veja, edição 19.05.1999, p. 134 (acessada em 16 de fevereiro de 2009)

[1] [2] [3] [4]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]