Josaphat Marinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde maio de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Josaphat Marinho
Senador pela Bahia
Período 1º mandato: de 1963
até 1971
2º mandato: de 1 de fevereiro de 1991
até 1 de fevereiro de 1999
Deputado Estadual pela Bahia
Período 1º mandato: de 1947
até 1951
2º mandato: de 1955
até 1959
Dados pessoais
Nome completo Josaphat Ramos Marinho
Nascimento 28 de outubro de 1915
Areia, (atual Ubaíra), Bahia
Morte 30 de março de 2002 (86 anos)
Salvador, Bahia
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Sinfrônio de Sales Marinho
Pai: Adelaide Ramos Marinho
Alma mater Faculdade de Direito da Bahia
Cônjuge Iraci Ramos Marinho
Partido UDN
PTB
PL
MDB
PFL
Profissão jurista e professor

Josaphat Ramos Marinho (Areia (atual Ubaíra), 28 de outubro de 1915Salvador, 30 de março de 2002) foi um jurista, professor e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Sinfrônio de Sales Marinho e de Adelaide Ramos Marinho, ingressou, em 1934, na Faculdade de Direito da Bahia, onde se formou.

Ocupou interinamente, em 1942, o cargo de consultor jurídico do Departamento de Serviço Público da Bahia, passando, em seguida, a dedicar-se ao magistério.

Findo o Estado Novo, foi eleito, em janeiro de 1947, deputado à Assembleia Constituinte da Bahia na legenda da União Democrática Nacional (UDN). Deixou a Assembleia em 1951, a ela retornando eleito em outubro de 1954, pela legenda do Partido Libertador (PL).

Após a posse de Juracy Magalhães no governo da Bahia, em 1959, Josaphat Marinho foi nomeado, em abril, secretário do Interior e Justiça do Estado. Ocupou o cargo até 1960, porque foi designado secretário da Fazenda. Exerceu essa função até março de 1961, quando foi nomeado pelo Presidente Jânio Quadros para a presidência do Conselho Nacional do Petróleo (CNP). Com a renúncia do presidente, em 25 de agosto de 1961, pediu demissão do cargo, que não foi aceita imediatamente. Permaneceu na presidência do CNP até dezembro daquele ano. Retornou, então, à Bahia, assumindo novamente a Secretaria da Fazenda até dezembro de 1962.

No pleito de outubro de 1962, elegeu-se para o Senado Federal pela Bahia. Concluído seu mandato em 1971, Josaphat afastou-se da vida pública, voltando a se dedicar à advocacia e ao magistério superior como professor de Direito Constitucional da Universidade de Brasília (UnB).

Em dezembro de 1979, no contexto da reformulação partidária posterior à extinção do bipartidarismo, assinalou, em entrevista ao Jornal do Brasil que, após oito anos de afastamento, voltava à vida pública para "dar uma contribuição ao processo de formação dos novos partidos". Exerceu então seu segundo mandato de senador da República, durante o qual foi relator-geral do novo Código Civil brasileiro, aprovado no Senado depois de 22 anos de tramitação no Congresso Nacional.

Josaphat Marinho foi membro do Instituto dos Advogados da Bahia, do Instituto Baiano de Direito do Trabalho e da Academia Baiana de Letras.

Em 2002, já afastado da vida política, dedicava-se ao trabalho acadêmico como diretor de Faculdade de Direito das Faculdades Integradas UPIS, em Brasília, quando, durante uma viagem à terra natal, sofreu mal súbito que o levou à morte.

Iraci Ramos Marinho foi sua única esposa, com quem teve dois filhos.

A família de Josaphat Marinho é bastante tradicional na Bahia. Morreu em 30 de março de 2002, aos 86 anos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Lima Texeira
Senador pela Bahia
19631971
Sucedido por
Heitor Dias
Precedido por
Luís Viana Neto
Senador pela Bahia
19911999
Sucedido por
Paulo Souto