Käthe Kollwitz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo asteróide, veja 8827 Kollwitz.
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2019). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Käthe Kollwitz
Käthe Kollwitz num selo alemão.
Nome nativo Käthe Kollwitz
Nascimento 8 de julho de 1867
Königsberg
Morte 22 de abril de 1945 (77 anos)
Moritzburg
Sepultamento Cemitério Central Friedrichsfelde
Nacionalidade Alemanha
Cidadania República de Weimar
Cônjuge Karl Kollwitz
Irmão(s) Conrad Schmidt
Alma mater Academia Julian
Ocupação Desenhista, pintora, gravurista e escultora
Religião luteranismo

Käthe Kollwitz (Königsberg, Província da Prússia, atual Kaliningrad, Rússia, 8 de Julho de 1867 - Moritzburg (Saxónia), 22 de Abril de 1945) foi uma importante desenhista, pintora, gravurista e escultora alemã, cuja obra reflete uma eloquente visão das condições humanas na primeira metade do século XX. Com traços de Naturalismo e Expressionismo, Kollwitz traz a classe operária, fome, guerra e pobreza como temas recorrentes em seu trabalho.

Influências[editar | editar código-fonte]

Simon Marchán aponta entre as principais influências de Kollwitz, a de Max Klinger, da literatura naturalista de Émile Zola e Máximo Gorki, e da dramaturgia de Henrik Ibsen e Gerhart Hauptmann. Ao assistir a representação do drama de Hauptmann, Os Tecelões, esta lhe dá inspiração à sua primeira série gráfica: A Rebelião dos Tecelões (1893-97). Esta série e o Baile da Guilhotina (1901) a consagram diante do público (Simom Marchán).

Sua terceira série: A Guerra (1923), em madeira, se desloca à orbita expressionista, onde as formas adquirem um maior sentido plástico, sobretudo no Monumento à Karl Liebknecht. Por esta época realiza também vários cartazes pacifistas. Em sua última série, A Morte (1933), alcança a dimensão do visionário, onde se podem apreciar as formas expressionistas inspiradas em Ernst Barlach e Edvard Munch.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Mário Pedrosa. As Tendências Sociais da Arte e Kathe Kollwitz in O Homem Livre, julho 1933
  • SIMÓN MARCHÁN, Käthe Kollwitz, Gran Enciclopedia Rialp
  • F. SCHMALENBACH, K. Kollwitz, Köningstein 1965
  • P. H. FEIST, Die Bedeutung der Arbeiterklasse für den Realismus der Käthe Kollwitz, «Wissenschaftliche Zeitschrift der Humbold Universität zu Berlin» XVII (1968) 705-725; K. Kollwitz und ihre Zeitgenossen, Exposición de la Deutsche Akademie der Kunste, Berlín 1967.

Galleria fotográfica[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Käthe Kollwitz de Eliana De Simone. SP: Edusp, 2004.
  • A arte como recorte do real: a condição humana em Käthe Kollwitz por Rita Márcia Magalhães Furtado- FE/UFG – DE/UCG.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Käthe Kollwitz