Linda Martini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Linda Martini
Informação geral
Origem Lisboa
País  Portugal
Gênero(s) Rock alternativo
Indie rock
Pós-hardcore
Período em atividade 2003 - atualmente
Gravadora(s) Universal Music
Rastilho records
Edições Lisboa Agência
Naked
Integrantes André Henriques
Cláudia Guerreiro
Hélio Morais
Pedro Geraldes
Ex-integrantes Sérgio Lemos
Página oficial Website Oficial

Linda Martini é uma banda portuguesa de rock com influências de post-rock e punk.

História[editar | editar código-fonte]

Os Linda Martini nasceram em 2003 e são uma banda de rock. Da sua formação actual fazem parte 4 dos seus 5 membros fundadores – André Henriques, Cláudia Guerreiro, Hélio Morais e Pedro Geraldes.

Desde a edição do primeiro EP, em Janeiro de 2006, que a banda tem sido bastante acarinhada, quer pelo público, quer pela imprensa musical e promotores. Prova disso mesmo, são as várias distinções de “disco do ano” para os leitores da Blitz, a presença e espaço de antena constantes nos principais veículos de comunicação e a presença assídua nos festivais de grande dimensão e queimas das fitas.

Em 2006, o single “Amor Combate” foi considerado o single do ano pelo Henrique Amaro da Antena 3 e, no mesmo ano, o disco de estreia – “Olhos de Mongol” - é distinguido como “disco do ano” para os leitores da revista Blitz.

Em 2008 a banda edita um EP em vinil, exclusivamente, e esse mesmo disco é considerado o “segundo disco do ano” para os leitores da revista Blitz.

2009 é ano de reedição do álbum de estreia – “Olhos de Mongol” - em conjunto com o primeiro EP – “Linda Martini” -, ambos esgotados há muito. É também o ano em que a banda é convidada a fazer um disco gravado ao vivo, pela Optimus Discos, até hoje esgotado e um dos discos com mais downloads do ciclo de edições desta nova editora.

Em 2010 é editado o segundo longa duração – “Casa Ocupada” - , disco que eleva a banda para um outro patamar, arrancando nova distinção de “disco do ano” para os leitores da Blitz e merecendo os mais rasgados elogios das pessoas do meio, como Pedro Ramos (Radar), Henrique Amaro (Antena 3) e Zé Pedro (Xutos & Pontapés), a título de exemplo.

No ano em que a banda comemorou 10 anos, editou o seu terceiro longa duração – “Turbo Lento” -, pela Universal Music Portugal, disco que foi considerado “disco do ano” para os leitores da Blitz. Foi este mesmo disco que levou a banda a ser capa do Ípsilon e editora convidada da revista Blitz. Nos concertos de apresentação, a banda encheu a sala 1 do Hard Club, no Porto, e a sala tejo da MEO Arena, em Lisboa. O disco entrou directamente para número 2 da tabela de discos mais vendidos da AFP e chegou a número 1 no iTunes e no Spotify, em Portugal.

No dia 31 de Maio de 2014 participaram numa homenagem a António Variações no Rock in Rio Lisboa, juntamente com outros nomes da música Portuguesa como Deolinda e Gisela João.[1]

No inicio de 2015, a banda anunciou na sua página do Facebook uma reedição dos seus trabalhos, até ao álbum Casa Ocupada em CD e em Vinil bem como uma série de espectáculos em Vila Real, Guarda, Aveiro e Lisboa, durante o mês de Março, para as promover.

Em abril de 2016, lançaram o seu 4º álbum, Sirumba, quase dois anos depois do último trabalho e treze anos do inicio do projeto. O lançamento de Sirumba foi seguido de um concerto no Coliseu de Lisboa, no dia 2 de Abril do mesmo ano. Sirumba foi considerado pela Blitz como o 6º melhor álbum português de 2016.[2]

Membros[editar | editar código-fonte]

  • Pedro Geraldes - guitarra e voz
  • André Henriques - voz e guitarra
  • Cláudia Guerreiro - baixo e voz
  • Hélio Morais - bateria e voz
Ex-membros
  • Sérgio Lemos - guitarra

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Olhos de Mongol (2006) [3][editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Sinto A Cabeça A Cair"   1:55
2. "Cronófago"   2:42
3. "Dá-me A Tua Melhor Faca"   7:00
4. "Partir Para Ficar"   5:12
5. "Estuque"   7:11
6. "O Amor É Não Haver Polícia"   3:18
7. "Quarto 210"   3:23
8. "Amor Combate"   4:50
9. "A Severa (Ver De Perto)"   7:15

Casa Ocupada (2010) [4][editar | editar código-fonte]

Todas as faixas são da autoria de André Henriques, Cláudia Guerreiro, Hélio Morais e Pedro Geraldes.

N.º Título Duração
1. "Mulher-a-Dias"   2:29
2. "Nós Os Outros"   4:46
3. "Amigos Mortais"   3:52
4. "Elevador"   5:20
5. "S de Jéssica"   5:11
6. "Juventude Sónica"   3:21
7. "Ameaça Menor"   4:07
8. "Queluz Menos Luz"   4:14
9. "Belarmino Vs"   3:10
10. "Cem Metros Sereia"   4:53

Turbo Lento (2013) [5][editar | editar código-fonte]

Todas as músicas por André Henriques, Cláudia Guerreiro, Hélio Morais e Pedro Geraldes, excepto "Febril (Tanto Mar)" que conta com a participação de Chico Buarque.

N.º Título Duração
1. "Ninguém tropeça nos dias..."   2:02
2. "Juaréz"   4:09
3. "Panteão"   4:12
4. "Pirâmica"   4:29
5. "Sapatos Bravos"   5:01
6. "Febril (Tanto Mar)"   4:35
7. "Tremor Essencial"   5:19
8. "Ratos"   3:46
9. "Aparato"   3:56
10. "Tamborina Fera"   2:09
11. "Volta"   3:48

Sirumba (2016) [6][editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Sirumba"   4:02
2. "Unicórnio De Sta. Engrácia"   3:48
3. "Preguiça"   4:14
4. "Putos Bons"   4:49
5. "Bom Partido"   4:24
6. "Farda Limpa"   3:55
7. "Comer Por Dois"   4:36
8. "Dentes De Mentiroso"   5:02
9. "O Dia Em Que A Música Morreu"   6:33

EP´s[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • Novo Rock Português (2007)
  • Corrupção (2007)
  • 3 Pistas - Antena 3 (2009)
  • Baú (editado com a Revista Blitz de Junho) (2014)

Festivais[editar | editar código-fonte]

Da listagem dos festivais de grande dimensão, ou nos quais as bandas beneficiam de uma comunicação muito forte, constam os seguintes:

Ano Festival
2006 Super Bock Super Rock, palco Antena 3

Sudoeste, palco Planeta Sudoeste

2007 Super Bock Super Rock, palco principal

Paredes de Coura, palco principal

2008 Noites Ritual, palco principal
2009 Optimus Alive, palco Optimus Discos
2010 Super Bock em Stock (actual Vodafone Mexefest)
2011 Optimus Alive, palco 2

Paredes de Coura, palco principal

Noites Ritual, palco principal

D’Bandada Optimus

2012 San Miguel Primavera Sound, BARCELONA, palco 2

Optimus Primavera Sound, palco 1

Bons Sons, palco noites longas

2013 Optimus Alive, palco 1
2014 Rock In Rio (homenagem a António Variações)

Paredes de Coura, Palco principal

Live Freedom III

2016 Rock Nordeste (Palco do Parque Corgo)

Festival de Vilar de Mouros NOS Primavera Sound

Referências

  1. «"Rock in Rio-Lisboa, 4º dia (31/05), com Arcade Fire e Lorde"». Consultado em 04 de Junho de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. «Melhores do Ano BLITZ: e o melhor álbum nacional de 2016 é...». Blitz. 19 de dezembro de 2016. Consultado em 24 de julho de 2017 
  3. «Linda Martini ‎– Olhos de Mongol». discogs.com. Consultado em 29 de janeiro de 2015 
  4. «Linda Martini ‎– Casa Ocupada». discogs.com. Consultado em 8 de novembro de 2012 
  5. «Linda Martini ‎– Turbo Lento». discogs.com. Consultado em 29 de janeiro de 2015 
  6. «Linda Martini - Sirumba». Discogs. Consultado em 1 de agosto de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]