Man on Wire

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Man on Wire
Homem no Arame (PT)
O Equilibrista (BR)
Reino Unido Reino Unido
2008 • cor • 90 min 
Direção James Marsh
Género documentário
Idioma inglês, francês

Man on Wire (O Equilibrista (título no Brasil) ou Homem no Arame (título em Portugal)) é o filme vencedor do BAFTA de 2008 na categoria documentário. O filme foi dirigido por James Marsh e conta a história de Philippe Petit em sua travessia através de um cabo de aço suspenso entre as torres do World Trade Center em Nova Iorque, em 1974. Ele é baseado no livro de Petit, To Reach the Clouds, que acabou sendo relançado sob o título de Man on Wire. O título do filme foi tirado do relatório policial que levou à prisão (e posterior soltura) de Petit após sua performance, que durou quase uma hora. O filme desenrola-se como um filme de ação, apresentando imagens raras dos preparativos do evento e fotografias da caminhada no cabo de aço, juntamente com reencenações (com Paul McGill interpretando o jovem Petit) e entrevistas com as pessoas envolvidas no evento.

Produção[editar | editar código-fonte]

O produtor do filme, Simon Chinn, encontrou Philippe Petit pela primeira vez em Abril de 1995 no programa Desert Island Discs da rádio BBC, após o que ele decidiu tentar obter os direitos sobre seu livro, To Reach the Clouds. Após meses de discussão, Petit concordou, mas com a condição de que ele teria parte ativa e colaborativa no filme.

Em uma entrevista conduzida durante a exibição de Man on Wire no festival de Tribeca, em 2008, o diretor James Marsh explicou que ele foi atraído pela história em parte porque ele imediatamente a viu como um filme de ação. Marsh também comentou que, ele próprio sendo um novaiorquino, viu o filme como uma forma de voltar à cidade. Ele disse que espera ouvir das pessoas que elas sempre lembrarão de Petit e sua performance ao falar das torres gêmeas do World Trade Center.[1]

Respondendo a por que a destruição das torres não é mencionada no filme, Marsh afirmou que o ato de Philippe Petit foi "incrivelmente belo" e "seria injusto infectar a história com qualquer menção, discussão ou imagem das torres sendo destruídas".[2]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Man on Wire venceu o prestigioso Prêmio Especial do Júri e o Prêmio da Audiência no festival Full Frame Documentary Film, em Durham (Estados Unidos), o Prêmio Internacional da Audiência no festival de filmes de Los Angeles e o Prêmio Padrão da Audiência no festival internacional de filmes de Edinburgo. O filme também ganhou o Prêmio do Júri e o Prêmio da Audiência na categoria documentário no Festival Sundance de Cinema. Man on Wire é o sexto filme a ganhar ambos os prêmios em Sundance, e o primeiro não-estadunidense. Em Fevereiro de 2009, o filme ganhou o BAFTA de melhor filme britânico.[3] Ele também ganhou o Oscar de melhor documentário na 81ª edição do festival.

O agregador de comentários de filmes Rotten Tomatoes assinalou que 100% dos 141 comentários coletados foram positivos, fazendo dele o "melhor filme de todos os tempos" já comentado no site, fazendo-o ganhar o "tomate dourado" de melhor documentário de 2008. Entretanto, ele foi colocado apenas como 27º na lista de melhor filme de todos os tempos.[4]

Man on Wire apareceu em muitas listas "top 10" dos melhores filmes de 2008.[5] O Movie City News reportou que o filme apareceu em 76 listas diferentes das 208 listas de críticos pesquisadas, o que faz com que ele seja o 7º mais mencionado nas listas de 2008.[6]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]