The Fog of War

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde abril de 2008). Ajude e colabore com a tradução.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Cinema.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde abril de 2008.

The Fog of War
Testemunhos de Guerra[1] (PT)
Sob a Névoa da Guerra[2] (BR)
 Estados Unidos
2003 •  cor •  95 min 
Direção Errol Morris
Produção Errol Morris
Michael Williams
Julie Ahlberg
Elenco Robert McNamara
Género documentário
Distribuição Sony Pictures
Idioma Inglês
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

The Fog of War é um documentário estadunidense de 2003 dirigido por Errol Morris, sobre as memórias de Robert McNamara, secretário de defesa dos Estados Unidos de 1961 a 1968. O filme, que tem trilha sonora original de Philip Glass, ganhou o Oscar de melhor documentário.

A expressão "névoa da guerra", popularizada por Carl von Clausewitz no seu livro Da Guerra (1832), indica a nuvem de incerteza que envolve um conflito logo antes de ele eclodir.

Conceito[editar | editar código-fonte]

O filme conta a vida de McNamara por meio de imagens de arquivo, de gravações da Casa Branca e principalmente de uma entrevista concedida por ele aos 85 anos, na qual relata seus trabalhos como um dos Whiz Kids durante a Segunda Guerra Mundial e como presidente da Ford, além de seu envolvimento na Guerra do Vietnã como secretário de defesa nos governos de Kennedy e Lyndon Johnson.

Durante uma aparição em 2004 na UC Berkeley, Morris disse que se inspirou para criar o filme após ler o livro de 2001 escrito por McNamara (com James G. Blight), Wilson's Ghost: Reducing the Risk of Conflict, Killing, and Catastrophe in the 21st Century. O webcast completo pode ser visto em UC Berkeley News.[3]

O conceito de formular o filme em "11 lições" se originou do livro de 1996 de McNamara In Retrospect: The Tragedy and Lessons of Vietnam. Morris criou o filme através de lições das várias regras que McNamara se utiliza durante sua entrevista (Morris entrevistou McNamara por mais de 20 horas). As lições proporcionam uma estrutura a Sob a névoa da guerra, no entanto, essas lições não foram explicitamente criadas por McNamara (como anteriormente citado, durante o evento na UC Berkeley, McNamara declarou que não concordava com todas os aspectos das interpretações de Morris). Após a conclusão do filme, McNamara respondeu a Morris complementando as 11 lições do filme com mais 10 lições feitas por ele próprio. As lições estão incluídas no DVD.

Durante o evento em Berkeley, McNamara foi convidado a aplicar suas lições originais (do seu livro de 1996) para a Invasão do Iraque, e ele se recusou, argumentando que ex-Secretários de Defesa não deveriam comentar a política dos atuais Secretários de Defesa. McNamara sugeriu que outra pessoa aplicasse as suas lições ao Iraque se assim desejavam, mas que ele próprio não faria isso explicitamente, e comentou que suas lições eram muito generalizantes para qualquer conflito militar em especial (e ele havia as escrito algum tempo antes da guerra do Iraque).

Enredo[editar | editar código-fonte]

Presidente John F. Kennedy e McNamara, 1962

McNamara faz longos depoimentos sobre toda a sua vida: Ele conta como se destacou na escola e a sua habilidade para cálculos e mensurações estatísticas. De como graças a isso ele e a equipe de calculistas sob o comando do Major-General Curtis LeMay melhoraram a eficiência do bombardeio ao Japão durante a II Guerra Mundial, calculando uma melhor altura de voo para o lançamento das bombas incendiárias que em 1945 devastaram Tóquio e outras cidades.

Depois da guerra McNamara foi para a Ford, onde usou seus conhecimentos matemáticos para melhorar o desempenho da produção e das vendas da companhia. Entra para o governo no alto posto de Secretário da Defesa em atenção a um convite do presidente John F. Kennedy. Dessa época McNamara fala da crise com Cuba no início dos anos de 1960 e revela que Fidel Castro lhe confidenciara, décadas depois, que já havia mísseis atômicos na ilha, não detectados pelos americanos [carece de fontes?]. Fala também sobre a Guerra do Vietnã e da sua continuidade no poder, mantido pelo presidente Lyndon Johnson, quando então foi criticado e destituído do posto de Secretário da Defesa.

As 11 lições do filme[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: The Fog of War
  1. Empatize pelo inimigo.
  2. Racionalidade não irá nos salvar.
  3. Existe algo além de você mesmo.
  4. Maximize a eficiência.
  5. Proporcionalidade deve ser uma meta da guerra.
  6. Consiga a informação.
  7. Acreditar e ver, os dois podem falhar.
  8. Esteja preparado para reanalisar seu pensamento.
  9. Para fazer o bem, você pode ter que fazer o mal.
  10. Nunca diga nunca.
  11. Você não pode mudar a natureza humana.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um documentário (ou um documentarista), integrado ao projeto sobre Cinema, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.