Os Saltimbancos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o álbum homônimo, veja Os Saltimbancos (álbum).

Os Saltimbancos (I Musicanti no original) é um musical infantil com letras de Sergio Bardotti e música de Luis Enríquez Bacalov, inspirado no conto “Os Músicos de Bremen”, dos irmãos Grimm, no Brasil ganhou versão em português e músicas adicionais de Chico Buarque.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Uma das mais expressivas obras de teatro musical dedicada ao publico infantil, no Brasil, “Os Saltimbancos” narra as aventuras de quatro bichos que, sentindo-se explorados por seus donos, resolvem fugir para a cidade e tentar a sorte como músicos.

A fábula musical foi traduzida e adaptada para o português por Chico Buarque de Hollanda em 1977 da peça teatral de Sergio Bardotti e Luis Enríquez Bacalov, que por sua vez haviam feito uma adaptação do conto “Os Músicos de Bremen”, dos irmãos Grimm, como uma alegoria política, na qual o Burro representaria os trabalhadores do campo; a galinha, a classe operária; o cachorro, os militares e a gata, os artistas. O barão, inimigo dos animais, seria a personificação da elite, ou dos "detentores do meio de produção"..

Montagem teatral[editar | editar código-fonte]

O espetáculo teve estreia histórica no Canecão, no Rio de Janeiro, em agosto de 1977, com direção de Antonio Pedro, e contando no elenco com Marieta Severo (a Gata), Miúcha (a Galinha), Pedro Paulo Rangel (o Cachorro) e Grande Otelo (o Jumento). No coro infantil, estavam, entre outras crianças, Bebel Gilberto (filha de João Gilberto e Miúcha), Isabel Diegues (filha de Nara Leão), Silvia Buarque, Alexandra Marzo e Alice Borges (filha de Antonio Pedro). Os cenários e figurinos foram assinados por Maurício Sette. Chamava a atenção a presença de gigantescos bonecos que representavam os patrões dos bichos e que foram criados justamente nesta proporção para que as crianças pudessem mensurar o poder dos homens em relação aos animais.   Segundo texto do crítico Nelson Motta, que cobriu a estreia para o jornal O Globo, "Embora criado para crianças, Os Saltimbancos pode perfeitamente se inscrever entre os melhores espetáculos para adultos em cartaz na cidade". Completa Nelson Motta em sua crítica: "(...)Me senti invadido por uma luminosa emoção diante de profunda demonstração de amor e respeito de Chico Buarque para as crianças brasileiras, revelando-lhes numa linguagem simples e direta alguns valores fundamentais para a vida de tantos - adultos e crianças". O musical ganhou o Troféu Mambembe na Categoria Especial para Chico Buarque pela adaptação da obra, e o Troféu APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) de Melhor Espetáculo.

Disco de estúdio[editar | editar código-fonte]

O álbum do musical, considerado um clássico e uma preciosidade da Música Popular Brasileira, foi lançado em março de 1977, antes mesmo da estreia do espetáculo. No disco, a interpretação dos animais foi feita por Nara Leão (a Gata), Miúcha (a Galinha), e os cantores do MPB4, Magro (o Jumento) e Ruy (o Cachorro), além do coro infantil.

As canções de “Os Saltimbancos”, como “Bicharia”, “História de uma gata”, “Minha canção” e “Todos juntos”, por exemplo, penetraram no imaginário de gerações de crianças (e adultos) e até hoje são lembradas em escolas e teatros, em diversas remontagens.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Em 1981, Os Trapalhões lançaram também sua versão, Os Saltimbancos Trapalhões, em 2015 foi anunciado por Dedé Santana e Renato Aragão o filme Os Saltimbancos Trapalhões: Rumo a Hollywood.[2][3]

Outras montagens[editar | editar código-fonte]

O espetáculo, desde sua estreia, teve inúmeras remontagens.

  • Em janeiro de 2010 estreou no Rio de Janeiro, no teatro Oi Casa Grande, a mais recente montagem do espetáculo. Dirigido por Cacá Mourthé, o espetáculo trouxe Bianca Byington como a Galinha, Alessandra Verney como a gata, Maurício Tizumba como o jumento e José Mauro Brant como o cachorro. O coro de crianças foi substituído por 10 atores/cantores: Carol Futuro, Joana Penna, Marina Palha, Daíra Saboya, Lina Mendes, Pablo Paleologo, Chris Penna, Jorge Mathias, Pablo Áscoli e Felipe Habib. Alexandre Elias fez a direção musical, Cacala Carvalho fez a preparação vocal e Suely Guerra as coreografias. O cenário é de Sérgio Marimba, figurinos de Kika Lopes e luz de Paulo César Medeiros. Essa montagem foi indicada a cinco prêmios Zilka Sallaberry de Teatro Infantil e deu a Mauricio Tizumba o de melhor ator.



Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]