Paris brûle-t-il?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Is Paris Burning?" redireciona para este artigo. Para o documentário, veja Paris Is Burning.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paris brûle-t-il?
Is Paris Burning? (EU)
Paris Está em Chamas?[1] (BR)
 França
 Estados Unidos

1966 •  pb •  175 min 
Direção René Clément
Produção Paul Graetz
Roteiro Gore Vidal
Francis Ford Coppola
Larry Collins
(livro)
Dominique Lapierre
(livro)
Elenco Jean-Paul Belmondo
Charles Boyer
Leslie Caron
Gênero filme de drama
filme de guerra
filme de ficção histórica
Música Maurice Jarre
Direção de arte Marc Frédérix
Pierre Guffroy
Direção de fotografia Marcel Grignon
Efeitos especiais R.A. MacDonald
A. Paul Pollard
Figurino Pierre Nourry
Jean Zay
Edição Robert Lawrence
Distribuição Paramount Pictures
Lançamento França 26 de outubro de 1966
Estados Unidos 10 de novembro de 1966
Idioma francês
alemão
inglês

Paris brûle-t-il? (Paris Está em Chamas? BRA ) é uma coprodução franco-norte-americana de 1966, do gênero guerra, dirigida por René Clément e estrelada por Jean-Paul Belmondo, Charles Boyer e grande elenco internacional.

Notas sobre a produção[editar | editar código-fonte]

Produção luxuosa sobre a liberação de Paris, o filme foi recebido com indiferença pelo público,[2] em decorrência tanto de sua longa duração quanto de seu roteiro excessivamente episódico.[3]

O elenco reúne uma longa fila de astros, muitos deles em pontas tão pequenas que podem passar despercebidos. Nessa situação, encontram-se Kirk Douglas, Glenn Ford, Anthony Perkins, Jean-Louis Trintignant, George Chakiris, Simone Signoret, Yves Montand, Robert Stack e outros. Uma boa diversão para as plateias modernas seria tentar identificar todos eles ao longo da projeção...[4]

Segundo o autor de The Paramount Story, "as críticas dificilmente teriam sido piores se tivessem sido escritas pelo próprio Hitler".[2]

Principais premiações[editar | editar código-fonte]

Patrocinador Prêmio Categoria Situação
Academia de Artes e Ciências Cinematográficas Oscar Melhor Direção de Arte (preto e branco)
Melhor Fotografia (preto e branco)
Indicado
Indicado
Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood Golden Globe Melhor Trilha Sonora Original Indicado

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Pouco depois do fracassado complô de 20 de julho de 1944 para assassinar Adolf Hitler (Billy Frick), ele nomeia o general Dietrich von Choltitz (Gert Fröbe) como governador militar da Paris ocupada. Hitler acredita que Choltitz obedecerá a sua ordem de que os aliados não devem ser autorizados a capturar Paris sem os alemães destruindo-la completamente, semelhante à destruição planejada de Varsóvia. A Resistência Francesa sabe que os Aliados não estão planejando tomar Paris, mas estão indo direto para a Alemanha em vez disso.

As duas facções dentro da Resistência reagem a esta notícia de forma diferente. Os gaullistas querem esperar e ver, enquanto os comunistas querem agir. Os comunistas forçam a questão pedindo uma revolta geral pelos cidadãos de Paris e ocupando importantes edifícios governamentais. Os gaullistas seguem esse plano de ação quando ele é posto em movimento.

Inicialmente, Choltitz tem a intenção de seguir a ordem de Hitler para nivelar a cidade. Depois que suas tropas não conseguiram desalojar a Resistência da Prefeitura da Polícia, ele ordena que a força aérea alemã bombardeie o prédio, mas retira a ordem por insistência do cônsul sueco Raoul Nordling (Orson Welles), que aponta que as bombas na Prefeitura corre o risco de destruir edifícios culturalmente inestimáveis, como a Catedral de Notre Dame. Choltitz aceita uma oferta de trégua da Resistência (concebida pela facção gaullista), mas os comunistas querem continuar a lutar, apesar da falta de munição. A trégua é, portanto, encurtada a um dia e os combates retomam.

Depois de saber que os alemães planejam destruir Paris (a Torre Eiffel e outros marcos são equipados com explosivos), um mensageiro da Resistência é enviado através das linhas inimigas para entrar em contato com os americanos. Ele implora os Aliados para agirem e depois o general americano Dwight D. Eisenhower dá as Forças Francesas Livres sob o general Charles de Gaullea autorização para mover-se em Paris.

À medida que a situação militar se deteriora, Choltitz atrasa a ordem de destruir Paris, acreditando que Hitler é louco e que a guerra se perde, tornando a destruição de Paris um gesto fútil. Ele prefere se render pouco depois que os Aliados entram na cidade.

Enquanto as Forças Francesas Livres e De Gaulle desfilam pelas ruas de Paris, recebidas por multidões, um receptor de telefone fora do gancho é visto com uma voz em alemão repetidamente perguntando "Paris está em chamas?" Do ar, Paris é vista, seus edifícios ainda de pé.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Alain Delon como Jacques Chaban-Delmas
  • Jean-Paul Belmondo como Morandat/Pierrelot
  • Charles Boyer como Monod
  • Gert Fröbe como Gen. Dietrich von Choltitz
  • Leslie Caron como Françoise Labe
  • George Chakiris como GI no tanque
  • Jean-Pierre Cassel como tenente Henri Karcher
  • Anthony Perkins como sargento Warren
  • Kirk Douglas como General George Patton
  • Simone Signoret como proprietária do Café
  • Orson Welles como Cônsul Raoul Nordling
  • Glenn Ford como o Gen. Omar Bradley
  • Yves Montand como Marcel Bizien
  • Robert Stack como Gen. Edwin Sibert
  • Marie Versini como Claire Morandat
  • Skip Ward como GI com Warren
  • Bruno Cremer como o coronel Henri Rol-Tanguy
  • Claude Dauphin como Coronel Lebel
  • Pierre Dux como Parodi / Cerat
  • Daniel Gélin como Yves Bayet
  • Michel Piccoli como Edgard Pisani
  • Sacha Pitoëff como Frédéric Joliot-Curie
  • Claude Rich como General Jacques Leclerc
  • Jean-Louis Trintignant como Capitão Serge
  • Pierre Vaneck como Major Roger Gallois
  • Ernst Fritz Fürbringer como von Boineburg
  • Jean-Pierre Zola como Cpl.Mayer
  • Pascal Fardoulis como Gilet
  • Joe Warfield como Major com Chaban-Delmas
  • Henia Suchar como operador de central de prefeitura
  • Clara Gansard como esposa do coronel Rol
  • Joelle Latour como Jovem com Warren
  • Michel Puterflam como Laffont
  • Felix Marten como Landrieu
  • Roger Lumont como "Jade Amicol"
  • Jean-Pierre Honore como Alain Perpezat
  • Karl-Otto Alberty como oficial da SS, Bayeux/ladrão
  • Aime DeMarch como Roland Pre
  • Hubert DeLapparent como Huissier Matignon
  • Pierre Mirat como proprietário do café
  • Jean Negroni como Villon
  • Peter Neusser como oficial da SS, Bayeux Tapestry ladrão
  • Konrad Georg como modelo de Walter
  • Claus Holmcomo Huhm
  • Joachim Hansen como Comandante da prisão de Fresnes
  • Georges Géretc omo Cmdr.George
  • Billy Frick como Adolf Hitler
  • Hannes Messemer como General Alfred Jodl
  • Harry Meyen como Tenente von Arnim
  • Peter Jacob como Gen. Burgdorf
  • Billy Kearns como assessor de Patton
  • Michel Lonsdale como Jacques Debu-Bridel
  • Pierre Collet como policial da Resistência
  • Georges Claisse como estagiário com Monod
  • Bernard Fresson como agente de ligação
  • Michel Etcheverry como Prefeito Luizet
  • Paul Crauchetc omo o Curé
  • Suzy Delair como um Parisienne
  • Jean Valmont das forças francesas do interior
  • Serge Rousseau como o Coronel Fabien
  • Albert Rémy como o Gendarme
  • Wolfgang Preiss como Capitão Ebernach
  • Georges Staquet como Capitão Dronne
  • Jean-Michel Rouziere como Cavalheiro com o cão
  • Helmuth Schneider como Adjutant alemão do metro
  • Maria Machado como Stella
  • Günter Meisner como Comandante SS Pantin
  • EG Marshall como Oficial de Inteligência Powell
  • Georges Poujouly como Landrieux
  • Del Negro como Diretor com Chaban-Delmas
Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. Paris Está em Chamas? no CinePlayers (Brasil)
  2. a b Eames, John Douglas (1985). The Paramount Story (em inglês). Londres: Octopus Books. ISBN 0706420578 
  3. Butler, Craig. «Is Paris Burning?» (em inglês). AllMovie. Consultado em 25 de janeiro de 2017. 
  4. Erickson, Hal. «Is Paris Burning?» (em inglês). AllMovie. Consultado em 25 de janeiro de 2017. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme francês é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.