Plataforma continental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Em oceanografia, geomorfologia e geologia, chama-se plataforma continental à porção dos fundos marinhos que começa na linha de costa e desce com um declive suave até o talude continental (onde o declive é muito mais pronunciado). Em média, a plataforma continental desce até uma profundidade de 200 metros, atingindo as bacias oceânicas.

A plataforma, juntamente com o talude continental e os depósitos sedimentares, quando existentes, compõe aquilo que é chamado de margem continental, isto é, a parte ainda pertencente à crosta continental, porém submersa.

As plataformas têm o seu grau de inclinação e extensão determinados logo em sua gênese, pelo rifte que criou o oceano, mantendo suas características pela sedimentação então vigente. As características estruturais desse relevo peculiar são importantes científica e economicamente. Na vertente econômica, principalmente pelo fato de grande parte do petróleo explorado pelo mundo se encontrar nessas regiões sedimentares. Cientificamente, porque a plataforma continental é o local que abriga as principais evidências da eustasia, por exemplo, com beach rocks, vales entalhados, linhas de costas registradas e sua fauna fossilizada, entre outros vestígios geológicos.

Topografia[editar | editar código-fonte]

Localização da plataforma continental.

Uma plataforma continental é uma plataforma submarina pouco profunda, localizada nas margens de um continente, que se inclina para o mar com um pendor suave que, em média, apresenta um ângulo de 0,1°[1] . Em direcção aos fundos oceânicos, a plataforma termina no talude continental, uma zona de acentuado pendor que marca a transição entre a crusta continental e a crusta oceânica.
A plataforma continental é relativamente larga (70 a 80 km em média, embora por vezes atingindo várias centenas de quilómetros), mas pouco profunda (de 0 a -130 ou -180 m)[2] . A área de plataforma é normalmente subdividida em plataforma continental proximal, plataforma continental média e plataforma continental distal, cada uma delas com as suas especificidades nos domínios da geomorfologia, da sedimentologia e da biologia marinha.

Biota[editar | editar código-fonte]

Biomas Marítimos da Plataforma Continental (Classificação do WWF Global 200)[editar | editar código-fonte]

A Classificação tem 232 Biorregiões, da costa até 100 milhas náuticas de distância no mínimo ou no mínimo 200 m de profundidade: [3]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Plataforma Continental Australiana

Plataforma Continental Brasileira

Plataforma Continental Irlandesa

Plataforma Continental Russa

Referências

  1. Plummer & McGeary (1996). Physical Geology. WCB Publishers, Dubuque (IA), 539p. ISBN 0-697-26676-1
  2. Boillot, G. (1984)- Geología de los Márgenes Continentales - tradução espanhola do original francês (1984) para Masson S.A., Barcelona ISBN 84-311-0340-X
  3. WWF Marine Ecoregions of the World [1]. Acedido em 30 de janeiro de 2009.