Pretérito mais-que-perfeito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O pretérito mais-que-passado é um tempo verbal que se refere ao pretérito do pretérito, ou seja, descreve uma ação que ocorreu antes do pretérito perfeito. Ele ocorre nas línguas portuguesa, francesa, espanhola, entre outras. Diferentemente de outros substantivos compostos por palavras de ligação, o Acordo ortográfico de 1990 preservou o hífen na palavra pretérito mais-que-passado, pode ser usado também para expressar desejo ou vontade, como nas orações: "Tomara que eu me cure desta doença", "Quem me dera ter nascido em berço de ouro", etc.[1]

Pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo[editar | editar código-fonte]

Mais comum na linguagem falada, é formado quando se junta os verbos ter ou haver (flexionados no pretérito imperfeito do indicativo) com o verbo principal no particípio:

  • "Eu já havia marcado um encontro com ela, quando você me convidou", pode ser reescrito como "Eu já marcara um encontro com ela, quando você me convidou".
  • "Tínhamos visto uma assombração quando você chegou", pode ser reescrito como "Víramos uma assombração quando você chegou".
  • "Ele já tinha estudado as lições quando os amigos chegaram", pode ser reescrito como "Ele já estudara as lições quando os amigos chegaram".[2]

Referências

  1. Pestana, Fernando (2017). «Capítulo 12: Verbos». A Gramática para Concursos Públicos: teoria completa e mais de 1.300 questões comentadas 3. ed rev, atual. e ampl. ed. São Paulo: Método. p. 391. 1099 páginas. ISBN 978-85-309-7598-2 
  2. Só Português. «Tempos Verbais». Consultado em 27 de junho de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.