Rádio Baré

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rádio Baré
Rádio Baré Ltda.
País  Brasil
Frequência(s) AM 1440 kHz
OT 4895 kHz
Sede Bandeira de Manaus.svg Manaus, AM
Avenida Tefé, 3045 - Japiim
Fundação 7 de setembro de 1939
Extinção 3 de agosto de 2015
Fundador Lizardo Rodrigues
Pertence a Jornal do Commercio
Proprietário(s) Lizardo Rodrigues (1939-1945)
Assis Chateaubriand (1945-1968)
Condomínio Acionário (1968-1985)
Guilherme Aluízio de Oliveira Silva (1985-2015)
Formato Comercial
Afiliações anteriores Rádio Globo (2007-2009)
Rede Aleluia (2009-2014)
Idioma (português brasileiro)
Prefixo ZYH 285 (AM)
ZYF 270 (OT)
Nome(s) anterior(es) Rádio Baré (1939-2007)
Rádio Globo Manaus (2007-2009)
Cobertura Estado do Amazonas
CBN Amazônia Manaus

Rádio Baré foi uma estação de rádio brasileira sediada em Manaus, capital do estado do Amazonas. Operava no dial AM, na frequência 1440 kHz, além de ondas tropicais em 4895 kHz. Fundada em 1939, pertenceu aos Diários Associados entre 1945 e 1985, e ao Jornal do Commercio entre 1985 e 2015, quando foi extinta e teve sua frequência arrendada para a Rede Amazônica, dando lugar à CBN Amazônia Manaus.

História[editar | editar código-fonte]

1939 a 1985[editar | editar código-fonte]

Foi o radioamador Lizardo Rodrigues o fundador da Rádio Baré. Inicialmente com o nome de Voz da Baricéia, um pequenino transmissor e pouca coisa mais, ele deu início à irradiação a partir de sua residência na Rua José Paranaguá, 383, no centro de Manaus. Desde aí mudou-se depois para um prédio maior na Avenida Sete de Setembro. Em 1945, seu controle passou para o domínio dos Diários Associados, do embaixador Assis Chateaubriand e sua sede mudou-se para os altos do prédio situado na Avenida Eduardo Ribeiro, 566, sendo seu primeiro diretor o jornalista Josué Cláudio de Souza, que com a aquisição da emissora, iniciou-se a era do rádio amazonense propriamente dita.

A Rádio Baré foi inovadora em várias áreas de suas atividades, destaque para as comédias e as novelas, além de faro noticiário voltado para a capital e o interior do Estado. Através de sua frequência de ondas tropicais - de larga penetração nos rincões amazônicos - o programa Avisos para o Interior se revelou como único meio de ligação entre a capital e as regiões mais remotas. Eram familiares da capital que mandavam suas mensagens e recomendações e também seus pedidos e encomendas de tudo que se imaginava pudesse ser remetido para Manaus. Além dos avisos, os oferecimentos musicais na interpretação dos cantores preferidos também representavam o elo de ligação entre os ouvintes distantes.

A partir da década de 1950, ganhou força o movimento artístico representado pelas comédias e novelas, tendo a Rádio Baré formado então uma seleção de atores e atrizes que até hoje é lembrada pela qualidade das produções realizadas. Vem daquela época a recordação de profissionais como Alfredo Fernandes, Josaphá Pires, Jerusa Mustafa, Jaime Rebelo etc.

1985 a 2007[editar | editar código-fonte]

Em 1985, com a crise que se formou nos Diários Associados desde a morte de Assis Chateaubriand e agravada com a falência da Rede Tupi em 1980, o Condomínio Acionário põe à venda os ativos do grupo no Amazonas. A Rádio Baré e o Jornal do Commercio foram então vendidos para o jornalista Guilherme Aluízio de Oliveira Silva. A TV Baré por sua vez foi vendida para um dos seus acionistas, o jornalista Umberto Calderaro Filho, que em 2 de junho de 1986 renomeou a emissora para TV A Crítica. Após a venda, a Rádio Baré passou a funcionar junto ao parque gráfico do Jornal do Commercio, no bairro do Japiim.

2007 a 2015[editar | editar código-fonte]

Em 10 de agosto de 2007, a Rádio Baré afilia-se à Rádio Globo, passando a se chamar Rádio Globo Manaus e integrando-se ao Sistema Globo de Rádio. A programação local passa a ser composta pelos programas Globo Cidade, com Adeilson Albuquerque, Manhã da Globo, com Carlos Araújo, e Globo Esportivo, com Ary Neto. Os profissionais Mario Célio, Gustav Cervinka e Anderson Silva passaram pela emissora. As jornadas esportivas eram comandadas por Ary Neto e Adeilson Albuquerque na narração; Teófilo Mesquita, Nelson Brilhante e Jorge Atlas nos comentários, e Aldrín Pontes, Paulo Rogério e Janderson Ribeiro como repórteres. O restante da grade da emissora era majoritariamente preenchido pela programação da rede gerada a partir do Rio de Janeiro.[1]

No ano de 2009, a parceria com a Rádio Globo se encerra, e a emissora volta a se chamar Rádio Baré. Os profissionais da emissora são dispensados, e toda a grade de programação é arrendada para a Igreja Universal do Reino de Deus. A Rádio Baré passa então a retransmitir os programas e cultos da IURD através da Rede Aleluia.

No fim de 2014, a emissora é arrendada para a Rede Amazônica, do empresário Phelippe Daou. No lugar da programação da Rede Aleluia, passou a ser repetido o áudio da Amazonas FM, também pertencente ao grupo, e em 4 de agosto de 2015, estreou a CBN Amazônia Manaus.[2][3][4]

Posteriormente[editar | editar código-fonte]

Enquanto operava como CBN Amazônia, a emissora migrou para o FM em novembro de 2016.[5][6] O arrendamento foi encerrado em 5 de fevereiro de 2018, quando a CBN Amazônia substituiu a Amazonas FM e deixou a 95.7 FM, a frequência passou a transmitir a Rádio ALEAM no lugar da CBN Amazônia.[7] Posteriormente, um acordo foi firmado entre o Jornal do Commercio e a Rede Diário de Comunicação, para lançar um novo projeto na frequência,[8] que veio a ser a Diário FM, cuja estreia ocorreu no mês seguinte.

Referências

  1. «Grupo JC lança Rádio Globo». Jornal do Commercio. 6 de agosto de 2007. Consultado em 7 de fevereiro de 2018. 
  2. Bacellar, Clarissa (4 de agosto de 2015). «CBN Amazônia Manaus está no ar». Radar 10. Consultado em 19 de fevereiro de 2016. 
  3. «CBN Amazônia entra no ar no AM e pode ser ouvida no rádio e na internet». G1. 4 de agosto de 2015. Consultado em 19 de fevereiro de 2016. 
  4. Massaro, Carlos (5 de agosto de 2015). «Exclusivo: CBN estreia no dial AM de Manaus e Rádio Estadão surge em FM». Tudo Rádio. Consultado em 19 de fevereiro de 2016. 
  5. «Rádio CBN Amazônia passa a ser transmitida na faixa FM 95,7». G1. 14 de novembro de 2016. Consultado em 15 de novembro de 2016. 
  6. Maria, Tânair (15 de novembro de 2016). «Rádio Baré e CBN Amazônia agora em FM». Jornal do Commercio. Consultado em 6 de fevereiro de 2018. 
  7. Starck, Daniel (5 de fevereiro de 2018). «CBN substitui hoje a Amazonas FM em Manaus e a Acre FM em Rio Branco». Tudo Rádio. Consultado em 5 de fevereiro de 2018. 
  8. Hiel Levy (5 de fevereiro de 2018). «Urgente: Grupo Diário assume a direção da rádio Baré (ex-CBN Amazônia), após acordo». Blog do Hiel Levy. Consultado em 6 de fevereiro de 2018. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Rádio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.