Refúgio de Vida Silvestre da Ilha dos Lobos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Refúgio de Vida Silvestre da Ilha dos Lobos
Categoria III da IUCN (Monumento Natural)
Lobo-marinho-antártico (Arctocephalus gazella), comum na Ilha dos Lobos
Localização Rio Grande do Sul, Brasil
Dados
Área 152 ha[1]
Criação 04 de julho de 1983
Gestão ICMBio[2]
Coordenadas 29° 20' 49" S 49° 42' 16" O
Refúgio de Vida Silvestre da Ilha dos Lobos está localizado em: Brasil
Refúgio de Vida Silvestre da Ilha dos Lobos

O Refúgio de Vida Silvestre da Ilha dos Lobos é uma unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza localizada na Ilha dos Lobos, no litoral do município gaúcho de Torres[3].

A Ilha dos Lobos, junto com o Refúgio de Vida Silvestre do Molhe Leste, em São José do Norte, e o Parque Nacional da Lagoa do Peixe, em Mostardas, é um dos maiores pontos de concentração de pinípedes o longo da costa brasileira[3][4]. No caso, abrigando populações de leão-marinho, lobo-marinho-sul-americano e lobo-marinho-subantártico[3].

Seu objetivo é "preservar os ecossistemas naturais existentes, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades controladas de educação ambiental, recreação e turismo ecológico"[5], especialmente em relação ao habitat para os leões-marinhos e lobos-marinhos.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Reserva Ecológica Ilha dos Lobos foi criada em 04 de julho de 1983 através do Decreto da Presidência da República de Nº 88.463. O Decreto presidencial S/Nº de 04 de julho de 2005 revogou o original, recategorizando a reserva ecológica em refúgio de vida silvestre.[5][6] Sua administração está atualmente a cargo do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Referências

  1. «Revis Ilha dos Lobos». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Consultado em 3 de fevereiro de 2012 
  2. «REFUGIO DE VIDA SILVESTRE ILHA DOS LOBOS». Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. 3 de fevereiro de 2012. Consultado em 3 de fevereiro de 2012 
  3. a b c Albano, Backes (2012). «Áreas protegidas no estado do Rio Grande do Sul: o esforço para a conservação» (PDF). Pesquisas Botânicas, v. 63, p. 225-355. Consultado em 28 de dezembro de 2018
  4. «Análise do impacto causado pelo tow-in (surfe de reboque) e pelo turismo de observação embarcado sobre os pinípedes do revis da Ilha dos Lobos, Torres, RS» (PDF). XII Congresso Latino-americano de Ciências do Mar. 19 de abril de 2007. Consultado em 3 de fevereiro de 2012 
  5. a b «DECRETO DE 4 DE JULHO DE 2005». Presidência da República - Casa Civil- Subchefia para Assuntos Jurídicos. 04 de junlho de 2005. Consultado em 3 de fevereiro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «DECRETO Nº 88.463, DE 4 DE JULHO DE 1983». Presidência da República - Casa Civil- Subchefia para Assuntos Jurídicos. 4 de julho de 1983. Consultado em 3 de fevereiro de 2012 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.