Relações entre China e Paquistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Relações entre China e Paquistão
Bandeira da China   Bandeira do Paquistão
Mapa indicando localização da China e do Paquistão.
  China
Mapa mostrando os territórios disputados: verde: Caxemira Livre e Territórios do Norte, sob controle do Paquistão; marrom-escuro: Jammu e Caxemira, sob controle da Índia; Aksai Chin, sob ocupação da República Popular da China.

As relações entre China e Paquistão são as relações diplomáticas estabelecidas entre a República Popular da China e a República Islâmica do Paquistão. Ambos são vizinhos, com uma extensão de 523 km na fronteira entre os dois países.

Desde que estabeleceram relações diplomáticas em 1951, a China e o Paquistão desfrutam de uma relação estreita e mutuamente benéfica. O Paquistão foi um dos primeiros países a reconhecer a República Popular da China, em 1950, e manteve-se um aliado firme durante o período de isolamento internacional de Pequim nos anos 1960 e início dos anos 1970. A China, há muito tempo, fornece ao Paquistão uma grande assistência militar, técnica e econômica, incluindo a transferência de tecnologia e equipamentos nucleares sensíveis.

As disputas de fronteira da China com a Índia, que causaram um conflito entre os dois países em 1962, e a Guerra Indo-Paquistanesa de 1965, testemunharam a existência de uma ameaça comum relacionada á segurança e a necessidade de fortes laços de defesa entre os dois.[1]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

2011[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2011, em uma reunião que ocorreu na China entre o primeiro-ministro, Wen Jiabao, e o primeiro-ministro do Paquistão, Yousuf Raza Gillani, foi reafirmada a amizade entre os países, em meio à crise entre Estados Unidos e Paquistão provocada pela morte de Osama bin Laden. Esta reunião foi interpretada por analistas como um pacto de proteção contra a influência dos Estados Unidos na região.[2]

Cooperação militar[editar | editar código-fonte]

O papel da China como um grande fornecedor de armas para o Paquistão começou na década de 1960 e incluiu a assistência na construção de uma série de fábricas de armas no Paquistão e o fornecimento de sistemas de armas completos. Após a imposição de sanções dos Estados Unidos ao Paquistão em 1990, a China tornou-se o principal fornecedor de armas do país. A colaboração atual inclui treinamento de pessoal, exercícios militares conjuntos, compartilhamento de informações e esforços de contraterrorismo. O Paquistão está produzindo o caça multiuso JF-17 Thunder em conjunto com a China.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre relações exteriores é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.