Países com armamento nuclear

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Países com armas nucleares.
  Estados com Armas Nucleares (EAN) (China, França, Rússia, Reino Unido e EUA)
  Estados com Armas Nucleares não EAN (Índia, Coreia do Norte, Paquistão)
  Estados com Armas Nucleares não declaradas (Israel)
  Países que compartilham armas nucleares com a OTAN (Bélgica, Alemanha, Itália, Países Baixos e Turquia)
  Estados que possuíam armas nucleares anteriormente (Bielorrússia, Cazaquistão, Ucrânia e África do Sul)

Nações que comprovada ou supostamente possuem armas nucleares são por vezes referidas como clube nuclear. Existem atualmente nove Estados que conseguiram detonar armas nucleares. Cinco são considerados "Estados com armas nucleares" (EAN), um estatuto reconhecido internacionalmente pelo Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). Em ordem de aquisição de armas nucleares, estes países são: os Estados Unidos, Rússia (Estado sucessor da União Soviética), o Reino Unido, França e China.

Desde que o TNP entrou em vigor em 1970, três Estados que não faziam parte do Tratado têm realizado testes nucleares, nomeadamente Índia, Paquistão e Coreia do Norte. A Coreia do Norte assinou o TNP, mas retirou-se do tratado em 2003. Israel também é amplamente acreditado como um país dotado de armamento nuclear, mas se recusa a confirmar ou negar essa condição.[1] O estatuto dessas nações não é formalmente reconhecido por organismos internacionais, já que nenhum deles faz parte do TNP. A África do Sul chegou a desenvolver armas nucleares,[2] mas em 1991 o então presidente do país, Frederik de Klerk ordenou o desmantelamento de todas as bombas.[3][4]

Em 2005, o Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) classificou o Irã como um país em inconformidade com o TNP[5][6] em uma rara decisão sem consenso.[7] Por três vezes o Conselho de Segurança da ONU impôs sanções contra o Irã quando este se recusou a suspender seu enriquecimento não declarado.[8][9][10][11] O Irã alegou que as sanções são ilegais[12] e o obrigavam a abandonar seus direitos dentro do TNP de desenvolver tecnologia nuclear pacífica.[8]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Grande estoque de armas nucleares com alcance global (azul escuro), estoque menor com alcance global (azul), estoque pequeno com alcance regional (azul claro).

A seguir está uma lista de Estados que admitiram a posse de armas nucleares ou se presume que as possuam, o número aproximado de ogivas sob seu controle e o ano em que testaram sua primeira arma e sua configuração de força. Esta lista é informalmente conhecida na política global como o "Clube Nuclear". [13][14] Com exceção da Rússia e dos Estados Unidos (que submeteram suas forças nucleares a verificação independente sob vários tratados), esses números são estimativas, em alguns casos estimativas pouco confiáveis. Em particular, sob o Tratado sobre Reduções de Ofensiva Estratégica, milhares de ogivas nucleares russas e americanas estão inativas em estoques aguardando processamento. O material físsil contido nas ogivas pode então ser reciclado para uso em reatores nucleares.

De uma alta de 70,3 mil armas ativas em 1986, Desde 2019 existem aproximadamente 3.750 ogivas nucleares ativas e 13.890 ogivas nucleares totais no mundo.[15] Muitas das armas desativadas foram simplesmente armazenadas ou parcialmente desmontadas, não destruídas.[16]

País Ogivas ativas/total Ano do primeiro teste Número de testes TNP CTBT[17]
Estados Unidos 1 600/6 500[15][18] 1945 (Experiência Trinity) 1 032-1 085[19][20] Signatário Signatário
Rússia 1 600/6 850[15] 1949 (RDS-1) 715-840[19][20] Signatário Ratificado
Reino Unido 120/215[15] 1952 (Hurricane) 45[19] Signatário Ratificado
França 290/300[15] 1960 (Gerboise Bleue) 210[19] Signatário Ratificado
China n.a./260[15] 1964 (596) 45[19] Signatário Signatário
Índia n.a./130-140[15] 1974 (Smiling Buddha) 6[19] Não signatário Não signatário
Paquistão n.a./140-150[15] 1998 (Chagai-I)[21] 5[19] Não signatário Não signatário
Coreia do Norte n.a./20-30[15][22] 2006[23] 6[24] Não signatário Não signatário
Israel n.a./80[15][nota 1][nota 2] Desconhecido Desconhecido Não signatário Signatário

Estados reconhecidos como possuidores de armas nucleares[editar | editar código-fonte]

Esses cinco países são conhecidos por terem detonado um explosivo nuclear antes de 1º de janeiro de 1967 e, portanto, são oficialmente Estados com armas nucleares sob o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares. Eles também são os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU com poder de veto nas resoluções do CSNU.

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Estágio inicial na bola de fogo "Trinity", a primeira explosão nuclear da história, 1945

Os Estados Unidos desenvolveram as primeiras armas nucleares durante a Segunda Guerra Mundial em cooperação com o Reino Unido e o Canadá como parte do Projeto Manhattan, com medo de que a Alemanha Nazista as desenvolvesse primeiro (ver: Projeto de energia nuclear alemão). Naquele período, o Império do Japão também tencionou desenvolver armas nucleares (ver: Programa japonês de armas nucleares).

Os EUA testaram a primeira arma nuclear em 16 de julho de 1945 ("Trinity") às 5h30, e continua sendo o único país a ter usado armas nucleares na guerra, devastando as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. As despesas do projeto até 1º de outubro de 1945 foram de 1,845 a 2 bilhões de dólares, em termos nominais,[26][27] aproximadamente 0,8% do PIB dos Estados Unidos em 1945 e equivalente a cerca de 29 bilhões de dólares em dinheiro em 2020.[28]

Foi a primeira nação a desenvolver a bomba de hidrogênio, testando um protótipo experimental em 1952 ("Ivy Mike") e uma arma implantável em 1954 ("Castelo Bravo"). Ao longo da Guerra Fria, continuou a modernizar e ampliar seu arsenal nuclear, mas a partir de 1992 esteve envolvido principalmente em um programa de administração de estoques.[29][30][31][32] O arsenal nuclear estadunidense continha 31.175 ogivas no auge da Guerra Fria (em 1966).[33] Durante a Guerra Fria, os Estados Unidos construíram aproximadamente 70 mil ogivas nucleares, mais do que todos os outros Estados com armas nucleares juntos.[34][35]

Rússia (sucessora da União Soviética)[editar | editar código-fonte]

Estoques de armas nucleares dos EUA e da URSS/Rússia, 1945–2014

A União Soviética testou sua primeira arma nuclear ("RDS-1") em 1949. Este projeto de colisão foi desenvolvido parcialmente com informações obtidas via espionagem nuclear durante e após a Segunda Guerra Mundial (ver: Casal Rosenberg). Foi a segunda nação a desenvolver e testar uma arma nuclear. A motivação direta para o desenvolvimento das armas soviéticas foi alcançar um equilíbrio de poder durante a Guerra Fria. O país testou sua primeira bomba de hidrogênio de alcance de megatons ("RDS-37") em 1955. A União Soviética também testou o explosivo mais poderoso já detonado por humanos ("Tsar Bomba"), com um rendimento teórico de 100 megatons, intencionalmente reduzido a 50 quando detonado. Após sua dissolução em 1991, as armas soviéticas passaram oficialmente para a posse da Federação Russa.[36] O arsenal nuclear soviético continha cerca de 45 mil ogivas em seu auge (em 1986); a União Soviética construiu cerca de 55 mil ogivas nucleares desde 1949.[35]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

O Reino Unido testou sua primeira arma nuclear ("Hurricane") em 1952. O país havia fornecido um impulso considerável e pesquisa inicial para a concepção inicial da bomba atômica, auxiliado por físicos austríacos, alemães e poloneses que trabalhavam em universidades britânicas que haviam fugido ou decidido não retornar à Alemanha Nazista ou aos territórios controlados pelos nazistas. O Reino Unido colaborou estreitamente com os Estados Unidos e o Canadá durante o Projeto Manhattan, mas teve que desenvolver seu próprio método para fabricar e detonar uma bomba à medida que o sigilo estadunidense crescia depois de 1945. O Reino Unido foi o terceiro país do mundo, depois dos Estados Unidos e da União Soviética, a desenvolver e testar uma arma nuclear. Seu programa foi motivado para ser um dissuasor independente contra a União Soviética, ao mesmo tempo em que mantinha seu status de grande potência. Testou sua primeira bomba de hidrogênio em 1957 (Operação Grapple), tornando-se o terceiro país a fazê-lo depois dos Estados Unidos e da União Soviética.[37][38]

O Reino Unido manteve uma frota de bombardeiros estratégicos V e submarinos de mísseis balísticos (SSBNs) equipados com armas nucleares durante a Guerra Fria. Atualmente mantém uma frota de quatro submarinos de mísseis balísticos da classe Vanguard equipados com mísseis Trident II. Em 2016, a Câmara dos Comuns do Reino Unido votou para renovar o sistema de armas nucleares britânico com a classe Dreadnought de submarinos, sem definir uma data para o início de serviço de uma substituição ao sistema atual.

França[editar | editar código-fonte]

O porta-aviões de propulsão nuclear francês Charles de Gaulle (à direita) e o porta-aviões estadunidense de propulsão nuclear USS Enterprise (à esquerda), cada um dos quais transporta aviões de guerra com capacidade nuclear

A França testou sua primeira arma nuclear em 1960 ("Gerboise Bleue"), baseada principalmente em sua própria pesquisa. Foi motivado pela tensão diplomática da Crise de Suez em relação à União Soviética e seus aliados, os Estados Unidos e o Reino Unido. Também foi relevante para manter o status de grande potência, ao lado do Reino Unido, durante a Guerra Fria pós-colonial. A França testou sua primeira bomba de hidrogênio em 1968 ("Operação Canopus"). Após a Guerra Fria, a França desarmou 175 ogivas com a redução e modernização de seu arsenal que agora evoluiu para um sistema duplo baseado em mísseis balísticos lançados por submarinos (SLBMs) e mísseis ar-superfície de médio alcance (bombardeiros Rafale). No entanto, novas armas nucleares estão em desenvolvimento e esquadrões nucleares reformados foram treinados durante as operações Liberdade Duradoura no Afeganistão.

A França aderiu ao Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP) em 1992.[39] Em janeiro de 2006, o presidente Jacques Chirac declarou que um ato terrorista ou o uso de armas de destruição em massa contra a França resultaria em um contra-ataque nuclear.[40] Em fevereiro de 2015, o presidente François Hollande enfatizou a necessidade de uma dissuasão nuclear em "um mundo perigoso". Ele também detalhou o impedimento francês como "menos de 300" ogivas nucleares, três conjuntos de 16 mísseis balísticos lançados por submarinos e 54 mísseis ar-terra de médio alcance e instou outros Estados a mostrar transparência semelhante.[41]

China[editar | editar código-fonte]

Nuvem de cogumelo do primeiro teste nuclear da China, o Projeto 596

A China testou seu primeiro dispositivo de arma nuclear ("596") em 1964 no local de teste de Lop Nur. A arma foi desenvolvida como um impedimento contra os Estados Unidos e a União Soviética. Dois anos depois, a China tinha uma bomba de fissão capaz de ser colocada em um míssil nuclear. Testou sua primeira bomba de hidrogênio ("Teste No. 6") em 1967, 32 meses depois de testar sua primeira arma nuclear (o desenvolvimento de fissão-fusão mais curto conhecido na história).[42] A China é o único Estado de armas nucleares do TNP a dar uma garantia de segurança negativa não qualificada com sua política de "não primeiro uso".[43][44] A China aderiu ao Tratado de Não Proliferação Nuclear em 1992.[39] Em 2016, a China colocou SLBMs a bordo de seus submarinos JL-2.[45] Em maio de 2021, a China tinha um estoque total estimado de 350 ogivas.[46]

Estados que declararam posse de armas nucleares[editar | editar código-fonte]

Índia[editar | editar código-fonte]

A Índia não é parte do Tratado de Não Proliferação Nuclear e adotou a política de "não primeiro uso nuclear" em 1998. O país testou o que é chamado de "explosivo nuclear pacífico" em 1974, que ficou conhecido como Smiling Buddha ("Buda Sorridente"). O teste foi o primeiro teste desenvolvido após a criação do TNP e criou novas questões sobre como a tecnologia nuclear civil poderia ser desviada secretamente para fins de armas (tecnologia de uso duplo). O desenvolvimento secreto da Índia causou grande preocupação e raiva, particularmente das nações que forneceram seus reatores nucleares para necessidades pacíficas e geradoras de energia, como o Canadá.[47]

Míssil indiano Agni-V em uma parada militar

Autoridades indianas rejeitaram o TNP na década de 1960, alegando que ele criava um mundo de "possuidores" e "desprovidos" de armas nucleares, argumentando que restringia desnecessariamente a "atividade pacífica" (incluindo "explosivos nucleares pacíficos") e que a Índia não permitira o controle internacional de suas instalações nucleares, a menos que todos os outros países se engajem no desarmamento unilateral de suas próprias armas nucleares. A posição indiana também afirmou que o TNP é, em muitos aspectos, um regime neocolonial projetado para negar segurança às potências pós-coloniais.[48] Mesmo após o teste de 1974, a Índia sustentou que sua capacidade nuclear era principalmente "pacífica", mas entre 1988 e 1990 aparentemente armamentou duas dúzias de armas nucleares para lançamento por via aérea.[49] Em 1998, a Índia testou ogivas nucleares armadas Pokhran-II ("Operação Shakti"), incluindo um dispositivo termonuclear.[50]

Em julho de 2005, o presidente estadunidense George W. Bush e o primeiro-ministro indiano Manmohan Singh anunciaram planos para concluir um acordo nuclear civil indo-americano.[51] Isso se concretizou por meio de uma série de etapas que incluíram o plano anunciado da Índia para separar seus programas nucleares civis e militares em março de 2006,[52] a aprovação do Acordo Nuclear Civil Índia-Estados Unidos pelo Congresso dos EUA em dezembro de 2006, a conclusão de um acordo de cooperação nuclear EUA-Índia em julho de 2007,[53] a aprovação pela AIEA de um acordo de salvaguardas específico da Índia,[54] um acordo pelo Grupo de Fornecedores Nucleares para uma isenção de restrições de exportação para a Índia,[55] a aprovação pelo Congresso dos EUA[56] e, por fim, a assinatura do acordo EUA-Índia para cooperação nuclear civil[57] em outubro de 2008. O Departamento de Estado dos EUA disse que deixou "muito claro que não reconheceria a Índia como um Estado com armas nucleares".[58] Os Estados Unidos estão vinculados ao Hyde Act com a Índia e podem cessar toda a cooperação se a Índia detonar um dispositivo explosivo nuclear. Os EUA disseram ainda que não é sua intenção ajudar a Índia no projeto, construção ou operação de tecnologias nucleares sensíveis por meio da transferência de itens de dupla utilização.[59] Ao estabelecer uma isenção para a Índia, o Grupo de Fornecedores Nucleares reservou-se o direito de consultar quaisquer questões futuras que possam incomodá-lo.[60] Em maio de 2021, estimava-se que a Índia tinha um estoque de cerca de 160 ogivas.[61]

Paquistão[editar | editar código-fonte]

Mísseis paquistaneses em uma exposição militar em Karachi

O Paquistão também não é parte do Tratado de Não Proliferação Nuclear e desenvolveu armas nucleares secretamente ao longo de décadas, começando no final dos anos 1970. O Paquistão mergulhou pela primeira vez na energia nuclear após o estabelecimento de sua primeira usina nuclear perto de Karachi com equipamentos e materiais fornecidos principalmente por nações ocidentais no início da década de 1970. O presidente paquistanês Zulfiqar Ali Bhutto prometeu em 1971 que, se a Índia pudesse construir armas nucleares, o Paquistão também o faria, segundo ele: "Vamos desenvolver estoques nucleares, mesmo que tenhamos que comer grama".[62]

Acredita-se que o Paquistão possui armas nucleares desde meados da década de 1980.[63] Os Estados Unidos continuaram a certificar que o Paquistão não possuía tais armas até 1990, quando as sanções foram impostas sob a Emenda Pressler, exigindo um corte da assistência econômica e militar dos EUA ao Paquistão.[64] Em 1998, o Paquistão realizou seus primeiros seis testes nucleares (Chagai-I),[21] em Ras Koh Hills em resposta aos cinco testes realizados pela Índia algumas semanas antes.

Em 2004, o metalúrgico paquistanês Abdul Qadeer Khan, uma figura chave no programa de armas nucleares do Paquistão, confessou estar à frente de uma rede internacional de mercado negro envolvida na venda de tecnologia de armas nucleares. Em particular, Khan estava vendendo tecnologia de centrifugação a gás para a Coreia do Norte, Irã e Líbia. Khan negou a cumplicidade do governo ou do exército paquistanês, mas isso foi questionado por jornalistas e funcionários da AIEA e mais tarde foi desmentido por declarações do próprio Khan.[65]

No início de 2013, estimava-se que o Paquistão tinha um estoque de cerca de 140 ogivas[66] e em novembro de 2014 foi projetado que até 2020 o Paquistão teria material físsil suficiente para 200 ogivas.[67]

Coreia do Norte[editar | editar código-fonte]

Míssil balístico da Coreia do Norte

A Coreia do Norte era parte do Tratado de Não Proliferação Nuclear, mas anunciou uma retirada em 10 de janeiro de 2003, depois que os Estados Unidos a acusaram de ter um programa secreto de enriquecimento de urânio e cortar a assistência energética sob o Acordo de 1994. Em fevereiro de 2005, a Coreia do Norte alegou possuir armas nucleares funcionais, embora a falta de um teste na época tenha levado muitos especialistas a duvidar da afirmação. Em outubro de 2006, o país afirmou que, em resposta à crescente intimidação dos Estados Unidos, realizaria um teste nuclear para confirmar seu status nuclear. A Coreia do Norte relatou um teste nuclear bem-sucedido em 9 de outubro de 2006 (veja teste nuclear norte-coreano de 2006). A maioria dos oficiais de inteligência estadunidenses acreditava que o teste foi provavelmente apenas parcialmente bem-sucedido com um rendimento de menos de um quiloton.[68][69] A Coreia do Norte realizou um segundo teste de maior rendimento em 25 de maio de 2009 (veja teste nuclear norte-coreano de 2009) e um terceiro teste com rendimento ainda maior em 12 de fevereiro de 2013 (veja teste nuclear norte-coreano de 2013).

O governo norte-corenao alegou ter realizado seu primeiro teste de bomba de hidrogênio em 5 de janeiro de 2016, embora as medições de distúrbios sísmicos indiquem que a detonação não era consistente com uma bomba de hidrogênio.[70] Em 3 de setembro de 2017, a Coreia do Norte detonou um dispositivo, que causou um tremor de magnitude sísmica 6,1, consistente com uma detonação termonuclear de baixa potência; a NORSAR estima o rendimento em 250 quilotons[71] de TNT. Em 2018, a Coreia do Norte anunciou a suspensão de seus testes de armas nucleares e assumiu um compromisso condicional com a desnuclearização da Península Coreana;[72][73] no entanto, em dezembro de 2019, indicou que não se considerava mais vinculado à moratória.[74]

Estados indicados possuir armas nucleares[editar | editar código-fonte]

Israel[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que Israel tenha sido o sexto país do mundo a desenvolver armas nucleares, mas não reconheceu suas forças nucleares. Ele tinha armas nucleares "rudimentares, mas passíveis de lançamento" disponíveis já em 1966.[75][76][77][78][79][80][81][82] Israel não é parte do TNP e se envolve em ambiguidade estratégica, dizendo que não seria o primeiro país a "introduzir" armas nucleares na região, mas se recusando a confirmar ou negar que mantém um programa ou um arsenal de armas nucleares. Esta política de "opacidade nuclear" tem sido interpretada como uma tentativa de obter os benefícios da dissuasão com um custo político mínimo.[82][83]

De acordo com o Conselho de Defesa dos Recursos Naturais e a Federação de Cientistas Americanos, Israel provavelmente possui cerca de 75-200 armas nucleares.[25][84] O Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI, sigla em inglês) estima que Israel tenha aproximadamente 80 armas nucleares intactas, das quais 50 são para entrega por mísseis balísticos de médio alcance Jericho II e 30 são bombas de gravidade para entrega por aeronaves. O SIPRI também relata que houve especulações renovadas em 2012 de que Israel também pode ter desenvolvido mísseis de cruzeiro lançados por submarinos com capacidade nuclear.[85]

Autoridade de lançamento[editar | editar código-fonte]

A decisão de usar armas nucleares é sempre restrita a uma única pessoa ou a um pequeno grupo de pessoas. Os Estados Unidos e a França exigem que seus respectivos presidentes aprovem o uso de armas nucleares. Nos EUA, a Mala Presidencial de Emergência é sempre manuseada por um assessor próximo, a menos que o Presidente esteja perto de um centro de comando. No Reino Unido, a decisão cabe ao monarca e ao primeiro-ministro. As informações da China não são claras, mas "acredita-se que o lançamento de armas nucleares depende do Comitê Permanente do Politburo do Comitê Central". A Rússia concede tal poder ao Presidente, mas também pode exigir a aprovação do Ministro da Defesa e do Chefe do Estado-Maior. O Líder Supremo tem autoridade máxima na Coreia do Norte. Na Índia, no Paquistão e em Israel há comitês para tal decisão.[86]

Nação Autoridade Notas
Estados Unidos Estados Unidos Presidente dos Estados Unidos Veja Nuclear Football.[86][87]
Rússia Rússia Presidente da Rússia Pastas também podem ser entregues ao Ministro da Defesa e ao Chefe do Estado-Maior.[86][88][89][87]
Reino Unido Reino Unido O monarca britânico O primeiro-ministro exerce a prerrogativa real de dirigir a força de defesa.[86][87]
França França Presidente da França [86][87]
China China Comissão Militar Central [86][87]
Índia Índia Presidente da Índia A Autoridade de Comando Nuclear inclui um Conselho Executivo e um Conselho Político.[86][87]
Paquistão Paquistão Autoridade de Comando Nacional Requer um consenso dos membros do conselho.[86][87]
Coreia do Norte Coreia do Norte Líder supremo [86]
Israel Israel Primeiro ministro Requer a concordância do Ministro da Defesa e do Chefe do Estado Maior.[86]

Compartilhamento de armas nucleares[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Compartilhamento nuclear
Armas nucleares dos EUA nos países anfitriões[90]
País Base Aérea Custodiante Ogivas
 Turquia Incirlik 39ª Ala da Base Aérea 50
 Itália Aviano 31ª Ala de Caça 40
Ghedi Torre 52ª Ala de Caça
 Alemanha Büchel 20
 Países Baixos Volkel 20
 Bélgica Kleine Brogel 20
Total 150

Sob o programa de compartilhamento de armas nucleares da OTAN, os Estados Unidos forneceram armas nucleares para a Bélgica, Alemanha, Itália, Países Baixos e Turquia implantarem e armazenarem.[91] Isso envolve pilotos e outros funcionários dos Estados "não nucleares" da OTAN praticando, manuseando e entregando as bombas nucleares estadunidenses e adaptando aviões de guerra não americanos para entregar bombas nucleares dos EUA. No entanto, como todas as armas nucleares dos EUA são protegidas com Permissive Action Links, os Estados anfitriões não podem facilmente armar as bombas sem os códigos de autorização do Departamento de Defesa dos EUA.[92] O ex-presidente italiano Francesco Cossiga reconheceu a presença de armas nucleares estadunidenses na Itália.[93] As armas nucleares dos EUA também foram implantadas no Canadá e na Grécia de 1963 a 1984. No entanto, o Canadá retirou três dos quatro sistemas de armas com capacidade nuclear em 1972. O único sistema retido, o AIR-2 Genie, tinha um rendimento de 1,5 quilotons, foi projetado para atacar aeronaves inimigas em oposição a alvos terrestres e pode não ter sido qualificado como arma de destruição em massa devido ao seu rendimento limitado.[94]

Os membros do Movimento Não Alinhado pediram a todos os países que “se abstenham do compartilhamento nuclear para fins militares sob qualquer tipo de acordo de segurança”.[95] O Instituto de Estudos Estratégicos de Islamabad (ISSI) criticou o arranjo por supostamente violar os Artigos I e II do TNP, argumentando que "esses artigos não permitem que um Estado com armas nucleares delegue o controle de seu arsenal direta ou indiretamente a outros".[96] A OTAN argumentou que o compartilhamento de armas está em conformidade com o TNP porque "as armas nucleares estadunidenses baseadas na Europa estão em posse exclusiva e sob custódia e controle constantes e completos dos Estados Unidos".[97]

Em abril de 2019, os Estados Unidos mantinham cerca de 150 armas nucleares na Europa, conforme refletido na tabela ao lado.[90]

Estados que possuíam armas nucleares[editar | editar código-fonte]

As armas nucleares têm estado presentes em muitas nações, muitas vezes como bases sob o controle de outras potências. No entanto, em apenas um caso uma nação desistiu de armas nucleares depois de estar no controle total delas. A queda da União Soviética deixou várias ex-repúblicas soviéticas na posse física de armas nucleares, embora sem controle operacional, que dependia de códigos eletrônicos controlados pelo sistema russo de comando e controle.[98][99]

África do Sul[editar | editar código-fonte]

A África do Sul produziu seis armas nucleares na década de 1980, mas as desmantelou no início da década de 1990. Em 1979, houve a detecção de um suposto teste nuclear secreto no Oceano Índico, chamado de incidente de Vela. Há muito se especula que foi um teste de Israel, em colaboração e com o apoio da África do Sul, embora isso nunca tenha sido confirmado. A África do Sul não poderia ter construído tal bomba nuclear até novembro de 1979, dois meses após o incidente do "flash duplo".[100] A África do Sul aderiu ao Tratado de Não Proliferação Nuclear em 1991.[101][102]

Ex-repúblicas soviéticas[editar | editar código-fonte]

Míssil nuclear SS-18 Satan totalmente projetado e fabricado na Ucrânia em Yuzhmash
  • A Bielorrússia tinha 81 mísseis de ogiva nuclear simples estacionados em seu território após o colapso da União Soviética em 1991. Todos foram transferidos para a Rússia em 1996. Em maio de 1992, a Bielorrússia aderiu ao Tratado de Não Proliferação Nuclear.[103] Em 28 de fevereiro de 2022, o país realizou um referendo constitucional, no qual abandonou seu status de "não nuclear", à luz da invasão russa da Ucrânia em 2022.[104]
  • O Cazaquistão herdou 1,4 mil armas nucleares da União Soviética e transferiu todas para a Rússia em 1995. Desde então, o Cazaquistão aderiu ao Tratado de Não Proliferação Nuclear.[105]
  • A Ucrânia herdou "até 3 mil" armas nucleares quando se tornou independente da União Soviética em 1991, tornando seu arsenal nuclear o terceiro maior do mundo na época.[106] Em 1994, a Ucrânia concordou em descartar todas as armas nucleares dentro de seu território, com a condição de que suas fronteiras fossem respeitadas, como parte do Memorando de Budapeste sobre Garantias de Segurança. As ogivas foram removidas do território ucraniano em 1996 e desmontadas na Rússia.[107] Apesar da subsequente e internacionalmente contestada anexação da Crimeia pela Rússia em 2014, a Ucrânia reafirmou sua decisão de 1994 de aderir ao Tratado de Não Proliferação Nuclear como um Estado sem armas nucleares.[108]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. There are a wide range of estimates as to the size of the Israeli nuclear arsenal. Most sources put 300 as the highest possible value. One source in 1997 suggested "more than 400", but this has not been echoed in later analysis. For a compiled list of estimates, see Avner Cohen.[25]
  2. Israel é um país com armamentos nucleares não declarados, enquanto os demais são declaradamente armados.

Referências

  1. «Calls for Olmert to resign after nuclear gaffe Israel and the Middle East | Guardian Unlimited». Guardian. Consultado em 15 de maio de 2009 
  2. South African History Online, From peaceful nuclear research to building the Bomb [em linha]
  3. «Além Mar - Energia nuclear: África atómica». www.alem-mar.org. Consultado em 16 de setembro de 2016 
  4. «Lições do desmantelamento nuclear da África do Sul - Envolverde». 11 de janeiro de 2013. Consultado em 16 de setembro de 2016. Arquivado do original em 17 de setembro de 2016 
  5. "Implementation of the NPT Safeguards Agreement in the Islamic Republic of Iran", IAEA Board of Governors, setembro de 2005.
  6. "Implementation of the NPT Safeguards Agreement in the Islamic Republic of Iran", IAEA Board of Governors, February 2006.
  7. «ASIL Insight - Iran's Resumption of its Nuclear Program: Addendum». Asil.org. Consultado em 15 de maio de 2009 
  8. a b «Security Council Imposes Sanctions on Iran for failure to halt Uranium Enrichment, Unanimously adopting Resolution 1737 (2006)». 23 de dezembro de 2006 
  9. «Security Council tightens sanctions against Iran over uranium enrichment». 24 de março de 2007 
  10. «Security Council Tightens Restrictions on Iran's Proliferation-Sensitive Nuclear Activities, Increases Vigilance Over Iranian Banks, Has States Inspect Cargo». Un.org. Consultado em 15 de maio de 2009 
  11. «UN Security Council demands that Iran suspend nuclear activities». UN News Centre. 31 de julho de 2006 
  12. «IAEA INFCIRC/724: Communication from Iran (28 de março de 2008)» (PDF). 28 de março de 2008 
  13. "Nuclear club", Oxford English Dictionary: "nuclear club n. the nations that possess nuclear weapons." The term's first cited usage is from 1957.
  14. Jane Onyanga-Omara, "The Nuclear Club: Who are the 9 members?" Arquivado 2017-09-04 no Wayback Machine, USA TODAY, 6 de janeiro de 2016
  15. a b c d e f g h i j «World Nuclear Forces, SIPRI yearbook 2020». Stockholm International Peace Research Institute. Stockholm International Peace Research Institute. Janeiro de 2020. Consultado em 18 de junho de 2020 
  16. Webster, Paul (Julho/Agosto de 2003). "Nuclear weapons: how many are there in 2009 and who has them? Arquivado 2017-01-08 no Wayback Machine" The Guardian, 6 de setembro de 2009.
  17. «Status of Signature and Ratification of the Comprehensive Test Ban Treaty». Consultado em 1 de outubro de 2016 
  18. «Federation of American Scientists: Status of World Nuclear Forces». Federation of American Scientists. Consultado em 1 de outubro de 2016 
  19. a b c d e f g «Folha Online - Mundo - Mais de 2.000 testes nucleares foram feitos no mundo desde 1945 - 09/10/2006». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 23 de outubro de 2016 
  20. a b «Qual foi a maior explosão atômica do mundo? | Mundo Estranho». 1 de setembro de 2009 
  21. a b Munir Ahmad Khan, A. Q. Khan (23 de agosto de 2018). «Pakistani Nuclear Program». Atomic Heritage Foundation (em inglês). Consultado em 4 de junho de 2022 
  22. http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2017/08/09/interna_internacional,890453/ameaca-nuclear-da-coreia-do-norte-levanta-duvidas.shtml
  23. «U.S.: Test Points to N. Korea Nuke Blast». The Washington Post. 13 de outubro de 2006 
  24. «EUA prometem forte resposta militar a qualquer ameça da Coreia do Norte». Folha de S.Paulo 
  25. a b The Worst-Kept Secret: Israel's bargain with the Bomb (Columbia University Press, 2010), Table 1, page xxvii.
  26. Nichols 1987, pp. 34–35.
  27. «Atomic Bomb Seen as Cheap at Price». Edmonton Journal. 7 de agosto de 1945. p. 1. Consultado em 1 de janeiro de 2012 
  28. «The Inflation Calculator». westegg.com. Consultado em 18 de maio de 2021 
  29. Hansen, Chuck (1988). U.S. nuclear weapons: The secret history. Arlington, TX: Aerofax. ISBN 978-0-517-56740-1 
  30. Hansen, Chuck (1995). The Swords of Armageddon: U.S. nuclear weapons development since 1945. Sunnyvale, CA: Chukelea Publications. Consultado em 20 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2016 
  31. Stephen I. Schwartz, ed., Atomic Audit: The Costs and Consequences of U.S. Nuclear Weapons Since 1940 (Washington, D.C.: Brookings Institution Press, 1998).
  32. Gross, Daniel A. «An Aging Army». Distillations. 2 (1). pp. 26–36. Arquivado do original em 20 de março de 2018 
  33. «Fact Sheet: Increasing Transparency in the U.S. Nuclear Weapons Stockpile» (PDF). U.S. Department of Defense. 3 de maio de 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013. Arquivado do original (PDF) em 11 de agosto de 2015 
  34. «Policy Library». Consultado em 23 de agosto de 2016. Arquivado do original em 22 de agosto de 2016 
  35. a b Robert S. Norris and Hans M. Kristensen, "Global nuclear stockpiles, 1945–2006," Bulletin of the Atomic Scientists 62, no. 4 (julho/agosto 2006), 64–66...
  36. Holloway, David (1994). Stalin and the bomb: The Soviet Union and atomic energy, 1939–1956. New Haven, CT: Yale University Press. ISBN 978-0-300-06056-0 
  37. Gowing, Margaret (1974). Independence and deterrence: Britain and atomic energy, 1945–1952. London: Macmillan. ISBN 978-0-333-15781-7 
  38. Arnold, Lorna (2001). Britain and the H-bomb. Basingstoke: Palgrave. ISBN 978-0-312-23518-5 
  39. a b Treaty on the Non-Proliferation of Nuclear Weapons Arquivado 2014-12-17 no Wayback Machine, United Nations Office for Disarmament Affairs.
  40. France 'would use nuclear arms' Arquivado 2006-12-19 no Wayback Machine (BBC, janeiro de 2006)
  41. «Nuclear deterrent important in 'dangerous world', says Hollande». spacedaily.com. Consultado em 20 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  42. John Wilson Lewis and Xue Litai, China Builds the Bomb (Stanford, Calif.: Stanford University Press, 1988). ISBN 0-8047-1452-5
  43. «No-First-Use (NFU)». Nuclear Threat Initiative. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2010 
  44. «Statement on security assurances issued on 5 April 1995 by the People's Republic of China». United Nations. 6 de abril de 1995. S/1995/265. Consultado em 20 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 24 de agosto de 2007 
  45. Kristensen, Hans M.; Korda, Matt (4 de julho de 2019). «Chinese nuclear forces, 2019». Bulletin of the Atomic Scientists (em inglês). 75 (4): 171–178. Bibcode:2019BuAtS..75d.171K. ISSN 0096-3402. doi:10.1080/00963402.2019.1628511Acessível livremente 
  46. «SIPRI: Number of fatalities caused by armed conflict falls in 2020». The Jerusalem Post. Consultado em 14 de junho de 2021 
  47. «18 MAY 1974 – SMILING BUDDAH». CTBTO. Consultado em 24 de janeiro de 2018 
  48. George Perkovich, India's Nuclear Bomb: The Impact on Global Proliferation (Berkeley: University of California Press, 1999), 120–121, and 7.
  49. George Perkovich, India's Nuclear Bomb: The Impact on Global Proliferation (Berkeley: University of California Press, 1999), 293–297.
  50. «India's Nuclear Weapons Program: Operation Shakti». 1998. Consultado em 10 de outubro de 2006. Arquivado do original em 3 de outubro de 2006 
  51. «Joint Statement Between President George W. Bush and Prime Minister Manmohan Singh». whitehouse.gov. Consultado em 15 de maio de 2009. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2009 – via National Archives 
  52. «Implementation of the India-United States Joint Statement of July 18, 2005: India's Separation Plan» (PDF). 3 de setembro de 2006. Arquivado do original (PDF) em 3 de setembro de 2006 
  53. «U.S.- India Civil Nuclear Cooperation Initiative – Bilateral Agreement on Peaceful Nuclear Cooperation». 27 de julho de 2007. Consultado em 22 de maio de 2019. Arquivado do original em 17 de novembro de 2017 
  54. «IAEA Board Approves India-Safeguards Agreement». Iaea.org. 31 de julho de 2008. Consultado em 15 de maio de 2009. Arquivado do original em 5 de maio de 2009 
  55. «Statement on Civil Nuclear Cooperation with India» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2008. Arquivado do original (PDF) em 19 de outubro de 2008 
  56. «Congressional Approval of the U.S.-India Agreement for Cooperation Concerning Peaceful Uses of Nuclear Energy (123 Agreement)». 2 de outubro de 2008. Consultado em 22 de maio de 2019. Arquivado do original em 17 de novembro de 2017 
  57. «Secretary of State Condoleezza Rice and Indian Minister of External Affairs Pranab Mukherjee At the Signing of the U.S.-India Civilian Nuclear Cooperation Agreement». 10 de outubro de 2008. Consultado em 22 de maio de 2019. Arquivado do original em 17 de novembro de 2017 
  58. Interview With Undersecretary of State for Arms Control and International Security Robert Joseph Arquivado 2008-10-23 no Wayback Machine, Arms Control Today, maio de 2006.
  59. Was India misled by America on nuclear deal? Arquivado 2008-09-10 no Wayback Machine, Indian Express.
  60. «ACA: Final NSG Statement» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2008. Arquivado do original (PDF) em 20 de novembro de 2010 
  61. «SIPRI: Number of fatalities caused by armed conflict falls in 2020». The Jerusalem Post. Consultado em 14 de junho de 2021 
  62. Sublettle, Carey (15 de outubro de 1965). «Historical Background: Zulfikar Ali Bhutto». Nuclear weapons archives. Federation of American Scientists (FAS). Consultado em 19 de agosto de 2018. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2013 
  63. NTI Pakistan Profile Arquivado 2012-04-16 no Wayback Machine, acessado em 22 de abril de 2012.
  64. «Case Studies in Sanctions and Terrorism: Pakistan». Iie.com. Consultado em 15 de maio de 2009. Arquivado do original em 12 de maio de 2009 
  65. See A.Q. Khan: Investigation, dismissal, confession, pardon and aftermath, for citations and details.
  66. «Status of World Nuclear Forces». Federation of American Scientists. Consultado em 24 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2018 
  67. «Pakistan to Have 200 Nuke Weapons by 2020: US Think Tank». The Times of india. Novembro de 2014. Consultado em 28 de novembro de 2014. Arquivado do original em 27 de novembro de 2014 
  68. Gladstone, Rick; Jacquette, Rogene (18 de fevereiro de 2017). «How the North Korean Nuclear Threat Has Grown». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 18 de abril de 2021 – via NYTimes.com 
  69. Reuters Staff (25 de maio de 2009). «TIMELINE:North Korea: climbdowns and tests». Reuters. Consultado em 18 de abril de 2021 – via www.reuters.com 
  70. «North Korea Test Shows Technical Advance». The Wall Street Journal. CCLXVII. 7 de janeiro de 2016. p. A6 
  71. «The nuclear explosion in North Korea on 3 September 2017: A revised magnitude assessment». NORSAR.no. Consultado em 15 de setembro de 2017. Arquivado do original em 13 de setembro de 2017 
  72. «North Korea has Begun Dismantlement of the Punggye-ri Nuclear Test Site'». 38north.org. Consultado em 3 de agosto de 2018. Arquivado do original em 3 de agosto de 2018 
  73. «'Destruction at North Korea's Nuclear Test Site: A Review in Photos'». 38north.org. Consultado em 3 de agosto de 2018. Arquivado do original em 14 de agosto de 2018 
  74. Sang-Hun, Choe (31 de dezembro de 2019). «North Korea Is No Longer Bound by Nuclear Test Moratorium, Kim Says». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 18 de junho de 2020 
  75. Cohen 1998a, p. 349.
  76. ElBaradei, Mohamed (27 de julho de 2004). «Transcript of the Director General's Interview with Al-Ahram News». International Atomic Energy Agency. Consultado em 3 de junho de 2007. Arquivado do original em 18 de abril de 2012 
  77. «Nuclear Overview». Israel. NTI. Consultado em 23 de junho de 2009. Arquivado do original (profile) em 2 de janeiro de 2009 
  78. My Promised Land, by Ari Shavit, (London 2014), page 188
  79. Nuclear Proliferation International History Project (28 de junho de 2013). «Israel's Quest for Yellowcake: The Secret Argentina-Israel Connection, 1963–1966». Woodrow Wilson International Center for Scholars. Consultado em 22 de novembro de 2017. Arquivado do original em 14 de agosto de 2017 
  80. John Pike. «Nuclear Weapons». globalsecurity.org. Consultado em 22 de novembro de 2017. Arquivado do original em 17 de novembro de 2017 
  81. «Nuclear Weapons». fas.org. Consultado em 7 de novembro de 2015. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2010 
  82. a b NTI Israel Profile Arquivado 2011-07-28 no Wayback Machine. Acessado em 12 de julho de 2007.
  83. Avner Cohen (2010). The Worst-Kept Secret: Israel's bargain with the Bomb. [S.l.]: Columbia University Press 
  84. Israel's Nuclear Weapons Arquivado 2010-12-07 no Wayback Machine, Federation of American Scientists (17 de agosto de 2000)
  85. «Israel». Consultado em 19 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 17 de dezembro de 2014 
  86. a b c d e f g h i j Union of Concerned Scientists https://www.ucsusa.org/sites/default/files/attach/2017/11/Launch-Authority.pdf Acessado em 21 de fevereiro de 2021
  87. a b c d e f g Union of Concerned Scientists https://www.ucsusa.org/resources/whose-finger-button Acessado em 30 de janeiro de 2021
  88. Mikhail Tsypkin (Setembro de 2004). «Adventures of the "Nuclear Briefcase"». Strategic Insights. 3 (9). Cópia arquivada em 23 de setembro de 2004 
  89. Alexander Golts (20 de maio de 2008). «A 2nd Briefcase for Putin». Moscow Times. Cópia arquivada em 4 de junho de 2011 
  90. a b Kristensen, Hans M.; Korda, Matt (4 de maio de 2019). «United States nuclear forces, 2019». Bulletin of the Atomic Scientists (em inglês). 75 (3): 122–134. Bibcode:2019BuAtS..75c.122K. ISSN 0096-3402. doi:10.1080/00963402.2019.1606503Acessível livremente 
  91. «Berlin Information-center for Transatlantic Security: NATO Nuclear Sharing and the N.PT – Questions to be Answered». Bits.de. Consultado em 15 de maio de 2009. Arquivado do original em 19 de maio de 2009 
  92. «Nuclear Command and Control». Security Engineering: A Guide to Building Dependable Distributed Systems. [S.l.]: Ross Anderson, University of Cambridge Computing Laboratory 
  93. «Cossiga: "In Italia ci sono bombe atomiche Usa"». Consultado em 16 de setembro de 2015. Arquivado do original em 28 de setembro de 2015 
  94. Hans M. Kristensen (Fevereiro de 2005). «U.S. Nuclear Weapons in Europe» (PDF). Natural Resources Defense Council. Consultado em 23 de maio de 2006. Cópia arquivada (PDF) em 23 de julho de 2014 
  95. Statement on behalf of the non-aligned state parties to the Treaty on the Non-Proliferation of Nuclear Weapons, 2 de maio de 2005
  96. ISSI – NPT in 2000: Challenges ahead, Zafar Nawaz Jaspal, The Institute of Strategic Studies, Islamabad Arquivado 2009-01-09 no Wayback Machine
  97. «NATO's Positions Regarding Nuclear Non-Proliferation, Arms Control and Disarmament and Related Issues» (PDF). NATO. Consultado em 8 de setembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 11 de setembro de 2013 
  98. William C. Martel (1998). «Why Ukraine gave up nuclear weapons : nonproliferation incentives and disincentives». In: Barry R. Schneider, William L. Dowdy. Pulling Back from the Nuclear Brink: Reducing and Countering Nuclear Threats. [S.l.]: Psychology Press. pp. 88–104. ISBN 9780714648569 
  99. Alexander A. Pikayev (1994). «Post-Soviet Russia and Ukraine: Who can push the Button?» (PDF). The Nonproliferation Review. 1 (3): 31–46. doi:10.1080/10736709408436550. Consultado em 6 de agosto de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 21 de maio de 2014 
  100. McGreal, Chris (24 de maio de 2010). «Revealed: how Israel offered to sell South Africa nuclear weapons». The Guardian. Washington, D.C. Consultado em 6 de fevereiro de 2022 
  101. Nuclear Weapons Program (South Africa) Arquivado 2015-10-16 no Wayback Machine, Federation of American Scientists (29 de maio de 2000).
  102. Von Wielligh, N. & von Wielligh-Steyn, L. (2015). The Bomb – South Africa's Nuclear Weapons Programme. Pretoria: Litera.
  103. «Belarus Special Weapons». Federation of American Scientists. Consultado em 7 de novembro de 2015. Arquivado do original em 17 de novembro de 2015 
  104. «Belarus votes to give up non-nuclear status». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 1 de março de 2022 
  105. «Kazakhstan Special Weapons». Federation of American Scientists. Consultado em 7 de novembro de 2015. Arquivado do original em 17 de novembro de 2015 
  106. Ukraine Special Weapons Arquivado 2005-04-01 no Wayback Machine, GlobalSecurity.org
  107. «Ukraine Special Weapons». Federation of American Scientists. Consultado em 7 de novembro de 2015. Arquivado do original em 16 de outubro de 2015 
  108. Joint Statement by the United States and Ukraine Arquivado 2017-02-16 no Wayback Machine, 25 March 2014.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]