SS Armenian (1895)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
SS Armenian
Carreira
Proprietário Leyland Line Flag.png Leyland Line
Operador White Star flag NEW.svg White Star Line
Fabricante Harland and Wolff, Belfast
Lançamento 1895
Viagem inaugural 28 de novembro de 1895
Porto de registo Liverpool, Inglaterra
Número do casco 292
Estado Naufragado
Fatalidade Torpedeado e afundado pelo U-24 em 28 de junho de 1915
Características gerais
Tonelagem 8 825 t
Maquinário Motores de expansão quádrupla
Altura 10,7 m
Comprimento 156,1 m
Boca 18,0 m
Velocidade 13 nós

O SS Armenian foi um navio de carga construído em 1895 para a Leyland Line, mas administrado pela White Star Line a partir de 20 de março de 1903. Ele foi empregado no serviço de carga entre Liverpool e Nova Iorque, com o serviço de passageiros entre os dois portos sendo previamente retirado. Em 1910, ele recebeu a pintura da Leyland (uma chaminé rosa com o topo preto).[1]

Serviço na Guerra[editar | editar código-fonte]

Segunda Guerra dos Bôeres[editar | editar código-fonte]

O Armenian foi equipado para transportar cavalos[2] e utilizado como transporte durante a Segunda Guerra dos Bôeres. Em 1901, a embarcação transportou 963 prisioneiros de guerra para as Ilhas de Barrell e Burt.

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

O Armenian fez sua última viagem em 3 de março de 1917 antes de ser brevemente retirado de serviço e requisitado para o transporte de cavalos para a França.

Embora não fosse mais usado como navio de passageiros, o Armenian e o SS Turcoman foram utilizados para transportar os Grenadier Guards para a Bélgica em 7 de outubro de 1914.[3]

Naufrágio[editar | editar código-fonte]

Em 28 de junho de 1915, a embarcação foi avistada pelo submarino alemão U-24 em Trevose Head, na Cornualha. Depois de uma tentativa fracassada de fuga, a tripulação foi autorizada a abandonar o navio. A embarcação foi afundada por dois torpedos disparados contra sua popa. Vinte e nove membros da tripulação majoritariamente norte-americana foram perdidos no naufrágio,[4] junto com a carga de 1.400 mulas.

Devido ao naufrágio do RMS Lusitania 52 dias antes, o naufrágio do Armenian causou uma segunda crise entre a Alemanha e os Estados Unidos, já que a maioria dos homens que morreram no desastre eram norte-americanos. Os sobreviventes foram resgatados no dia seguinte pelo navio President Stevens, embora quatro sobreviventes tenham morrido mais tarde.[5]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

A descoberta dos destroços em 2002[6] revelou-se incorreta, com os destroços do cruzador auxiliar HMS Patia sendo identificado erroneamente por mergulhadores amadores. O Armenian foi apresentado no History Channel em um episódio de Deep Wreck Mysteries intitulado Search for the Bone Wreck, onde foi localizado com sucesso e identificado pelo caçador de naufrágios e arqueólogo Innes McCartney.[7][8] Os destroços se encontram a 95 m de profundidade e a quarenta e cinco milhas do local de naufrágio relatado pelos britânicos.

Referências