RMS Celtic (1901)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
RMS Celtic
The Royal Navy 1919-1939 Q70627.jpg
Carreira  Reino Unido
Proprietário White Star flag NEW.svg White Star Line
Fabricante Harland and Wolff, Belfast
Lançamento 4 de abril de 1901
Comissionamento 11 de julho de 1901
Viagem inaugural 26 de julho de 1901
Número do casco 335
Estado Desmontado
Fatalidade Encalhou em 10 de dezembro de 1928
Características gerais
Tipo de navio Transatlântico
Tonelagem 20.904 t
Maquinário 2 motores a vapor de expansão quádrupla
Comprimento 214 m
Boca 23 m
Propulsão 2 hélices
Velocidade 16 nós (30 km/h)
Passageiros 2857[1]

O RMS Celtic foi um navio de passageiros britânico operado pela White Star Line e construído pelos estaleiros da Harland and Wolff em Belfast. Foi o primeiro de um quarteto de navios com mais de 20.000 toneladas, apelidados de Big Four.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O Celtic em construção.

O Celtic foi lançado ao mar em 4 de abril de 1901 a partir dos estaleiros navais da Harland and Wolff, em Belfast, e partiu em sua viagem inaugural de Liverpool para Nova Iorque em 26 de julho.

Ele e seus três irmãos mostraram ser imensamente populares entre os passageiros, particularmente os imigrantes. Em 1904, ele estabeleceu o recorde de maior número de passageiros transportados em uma única viagem na história da White Star Line.[3] Ele chegou a Nova Iorque em 16 de setembro com 2957 passageiros a bordo.

No início da Primeira Guerra Mundial, o Celtic foi convertido em um cruzador mercante armado; a embarcação teve um alto consumo de combustível, portanto, foi decidido convertê-lo em um navio de tropas em janeiro de 1916, sendo utilizado no transporte de soldados para o Egito. Ele foi colocado de volta na rota transatlântica em março de 1916.[4]

Incidentes com mina e torpedo[editar | editar código-fonte]

Em 1917, o Celtic atingiu uma mina na Ilha de Man. Dezessete pessoas a bordo foram mortas, mas o Celtic sobreviveu aos danos. Um número de passageiros foram resgatados pelo navio Slieve Bawn, de propriedade da London and North Western Railway. Posteriormente, o Celtic foi rebocado e reparado em Belfast. Em março de 1918, o U-Boot UB-77 torpedeou o Celtic no mar da Irlanda. Seis pessoas a bordo foram mortas, mas novamente o Celtic permaneceu à tona. Eventualmente, o navio danificado foi rebocado para Liverpool e novamente reparado.

Colisões pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Após o término da guerra, o Celtic esteve envolvido em duas colisões. O primeiro incidente ocorreu em 1925 no Mersey, quando acidentalmente atingiu o navio Hampshire Cost. Ambos os navios sofreram danos leves. A segunda colisão ocorreu em 29 de janeiro de 1927, quando o Celtic foi atingido pelo navio Anaconda em Fire Island.[5][6]

Anos finais[editar | editar código-fonte]

O Celtic encalhado em rochas.

Na manhã de 10 de dezembro de 1928, o Celtic ficou encalhado em rochas na costa de Roche's Point, quando este se aproximava de Cobh com mais de 200 passageiros a bordo. Vários navios vieram ao resgate e os passageiros desembarcaram através de balsas.[7] Sete mil toneladas de carga foram espalhadas. Uma equipe de resgate foi convocada para tentar recuperar a carga, mas vários homens morreram depois que um compartimento carregado de grãos e inundado com água do mar foi preenchido com gases tóxicos; devido a falhas estruturais, estimou-se que o navio não poderia ser rebocado ou recuperado, sendo posteriormente declarado como perda total. O Celtic foi completamente desmantelado e vendido como sucata em 1933.[8]

Referências

  1. (em inglês) Arnold Kludas. Great Passenger Ships of the World Vol 1 1858-1912. [S.l.]: Patrick Stephens Ltd. p. 90. ISBN 0-85059-174-0 
  2. (em inglês) Roberts, Chalmers (Agosto de 1901). «The Biggest Ship». The World's Work: A History of Our Time. II. pp. 1176–1179. Consultado em 9 de julho de 2009. 
  3. Richard de Kerbrech, 2009, p. 96
  4. Duncan Haws, 1990, p. 55
  5. (em inglês) White Star Line History Website: RMS Celtic
  6. (em inglês) oceanlinersmagazine.com Celtic Collision Arquivado em 2016-08-16 no Wayback Machine.
  7. (em inglês) Leach, Nicholas (2009). Ballycotton Lifeboats. [S.l.]: Landmark. p. 32. ISBN 978-1-84306-472-5 
  8. (em inglês) Daniel Othfors. «Celtic II». The Great Ocean Liners. Consultado em 14 de dezembro de 2008. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Chirnside, Mark (2016). The 'Big Four' of the White Star Fleet: Celtic, Cedric, Baltic & Adriatic. Stroud, Gloucestershire: The History Press. ISBN 9780750965972 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]