Ceife Aldaulá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sayf al-Daula)
Ir para: navegação, pesquisa
Ceife Aldaulá
Dinar de ouro cunhado em Bagdá com os nomes de Nácer Aldaulá e Ceife Aldaulá, 943/944
Emir de Alepo
Reinado 945-967
Antecessor(a) Otomão ibne Saide Alcilabi
Sucessor(a) Sade Aldaulá
 
Descendência Sade Aldaulá
Casa Hamdanida
Nascimento 22 de junho de 916[1]
Morte 9 de fevereiro de 967[1]
  Alepo, Síria
Enterro Maiafariquim (atual Silvã, Turquia)
Religião Islão xiita
Pai Abdalá ibne Hamdane


Ali ibne Abul Haija Abdalá ibne Hamdane ibne Alarite al-Taglibi (em árabe: سيف الدولة أبو الحسن ابن حمدان‎‎; transl.: Ali ibn Abu'l-Hayja 'Abdallah ibn Hamdan ibn al-Harith al-Taghlibi),[a] mais conhecido simplesmente por seu lacabe (epíteto honorífico) de Ceife Aldaulá ("espada da dinastia"), foi o fundador do Emirado de Alepo, que compreendeu boa parte do norte da Síria e porções do oeste da Jazira, e o irmão de Haçane ibne Abdalá ibne Hamdane (melhor conhecido como Nácer Aldaulá).

O membro mais proeminente da dinastia,[2] Ceife Aldaulá originalmente serviu sob seu irmão mais velho nas tentativas do último de estabelecer seu controle sobre o fraco governo abássida em Bagdá durante o começo da década de 940. Após falhar nesses empreendimentos, o ambicioso Ceife Aldaulá virou-se à Síria, onde confrontou as ambições dos ikchídidas do Egito para controlar a província. Após duas guerras com eles, sua autoridade sobre o norte da Síria, centrada em Alepo, e no oeste da Jazira, centrada em Maiafariquim, foi reconhecida pelos ikchídidas e o califa. Uma série de rebeliões tribais atormentaram seu reino até 955, mas foi bem-sucedido em suprimi-las e manter a aliança das mais importantes tribos árabes. A corte de Ceife Aldaulá em Alepo tornou-se centro de uma vida cultural vibrante, e o círculo literário que reuniu em torno de si, incluindo o grande Almutanabi, ajudou-lhe a assegurar sua fama pela posteridade.

Ceife Aldaulá foi amplamente celebrado por seu papel nas Guerras bizantino-árabes, enfrentando um Império Bizantino ressurgente que no começo do século X havia começado a reconquistar territórios muçulmanos. Nessa luta contra um inimigo muito superior, lançou raides fundo em território bizantino e conseguiu alguns poucos sucessos, e no geral manteve a vantagem até 955. Depois disso, o novo comandante bizantino, Nicéforo Focas, e seus tenentes lideraram uma ofensiva que quebrou o poder hamdanida. Os bizantinos anexaram a Cilícia e ocuparam Alepo brevemente em 962. Os anos finais de Ceife Aldaulá foram marcados por derrotas militares, sua incapacidade crescente como resultado de uma enfermidade, e um declínio em sua autoridade que levou a revoltas de alguns de seus tenentes mais íntimos. Ele morreu no começo de 967, deixando um reino muito enfraquecido, que cerca de 969 perdeu Antioquia e o litoral sírio para os bizantinos e tornou-se tributário imperial.

Vida[editar | editar código-fonte]

Origem e família[editar | editar código-fonte]

Árvore genealógica dos hamdanidas
Dinar de ouro de Almoctadir (r. 908–932) com os nomes de seu herdeiro Abulabas e vizir Amide Aldaulá
Dinar de ouro de Alcair (r. 932–934)

Ceife Aldaulá nasceu Ali ibne Abdalá, o segundo filho Abdalá Abul Haija ibne Hamdane (m. 929), filho de Hamdane ibne Hamdune ibne Alarite, que deu seu nome a dinastia hamdanida.[1][2] Os hamdanidas foram um ramo dos Banu Taglibe, uma tribo árabe residente na área da Jazira (Mesopotâmia Superior) desde tempos pré-islâmicos.[3] Os taglibes tradicionalmente controlaram Moçul e sua região até o final do século IX, quando o governo abássida tentou impor um controle mais firme sobre a província. Hamdane ibne Hamdune foi um dos mais determinados líderes taglibes a opôr-se a este movimento. Notadamente, em seu esforço para afastar os abássidas, assegurou uma aliança dos curdos residentes nas montanhas ao norte de Moçul, um fato que seria de considerável importância na fortuna posterior de sua família. Os membros da família casaram com curdos, que foram também proeminentes no exército hamdanida.[2][4][5]

Hamdane foi derrotado em 895 e preso com seus parentes, mas seu filho Huceine ibne Hamdane conseguiu assegurar a fortuna da família. Ele reuniu tropas para o califa entre os taglibes em troca de remissões tributárias, e estabeleceu um comando influente na Jazira ao atuar como mediator entre as autoridades abássidas e a população árabo-curda. Foi essa forte base local que permitiu a família sobreviver sua relação frequentemente tensa com o governo central abássida em Bagdá durante o começo do século X.[6] Huceine foi um general bem-sucedido, distinguindo-se contra os carijitas e tulúnidas, mas foi desonrado após apoiar uma usurpação falha de Abdalá ibne Almutaz em 908. Seu irmão mais jovem Ibraim foi governador de Diar Rabi'a (a província em torno de Nísibis) em 919 e após sua morte no ano seguinte foi sucedido por outro irmão, Daude.[2][7] O pai de Ceife Aldaulá, Abdalá, serviu como emir (governador) de Moçul em 905/6-913/4, foi repetidamente desonrado e reabilitado, até reassumir controle de Moçul em 925/6. Gozando de firmes relações com o poderoso Munis Almuzafar, mais tarde desempenhou um papel relevante na usurpação de curta duração de Alcair contra Almoctadir (r. 908–932) em 929, e foi morto durante sua supressão.[8][9]

Apesar do fracasso do golpe e sua morte, Abdalá foi capaz de consolidar seu controle sobre Moçul, tornando-se o fundador virtual de um emirado hamdanida lá. Durante sua longa ausência em Bagdá em seus anos finais, Abdalá relegou a autoridade sobre Moçul para seu filho mais velho, Haçane, o futuro Nácer Aldaulá. Após a morte de Abdalá, a posição de Haçane em Moçul foi ameaçada por seus tios, e não foi até 935 que ele foi capaz de assegurar a confirmação por Bagdá de seu controle sobre Moçul e a Jazira inteira até a fronteira bizantina.[10][11]

Início da carreira sob Haçane Nácer Aldaulá[editar | editar código-fonte]

Mapa da Jazira (Mesopotâmia Superior), o território e principal base de poder dos hamdanidas
Dinar de ouro de Arradi (r. 934–940)
Dirrã de prata de 329 A.H. (940/941), com os nomes do califa Almutaqui (r. 940–944) e Bajcam

Ali ibne Abdalá começou sua carreira sob seu irmão. Em 936, Haçane convidou-o para seu serviço, prometendo-lhe o governo de Diar Baquir (a região em torno de Amida) em troca de sua ajuda contra Ali ibne Jafar, o governador rebelde de Maiafariquim. Ali ibne Abdalá foi bem-sucedido em evitar que ibne Jafar recebesse a assistência de seus aliados armênios, e também assegurou controle sobre as porções setentrionais da província vizinha de Diar Mudar após subjugar as tribos cais da região em torno de Saruje.[5] Dessa posição, também lançou expedições para ajudar os emirados muçulmanos da zona fronteiriça bizantina (o tugur) contra os avanços bizantinos, e interveio na Armênia para reverter a influência bizantina crescente.[12]

No meio tempo, Haçane envolveu-se nas intrigas da corte abássida. Desde o assassinato do califa Almoctadir em 932, o governo abássida tinha tudo mas colapsou, e em 936 o poderoso governador de Wasit, Maomé ibne Raique, assumiu o título de emir de emires ("comandante de comandantes") e com ele de facto controlou o governo. O califa Arradi (r. 934–940) foi reduzido a um papel figurativo, enquanto a extensiva e velha burocracia civil foi drasticamente reduzido em tamanho e poder.[13] A posição de ibne Raique era nada além de seguro, contudo, logo uma complicada luta pelo controle do ofício de emir de emires, e o califado com ele, eclodiu entre os vários governantes locais e os chefes militares turcos, que terminou em 946 com a vitória dos buídas.[14]

Haçane inicialmente apoiou ibne Raique, mas em 942 assassinou-o e assegurou para si o posto de emir de emires, recebendo o lacabe honorífico de Nácer Aldaulá ("defensor da dinastia"). Os Baridis, a família local de Baçorá, que também desejava controlar o califa, continuou a resistir, e Nácer Aldaulá agora enviou Ali contra eles. Depois de conseguir uma vitória sobre Abul Huceine al-Baridi em Almadaim, Ali foi nomeado governador de Wasit e recompensado com o lacabe de Ceife Aldaulá ("espada da dinastia") pelo qual se tornou famoso. Essa dupla recompensa aos irmãos hamdanidas marcou a primeira vez que um lacabe incorporando o prestigioso elemento Aldaulá foi conferido a alguém diferente do vizir, o ministro chefe califal.[5][15]

O sucesso dos hamdanidas foi de curta duração, contudo. Eles estavam politicamente isolados, e encontraram pouco apoio entre os mais poderosos vassalos do califado, os samânidas da Transoxiana e Maomé ibne Tugeje do Egito. Consequentemente, quando em 943 um motim sobre problemas de pagamento eclodiu entre suas tropas (sobretudo composta de turcos, dailamitas, carmatas e apenas alguns poucos árabes), sob a liderança do turco Tuzum, eles foram forçados a fugir de Bagdá.[5][15] O califa Almutaqui (r. 940–944) nomeou Tuzum como emir de emires, mas logo brigou com ele e fugiu ao norte para procurar a proteção hamdanida. Tuzum, contudo, derrotou Nácer Aldaulá e Ceife Aldaulá no campo, e em 944 um acordo foi concluído que permitiu os hamdanidas manter a Jazira e mesmo ganhar a autoridade nominal sobre o norte da Síria (que à época não estava sobre controle da família), em troca de um grande tributo. Dai em diante, Nácer Aldaulá seria tributário de Bagdá. Contudo, suas tentativas contínuas para controlar Bagdá levaram a um conflito com os buídas. Posteriormente, em 958/9, Nácer Aldaulá seria forçado a procurar refúgio na corte de seu irmão, antes de Ceife Aldaulá poder negociar seu retorno para Moçul com o emir buída Muiz Aldaulá.[10][16]

Estabelecimento do Emirado de Alepo[editar | editar código-fonte]

Síria (Bilade Alxam) e suas províncias nos séculos IX-X

O norte da Síria esteve sob controle de Maomé ibne Tugeje desde 935/6, até ibne Raique destituí-lo do controle egípcio em 939/40. Em 942, quando Nácer Aldaulá substituiu o assassinado ibne Raique, tentou impor seu controle sobre toda a região, e particularmente a província particular de ibne Raique de Diar Mudar. As tropas hamdanidas tomaram controle do vale do rio Balique, mas os magnatas locais ainda estavam inclinados a Maomé, e a autoridade hamdanida foi tênue. Maomé não interveio diretamente, mas apoiou Adlal Bacjami, o governador de Arraba. Al-Bacjami capturou Nísibis, onde Ceife Aldaulá deixou seus tesouros, mas foi finalmente derrotado e capturado pelo primo de Ceife Aldaulá, Abu Abdalá Huceine ibne Saide ibne Hamdane, e executado em Bagdá em maio de 943. Huceine então avançou para ocupar a província inteira, de Diar Mudar ao tugur. Raca foi expugnada, mas Alepo rendeu-se sem luta em fevereiro de 944. Almutaqui agora enviou mensagens para Maomé, solicitando por seu apoio contra os vários senhores que queriam controlá-lo. Os hamdanidas confinaram o califa em Raca, mas no verão de 944 Maomé chegou na Síria. Huceine abandonou Alepo ao egípcio, que então visitou o califa exilado em Raca. Almutaqui confirmou o controle de Maomé sobre a Síria, mas depois o califa recusou-se a deslocar-se para o Egito, levando o governante egípcio a recusar-se a ajudá-lo mais contra seus inimigos. Maomé retornou ao Egito, enquanto Almutaqui, sem poder e abatido, retornou para Bagdá, apenas para ser cegado e deposto por Tuzum.[5][17][18]

Foi nesse contexto que Ceife Aldaulá virou sua atenção à Síria. Nos anos anteriores teve uma série de humilhações pessoais, com derrotas em campo nas mãos de Tuzum após falhar em persuadir Almutaqui a nomeá-lo emir de emires. Foi durante a última tentativa que também teve um de seus rivais, Maomé ibne Inal al-Turjumam, assassinado. Como Thierry Bianquis escreve, após o fracasso dos desígnios de seu irmão no Iraque, a virada de Ceife Aldaulá à Síria "nasceu de ressentimento quando, tendo retornado para Nísibis, encontrou-se subempregado e porcamente pago".[5] Nácer Aldaulá parece tê-lo encorajado a virar-se à Síria após o fracasso de Huceine lá, escrevendo para Ceife Aldaulá que a "Síria fica diante de você, não há ninguém nessa terra que pode impedi-lo de tomá-la".[19] Com dinheiro e tropas fornecidas por seu irmão, Ceife Aldaulá invadiu o norte da Síria na sequência da partida de Maomé. Ele ganhou o apoio da tribo local Banu Cilabe, da qual pertencia o governador de Maomé em Alepo, Abu Alfate Otomão ibne Saide Alcilabi,[20] que entrou na cidade sem oposição em outubro de 944.[17][19][21][22]

Conflito com Maomé ibne Tugeje[editar | editar código-fonte]

Emirado Hamdanida em 955
Dinar de ouro do emir ikchídida Maomé ibne Tugeje (r. 935–946)
Dinar de ouro de Abul Misque Cafur (r. 966–968)

Maomé reagiu, e enviou um exército ao norte sob Abul Misque Cafur para confrontar Ceife Aldaulá, que estava sitiando Homs. Na batalha subsequente, os hamdanidas conseguiram uma vitória esmagadora. Homs então abriu suas portas, e Ceife Aldaulá fixou seu olhar em Damasco. Ele brevemente ocupou a cidade no começo de 945, mas foi forçado a abandoná-la em faça da hostilidade dos cidadãos. Em abril de 945, Maomé liderou um exército na Síria, embora ao mesmo também também ofereceu termos para Ceife Aldaulá, propondo aceitar o controle hamdanida sobre o norte da Síria e o tugur. Ceife Aldaulá rejeitou as propostas de Maomé, mas foi derrotado em batalha em maio/junho e forçado a retirar-se para Raca. O exército egípcio avançou para invadir as cercanias de Alepo. No entanto, em outubro os dois lados chegaram a um acordo muito similar àquele de Maomé: o governante egípcio reconheceu o controle hamdanida sobre o norte da Síria, e inclusive consentiu enviar um tributo anual em troca da renúncia de Ceife Aldaulá de todas as reivindicações sobre Damasco. O pacto foi selado pelo casamento de Ceife Aldaulá com uma sobrinha de Maomé, e o nome domínio de Ceife Aldaulá recebeu a sanção — puramente formal — do califa, que também reafirmou seu lacabe, logo depois.[19][22][23]

A trégua com Maomé durou até a morte deste em julho de 946 em Damasco. Ceife Aldaulá imediatamente marchou para sul, tomou Damasco e então avançou à Palestina. Lá foi confrontado novamente por Cafur, que derrotou o príncipe hamdânida numa batalha travada em dezembro. Ceife Aldaulá então retirou-se para Damasco, e de lá para Homs. Lá, reuniu suas forças, incluindo grandes contingentes árabes tribais, e na primavera de 947, tentou recuperar Damasco. Novamente foi derrotado em batalha e no rescaldo os ikchídidas ocuparam Alepo em julho. Cafur, o líder ikchídida de facto após a morte de Maomé, não pressionou seu avançou, mas começou negociações.[24] Para os ikchídidas, a manutenção de Alepo era menos importante que o sul da Síria com Damasco, que era o baluarte oriental do Egito. Tão logo seu controle sobre essa região não estava ameaçado, os egípcios estavam mais que dispostos a permitir a existência de um Estado hamdanida no norte. Além disso, os ikchídidas perceberam que teria dificuldade em estabelecer e manter controle sobre o norte da Síria e Cilícia, que estavam tradicionalmente orientadas em direção da Jazira e Iraque. O Egito, que estava ameaçado à época pelos fatímidas no oeste, não seria somente poupado do custo de manter um grande exército nestes territórios distantes, mas o Emirado Hamdanida cumpriria o papel útil de Estado tampão contra incursões do Iraque e também do Império Bizantino.[19][25] O acordo de 945 foi reiterado , com a diferença de que os ikchídidas deixaram de pagar tributo por Damasco. A fronteira assim estabelecida, entre o norte da Síria influenciado pela Jazira e o sul controlado pelo Egito, durou até os mamelucos tomarem o país inteiro em 1260.[22][26]

Ceife Aldaulá, que retornou para Alepo no outono, era agora senhor de um extenso reino: as províncias sírias setentrionais (os jundes de Hims, Quinacerim e Alauacim) numa linha que percorreu do sul de Homs à costa próximo de Tartus, e boa parte de Diar Baquir e Diar Mudar no norte da Jazira. Ele também exerceu suserania — sobretudo nominal — sobre as cidades da fronteira bizantina na Cilícia.[27] O domínio de Ceife Aldaulá com um "Estado siro-mesopotâmico", na expressão do orientalista Marius Canard, e foi extenso o suficiente para requerer duas capitais: junto com Alepo, que torno-se a principal residência de Alepo, Maiafariquim foi selecionada como a capital das províncias jaziranas. A último foi deixada ostensivamente a cargo de seu irmão Nácer Aldaulá, mas na realidade, o tamanho e importância política do emirado de Ceife Aldaulá permitiu-o efetivamente eliminar a tutela de Nácer Aldaulá. Embora Ceife Aldaulá continuou a mostrar a seu irmão a devida deferência, dai em diante, suas posições seria revertidas.[17][19][28]

Revoltas tribais árabes[editar | editar código-fonte]

A parte de seu confronto com os ikchídidas, a consolidação do reino de Ceife Aldaulá foi ameaçada pela necessidade de manter boas relações com as inquietas tribos árabes nativas.[29] O norte da Síria à época estava sob controle de várias tribos árabes, que residiam na região desde o período omíada, e em muitas casos antes disso. A região em torno de Homs foi assentada pelos calbidas e taidas, enquanto o norte, uma faixa ampla de terra do Orontes até além do Eufrates foi controlada pelas tribos nômades caicitas ucailidas, numairidas cabidas e cuxairidas, bem como os já mencionados Banu Cilabe em torno de Alepo. Mais ao sul, os originalmente iemenitas tanuquidas estavam em torno de Maarate Anumane, enquanto na costa estavam os baraidas e curdos.[30]

Em sua relação com eles, Ceife Aldaulá apropriou-se do fato de que era árabe, diferente de muitos governantes contemporâneos no Oriente Médio islâmico, que eram senhores turcos ou iranianos que ascenderam das fileiras dos escravos militares (gulans). Isso ajudou-o a ganhar apoio entre as tribos árabes, e os beduínos desempenharam papel proeminente em sua administração. Contudo, em concordância com a prática abássida tardia familiar a Ceife Aldaulá e comum nos Estados muçulmanos do Oriente Médio, o Estado Hamdanida foi pesadamente resiliente e consideravelmente dominado por seus gulans, sobretudo turcos. Isso é mais evidente na composição de seu exército: junto com a cavalaria árabe, que era frequentemente não confiável e movida mais pelo saque do que lealdade ou disciplina, os exércitos hamdanidas fez uso pesado de dailamitas como infantaria pesada, turcos como arqueiros a cavalo, e curdos como cavalaria leve. Essas forças foram complementadas, especialmente contra os bizantinos, por guarnições do tugur, dentre os quais muitos voluntários (gazi) do mundo islâmico.[31][32][33]

Ruínas do Casto de Barzuia

Após ganhar reconhecimento pelos ikchídidas, Ceife Aldaulá fez uma série de campanhas de consolidação. Seu principal objetivo era estabelecer firme controle sobre o litoral sírio, bem como as rotas que conectavam-o ao interior. As operações lá incluíram um difícil cerco à fortaleza de Barzuia em 947–948, que era controlada por um líder brigante curdo, que de lá controlava o vale inferior do Orontes. Na Síria Central, uma revolta calbida e taida de inspiração carmata eclodiu no final de 949, liderada por cerco ibne Hirrate Alramade. Os rebeldes gozaram de sucesso inicial, inclusive capturando o governador hamdanida de Homs, mas foram rapidamente esmagados. No norte, as tentativas dos administradores hamdanidas para impedir que os beduínos interferissem com as comunidades árabes assentadas resultou em eclosões regulares de rebeliões entre 950 e 954, que foram suprimidas pelo exército de Ceife Aldaulá.[30]

Finalmente, em 955 uma grande rebelião eclodiu com envolvimento de todas as tribos, tanto beduínas como sedentárias, incluindo os aliados íntimos dos hamdanidas, os cilabidas. Ceife Aldaulá resolveu a situação rapidamente, conduzindo cruel campanha de rápida supressão que incluiu repelir as tribos para o deserto para morrer ou capitular, bem como uma diplomacia que provocou a divisão entre os rebeldes. Assim, os cilabidas foram forçados a oferecer a paz e retornar para seu estatuto favorecido anterior, recebendo terras adicionais às custas dos calbidas, que foram repelidos de suas casas junto com os taidas e fugiram para o sul para assentarem-se nas planícies ao norte de Damasco e nas colinas de Golã, respectivamente. Ao mesmo tempo, os numairidas foram também expulsos e encorajados a reassentar na Jazira em torno de Harrã.[27][30]

A supressão da grande revolta tribal marcou, nas palavras de Hugh N. Kennedy, "o ponto mais alto do sucesso e poder de Ceife Aldaulá".[27] Por pouco tempo, durante aquele ano, sua suserania foi também reconhecida em partes do Azerbaijão em torno de Salmas, onde o curso Daiçam estabeleceu-se brevemente no controle até ser expulso e finalmente capturado por Marzubam ibne Maomé.[30]

Guerras com o Império Bizantino[editar | editar código-fonte]

Mapa da Anatólia bizantina e a fronteira árabe-bizantina em meados do século IX

Através de sua assunção de controle sobre a fronteira siro-jazirana (o tugur) com o Império Bizantino em 945/946, Ceife Aldaulá emergiu como o principal príncipe árabe a enfrentar os bizantinos, e a guerra com eles tornou-se sua principal preocupação.[17] De fato, boa parte da reputação de Ceife Aldaulá decorre da sua incessante, embora, em última instância, mal-sucedida guerra com o império.[28][34]

No começo do século X, os bizantinos ganharam a dianteira sobre seus vizinhos muçulmanos orientais. O início do declínio do Califado Abássida depois de 861 (a Anarquia em Samarra) foi seguida pela Batalha de Lalacão em 863, que quebrou o poder do emirado fronteiriço de Melitene e marchou o começo da invasão bizantina gradual das zonas fronteiriças árabes. Embora o Emirado de Tarso na Cilícia permaneceu forte e Melitene continuou a resistir os ataques bizantinos, no meio século seguinte os bizantinos conseguiram superar os aliados paulicianos de Melitene e avançaram ao Eufrates superior, ocupando as montanhas ao norte da cidade.[35][36] Finalmente, depois de 927, a paz em sua fronteira balcânica permitiu aos bizantinos, sob João Curcuas, virar suas forças para leste e começar uma série de campanhas que culminaram na queda e anexação de Melitene em 934, um evento que repercutiu entre os outros emirados muçulmanos. A ela seguiram Arsamosata em 940, e Calícala (a Teodosiópolis bizantina) em 949.[37][38][39]

A avanço bizantino evocou uma grande resposta emocional no mundo muçulmano, com voluntários, tanto soldados como civis, se reunindo para participar na jiade. Ceife Aldaulá foi também afetado por esta atmosfera, e tornou-se profundamente impregnado com o espírito da jiade.[30][31][40] A ascensão dos irmãos hamdanidas ao poder nas províncias fronteiriças e na Jazira deve ser considerado no contexto da ameaça bizantina, bem como a manifesta incapacidade do governo abássida para frustrar a ofensiva bizantina.[41][42] Nas palavras de Hugh Kennedy, "comparado com a inação ou indiferença de outros governantes muçulmanos, não é surpresa que a reputação popular de Ceife Aldaulá permaneceu alta; ele foi um dos homens que tentaram defender a fé, o herói essencial da época".[43]

Primeiras campanhas[editar | editar código-fonte]

Principados caucásicos, fronteira oriental bizantina e norte da Síria e Jazira no começo do século X

Ceife Aldaulá entrou na briga contra os bizantinos em 936, quando liderou uma expedição para auxiliar Samósata, à época sitiada por eles. Uma revolta em sua retaguarda forçou-o a abandonar a campanha, e ele apenas conseguiu enviar alguns suprimentos para a cidade, que caiu logo depois. Em 938, invadiu a região em torno de Melitene e capturou o forte bizantino de Charpete. Algumas fontes árabes relatam uma grande vitória sobre Curcuas, mas o avanço bizantino não parece ter sido afetado.[44][45][46] Sua mais importante campanha nestes primeiros anos foi em 939–940, quando invadiu o sudoeste da Armênia e assegurou uma promessa de aliança e a rendição de algumas fortalezas dos príncipes locais — os caisitas muçulmanos de Manziquerta e os bagrátidas cristãos de Taraunita e Cacício I (r. 904–937/940) de Vaspuracã — que começaram a desertar para o Império Bizantino, antes de virar-se para oeste e invadir território imperial próximo de Coloneia.[47][48][49] Essa expedição temporariamente quebrou o campo bizantino em torno de Calícala, mas a preocupação de Ceife Aldaulá com as guerras de seu irmão no Iraque nos anos seguintes significou que não daria continuidade com o plano. Essa foi a maior chance perdida; como o historiador Mark Whittow comenta, uma política mais continuada poderia ter feito uso da desconfiança dos príncipes armênios do expansionismo bizantino para forçar uma rede de clientes e conter os bizantinos. Em vez disso, aos últimos foi dada mão livre, permitindo-os pressionar e capturar Calícala, cimentando sua dominância sobre a região.[41][44][50]

Fracassos e vitórias, 945–955[editar | editar código-fonte]

Zona fronteiriça bizantino-árabe
Temas bizantinos em 950
Envenenamento de Constantino Focas em seu cativeiro em Alepo (953/954). Seu pai, Bardas Focas, o Velho, furioso, ordena que todos os prisioneiros árabes que estavam com ele fossem executados

Após estabelecer-se em Alepo em 944, Ceife Aldaulá recomeçou a guerra contra o Império Bizantino em 945/946. Desta vez, até o tempo de sua morte, foi o principal antagonista dos bizantinos no Oriente — pelo fim de sua vida diz-se que Ceife Aldaulá lutou contra eles em mais de 40 batalhas.[51] No entanto, apesar de seus raides frequentes e destrutivos contra as províncias fronteiriças bizantinas e na Ásia Menor, e suas vitórias em campo, seu estilo de guerra foi essencialmente defensivo, e ele nunca tentou seriamente desafiar o controle bizantino dos cruciais passos montanhosos ou concluir alianças com outros líderes locais num esforço para reverter as conquistas imperiais. Comparado ao Império Bizantino, Ceife Aldaulá foi o governante de um principado menor, e não poderia confrontar os meios e números disponíveis ao ressurgente império: as fontes árabes contemporâneas relatam — com óbvio, mas no entanto indicativo, exagero — que os exércitos bizantinos eram compostos por 200 000 homens, enquanto a maior força de Ceife Aldaulá era formada por 30 000.[44][52][53]

Os esforços hamdanidas contra o Império Bizantino foram mais aleijados por sua dependência do sistema tugur. Por um lado, a zona fortificada militarizada do tugur foi muito cara para manter, e requeria provisões constantes de dinheiro e suprimentos das outras partes do mundo muçulmano para mantê-la. Uma vez sob controle hamdanida, o frágil califado perdeu qualquer interesse em fornecer estes recursos, enquanto as táticas da terra queimada dos bizantinos reduziram ainda mais a habilidade da área para alimentar-se. Além disso, as cidades do tugur eram frágeis por natureza, e sua aliança com Ceife Aldaulá foi o resultado de sua liderança carismática e seus sucessos militares; uma vez que os bizantinos ganharam a dianteira e o prestígio hamdanida decaiu, as várias cidades tendiam a olharem para si.[54] Ademais, a origem de Ceife Aldaulá na Jazira afetou sua perspectiva estratégica, e foi provavelmente responsável por sua negligência em construir uma frota, ou prestar qualquer atenção ao Mediterrâneo, em contraste com a maioria dos poderes baseados na Síria ao longo da história.[27][44]

O raide de inverno de Ceife Aldaulá em 945/946 foi de escala limitada, e foi seguido por uma troca de prisioneiros. A guerra nas fronteiras então morreu por alguns anos, e recomeçou apenas em 948. Apesar de conseguir uma vitória sobre a invasão bizantina em 948, foi incapaz de evitar o saque de Adata, uma das principais fortalezas muçulmanas no tugur do Eufrates, por Leão Focas, o Jovem, um dos filhos do doméstico das escolas (comandante-em-chefe) Bardas Focas, o Velho.[55][56] As expedições de Ceife Aldaulá nos dois anos seguintes falharam. Em 949, invadiu o Tema de Licando, mas foi repelido, e os bizantinos avançaram para saquear Marache, derrotaram um exército társio e invadiram tão longe quanto Antioquia. No ano seguinte, Ceife Aldaulá liderou uma grande força no território bizantino, arrasando os temas de Licando e Carsiano, mas em seu retorno foi emboscado por Leão Focas num passo montanhoso. No que tornou-se conhecido como ghazwat al-musiba, a "expedição terrível", Ceife Aldaulá perdeu 8 000 homens e escapou por pouco.[44][57]

Ceife Aldaulá, no entanto, rejeitou oferecer a paz com os bizantinos, e lançou outro raide contra Licando e Melitene, persistindo até o início do inverno forçá-lo a se retirar.[57] No ano seguinte, concentrou sua atenção em reconstruir as fortalezas da Cilícia e norte da Síria, incluindo Marache e Adata. Bardas lançou uma expedição para obstruir seus trabalhos, mas foi derrotado. Lançou outra campanha em 953, mas apesar de ter uma força consideravelmente maior a sua disposição, foi pesadamente derrotado próximo de Marache numa batalha celebrada pelos panegiristas de Ceife Aldaulá. O comandante bizantino inclusive perdeu seu filho mais jovem, Constantino, que foi capturado. Outra expedição liderada por Bardas também foi derrotada, o que permitiu a Ceife Aldaulá completar a refortificação de Samósata e Adata. O último ainda resistiu outro ataque bizantino em 955.[44][58]

Supremacia bizantina, 956–962[editar | editar código-fonte]

Leão Focas envia o general árabe cativo Apolaseir para Constantinopla
Leão Focas aniquila exército de Ceife Aldaulá na Batalha de Andrasso (960)
Conquista bizantina de Alepo (962)

As vitória de Ceife Aldaulá levaram a substituição de Bardas por seu filho mais velho, Nicéforo Focas. Abençoado com subordinados capazes como seu irmão Leão e seu sobrinho João Tzimisces, Nicéforo provocaria a reversão da fortuna da luta de Ceife Aldaulá com os bizantinos.[44][58] O jovem general também beneficiou-se da cominação das reformas militares que criaram um exército mais profissional.[59]

Na primavera de 956, Ceife Aldaulá invadiu o território bizantino antes de Tzimisces conduzir um assalto planejado em Amida. Tzimisces então tomou um passo na retaguarda de Ceife Aldaulá, e atacou-o durante seu retorno. A dura batalha, travada em meio a chuvas torrenciais, resultou numa vitória muçulmana com Tzimisces perdendo 4 000 homens. Ao mesmo tempo, contudo, Leão Focas invadiu a Síria e derrotou e capturou o primo de Ceife Aldaulá, Apolaseir (Abul Axair), a quem deixou para trás em seu lugar. Mais tarde nesse ano, Ceife Aldaulá foi obrigado a ir para Tarso para ajudar a repelir um raide da frota cibirreota bizantina.[58] Em 957, Nicéforo tomou e arrasou Adata, mas Ceife Aldaulá foi incapaz de agir ao descobrir uma conspiração de alguns de seus oficiais para rendê-lo aos bizantinos em troca de dinheiro. Ceife Aldaulá executou 180 de seus gulans e mutilou mais 200 em retaliação.[60] Na primavera seguinte, Tzimisces invadiu a Jazira, capturou Dara, e conseguiu uma vitória em Amida sobre um exército de 10 000 homens liderado por um dos tenentes favoritos de Ceife Aldaulá, o circassiano Nadja. Junto com o paracomomeno Basílio Lecapeno, ele então invadiu Samósata e infligiu uma pesada derrota num exército de alívio sob Ceife Aldaulá. Os bizantinos exploraram a fraqueza hamdanida e em 959 Leão Focas liderou um raide tão longe quanto Cirro, saqueando vários fortes em seu caminho.[44][61]

Em 960, Ceife Aldaulá tentou usar a ausência de Nicéforo Focas com muito de seu exército em sua expedição em Creta para restabelecer sua posição. Como líder de um grande exército, invadiu o território bizantino e saqueou a fortaleza de Carsiano. Em seu retorno, contudo, seu exército foi atacado e quase aniquilado numa emboscada de Leão Focas e suas tropas. Novamente, Ceife Aldaulá conseguiu escapar, mas seu poderio militar foi quebrado. Os governadores locais começaram a fazer termos com os bizantinos por conta própria, e a autoridade hamdanida foi consideravelmente questionada mesmo em sua própria capital.[53][62][63] Ceife Aldaulá agora precisava de tempo, mas logo Nicéforo Focas retornou vitorioso de Creta no verão de 961, e começou preparativos para sua próxima campanha no Oriente. Os bizantinos lançaram seu ataque nos meses de inverno, pegando os árabes de surpresa. Eles capturaram Anazarbo na Cilícia, e seguiram uma política deliberada de devastação e massacre par expulsar a população muçulmana. Depois de Nicéforo reparar o território bizantino para celebrar a Páscoa, Ceife Aldaulá entrou na Cilícia e reclamou o controle direto sobre a província. Ele começou a reconstruir Anazarbo, mas o trabalho foi deixado incompleto quando Nicéforo recomeçou sua ofensiva no outono, forçando a Ceife Aldaulá a partir da região.[64] Os bizantinos, com um exército de relatados 70 000 homens, avançou para tomar Marache, Sísio, Doliche e Mambije, assegurando assim os passos orientais sobre o Antitauro. Ceife Aldaulá enviou seu exército ao norte sob Nadja para encontrar os bizantinos, mas Nicéforo ignorou-os. Em vez disso, o general bizantino liderou suas tropas ao sul e em meados de dezembro subitamente apareceram diante de Alepo. Depois de derrotar um exército não provisionado diante das muralhas da cidade, os bizantinos invadiram-a e saquearam-a, exceto a cidadela, que continuou a resistir. Os bizantinos partiram, levando aproximados 10 000 habitantes cativos, principalmente jovens. Retornando a sua capital arruinada e quase-deserta, Ceife Aldaulá repovoou-a com refugiados de Quinacerim.[65][66][67][68]

Doença, rebeliões e morte[editar | editar código-fonte]

Em 963, os bizantinos mantiveram-se quietos, pois Nicéforo estava planejando ascender ao trono imperial,[69] mas Ceife Aldaulá foi perturbado pelo início de hemiparesia bem como o agravamento de desordens intestinais e urinárias, que confinaram-o a uma liteira. A doença limitou a capacidade de Ceife Aldaulá para intervir pessoalmente nos assuntos de seu Estado; logo abandonou Alepo aos cuidados de seu camareiro, Carcuia, e gastou a maior parte de seus anos finais em Maiafariquim, deixando seus gulans seniores para cuidar do fardo da guerra contra os bizantinos e as várias rebeliões que eclodiram em seus domínios. O declínio físico de Ceife Aldaulá, atrelado a seus fracassos militares, especialmente a captura de Alepo em 962, significaram que sua autoridade ficou abalada entre seus subordinados, pra quem o sucesso militar era prerrequisito para a legitimidade política.[65][70]

Assim, em 961, o emir de tarso, ibne Azaiate, sem sucesso tentou retornar sua província aos abássidas. Em 963, seu sobrinho, o governador de Harrã, Hibatalá, rebelou-se após matar o confiável secretário cristão de Ceife Aldaulá em favor de seu pai, Nácer Aldaulá. Nadja foi enviado para subjugar a rebelião, forçando Hibatalá a fugir à corte de seu pai, mas então Nadja rebelou-se e atacou Maiafariquim, defendida pela esposa de Ceife Aldaulá, com a intenção de dá-la aos buídas. Ele falhou, e retirou-se à Armênia, onde conseguir tomar algumas fortalezas em torno do lago Vã. No outono de 964, novamente tentou tomar Maiafariquim, mas foi obrigado a abandoná-la para subjugar uma revolta em seus domínios armênios. Ceife Aldaulá viajou à Armênia para encontrar seu antigo tenente. Nadja ressubmeteu sua autoridade sem resistência, mas foi assassinado no inverno de 965 em Maiafariquim, provavelmente a pedido da esposa de Ceife Aldaulá.[65]

No entanto, apesar de sua enfermidade e o espalhar da fome em seus domínios, em 963 lançou três raides na Ásia Menor. Um deles alcançou tão longe quanto Icônio, mas Tzimisces, nomeado sucessor de Nicéforo como doméstico do Oriente, respondeu lançando uma invasão da Cilícia no inverno. Ele destruiu um exército árabe no "Campo de Sangue" próximo de Adana, e sem sucesso sitiou Mopsuéstia antes da carência de suprimentos forçá-lo a retornar. No outono de 964, Nicéforo, agora imperador, novamente fez campanha no Oriente, e encontrou pouca resistência. Mopsuéstia foi sitiada, mas resistiu, até a fome que assolava a província forçar os bizantinos a se retirarem.[71] Nicéforo, contudo, retornou no ano seguinte e atacou a cidade e deportou seus habitantes. Em 16 de agosto de 965, Tarso foi rendida por seus habitantes, que conseguiram salvo-conduto para Antioquia. A Cilícia tornou-se uma província bizantina, e Nicéforo começou a recristianizá-la.[65][68][72][73]

Ruínas da fortaleza de Xaizar
Expansão do Califado Fatímida

O ano de 965 também viu duas outras rebeliões de larga escala dentro dos domínios de Ceife Aldaulá. A primeira foi liderada por um antigo governador da costa, o ex-carmata Maruane Alucaili, que cresceu à dimensões ameaçadoras: os rebeldes capturaram Homs, derrotaram um exército enviado contra eles e avançaram para Alepo, mas Alucaili foi ferido na batalha pela cidade e morreu pouco depois.[65] No outono, uma rebelião mais série eclodiu em Antioquia, liderada pelo antigo governador de Tarso, Raxique ibne Abdalá Alnacimi. A rebelião foi obviamente motivada pela incapacidade de Ceife Aldaulá para impedir o avanço bizantino. Após reunir um exército na cidade, Raxique conduziu-o para sitiar Alepo, que foi defendida pelos gulans de Ceife Aldaulá, Carcuia e Bixara. Três meses em cerco, os rebeldes tomaram posse de parte da cidade inferior, quando Raxique foi morto. Ele foi sucedido por um dailamita chamado Dizbar. Dizbar derrotou Carcuia e tomou Alepo, mas então partiu da cidade para tomar controle do resto do norte da Síria.[70][74] No mesmo ano, Ceife Aldaulá foi também pesadamente afetado pela morte de seus filhos filhos, Abul Macarim e Abul Baracate.[65]

No começo de 966, Ceife Aldaulá pediu e recebeu uma curta trégua e uma troca de prisioneiros com os bizantinos, conduzida em Samósata. Ele comprou a liberdade de muitos muçulmanos cativos a grande custo, apenas para vê-los se unirem às forças de Dizbar. Ceife Aldaulá resolveu confrontar o rebelde: carregado em sua liteira, retornou para Alepo, e no dia seguinte derrotou o exército rebelde, ajudado pela deserção dos cilabidas do exército de Dizbar. Os rebeldes sobreviventes foram severamente punidos.[70] Contudo, Ceife Aldaulá era estava incapaz de confrontar Nicéforo quando ele recomeçou seu avanço. O governante hamdanida fugiu para a segurança de sua fortaleza em Xaizar, enquanto os bizantinos invadiram a Jazira, antes de retornarem ao norte da Síria, onde lançaram ataques contra Mambije, Alepo e mesmo Antioquia, cujo recém-nomeado governador, Taqui Aldim Maomé ibne Muça, desertou para eles com o tesouro da cidade.[68][75] No começo de fevereiro de 967, Ceife Aldaulá retornou para Alepo, onde morreu alguns dias depois (embora uma fonte alegue que ele morreu em Maiafariquim). seu corpo foi embalsamado e sepultado num mausoléu em Maiafariquim ao lado de sua mãe e irmã. Um tijolo feito de pó recolhido de sua armadura após suas campanhas foi relatadamente colocado sobre sua cabeça.[76] Ele foi sucedido por seu único filho sobrevivente (de sua prima Saciná), o jovem de 15 anos Abul Maali Xarife, melhor conhecido como Sade Aldaulá.[77][78] O reinado de Sade Aldaulá foi marcado por tumulto interno, e não foi até 977 que ele foi capaz de assegurar o controle sobre sua própria capital. Por esse tempo, o emirado estava quase sem poder e tornou-se zona de contenção entre os bizantinos e o novo poder do Oriente Médio, o Califado Fatímida do Egito.[79]

Legado[editar | editar código-fonte]

Atividade e legado cultural[editar | editar código-fonte]

Descrição de Ceife Aldaulá ("o Habdano") e sua corte; Escilitzes de Madri (século XIII)

Ceife Aldaulá esteve cercado por figuras intelectuais proeminentes, mais notadamente os grandes poetas Almutanabi e Abu Firas, o sacerdote ibne Nubata, o gramático ibne Jini, e o notório filósofo Alfarábi.[80][81][b] O tempo de Almutanabi na corte de Ceife Aldaulá foi considerado o pináculo de sua carreira como poeta. Durante seus nome anos em Alepo, Almutanabi escreveu 22 grandes panegíricos para Ceife Aldaulá,[82] que, segundo o arabista Margaret Larkin, "demonstraram parte de afeição real misturada com a louvação convencional da poesia árabe pré-moderna."[83] O celebrado historiador e poeta Abu Alfaraje de Ispaã, também fez parte da corte hamdanida, e dedicou sua maior enciclopédia de poesia e canções, Kitab al-Aghani, para Ceife Aldaulá.[84] Abu Firas foi o primo de Ceife Aldaulá e foi criado em sua corte, enquanto Ceife Aldualá casou com sua irmã Saciná e nomeou-o governador de Mambije e Harrã. Abu Firas acompanhou Ceife Aldaulá em suas guerras contra os bizantinos e foi levado prisioneiro duas vezes. Foi durante seu segundo cativeiro em 962–966 que ele escreveu seus famosos poemas Rumiyyat ("romano", ou seja, bizantino).[85][86] O patrocínio de Ceife Aldaulá aos poetas também teve um útil dividendo político: o poeta cortesão tinha como dever celebrar seu patrão em sua obra, e a poesia ajudava a espalhar a influência de Ceife Aldaulá e sua corte através do mundo muçulmano.[87] Se Ceife Aldaulá prestou especial atenção nos poetas, sua corte continha estudiosos versados em estudos religiosos, história, filosofia e astronomia, de modo que, como S. Humphreys comenta, "em seu tempo Alepo poderia certamente ter mantido sua [...] própria como qualquer corte na Itália renascentista."[1][31]

Ceife Aldaulá também foi incomum à Síria do século X em sua amizade com o xiismo duodecimano num país unicamente sunita.[31] Durante seu reinado, o fundador da seita alauita, Alcácibi, beneficiou-se do patrocínio de Ceife Aldaulá. Alcácibi tornou Alepo um centro estável para sua nova seita, e enviou sacerdotes de lá tão longe quanto a Pérsia e Egito com seus ensinamentos. Seu principal trabalho teológico, Kitab al-Hidaya al-Kubra, foi dedicado a seu patrão hamdanida.[88] A promoção ativa de Ceife Aldaulá do xiismo começou um processo através do qual a Síria veio a abrigar uma grande população xiita no século XII.[31] Além disso, Ceife Aldaulá desempenhou papel crucial na história das duas cidades escolhidas como suas capitais, Alepo e Maiafariquim. Sua escolha elevou-as da obscuridade para o estatuto de grandes centros urbanos; Ceife Aldaulá prestou-lhes atenção, embelezando-as com novos edifícios, bem como tomando conta de sua fortificação. Alepo especialmente beneficiou-se do patrocínio de Ceife Aldaulá: especialmente notório e o grande Palácio de Halba fora de Alepo, bem como os jardins e aqueduto que ele construiu lá. A ascensão de Alepo como principal cidade do norte da Síria remonta a seu reinado.[19][28]

Legado político[editar | editar código-fonte]

Ceife Aldaulá permaneceu até hoje como um dos líderes árabes medievais melhor conhecidos. Sua bravura e liderança na guerra contra os bizantinos, apesar dos especiais revezes, suas atividades literárias e patrocínio dos poetas que emprestaram a sua corte um incomparável brilho cultural, e calamidades que abateram-se sobre ele próximo a seu fim — derrota, doença e traição — fizeram-o, nas palavras de Th. Bianquis, "de seu tempo até hoje", a personificação do "ideal cavalheiresco árabe em seu aspecto mais trágico."[1][89][90]

No entanto, a imagem apresentada por seus contemporâneos sobre o impacto das políticas de Ceife Aldaulá é menos favorável: o cronista do século X ibne Haucal, que viajou aos domínios hamdanidas, pintou uma imagem lúgubre da opressão econômica e exploração do povo comum, relacionada com a prática hamdanida de expropriação de extensas propriedades nas zonas mais férteis e práticas de monocultura de cereais destinadas a alimentar a crescente população de Bagdá. Isso esteve atrelado com a alta tributação — diz-se Ceife Aldaulá e Nácer Aldaulá tornaram-se os príncipes mais ricos no mundo muçulmano — o que permitiu-lhes manter suas custosas cortes, mas ao alto preço da prosperidade a longo prazo de seus súditos. Segundo Hugh Kennedy "mesmo a capital de Alepo parece ter sido mais próspera sob a subsequente dinastia mirdássida que sob os hamdanidas", enquanto Bianquis alega que as guerras e políticas econômicas de Ceife Aldaulá contribuíram para a alteração permanente na paisagem das regiões que governou: "ao destruir pomares e jardins de mercados periurbanos, ao enfraquecer a uma vez brilhante policultura e ao despovoar o sedentário terreno de estepe das regiões, os hamdanidas contribuíram à erosão da terra desmatada à apreensão das tribos semi-nômades das terras agriculturáveis destas regiões no século XI".[90][91]

Seu registro militar também foi, no fim, fracassado: o avanço bizantino continuou até sua morte, culminando na queda de Antioquia em 969. Alepo foi transformada num Estrado vassalo tributário do Império Bizantino, e pelos próximos 50 anos tornou-se zona de contenção entre bizantinos e um novo poder muçulmano, o Califado Fatímida centrado no Egito.[77][92] A derrota militar hamdanida foi no fim inevitável, dada a disparidade de força e recursos com o Império Bizantino. Essa fraqueza foi consequência do não apoio de Nácer Aldaulá a seu irmão em suas guerras, a preocupação hamdanida com revoltas internas, e a fraqueza de sua autoridade sobre muitos de seus domínios. Como o historiador Mark Whittow comenta, a reputação marcial de Ceife Aldaulá frequentemente mascara a realidade que seu poder foi "um tigre de papel, com pouco dinheiro, poucos soldados e com uma pequena base real nos territórios por ele controlados".[93]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Nome completo e genealogia segundo o historiador siríaco ibne Chalicane (m. 1282): Ali ibne Abul Haija Abdalá ibne Hamdane ibne Hamdune ibne Alarite ibne Lucmane ibne Raxide ibne Almatna ibne Rafi ibne Alarite ibne Gatife ibne Miraba ibne Harita ibne Malique ibne Ubaide ibne Adi ibne Uçama ibne Malique ibne Baquir/Becre ibne Hubaibe ibne Amir ibne Ganm ibne Taglibe.[94]
[b] ^ Para a lista completa de estudiosos associados à corte de Ceife Aldaulá cf. Bianquis 1997, p. 103; Brockelmann, Geschichte der arabischen Litteratur, Vol. I, pp. 86ff., and Supplement, Vol. I, pp. 138ff.

Referências

  1. a b c d e Bianquis 1997, p. 103.
  2. a b c d Canard 1971, p. 126.
  3. Kennedy 2004, p. 265–266.
  4. Kennedy 2004, p. 266, 269.
  5. a b c d e f Bianquis 1997, p. 104.
  6. Kennedy 2004, p. 266, 268.
  7. Kennedy 2004, p. 266–267.
  8. Canard 1971, p. 126–127.
  9. Kennedy 2004, p. 267–268.
  10. a b Canard 1971, p. 127.
  11. Kennedy 2004, p. 268.
  12. Bianquis 1997, p. 104, 107.
  13. Kennedy 2004, p. 192–195.
  14. Kennedy 2004, p. 195–196.
  15. a b Kennedy 2004, p. 270.
  16. Kennedy 2004, p. 270–271.
  17. a b c d Canard 1971, p. 129.
  18. Kennedy 2004, p. 196, 312.
  19. a b c d e f Bianquis 1997, p. 105.
  20. Bianquis 1993, p. 115.
  21. Bianquis 1998, p. 113.
  22. a b c Kennedy 2004, p. 273.
  23. Bianquis 1998, p. 113–114.
  24. Bianquis 1998, p. 114–115.
  25. Bianquis 1998, p. 114, 115.
  26. Bianquis 1997, p. 105, 107.
  27. a b c d Kennedy 2004, p. 274.
  28. a b c Humphreys 2010, p. 537.
  29. Kennedy 2004, p. 273–274.
  30. a b c d e Bianquis 1997, p. 106.
  31. a b c d e Humphreys 2010, p. 538.
  32. Kennedy 2004, p. 269, 274–275.
  33. McGeer 2008, p. 229–242.
  34. Kennedy 2004, p. 275.
  35. Toynbee 1973, p. 110–111, 113–114, 378–380.
  36. Whittow 1996, p. 310–316, 329.
  37. Toynbee 1973, p. 121, 380–381.
  38. Treadgold 1997, p. 479–484.
  39. Whittow 1996, p. 317–322.
  40. Kennedy 2004, p. 277–278.
  41. a b Kennedy 2004, p. 276.
  42. Whittow 1996, p. 318.
  43. Kennedy 2004, p. 278.
  44. a b c d e f g h Bianquis 1997, p. 107.
  45. Treadgold 1997, p. 483.
  46. Whittow 1996, p. 318–319.
  47. Ter-Ghewondyan 1976, p. 84–87.
  48. Treadgold 1997, p. 483–484.
  49. Whittow 1996, p. 319–320.
  50. Whittow 1996, p. 320, 322.
  51. Bianquis 1997, p. 106–107.
  52. Whittow 1996, p. 320.
  53. a b Kennedy 2004, p. 277.
  54. McGeer 2008, p. 244–246.
  55. Whittow 1996, p. 322.
  56. Treadgold 1997, p. 488–489.
  57. a b Treadgold 1997, p. 489.
  58. a b c Treadgold 1997, p. 492.
  59. Whittow 1996, p. 323–325.
  60. Treadgold 1997, p. 492–493.
  61. Treadgold 1997, p. 493.
  62. Bianquis 1997, p. 107–108.
  63. Treadgold 1997, p. 495.
  64. Treadgold 1997, p. 495–496.
  65. a b c d e f Bianquis 1997, p. 108.
  66. Kennedy 2004, p. 277, 279.
  67. Treadgold 1997, p. 496–497.
  68. a b c Whittow 1996, p. 326.
  69. Treadgold 1997, p. 498–499.
  70. a b c Kennedy 2004, p. 279.
  71. Treadgold 1997, p. 499.
  72. Kennedy 2004, p. 278–279.
  73. Treadgold 1997, p. 500–501.
  74. Bianquis 1997, p. 108–109.
  75. Treadgold 1997, p. 501–502.
  76. Bianquis 1997, p. 108, 109.
  77. a b Kennedy 2004, p. 280.
  78. El Tayib 1990, p. 326.
  79. Kennedy 2004, p. 280–282.
  80. Humphreys 2010, p. 537–538.
  81. Kraemer 1992, p. 90–91.
  82. Hamori 1992, p. vii.
  83. Larkin 2006, p. 542.
  84. Ahmad 2003, p. 179.
  85. Kraemer 1992, p. 90.
  86. El Tayib 1990, p. 315–318, 326.
  87. Bianquis 1997, p. 103–104.
  88. Moosa 1987, p. 264.
  89. Humphreys 2010, p. 537–539.
  90. a b Kennedy 2004, p. 265.
  91. Bianquis 1997, p. 109.
  92. Whittow 1996, p. 326–327.
  93. Whittow 1996, p. 334.
  94. ibne Chalicane 1842, p. 404.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ahmad, Zaid (2003). The Epistemology of Ibn Khaldūn. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-203-63389-X 
  • Bianquis, Thierry (1993). «Mirdās, Banū or Mirdāsids». In: Bosworth, C. E.; van Donzel, E.; Heinrichs, W. P.; Pellat, Ch. The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume VII: Mif–Naz. Leida: E. J. Brill. pp. 115–122. ISBN 90-04-09419-9 
  • Bianquis, Thierry (1997). «Sayf al-Dawla». In: Bosworth, C. E.; van Donzel, E.; Heinrichs, W. P.; Lecomte, G. The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume IX: San–Sze. Leida: E. J. Brill. pp. 103–110. ISBN 90-04-10422-4 
  • Bianquis, Thierry (1998). «Autonomous Egypt from Ibn Ṭūlūn to Kāfūr, 868–969». In: Petry, Carl F. Cambridge History of Egypt, Volume One: Islamic Egypt, 640–1517. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-47137-0 
  • El Tayib, Abdullah (1990). «Abū Firās al-Ḥamdānī». In: Ashtiany, Julia; Johnstone, T. M.; Latham, J. D.; Serjeant, R. B.; Smith, G. Rex. Abbasid Belles-Lettres. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-24016-6 
  • Hamori, Andras (1992). The Composition of Mutanabbī's Panegyrics to Sayf Al-Dawla. Leida e Nova Iorque: BRILL. ISBN 90-04-09366-4 
  • Humphreys, Stephen (2010). «Syria». In: Robinson, Charles F. The New Cambridge History of Islam, Volume I: The Formation of the Islamic World, Sixth to Eleventh Centuries. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. pp. 506–540. ISBN 978-0-521-83823-8 
  • ibne Chalicane, Xamce Aldim Abulabas Amade ibne Maomé (1842). «Ibn Khallikan's Biographical Dictionary, Vol. II. Trans. Bn. Mac Guckin de Slane». Paris: Oriental Translation Fund of Great Britain and Ireland 
  • Kennedy, Hugh N. (2004). The Prophet and the Age of the Caliphates: The Islamic Near East from the 6th to the 11th Century (Second ed. Harlow, RU: Pearson Education Ltd. ISBN 0-582-40525-4 
  • Kraemer, Joel L. (1992). Humanism in the Renaissance of Islam: The Cultural Revival During the Buyid Age (2nd Revised ed.). Leida: BRILL. ISBN 90-04-09736-8 
  • Larkin, Margaret (2006). «Al-Mutanabbi, Abu'l-Tayyib Ahmad ibn al-Husayn al-Ju'fi». In: Meri, Josef W. Medieval Islamic civilization, an Encyclopedia. Vol. 1, A–K, Index. Nova Iorque: Routledge. pp. 542–543. ISBN 0-415-96691-4 
  • McGeer, Eric (2008). Sowing the Dragon's Teeth: Byzantine Warfare in the Tenth Century (em inglês). Washington, Distrito de Colúmbia: Dumbarton Oaks Studies. ISBN 978-0-88402-224-4 
  • Moosa, Matti (1987). Extremist Shiites: The Ghulat Sects. Siracusa, Nova Iorque: Syracuse University Press. ISBN 0-8156-2411-5 
  • Ter-Ghewondyan, Aram (1976). Garsoïan, Nina G. (trad.), ed. The Arab Emirates in Bagratid Armenia. Lisboa: Livraria Bertrand. OCLC 490638192 
  • Treadgold, Warren (1997). A History of the Byzantine State and Society (em inglês). Stanford, Califórnia: Stanford University Press. ISBN 0-8047-2630-2