Sebastian Deisler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sebastian Deisler
Deislertraining.JPG
Informações pessoais
Data de nasc. 5 de janeiro de 1980 (37 anos)
Local de nasc. Lörrach, Alemanha Ocidental
Altura 1,81 m
Apelido Basti Fantasti
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Meia
Clubes de juventude
1985–1988
1988–1990
1990–1995
1995–1998
Alemanha FV Tumringen
Alemanha TuS Stetten
Alemanha FV Lörrach
Alemanha Bor. M'gladbach
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1998-1999
1999-2002
2002-2007
Alemanha Bor. M'gladbach
Alemanha Hertha Berlin
Alemanha Bayern Munich
17 (1)
57 (9)
62 (8)
Seleção nacional
1999-2006 Bandeira da Alemanha Alemanha 36 (3)

Sebastian Deisler (Lörrach, 5 de janeiro de 1980) é um ex-futebolista alemão que atuava como meio-campista.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Deisler começou a carreira profissional no Borussia Mönchengladbach, na temporada 1998-99. Com o rebaixamento da equipe na Bundesliga, que ficou em último lugar, transferiu-se para o Hertha Berlin por 4,5 milhões de marcos, onde logo chamou a atenção da mídia alemã por demonstrar qualidade superior em passes e dribles, e logo o deu o status de jovem promessa.

Pela Bundesliga, o jovem Deisler encantou a cidade de Berlim, e não demorou muito para ganhar o apelido de Basti Fantasti. Em sua primeira temporada pelo Hertha Berlin, Deisler jogou 20 jogos, marcando 2 gols e 3 assistências. Sebastian Deisler nunca se destacou pela quantidade de gols marcados, mas sim pela beleza do seu futebol, que era muito diferente do que os alemães estavam acostumados a ver naqueles tempos de entressafra após a vitoriosa campanha da Copa de 1990. Ao final da temporada, o Hertha acabou em 6º lugar na Bundesliga.

Ainda em 1999, foi chamado pela primeira vez à seleção nacional, após ser uma das grandes revelações alemãs do ano. Aos 20 anos, esteve no elenco alemão que disputou a Euro 2000, mas foi reserva da equipe na eliminação sofrida na primeira fase do torneio, apesar de ter disputado todas as três partidas.[1]

Em 2001, apesar de vencer a Copa da Liga com o Hertha, sofreu uma grave lesão no joelho direito, ficando de fora do restante da temporada e também da Copa do Mundo FIFA de 2002, onde era cotado como titular do time alemão.[2]

Porém, o talento demonstrado pelo jogador até então foi o suficiente para que o Bayern München comprasse o jogador após o Mundial disputado na Coreia do Sul e no Japão por 20 milhões de marcos. No entanto, a pressão em Munique era bem maior do que em Berlim, e as constantes lesões o impediram de se tornar um titular com regularidade da equipe bávara. Foi aí que a depressão se desenvolveu, com Basti não suportando a pressão de atender às expectativas depositadas nele, segundo ele mesmo relatou posteriormente. O anúncio de seu quadro depressivo foi feito pelo então técnico alemão Rudi Völler, durante uma coletiva de imprensa.[3]

Deisler em evento junto do elenco alemão que disputou a Copa das Confederações de 2005.

Ainda assim, Basti pareceu reagir na temporada 2004-05, após ter seu primeiro filho. disputando a Copa das Confederações como titular da Nationalelf, na campanha em que os alemães ficaram em terceiro lugar.[4]

Apesar da boa fase e da recuperação de seu joelho e sua auto-estima, uma nova lesão no joelho direito o tiraria mais uma vez da disputa da Copa do Mundo de 2006, disputada em seu próprio país.[5] Foi um golpe duro demais para o jogador, então com 26 anos, que chegou à procurar tratamento psicológico após mais um choque em sua carreira.[6] Deisler jamais se recuperou psicologicamente, e em janeiro de 2007, encerrou sua carreira precocemente, aos 27 anos.[7] O Bayern, com esperança de que o jogador voltasse atrás em sua decisão não encerrou seu contrato, que venceria em 2009, o que não ocorreu.[8]

Pós-aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Em Setembro de 2009 lança sua biografia, intitulada Züruck ins Leben (De volta à vida), e volta a aparecer publicamente pela primeira vez desde a sua aposentadoria. O livro expõe a sua carreira, a falta de apoio psicológico que teve no Hertha Berlin, seus problemas com lesões, e principalmente a sua dificuldade de entender e se encaixar no mundo competitivo do futebol, que para ela já não fazia mais sentido.

No mesmo ano, volta a aparecer publicamente após a trágica morte do goleiro Robert Enke, que assim como Deisler também sofria de problemas psicológicos. Dando como exemplo a sua carreira, Sebastian Deisler defende um maior cuidado dos clubes e federações com a saúde mental dos atletas.[9]

Atualmente, Sebastian Deisler vive em Freiburg Junto com a sua esposa, a brasileira Eunice Santana, e seu filho, onde tem uma loja.[10]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Hertha Berlin
Bayern München

Referências