Seven Years in Tibet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filme. Para o livro, veja Sete Anos no Tibete.
Seven Years in Tibet
No Brasil Sete Anos no Tibet
Em Portugal Sete Anos no Tibete
 Estados Unidos
 Reino Unido
1997 •  cor •  139 min 
Direção Jean-Jacques Annaud
Produção
  • Jean-Jacques Annaud
  • John H. Williams
  • Iain Smith
Roteiro Becky Johnston
Baseado em Seven Years in Tibet,
de Heinrich Harrer
Elenco
Género drama biográfico-histórico-aventuresco
Cinematografia Robert Fraisse
Direção de arte At Hoang
Edição Noelle Boisson
Idioma

Seven Years in Tibet (no Brasil: Sete Anos no Tibet[1][2]; em Portugal: Sete Anos no Tibete[3][4]) é um filme britano-estadunidense de 1997, do gênero drama biográfico-histórico-aventuresco, dirigido por Jean-Jacques Annaud, com roteiro de Becky Johnston baseado no livro Seven Years in Tibet, do montanhista austríaco Heirich Harrer.[5]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Categoria Recipiente Resultado
Globo de Ouro 1998 Melhor trilha sonora John Williams Indicado[6]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Heinrich Harrer (Brad Pitt) tentou algo quase impossível: escalar o Nanga Parbat, o 9º pico mais alto do mundo. Onze pessoas de quatro equipes alemãs morreram tentando esta façanha e em virtude disto alcançar o Nanga Parbat se tinha tornado uma obsessão nacional. Heinrich era egocêntrico e visando somente a glória pessoal, viajou para o outro lado do mundo deixando sua mulher grávida e um casamento em crise. Ele não conseguiu o feito, mas quando a Inglaterra declarou guerra à Alemanha absurdamente foi considerado inimigo, por estar em domínio inglês. Heinrich é feito prisioneiro de guerra, mas fugiu após várias tentativas. Através destes e outros fatos ele e Peter Aufschnaiter (David Thewlis), outro alpinista, se tornaram os únicos estrangeiros na sagrada cidade de Lhasa, Tibete. Lá a vida de Heinrich mudaria radicalmente, pois no tempo em que passou no Tibé se tornou uma pessoa generosa além de se tornar confidente do dalai-lama.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Seven Years in Tibet tem recepção favorável por parte da crítica especializada. Possui tomatometer de 61% em base de 33 críticas no Rotten Tomatoes. Por parte da audiência do site tem 74% de aprovação.[7]

Referências

  1. «Sete Anos no Tibet». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 12 de março de 2021 
  2. «Sete Anos no Tibet». Brasil: CinePlayers. Consultado em 12 de março de 2021 
  3. «Sete Anos no Tibete». Portugal: SapoMag. Consultado em 12 de março de 2021 
  4. «Sete Anos no Tibete». Portugal: CineCartaz. Consultado em 12 de março de 2021 
  5. «Seven Years in Tibet (1997)». American Film Institute. Consultado em 12 de março de 2021 
  6. «Seven Years in Tibet». GoldenGlobes.com. Consultado em 12 de março de 2021 
  7. «Seven Years in Tibet» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 8 de março de 2014 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.