Tachelhit

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a língua. Para a etnia, veja Chleuhs.
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo, expandindo-o. Mais informações podem ser encontradas no artigo «Shilha language» na Wikipédia em inglês e também na página de discussão. (fevereiro de 2012)
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde fevereiro de 2012). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Tachelhit (Taclḥiyt / ⵜⴰⵛⵍⵃⵉⵢⵜ, Tasusit / ⵜⴰⵙⵓⵙⵉⵜ, Tamaziɣt / ⵜⴰⵎⴰⵣⵉⵖⵜ)
Pronúncia:/t̪aʃəl̪ʜijt̪/, /t̪as̪us̪it̪/, /t̪amaz̪iʁt̪/
Outros nomes:Tachelhiyt, Tasusit, Shilha, Chleuh, Chelha Ou Amazirt N Suss
Falado em:  Marrocos,  Argélia
Região: Suz, Alto Atlas, Anti-Atlas
Total de falantes: 3 a 9 milhões (as estimativas variam conforme as fontes)
Família: Línguas afro-asiáticas
 Línguas berberes
  Línguas berberes setentrionais
   Línguas berberes do Atlas
    Tachelhit
Escrita: tifinague, latina, árabe
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: shi
Primeira página da obra al Hawd, de Mohamed Awzal, um autor tachelhit do século XVIII

O tachelhit (em tachelhit: taclḥiyt, tasusit ou tamaziɣt), tachelhiyt, tasusit, shilha (AFI[ˈʃɪlhə]),[nt 1] chelha, chleuh ou amazirt n Suss (berbere do Suz) é um idioma do sul de Marrocos, falada pelos chleuhs (ou ichelhin). É a língua berbere mais importante de Marrocos em número de falantes e em área.

É falado numa área que vai desde as encostas meridionais do Alto Atlas (eixo Demnat-Ouarzazate), a norte, até aos limites sul do Anti-Atlas, e desde a costa atlântica, a oeste, até ao Vale do Drá, a leste.[nt 2] O núcleo geográfico central do tachelhit corresponde aproximadamente à região histórica do Suz.

O tachelhit é chamado tasusit pelos falantes de amazigue do sudeste marroquino, para o distinguirem da sua própria língua, a que eles também chamam tachelhit, mas a intercompreensão entre os dois idiomas não é completo.

O idioma é conhecido pela riqueza da sua literatura oral. A literatura escrita, usando alfabeto árabe berbere, surge a partir da segunda metade do século XVI. Mohamed Awzal (1680–1749) é o poeta mais prolífico da tradição literária tachelhit.

Geografia e demografia[editar | editar código-fonte]

O Suz (Souss), a região do sudoeste de Marrocos correspondente à divisão administrativa de Souss-Massa-Drâa, é a zona central do tachelhit. Os seus habitantes são os Aït Souss (Ist Souss no feminino), Ousous no singular (Oultsous no feminino). A capital da região, Agadir, é a cidade com mais falantes de tachelhit.

Não há estatísticas fiáveis sobre o número de falantes de tachelhit. Os dados recolhidos sobre o assunto no censo de 1994 não foram publicados. As estimativas consideradas mais fiáveis, como as de Harry Stroomer, diretor do Departamento de Estudos Berberes da Universidade de Leida, apontam para 8 a 9 milhões de falantes de tachelhit no mundo, contando não só os falantes de Marrocos, mas também as comunidades emigrantes ou descendentes de emigrantes, nomeadamente na França, Bélgica, Alemanha, Países Baixos e Israel. Estas estimativas levaram o estudioso belga a concluir que o tachelhit é a língua berbere mais falada do mundo.

Em Marrocos, fora do das zonas rurais, é raro que os falantes de tachelhit sejam monolingues, sendo normalmente bilingues (tachelit e árabe) ou trilingues (francófonos além das outras duas línguas).


Escritas[editar | editar código-fonte]

Shilha foi escrito com vários alfabetos diferentes. Historicamente, a escrita árabe tem sido dominante. O uso da escrita latina surgiu no final do século XIX. Mais recentemente, houve uma iniciativa para escrever Shilha em Tifinagh.

Tifinagh[editar | editar código-fonte]

Tifinagh (ou melhor, Neo-Tifinagh) foi introduzido no final da década de 1990 e seu uso é agora apoiado pelas autoridades marroquinas, em uma forma padronizada promulgada pelo Instituto Real da Cultura Amazigue (IRCAM, Rabat). Publicações inteiramente impressas em Tifinagh ainda permanecem raras, e apenas uma pequena proporção de falantes Shilha, se houver, são capazes de lidar com a nova escrita com confiança. Seu principal papel é emblemático, o de um ícone cultural. Como tal, Tifinagh entrou no espaço público, com os sinais da cidade mostrando agora o nome em Tifinagh, bem como em árabe e latim.

Latina[editar | editar código-fonte]

Muitos textos shilha da tradição oral foram publicados desde o século XIX, transcritos em escrita latina. Publicações antigas exibem uma ampla variedade de sistemas de transcrição. Stumme (1899) e Destaing (1920, 1940) usam uma elaborada transcrição fonética, enquanto Justinard (1914) e Laoust (1936) empregam uma transcrição baseada em convenções ortográficas francesas. Um novo padrão foi estabelecido por Aspinion (1953), que usa uma transcrição simples, mas precisa, em grande parte fonêmica, com hifenização.

A maioria das publicações acadêmicas das últimas décadas usa um alfabeto berbere latino transcrita (como usado neste artigo)ref>In this article, the graphs š and ž are used instead of standard c and j in order to make the transcribed examples more accessible to readers with no background in berberology.</ref> The most unusual feature of this orthography is the employment of the symbol ɛ (Greek epsilon) to represent /ʢ/ (voiced epiglottal fricative), for example taɛmamt /taʢmamt/ "turban". Except with (= IPA /ʜ/), the subscript dot indicates pharyngealisation, for example aḍrḍur /adˤrdˤur/ "deaf person". Geminated and long consonants are transcribed with doubled symbols, for example tassmi "needle", aggʷrn "flour". Word divisions are generally disjunctive, with clitics written as separate words (not hyphenated).

Árabe[editar | editar código-fonte]

Shilha escrito em escrita árabe: um manuscrito do século XVIII de "al-Ḥawḍ" de Mḥmmd Awzal

;Tradicional[editar | editar código-fonte]

Os textos manuscritos tradicionais de Shilha são escritos em uma ortografia convencionalizada em escrita árabe magrebe. [1] inalterado desde pelo menos o final do século 16, e ainda é usado hoje em círculos de estudiosos islâmicos tradicionais ( ṭṭlba ). As principais características da ortografia tradicional são o uso de duas letras extras ( kāf com três pontos para g , e ṣād com três pontos para ) e vocalização completa ( vogais escritas com fatḥah , kasrah e ḍammah ). Elementos clíticos são escritos ligados a um substantivo ou forma verbal (ortografia conjunta). [2]

Moderna[editar | editar código-fonte]

Desde a década de 1970, um bom número de livros em Shilha foi publicado dentro do Marrocos, escrito em um novo e prático texto de ortografia berbere árabe. As principais características dessa ortografia são a representação de vogais a, i, u pelas letras alif, yāʼ, wāw , e a não utilização de sinais de vocalização diferentes de shaddah (para indicar geminação de consoantes) e "ḍammah" (para indicar a labialização de consoantes velares e uvulares). A consoante g é escrita com گ, e é escrita com زٜ ( zāy com ponto abaixo) ou não é diferente de z . Separações de palavras são na maioria disjuntivas.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Tonicidade e intonação[editar | editar código-fonte]

Tonicidade e entonação em Shilha são objeto de uma monografia de Roettger (2017), que utilizou testes instrumentais. Ele estabeleceu o fato de que a Shilha não tem tonicidade lexical (Roettger 2017: 59), como observado anteriormente por Stumme (1899: 14) e Galand (1988, 2.16)

Vogais[editar | editar código-fonte]

Shilha tem três vogais fonêmicas, com extensão sem característica distintiva.[3] The vowels show a fairly wide range of allophones.[4] A vogal / a / é mais frequentemente percebida como [a] ou [æ], e / u / é pronunciada sem nenhum arredondamento perceptível, exceto quando adjacente a w . A presença de uma consoante faringealizada convida a uma realização mais centralizada da vogal, como em "kraḍ" [krɐdˤ] "três", kkuẓ [kkɤzˤ] " quatro ", sḍis [sdˤɪs]" seis "(compare yan [jæn]" um ", sin sin] "two", semmus [smmʊs] "cinco").

Anterior Central Posterior
Fechada i u
Aberta a

Vogais fonêmicas adicionais ocorrem esporadicamente em palavras de empréstimo recentes, por exemplo / o / como em rristora "restaurant" (do francês).

Vogais transicionais e Schwa"[editar | editar código-fonte]

Além das três vogais fonêmicas, há vogais transicionais não-fonêmicas, muitas vezes coletivamente referidas como "xevá". Tipicamente, uma vogal transitória é audível após o início de uma sílaba vogal CC ou CCC, se qualquer uma das consoantes flanqueadoras, ou ambas, forem dubladas.,[5] por exemplo, tigemmi [tigĭmmi] "casa", ameḥḍar [amɐ̆ʜdˤɐr] "estudante". Nas transcrições fonéticas de Stumme (1899) e Destaing (1920, 1940), muitas dessas vogais transicionais são indicadas.

Autores posteriores, como Aspinion (1953), usam o símbolo ⟩e⟩ para marcar o local onde uma vogal transicional pode ser ouvida, independentemente de sua qualidade, e também escrevem ⟩e⟩ onde, na realidade, nenhuma vogal, por menor que seja, é ouvida , por exemplo ⟨akessab⟩ [akssæb] "proprietário de gado", iar išetta⟩ [ar iʃtta] "ele está comendo". O símbolo ⟨e⟩, frequentemente referido como "schwa", como usado por Aspinion e outros, torna-se assim um dispositivo puramente gráfico empregado para indicar que a consoante precedente é um início silábico: [ak⟨e⟩s.sab], [ a.ri.š⟨e⟩t.ta].[6] Como Galand observou, a notação de "schwa" (xevá) resulta de fato de "hábitos estranhos a Shilha"..[7] E, como conclusivamente mostrado por Ridouane (2008), as vogais transicionais ou "intrusivas" não podem sequer receber o status de vogais epentéticas. É, portanto, preferível não escrever vogais transicionais ou "schwa", e transcrever as vogais de uma maneira estritamente fonêmica, como em Galand (1988) e em todas as edições de texto recentes..[8]

Hiatos[editar | editar código-fonte]

Hiatos não ocorrem dentro de um morfema, ou seja, um morfema nunca contém uma sequência de duas vogais sem uma consoante interveniente. Se o hiato surge quando uma vogal morfema-final e uma vogal morfema inicial se juntam no contexto, existem várias estratégias para lidar com isso..[9] A primeira das duas vogais pode ser elidida ou, alternativamente, a semivogal 'y' 'pode ser inserida para manter as vogais separadas:

/ tumẓn ula asngar / → tumẓin ulasngar ou tumẓin ula y asngar "cevada e milho"
/ fukku anɣ / → fukkanɣ ou fukku y anɣ "liberte-nos!"

Menos comumente, vogais / i / e / u / podem mudar para y e w : / ddu-at / "go ye!" (imperativo plural masculino) é realizado como dduyat (com inserido y ) ou como ddwat

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Amostra de expressão em (Chelha)

Shilha tem trinta e três consoantes fonêmicas. Como outras línguas berberes e o árabe, tem tanto faringealização ("enfática") como consoantes dentais simples. Há também uma distinção entre labialização e simples consoantes dorsais obstruentes. Geminação e extensão da vogal são contrastivas.

A tabela abaixo representa as consoantes na transcrição latina padrão. Onde a transcrição difere da ortografia IPA, a transcrição latina está em negrito.

Bilabial Labiodental Dental Pós-alveolar Palatal Velar Uvular Faringeal Glotal
plana faringealização plana Labializada plana Labializada
Nasal m n
Oclusiva surda   t k q qʷ 
Sonora d g
Fricativa surda s /sˤ/ š ʃ x χ χʷ ħ  h
sonora z /zˤ/ ž ʒ ɣ ʁ ɣʷ ʁʷ ɛ ʕ
Aproximante l y j w
Vibrante r

Consoantes fonêmicas adicionais ocorrem esporadicamente em termos de empréstimo recentes, por exemplo / bʷ / como em bbʷa "(meu) pai" (do árabe marroquino), e / p / como em laplaž "praia" ( do francês).

Literatura[editar | editar código-fonte]

À semelhança doutras línguas berberes, o tachelhit tem um corpus importante de literatura oral numa grande variedade de géneros. Entre estes destacam-se as fábulas e contos de animais, contados pelas mulheres, as lendas (H'mad ounamir e outras), as histórias de imãs ou de talebs (estudantes de madraças), enigmas, etc. Há também um tradição literária escrita, menos conhecida, que remonta ao século XVI.

Durante pelo menos quatro séculos, o tachelhit foi escritos com letras locais, numa variedade magrebina do alfabeto árabe. O autor mais prolífico desta tradição foi Mohamed Awzal (1680-1749). O texto mais longo existente em tachelhit é um comentário sobre o El-Hawd, a principal obra literária de Awzal, intitulado El-Mandja ("A Pastagem"), escrito por Lahsen Ou Mbark Outmouddizt Abaaqil (1844-1899).

Há duas coleções importantes de manuscritos em tachelhit em Aix-en-Provence (espólio deo linguista Arsène Roux) e em Leida. Praticamente todos os escritos são de natureza religiosa e o sue principal objetivo era instruir as gentes comuns iletradas. Muitos desses textos foram escritos em verso para facilitar a memorização e a recitação.

A língua escrita difere em alguns aspetos da falada. Os textos manuscritos, por exemplo, habitualmente contêm uma mistura de variantes dialetais que não se encontram num dialeto simples. A língua dos manuscritos comporta igualmente um número superior de termos árabes do que a forma oral, um fenómeno chamada de "arabismo poético" por Paulette Galand-Pernet. Outras carcaterísticas da língua escrita incluem a utilização duma forma plural em vez do singular.

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Como todas as línguas berberes, o tachelhit absorveu um grande número de palavras árabes, particularmente no domínio religioso. No entanto, o tachelhit é uma das línguas berberes do grupo norte menos contaminadas: a taxa de empréstimo do árabe, é da ordem dos 25%, muito inferior à das línguas mediterrânicas, como por exemplo, o cabila com 38%. O tachelhit é igualmente uma das raras línguas berberes que conservou a antiga numeração berbere, embora nas zonas de contacto mais intenso, nomeadamente urbanas, a numeração árabe tem tendência expandir-se.

Há variações de uma região para outra, as quais não poem em causa a intercompreensão. A estrutura gramatical e de vocabulário é próxima de outras línguas berberes.

Provérbios tachelhit[editar | editar código-fonte]

  • Aquele que chama o vento não chora sobre a palha (não se lamentar as consequências daquilo que desejaste).
  • Aquele que quer obter farinha deve estender as pernas para fazer rodar a mó.
  • Só a tua mão coçará onde tens comichão (não contes com mais ninguém senão tu próprio em caso de desgraça).
  • Aquele que recorre aos Ttêlba (aos letrados) para que lhe leiam o Alcorão todo não se lastima quando eles comem a metade da tigela de manteiga (quando se quer alguma coisa não se pode olhar a despesas).
  • Aquele que quer coisas agradáveis deve suportar com paciência as coisas desagradáveis (a felicidade está na resignação).
  • Aquele que não tem paciência terá cólicas.
  • O homem inteligente compreende, o burro come a palha.

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

Lqqiṣt n yan urgaz lli yzznzan tammnt ɣ ssuqq. Yan urgaz iɛmmr mnnaw yilmawn n tammnt ɣ ssuqq. Yašk nn dars yan urgaz, ira ad dars isɣ tammnt. Inna y as: "Mnšk at tzznzt tammnt ann?" Inna y as: "Mḍi tt, iɣ ak tɛžb ar gis tsawalt." Yasy urgaz ann yan yilm, ifsi t, imḍi tammnt, ifk t i bab nns, inna as: "Amẓ, ar kiɣ gussɣ wayyaḍ." Yamẓ t s ufus nns, yasi daɣ umsaɣ lli wayyaḍ, ifsi t, imḍi tammnt, ifk t daɣ i bab nns. Yamẓ t s ufus nns yaḍnin, yasy umsaɣ yan yilm n tammnt, irur. Iggammi bu tammnt mad a yskar i yilmawn lli yumẓ. Ar yaqqra y mddn at t fukkun.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Sobre as peculiaridades do roteiro e ortografia de Maghribi, ver van den Boogert (1989).
  2. Para uma descrição completa da ortografia tradicional, veja van den Boogert (1997: 61-67) e o artigo ortografia berbere.
  3. Galand (1988, 2.4).
  4. Galand (1988, 2.13).
  5. Galand (1988, 2.1).
  6. Cf. Dell and Elmedlaoui (2002:232), who observe the same practice in transcriptions of Moroccan Arabic. The practice is almost never applied entirely consistently. For example, the noun idrimn "money" is written as ⟨idrimen⟩, with ⟨e⟩ indicating that m is the onset of the last syllable: [id.ri.m⟨e⟩n]. But when a vowel follows, as in idrimn inu "my money", ⟨e⟩ should not be written, because the syllabic structure then becomes [id.rim.ni.nu]. In such cases Aspinion and others routinely write ⟨idrimen inu⟩, with superfluous ⟨e⟩.
  7. Galand (1988, 2.1), "le plus souvant les nombreuses notations de [ə] que l'on observe chez les berbèrisants résultent d'habitudes étrangères au chleuh".
  8. Text published in the modern orthography in Arabic script also do not represent transitional vowels or "schwa".
  9. The effects of these strategies are often not accurately represented in transcriptions.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bounfour, Abdellah; Boumalk, Abdallah. Vocabulaire usuel du tachelhit (em francês). Rabat: Centre Tarik Ibn Zyad 
  • Mountassir, Abdallah El. Initiation au tachelhit, dialecte berbère du sud du Maroc (em francês). [S.l.]: L'Asiathèque, collection Dialectes mondes 
  • Mountassir, Abdallah El (2003). Dictionnaire des verbes tachelhit-français (parler berbère du sud du Maroc) (em francês). [S.l.]: L'Harmattan 
  • Galand-Pernet, Paulette (1998). Littératures berbères, des voix, des lettres (em francês). [S.l.]: Presses Universitaires de France 
  • Galand-Pernet, Paulette (2000). Recueil de poèmes chleuhs (em francês). [S.l.]: Klincksieck 
  • Quitout, Michel (1997). Grammaire berbère (rifain, tamazight, chleuh, kabyle) (em francês). [S.l.]: L'Harmattan 
  • Stroomer. Three Tashelhiyt Berber Texts from the Arsène Roux Archives. [S.l.: s.n.]  in Evidence and Counter-Evidence. Essays in Honour of Frederik Kortlandt (em inglês). 2. [S.l.]: Rodopi. 2008. p. 389. 428 páginas. ISBN 978-9042024717. Consultado em 17 de fevereiro de 2012 
  • Amard, P. (1997). Textes berbères des Aït Ouaouzguite. Edités et annotés par Harry Stroomer. Aix-en-Provence: Edisud. ISBN 2-85744-960-7 
  • Amarīr, ʿU. (1987). al-Shiʿr al-āmāzīghī al-mansūb ilā Sīdī Ḥammū al-Ṭālib. Casablanca: Maktabat Provence (in Arabic and Shilha) 
  • Applegate, J.R. (1958). An outline of the structure of Shilḥa. New York: American Council of Learned Societies 
  • Aspinion, R. (1953). Apprenons le berbère. Initiation aux dialectes chleuhs. Rabat: Moncho 
  • Bellakhdar, J. (1997). La pharmacopée marocaine traditionnelle. N.p.: Ibis Press. ISBN 2-910728-03-X 
  • Boogert, N. van den (1989). «Some notes on Maghribi script» (PDF). Manuscripts of the Middle East. 4: 30–43 
  • Boogert, N. van den (1997). The Berber literary tradition of the Sous. De Goeje Fund, Vol. XXVII. Leiden: NINO. ISBN 90-6258-971-5 
  • Boogert, N. van den (1998). La révélation des énigmes. Lexiques arabo-berbères des xviie et xviiie siècles. Col: Travaux et documents de l'Irémam, no. 19. Aix-en-Provence: Irémam. ISBN 2-906809-18-7 
  • Boogert, N. van den (2000). «Medieval Berber orthography». In: Chaker, S.; Zaborski, A. Etudes berères et chamito-sémitiques, Mélanges offerts à Karl-G. Prasse. Paris and Louvain: Peeters (pp. 357–377). ISBN 978-90-429-0826-0 
  • Boogert, N. van den (2002). «The names of the months in medieval Berber». In: Naït-Zerrad, K. Articles de linguistique berbère. Mémorial Werner Vycichl. Paris: L'Harmattan (pp. 137–152). ISBN 2747527069 
  • Boogert, N. van den & Kossmann, M. (1997). «Les premiers emprunts arabes en berbère». Arabica. 44 (2): 317–322. doi:10.1163/1570058972582506. hdl:1887/4151 
  • Boukous, A. (1977). Langage et culture populaires au Maroc. Essai de sociolinguistique. Casablanca: Dar El Kitab (the bland title hides a book on Shilha containing, among others, nine narrative texts with translations, pp. 152–289) 
  • Boumalk, A. (2004). Manuel de conjugaison du tachelhit. Paris: L'Harmattan. ISBN 2747555275 
  • Boumalk, A. & Bounfour, A. (2001). Vocabulaire usuel du tachelhit (tachelhit-français). Rabat: Centre Tarik Ibn Zyad. ISBN 9954022899 
  • Cid Kaoui, S. (1907). Dictionnaire français-tachelh'it et tamazir't (dialectes berbères du Maroc). Paris: Leroux 
  • Colin, G.S. (1993). Le dictionnaire Colin d'arabe dialectal marocain. Vol. 1–8. Edited by Z.I. Sinaceur. Rabat: Al Manahil, Ministère des affaires culturelles. ISBN 9981-832-03-0 
  • Dell, F. & Elmedlaoui, M. (1985). «Syllabic consonants and syllabification in Imdlawn Tashlhiyt Berber». Journal of African Languages and Linguistics. 7 (2): 105–130. doi:10.1515/jall.1985.7.2.105 
  • Dell, F. & Elmedlaoui, M. (2002). Syllables in Tashlhiyt Berber and in Moroccan Arabic. Dordecht, Boston, London: Kluwer. ISBN 978-1-4020-1077-4 
  • Dell, F. & Elmedlaoui, M. (2008). Poetic metre and musical form in Tashelhiyt Berber songs. Köln: Köppe. ISBN 978-3-89645-398-3 
  • Destaing, E. (1920). Etude sur la tachelḥît du Soûs. Vocabulaire français-berbère (PDF). Paris: Leroux (reprinted 1938) 
  • Destaing, E. (1937). Textes arabes en parler des Chleuḥs du Sous (Maroc). Paris: Geuthner 
  • Destaing, E. (1940). Textes berbères en parler des Chleuhs du Sous (Maroc). Paris: Geuthner (contains the same texts as Destaing 1937, which see for the translations) 
  • Dixon, R.M.W. (2010). Basic linguistic theory. Volume 1, Methodoloy. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-957106-2 
  • Fox, M. & Abu-Talib, M. (1966). A dictionary of Moroccan Arabic. Washington: Georgetown University Press. ISBN 0-87840-007-9 
  • Galand, L. (1988). «Le berbère». In: D. Cohen. Les langues dans le monde ancien et moderne. Troisième partie, Les langues chamito-sémitiques. Paris: CNRS (pp. 207–242). ISBN 2-222-04057-4 
  • Galand-Pernet, P. (1972). Recueil de poèmes chleuhs. Paris: Klincksieck. ISBN 2-252-01415-6 
  • Ggʷižžan, Lḥusin bn Iḥya (2002). Amarg n Faṭima Tabaɛmrant. Rabat: al-Jamʿīyah al-maghribīyah li-l-baḥth wa-l-tabādul al-thaqāfī (in Shilha) 
  • Ibáñez, E. (1954). Diccionario Español-Baamarani (dialecto Bereber de Ifni). Madrid: Instituto de Estudios Africanos 
  • Jordan, A. (1934). Dictionnaire berbère-français (dialectes tašelhait). Rabat: Omnia 
  • Jordan, A. (1935). Textes berbères, dialecte tachelhait. Rabat: Omnia 
  • Jouad, H. (1983). Les éléments de la versification en berbère marocain, tamazight et tachlhit. Paris: Thèse en vue du Doctorat de 3ème cycle 
  • Jouad, H. (1995). Le calcul inconscient de l'improvisation. Poésie berbère. Rythme, nombre et sens. Paris, Louvain: Peeters. ISBN 9789068317503 
  • Justinard, L. (1914). Manuel de berbère marocain (dialecte chleuh). Paris: Librairie orientale & américaine 
  • Justinard, L. (1954). Un petit royaume berbère: le Tazeroualt. Paris: Librairie orientale & américaine 
  • Kossmann, M. (2012). «Berber». In: Frajzyngier, Z.; Shay, E. The Afroasiatic languages. Cambridge: Cambridge University Press (pp. 18–101). ISBN 978-0-521-86533-3 
  • Kossmann, M. (2013). The Arabic influence on Northern Berber. Leiden: Brill. ISBN 978-90-04-25308-7 
  • Kossmann, M.G. & Stroomer, H.J. (1997). «Berber phonology». In: Kaye, A.S. Phonologies of Asia and Africa. Vol. 1. Winona Lake, Indiana: Eisenbrauns (pp. 461–475). ISBN 1-57506-017-5 
  • Lahrouchi, Mohamed & Ségéral, Philippe (July 2009). «Morphologie gabaritique et apophonie dans un langage secret féminin (taqjmit) en berbère tachelhit». Canadian Journal of Linguistics. 54 (2): 291–316. ISSN 0008-4131. doi:10.1017/S0008413100001262  Verifique data em: |data= (ajuda)
  • Lamzoudi, M. (1999). Guide d'initiation au dialecte berbère Tachelḥit. Casablanca: Najah El Jadida 
  • Laoust, E. (1920). Mots et choses berbères. Notes de linguistique et d'ethnography, dialectes du Maroc. Paris: Challamel 
  • Laoust, E. (1936). Cours de berbère marocain. Dialectes du Sous du Haut et de l'Anti-Atlas. Deuxième édition revue et corrigée. Paris: Société d'éditions géographiques, maritimes et coloniales (first ed. Paris: Challamel, 1921) 
  • El Mountassir, A. (2003). Dictionnaire des verbes tachelhit-français. Paris: L'Harmattan. ISBN 2747535770 
  • El Mountassir, A. (2009). Méthode de tachelhit, langue amazighe (berbère) du sud du Maroc. Paris: L'Asiathèque. ISBN 978-2915255843 
  • Peace Corps Morocco (2011). Tashlheet textbook. [S.l.: s.n.] 
  • Podeur, J. (1995). Textes berbères des Aït Souab, Anti-Atlas, Maroc. Edités et annotés par N. van den Boogert, M. Scheltus, H. Stroomer. Aix-en-Provence: Edisud. ISBN 2-85744-826-0 
  • Ridouane, R. (2008). «Syllables without vowels. Phonetic and phonological evidence from Tashelhiyt Berber». Phonology. 25 (2): 321–359. doi:10.1017/s0952675708001498 [ligação inativa]
  • Roettger, T.B. (2017). Tonal placement in Tashlhiyt. How an intonation system accommodates to adverse phonological environments. Berlin: Language Science Press (open access publication). ISBN 978-3-944675-99-2 
  • Roux, A. (2009). La vie berbère par les textes, parlers du sud-ouest marocain (tachelhit). Ethnographic texts re-edited, translated into English by John Cooper. Köln: Köppe. ISBN 978-3-89645-923-7 
  • Stricker, B.H. (1960). L'Océan des pleurs. Poème berbère de Muḥammad al-Awzalî. Leyde: E.J. Brill (Shilha text in Arabic script) 
  • Stroomer, H. (1998). «Dialect differentiation in Tachelhiyt Berber (Morocco)». Actes du 1er Congrès Chamito-Sémitique de Fès. [S.l.: s.n.] pp. 37–49. ISBN 998187812X 
  • Stroomer, H. (2001a). «A Tashelhiyt Berber tale from the Goundafa region (High Atlas, Morocco)». In: Zaborski, A. New Data and New Methods in Afroasiatic Linguistics: Robert Hetzron in Memoriam. Wiesbaden: Harrassowitz (pp. 183–193). ISBN 978-3-447-04420-2 
  • Stroomer, H. (ed.) (2001b). Textes berbères des Guedmioua et Goundafa (Haut Atlas, Maroc). Basés sur les documents de F. Corjon, J.-M. Franchi et J. Eugène. Aix-en-Provence: Edisud. ISBN 2-7449-0263-2 
  • Stroomer, H. (2001c). An anthology of Tashelhiyt Berber folk tales (South Morocco). Köln: Köppe. ISBN 3-89645-381-5 
  • Stroomer, H (2002). Tashelhiyt Berber folktales from Tazerwalt (South Morocco). A linguistic reanalysis of Hans Stumme's Tazerwalt texts with an English translation. Köln: Köppe. ISBN 3-89645-383-1 
  • Stroomer, H. (2003). Tashelhiyt Berber texts from the Ayt Brayyim, Lakhsas and Guedmioua region (south Morocco). Köln: Köppe. ISBN 3-89645-384-X 
  • Stroomer, H. (2004). Tashelhiyt Berber texts from the Ida u Tanan (south Morocco). Köln: Köppe. ISBN 3-89645-388-2 
  • Stroomer, H. (2008). «Three Tashelhiyt Berber texts from the Arsène Roux archives». In: Lubitzky, A. et al. Evidence and Counter-Evidence. Essays in Honour of Frederik Kortlandt. Vol. 2. Amsterdam: Rodopi (pp. 389–397). ISBN 978-90-420-2471-7 
  • Stroomer, H. (forthcoming). Dictionnaire tachelhit-français. [S.l.: s.n.] 
  • Stumme, H. (1894). «Elf Stücke im Šílḥa-Dialekt von Tázĕrwalt». Zeitschrift der Deutschen Morgenländischen Gesellschaft. 48: 381–406 
  • Stumme, H. (1895). Märchen der Schlūḥ von Tázerwalt. Leipzig: Hinrichs 
  • Stumme, H. (1899). Handbuch des Schilḥischen von Tazerwalt. Leipzig: Hinrichs 
  • Stumme, H. (1907). «Mitteilungen eines Shilḥ über seine marokkanische Heimat». Zeitschrift der Deutschen Morgenländischen Gesellschaft. 61: 503–541 
  • «Tashlhiyt Berber triconsonantal roots – A binary branching head-complement structure» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 11 de maio de 2013  (153 KB) (dead link)
  • «Singing in Tashlhiyt Berber, a language that allows vowEL-less syllables» (PDF)  (142 KB) (dead link)
  • «Syllable structure as coupled oscillator modes: evidence from Georgian vs. Tashlhiyt Berber» (PDF)  (690 KB)
  • «Regular and Irregular Imperfective conjugations in Berber languages» (PDF)  (140 KB)
  • 20and20Contents.pdf «Markedness and economy in a derivational model of phonology» (PDF) [ligação inativa] (117 KB) – see Chapter 3, section 2 (dead link)
  • «Laryngeal behavior in voiceless words and sentences: a photoelectroglottographic study» (PDF)  (350 KB)
  • John Coleman, "Epenthetic vowels in Tashlhiyt Berber" (includes sound samples)
  • World atlas of language structures (WALS) – Tashlhiyt (data not entirely accurate)
  • TachelhitEthnologue
  • Tachelhit – Dicionário
  • Tachelhit em Omniglot.com

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Erro de citação: Existem elementos <ref> para um grupo chamado "nt", mas não foi encontrado nenhum <references group="nt"/> correspondente (ou falta um elemento de fecho </ref>)