The Adventures of Marco Polo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Cinema.
Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde junho de 2018.
The Adventures of Marco Polo
As Aventuras de Marco Polo[1] (BRA)
Anúncio francês do filme
 Estados Unidos
P&B •  190 min 
Direção Archie Mayo
John Ford (não creditado)
Produção Samuel Goldwyn
George Haight
Roteiro N.A. Pogson
Robert E. Sherwood
Elenco Gary Cooper
Sigrid Gurie
Basil Rathbone
Gênero romance
aventura
biografia
Música Hugo Friedhofer
Cinematografia Rudolph Maté
Archie Stout
Lançamento 7/04/1938 (Cidade de Nova Iorque)[2]
Idioma inglês

The Adventures of Marco Polo (br As Aventuras de Marco Polo) é um filme de aventura estadunidense de 1938 dirigido por Archie Mayo para a United Artists. Foi uma das mais elaboradas e custosas produções de Samuel Goldwyn.[3]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Spoilers Durante o século XIII, Nicolo Polo é um comerciante veneziano e fica encantado com jóias trazidas da China. Ele envia seu filho aventureiro Marco Polo aquele país para oferecer ao imperador Kublai Khan um acordo comercial, e indica para "protegê-lo" durante a viagem o guarda-livros baixote assustado Binguccio. Depois de uma árdua viagem através dos desertos da Pérsia e das montanhas do Tibete, a dupla chega faminta e cansada em Peking, capital da China. O químico e filósofo Chen Tsu resolve acolhê-los e durante essa estadia Marco Polo fica impressionado com o espaguete e a pólvora que seu anfitrião lhe apresentara. Marco avisa que deseja se encontrar com o imperador e Chen Tsu lhe leva até ao palácio, recomendando a ele que tomasse cuidado com o conselheiro do rei, o sinistro árabe Ahmed. Marco logo cai nas graças do imperador e ganha livre trânsito na corte, para desagrado de Ahmed que nota o interesse do viajante pela princesa Kuchakin, que está prometida ao imperador da Pérsia. Enquanto conspira para ficar com o trono, aproveitando-se de um ataque temerário de Khan ao Japão, Ahmed convence ao imperador enviar Marco para uma missão de espionagem nos domínios do rebelde Kaidu, esperando que ele seja morto por aquele guerreiro.

Recepção[editar | editar código-fonte]

As resenhas da época do lançamento do filme foram mistas. Frank S. Nugent do The New York Times escreveu que (tradução livre como as demais) "não se esquece nem por um momento que é tudo faz-de-conta" referindo-se ao sotaque dos atores, claramente inadequados para a época e lugar em que se passa a história. Contudo, ele continua, "é um amável faz-de-conta, rico na pompa extravagante de Hollywood, facilmente narrado e alegremente interpretado".[4] A Revista Variety chamou o filme de "um melodrama grandioso" e "um excelente veículo para Cooper" e erroneamente previu que seria um sucesso de bilheteria.[5] Film Daily o qualificou como um filme de "emocionante, proposta romântica" e de Cooper disse ser "excelente" escolha para o papel.[6] Harrison's Reports encontrou "atuações especialistas" e um romance de "bom gosto" mas disse que isso o limitava a "públicos sofisticados" devido a falta de ação.[7] John Mosher do The New Yorker qualificou o filme de "um grande desapontamento" e descreveu os diálogos como tendo "o ritmo de um libreto ruim ".[8] Motion Picture Daily elogiou a produção "luxuosa" mas disse que o papel-título caberia melhor a Rodolfo Valentino do que Gary Cooper.[9] O New York Sun escreveu: "Apesar das construções elaboradas e da presença de Gary Cooper, The Adventures of Marco Polo nunca cumpre o que promete".[10]

Na Itália, os censores fascistas avaliaram o filme como desrespeitoso ao herói conterrâneo e insistiram numa redublagem, para que o protagonista passasse a ser um escocês e se mudasse o título para Uno Scozzese alla corte del gran Khan (Um escocês na corte do Grande Khan).[11]

O filme fracassou nas bilheterias, gerando um prejuízo estimado em 700 mil dólares.[12]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. As Aventuras de Marco Polo no CinePlayers (Brasil)
  2. Hanson, Patricia King, ed. (1993). The American Film Institute Catalog of Motion Pictures Produced in the United States: Feature Films, 1931-1940. Berkeley and Los Angeles: University of California Press. p. 11. ISBN 0-520-07908-6 
  3. The AFI Catalog of Feature Films: The Adventures of Marco Polo
  4. The New York Times Film Reviews, Volume 2: 1932-1938. New York: The New York Times & Arno Press. 1970. pp. 1488–1489 
  5. «Film Reviews». Variety. New York: Variety, Inc. 16 de fevereiro de 1938. p. 17 
  6. «Reviews of the New Films». New York: Wid's Films and Film Folk, Inc. Film Daily: 8 15 de fevereiro de 1938 
  7. «The Adventures of Marco Polo». New York: Harrison's Reports, Inc. Harrison's Reports: 47 19 de março de 1938 
  8. Mosher, John (9 de abril de 1938). «The Current Cinema». The New Yorker. New York: F-R Publishing Corp. p. 91 
  9. «Hollywood Preview». New York: Quigley Publishing Co. Motion Picture Daily: 4 15 de fevereiro de 1938 
  10. Marill, Alvin H. (1976). Samuel Goldwyn Presents. [S.l.]: A.S. Barnes. p. 192. ISBN 9780498016585 
  11. Abend-David, Dror (2014). Media and Translation: An Interdisciplinary Approach. New York: Bloomsbury. p. 101. ISBN 9781623566463. Consultado em 28 de agosto de 2015 
  12. Miller, John M. «The Adventures of Marco Polo». Turner Classic Movies. Consultado em 14 de setembro de 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.